Morando e se deslocando pela Cidade do México: representações sociais de jovens universitárias

Recepção: 28 de setembro de 2021

Aceitação: 18 de novembro de 2021

Sumário

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa qualitativa realizada durante 2016 e 2017 com 73 jovens mulheres de classe média de três universidades públicas da Cidade do México. O objetivo do estudo era conhecer suas práticas e representações sociais em sua experiência de vida na cidade e de passagem por seus espaços públicos interligados. Para isso, o ponto de partida foi a questão de como eles representam dois dos espaços físicos de interconexão pública que utilizam: as ruas pelas quais viajam para suas universidades e o transporte público. Mas também os lugares públicos para onde viajam: a universidade, museus e parques. Como é sua experiência espacial de deslocamento pela cidade? Os resultados mostram as condições de insegurança e violência que essas mulheres enfrentam em sua vida diária e a representação que fazem de uma cidade que as persegue e negligencia, a cidade que naturaliza o assédio, a cidade que é desigual para as mulheres com base em suas formas de se moverem e representarem esses espaços.

Palavras-chave: , , ,

vivendo e circulando na cidade do méxico: representações sociais de estudantes universitárias do sexo feminino

Este artigo apresenta os resultados de uma investigação qualitativa realizada durante 2016 e 2017 sobre 72 jovens mulheres de classe média de três universidades públicas da Cidade do México. O objetivo do estudo era conhecer suas práticas e representações sociais em sua experiência de vida e circulação nos espaços públicos de interconexão da cidade. Para isso, o ponto de partida é a questão de como eles representam dois dos espaços físicos de interconexão pública que utilizam: as ruas que percorrem para ir para suas universidades e o transporte público. Mas também, os espaços públicos para os quais eles viajam: Universidades, museus e parques. Como é a experiência espacial deles quando se movimentam na cidade? Os resultados mostram as condições de insegurança e violência enfrentadas por essas mulheres em sua vida diária e suas representações de uma cidade que as persegue e negligencia, a cidade que naturaliza o assédio, a cidade que é desigual para as mulheres quando se trata de seus meios de transporte e a representação desses espaços.

Palavras-chave: representações sociais, mobilidade, mulheres, para habitar.


Introdução

Ser homem ou mulher marca diferenças fundamentais na vida urbana. As formas de habitar as cidades são diferentes com base na construção do gênero. Rita Segato (2003) define gênero como uma "estrutura abstrata de relações" que encarna posições assimétricas e relações de poder. Segundo o autor, esta ordem universal nos é imposta por gênero e, como tal, faz parte do espaço urbano em que vivemos. Linda McDowell (1999) sugere que para entender a categoria de gênero é essencial superar as dicotomias entre as concepções de público e privado, cidade e lar, política e vida privada, nas quais os homens estão ligados ao primeiro e as mulheres ao segundo, já que na realidade as mulheres se encontram em ambos os lados, negociando e modificando sua presença em ambos. As diferentes formas pelas quais mulheres e homens definem os atributos aceitos de feminilidade e masculinidade são definidas através do tempo e do espaço. O gênero deve ser visto, portanto, como um conjunto de relações sociais materiais e como um significado simbólico. As formas de pensar e representar o lugar/gênero estão interligadas e são mutuamente constitutivas.

Nesta pesquisa, o gênero é uma variável indispensável quando se fala em habitar espaços públicos, particularmente espaços públicos interligados, pois revela um conjunto de relações de poder, hierarquias, ações permitidas e desigualdades dentro da vida urbana. Portanto, os lugares de origem e deslocamento são a chave para entender as formas de descrever e representar a cidade a partir da experiência de vida da mulher. Lindón (2020), Soto Villagrán (2016) e Jirón e Zunino Singh (2017) estudaram a mobilidade a partir da perspectiva do sujeito em movimento. Estes autores destacam a natureza desigual da mobilidade a partir da construção do gênero e do risco como uma constante. Ana Falú (2009; 2011) levanta a violência, as inseguranças e a discriminação experimentada pelas mulheres nas cidades e particularmente nos espaços públicos.

De uma perspectiva de gênero, a mobilidade deve ser vista não apenas como uma prática social, mas também como uma relação social que adquire dimensões políticas que expressam e reproduzem relações de poder (Cresswell, 2010). Hoje é quase inquestionável que as experiências das mulheres nos espaços de mobilidade são vividas e representadas como diferentes daquelas dos homens. Este estudo de caso investiga os espaços de mobilidade e os espaços públicos de destino (parques, museus, a universidade, o Zócalo e outros) dentro das viagens de mulheres universitárias de classe média baixa. Ou seja, para onde se deslocam, como o descrevem, como representam os espaços públicos físicos de interconexão que utilizam: as ruas que utilizam para viajar até suas universidades e transporte público? Mas também os lugares públicos para onde eles se mudam: a universidade, museus e parques. Como é a experiência espacial deles de se moverem pela cidade?

Na primeira etapa desta pesquisa, um questionário qualitativo semi-estruturado foi aplicado para explorar as representações sociais da experiência de viver na Cidade do México de 73 jovens universitárias que se deslocam para a cidade a partir de cinco zonas da área metropolitana (Estado do México, Iztapalapa, Xochimilco, Azcapotzalco e Coyoacán). A pesquisa qualitativa "não visa estabelecer freqüências, médias ou outros parâmetros, mas determinar a diversidade de algum tópico de interesse dentro de uma determinada população". (Alcaraz et al., 2006: 43). Neste estudo de caso foi importante estabelecer, através de uma amostra qualitativa sem representação estatística, diferentes experiências da cidade de mulheres universitárias que viajam de transporte público.

Os principais pontos de destino são suas universidades: a Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) (unam) em cua Universidade Autônoma Metropolitana, campus de Iztapalapa (uam-i) e a Universidade Autônoma da Cidade do México (uacm), campus da Casa Libertad. Este instrumento procurou relacionar as experiências diárias das jovens mulheres em suas áreas de mobilidade, tais como a rua. A principal questão era se eles vivenciam a cidade de uma maneira diferente e se a percebem ou não.

Na segunda etapa, foi realizado um grupo focal com 10 estudantes do sexo feminino das mesmas universidades. Foram feitas perguntas abertas e mapas da rede de metrô e da cidade foram usados como recursos geo-referenciais para identificar suas representações sociais dos lugares por onde viajam, usando a técnica da associação de palavras livres. Sem dúvida, as matrizes culturais que definem a maneira como essas mulheres vivem (idade, status econômico, escolaridade, grupo étnico, local de origem, etc.) têm um impacto sobre essa experiência. Não é a mesma coisa ser uma mulher pobre na Cidade do México que ser uma jovem universitária de uma classe média baixa. Há fatores que acrescentam ou subtraem dos processos de exclusão, precariedade e vulnerabilidade das mulheres em seus ambientes urbanos.

Habitar espaços públicos interligados

Habitar é mais do que residir e ocupar um espaço, implica em criar raízes, gerar rotas diárias e vínculos com territórios com os quais nos identificamos ou nos distanciamos. Ángela Giglia o define como "um conjunto de práticas e representações que permitem ao sujeito colocar-se dentro de uma ordem espaço-temporal, ao mesmo tempo em que o reconhece e o estabelece". É uma questão de reconhecer uma ordem, situar-se dentro dela e estabelecer a própria ordem. É o processo pelo qual o sujeito se coloca no centro das coordenadas espaço-temporais através de sua percepção e sua relação com o ambiente que o cerca" (Giglia, 2012: 13). Para Pallasmaa, o "ato de habitar é o meio fundamental pelo qual nos relacionamos com o mundo", e nesse ato nos situamos no tempo e no espaço, e assim habitar implica tanto um evento quanto uma qualidade mental e experiencial (Pallasmaa, 2016: 7-8).

Assim, habitar também significa a experiência da vida cotidiana nos territórios e os significados que são construídos ao seu redor. As estruturas físicas não podem ser separadas de nossa experiência cotidiana da cidade e de nossos modos de ser, narrando e representando espaços. A cidade também é definida pelo que experimentamos e significamos. A cidade, diz Sennett, é "uma espécie de experiência", uma espécie de consciência coletiva (Sennett, 2019). Estas experiências espaciais, conforme definidas por John Entrikin (1991), revelam as qualidades existenciais de nossa experiência de lugar como nosso senso de "objeto" natural no mundo. Como habitantes da cidade, construímos significados sobre a casa, a escola, a praça, mas também sobre as ruas, o metrô, os parques. "Ao entender que a cidade é formada por edifícios e pelo espaço entre eles, reconhecemos que as estradas pelas quais os cidadãos se deslocam fazem parte do que chamamos de espaço público" (Díaz-Osorio, 2016: 128), já que são também onde se gera parte da vida urbana e das relações sociais através da mobilidade.

Normalmente, os espaços nas cidades onde as mulheres podem ser e ser (habitar) têm sido privados. As experiências espaciais das mulheres mudaram à medida que ocuparam espaços públicos, entraram no mercado de trabalho e saíram para as ruas. A Bellet Sanfeliu define o espaço público em termos de sua multifuncionalidade:

Ela pode ser definida de muitas maneiras, dependendo de como olhamos para suas formas (espaço livre, espaço aberto, espaços de transição), sua natureza (regime de propriedade, tipo de gestão), os usos e funções que ali ocorrem (espaço coletivo, comum, compartilhado), ou o tipo de relações que são estabelecidas (espaço de apresentação e representação, democracia, protesto, festividade, etc.). Espaços com dimensões muito diversas, mas quase todos relacionados a um aspecto: o lugar de expressão e representação social, civil e coletiva, o espaço democrático por excelência, o espaço comum (Bellet Sanfeliu, 2009: 1).

Dentro da complexidade e diversidade da definição de espaços públicos, este documento focaliza aqueles espaços livres e abertos que podem ser considerados como espaços de trânsito, interconexão e mobilidade na Cidade do México, tais como as ruas pelas quais essas mulheres viajam e o transporte público:

Dentro das categorias de espaço público, ruas e pavimentos são os espaços diretamente relacionados com a atividade do movimento. Da mesma forma, praças, parques e suas variações são os pontos de intersecção entre várias estradas ou caminhos que possibilitam, dentro deste deslocamento, gerar intervalos agradáveis, entendendo a mobilidade urbana como um processo de movimento e pausas que nos permitem desfrutar o intercâmbio de lugares e promover um sentimento de pertença à cidade (Díaz-Osorio, 2016: 129).

A partir destes espaços, as mulheres também podem estabelecer não apenas ações de trânsito ou permanência, mas também podem significar outras experiências de vida urbana baseadas na desigualdade. Neste sentido, "a mobilidade não é apenas um reflexo das estruturas sociais, ou seja, ela apenas as reproduz, mas é produtora destas diferenças" (Jirón e Zunino Singh, 2017: 1). A mobilidade é absolutamente central para entender a vida urbana a partir das experiências cotidianas, pois implica "a capacidade de negociar espaço e tempo para alcançar práticas e manter relações que as pessoas consideram necessárias para a participação social normal" (Cass, Shove e Urry, 2005: 543).

Representações sociais de espaços públicos interconectados

Os espaços públicos adquirem representações cotidianas baseadas nas práticas que neles ocorrem e nas formas de passar por eles, e desempenham um papel fundamental na consolidação dos modos de habitá-los das mulheres. Este trabalho retoma a teoria das representações sociais para reconhecer o campo simbólico como parte estruturante da vida e da mobilidade da mulher. A forma como eles vivenciam as ruas, parques e transporte público na cidade passa por um processo de construção simbólica que estrutura formas individuais de ser e ser, mas que são vivenciadas e legitimadas coletivamente: "É, então, um sistema composto de espaços para uso público, com diferentes qualidades físicas e funções específicas associadas à representação simbólica, atividades de lazer e até mesmo mobilidade" (Díaz-Osorio, 2016: 130).

Os espaços e seus limites são construídos diariamente. "O espaço constitui um lugar como um conjunto toponímico e topográfico dotado de significado pelo ser humano, e ao mesmo tempo lhe dá sentido, pois na vida cotidiana é o cenário para práticas sociais com múltiplos significados. Aqui a idéia de limite é incorporada como uma forma de dividir deslocamentos e esferas" (Uribe Fernández, 2014: 102). O bom senso indica onde circular, que ações são permitidas e que práticas sociais são aceitas para as mulheres dentro de certos espaços. Consequentemente, estes lugares têm representações sociais como espaços marcados por seus habitantes. Segundo Henri Lefebvre (1991: 38), as representações do espaço estão ligadas às relações de produção e à "ordem" que essas relações impõem e, portanto, ao conhecimento, aos sinais, aos códigos e às relações "frontais". Não muito longe desta abordagem, o conceito de representações sociais de Moscovici as define como "uma modalidade particular de conhecimento cuja função é a elaboração do comportamento e a comunicação entre os indivíduos". A representação é uma organização corpus do conhecimento e uma das atividades psíquicas através das quais as pessoas tornam a realidade física e social inteligível, se integram em um grupo ou em uma relação diária de trocas e liberam os poderes de sua imaginação" (Moscovici, 1979: 17-18).

Tanto Lefebvre quanto Moscovici concordam que as representações implicam um conjunto de conhecimentos e conhecimentos sobre a realidade imediata e as relações com aquele espaço. Tal conhecimento é parte do conhecimento de senso comum, como conhecimento prático que nos permite explicar uma situação e agir de forma concreta (Piña e Cuevas Cajiga, 2004: 105). Algumas dessas representações são mais fortes e envolvem um consenso mais amplo e são definidas como hegemônicas, ou seja, como representações reconhecidas que raramente são questionadas e têm uma grande capacidade de persistir por um período de tempo mais longo. Isto não quer dizer que as representações sejam universais ou homogêneas, mas que gozam de reconhecimento e legitimidade para certos grupos, em certos espaços e contextos históricos particulares.

O gênero implica um conjunto de representações sociais quando se desloca pela cidade. Este estudo explorou as representações sociais dos espaços públicos de interconexão e destino entre jovens universitárias do sexo feminino na Cidade do México e no estado do México. Seus locais de origem são: 36 de Iztapalapa, 12 de Xochimilco, sete de Tlalpan, cinco de Iztacalco, quatro de Azcapotzalco, três de Coyoacán e dois de Benito Juárez, e quatro deles vivem nas aglomerações urbanas do Estado do México. As três universidades estão localizadas no sul e leste da capital mexicana, nas delegações de Coyoacán e Iztapalapa (ver Figura 1). Estas mulheres têm as seguintes características: alta mobilidade na cidade e no transporte público, todas elas utilizam o transporte público pelo menos cinco vezes por semana, se não todos os dias, e todas elas têm deslocamentos para suas universidades de pelo menos uma hora.

A amostra foi qualitativa e o método de determinação foi o seguinte:

Tabela 1. Proposta metodológica. Fonte: Elaboração própria.

O questionário começou com perguntas sobre sua vida diária na Cidade do México, suas viagens no transporte público, no ambiente universitário e nos parques, avenidas e ruas que percorrem, continuou com perguntas sobre como se sentem nesses ambientes e que situações os fazem sentir-se vulneráveis e temerosos, e terminou com as representações desses espaços em suas rotinas. Suas representações começam a emergir das respostas às perguntas sobre como eles se sentem e como descrevem suas rotinas. Esta descoberta não é incomum, pois as representações também são experiências vividas e integram elementos afetivos e emocionais. Elas convergem na explicação particular do mundo e expressam a lógica e coerência de um sistema mundial particular. Ela dá coerência ao "eu" na interação e à subjetividade e intersubjetividade em movimento (Flores Palacios, 2015).

Figura 1: As estrelas marcam a localização de suas universidades (unam, uam-i e uacm) e os pontos de onde eles se deslocam diariamente. Fonte: Elaboração própria com os dados dos questionários.

As formas como estas jovens universitárias experimentam suas viagens na cidade são marcadas pelos espaços em que vivem, pelos territórios que freqüentam e pelas formas como se relacionam umas com as outras dentro delas. Sem dúvida, no caso dessas mulheres, esses lugares podem gerar maior vulnerabilidade e dinâmica de violência e assédio. Para o estudo, era importante perguntar sobre suas práticas diárias, suas estratégias quando se deslocam pela cidade, as explicações que dão sobre as causas dessas vulnerabilidades, as formas como se vêem e os espaços que habitam. Para Moscovici (1979), as representações sociais são históricas, dinâmicas e socioculturais. A experiência vivida no transporte público e as formas como eles os descrevem expressam representações de estruturas de senso comum que lhes permitem defini-los como habituais e a serem esperados.

A. Transporte público: o cotidiano e a inevitabilidade do assédio

Ao descrever suas viagens no transporte público nas perguntas abertas, as cinco palavras mais repetidas foram: longo (56), tardio (48), lotado (46), cansativo (51) e estressante (59). Quando questionados por suas razões, aludiram a situações adversas, desconfortáveis, arriscadas, assediadoras e inseguras. As razões do estresse que sofrem incluem a necessidade de estar alerta para que ninguém os assedie ou agride: 70 em 73 disseram que se sentiram assediados e inseguros no transporte público (metrô, metrobus, micro-ônibus). O transporte público representa um espaço de alerta, de risco mais ou menos esperado.

Isto também inclui a insegurança devido a assaltos e roubos. Mas todas elas expressaram sentir-se mais inseguras porque eram mulheres, confirmando a idéia de Paula Soto Villagrán de aglomeração e assédio sexual:

Um dos principais problemas que afeta diferentemente as mulheres no transporte público é o congestionamento de pessoas nos ônibus (Kunieda e Gauthier, 2007), onde encontramos uma situação especial de corpos situados no espaço; o que McDowell (2000) chamou de fator de aglomeração. Este efeito de aglomeração de estranhos no transporte público é percebido como uma situação de risco potencial na medida em que se torna um fator de insegurança para as mulheres, pois facilita as formas de violência sexual devido à proximidade excessiva entre as pessoas (Soto, 2017: 130).

Estas mulheres se sentem inseguras. Entretanto, isto não é apenas uma questão de percepção e emoção: eles experimentam diariamente insegurança e violência no transporte público.

Minha experiência no metrô, acho que é comum como mulher, o que você tem que passar Você não pode deixar que os homens olhem para você de forma mórbida ou o empurrem por aí; Acho que não se passa um dia sem que eu tenha um olhar de esguelhauma aproximação (Diana, 21 anos, estudante) uam(residente de Iztapalapa).

Bem, no metrô, há questões de assédio, os homens vêm até você, e não é uma estação específica, mas em pontos diferentes ao longo da linha e é por isso que prefiro usar as duas carruagens femininas. Embora eu tenha visto com freqüência que há muita agressão nas carruagens femininas e eu acho que é porque há apenas duas carruagens para muitas mulheres, então quando vemos que o espaço é reduzido tendemos a ser mais agressivos (Patricia, 20 anos de idade, estudante unam, residente de Azcapotzalco).

Fui assaltado em ônibus, fui assaltado uma vez e foi em uma rota que vai até minha casa. Mas, em geral, não me aconteceu nada que me fizesse dizer que viajar em transporte público me incomoda. Eu viajei no metrobus, no trólei e no light rail, e foi apenas aquela experiência de ser agredido e talvez os homens lhe digam algo, mas nada mais (Gabriela, 21 anos de idade, estudante unam, residente de Xochimilco).

Tive experiências muito feias mas mais no ônibus para a cidade, é por isso que vi este contraste. E é só nas estações de metrô que se conectam com o trem: em Pantitlán, em El Rosario e em linhas como a linha do café, em Chabacano, você encontra, do meu ponto de vista, que é um lugar um tanto inseguro e você pode ser apalpado (Ana, 21 anos, estudante uam, residente de Iztapalapa).

Eu costumava pegar o ônibus Politécnico, estudei no colegial e fui para o Politécnico pela manhã. Às vezes eu adormecia no ônibus e sentia que "minha mão estava aqui" e eles diziam: "oh, desculpe-me, eu não percebi", e isso me aconteceu várias vezes (María, 21 anos, estudante unam, habitante de Iztapalapa).

As citações refletem a vida cotidiana de insegurança, que é enfatizada, no caso destas jovens, pela dinâmica do assédio nas ruas. A experiência de vida integra elementos afetivos e proporciona uma compreensão de seu mundo (Flores Palacios, 2013). O assédio é uma ocorrência diária e, embora o reconheçam como tal, vieram a naturalizá-lo como parte de sua rotina e predominam as reações de resignação e desamparo. A dinâmica do assédio vem a representar "o inevitável para cada mulher". A explicação que eles dão para tais situações é dada por sua condição de gênero: "o que você tem que passar quando você é mulher".

Ser mulher o expõe a tais situações. A vida diária no transporte público é o cenário de "abordagens desagradáveis, mas inevitáveis". Tanto nos questionários quanto no grupo de discussão, ficou muito claro que a insegurança no transporte público é uma constante para todos, mas é acentuada e adquire características particulares se você for mulher. Fátima Flores afirma que

A prescrição do gênero age de forma inevitável segundo o sexo e, portanto, segundo a representação social acordada e articulada em uma dimensão hegemônica que obedece a sistemas de comportamento social regulados por uma ideologia que sustenta a marcação e as orientações comportamentais de homens e mulheres, tornando muito mais complexa a identificação de certa vulnerabilidade baseada nesta heteronormatividade, que é respondida de forma naturalizada e exigida pela mesma cultura ou grupo de referência (Flores, 2014: 47).

Uma prática como "andar no transporte público" reflete uma constante: a mobilidade é diferente para estas mulheres, e elas consideram que os homens não sentem insegurança da mesma forma que eles: "Eu não acho que um homem esteja pensando que eu não vou me vestir assim para que elas não me vejam mórbido ou se aproximem de mim no metrô" (Diana, 21 anos de idade, aluna uam, habitante de Iztapalapa). Para eles, o assédio é um assunto inevitável e diário.

B. As ruas em trânsito: perseguição e cuidado; exclusão e expulsão

Linda McDowel (1999) assume que tanto as pessoas quanto os espaços são de gênero e que as relações espaciais e sociais são criadas mutuamente. Os espaços pelos quais este grupo de mulheres passa diariamente são marcados e adquirem significados a partir das relações que estabelecem com elas. Tanto nos questionários quanto no grupo de discussão, as ruas por onde passam são descritas como espaços de contradição. Por um lado, eles gostam de caminhar na cidade, mas por outro lado, evitam isso em certos momentos e em certos trajes:

Eu estava saindo da natação e, na verdade, eu ia a pé da cidade esportiva e levava 15 minutos; então preferi caminhar do que pegar um ônibus, e estava caminhando em direção ao Rio Churubusco e um carro estava me seguindo, então tive que mudar minha rota, eu disse: Como eles já sabem para onde estou indo ou que rota estou tomando, siga-me novamente, ou algo mais vai acontecer, é melhor eu pegar o ônibus (Diana, 21 anos de idade, estudante uam, residente de Iztapalapa).

O que Eu gosto na vida da cidade é que posso caminhar longas distâncias em certos lugares, por exemplo do centro da cidade até Reforma ou de Chapultepec ou Auditório. Mas essas áreas estão longe de minha casa. Lá posso caminhar longas distâncias durante o dia. O que eu gosto é que naquela área e no centro, ao longo de Madero, ainda há muita gente, então você pode caminhar até lá, mas o que eu não gosto é do caminho de volta, que é mais perigoso de lá para minha casa, então eu não posso ficar lá por muito tempo ou à noite. Isso é o que eu não gosto, que não posso me mover livremente ou me sentir seguro (Jessica, 22 anos, residente de Naucalpan, estudante unam, Estado do México).

Bem, depende da hora do dia, eu sei que tenho que me apressar e estar muito atento ao meu ambiente. É melhor porque já fui seguida no caminho de casa (Gabriela, 21 anos, estudante unam, residente de Xochimilco).

Eu gosto de caminhar, mas tento não caminhar na área próxima à universidade, especialmente ao longo do Eje 6 sur (ele estuda na classe uam-Iztapalapa). Prefiro caminhar durante a hora de ponta do que à noite, porque há muita gente lá e é mais difícil que algo aconteça com você. O máximo a que você está exposto é a ser apalpado saindo do ônibus (Ana, 21 anos, estudante uam, residente de Iztapalapa).

Uma representação naturalizada e justificada: "acontece no mundo inteiro", "as mulheres são molestadas e nós temos que lidar com isso" (Paty). É uma representação hegemônica: o assédio como mulher é inevitável. A segurança dos cidadãos contra as condições objetivas é definida como um conjunto de sistemas para proteger a vida e a propriedade dos cidadãos contra riscos ou ameaças causadas por diferentes fatores. A percepção e as condições de insegurança são um elemento chave nos usos e não usos que fazem de certos espaços, e são ditados por seus medos e pelas condições objetivas e subjetivas de sua experiência quando se movimentam.

Um fato notável é que as ruas que freqüentam, mas que estão longe dos lugares onde moram, quase sempre parecem mais arriscadas, exceto quando são lugares simbólicos para eles, como o Parque Chapultepec e o Paseo de la Reforma. Seu próprio espaço, as ruas de sua vizinhança, são em sua maioria considerados espaços de confiança, embora alguns sejam reconhecidos como espaços de risco:

A rua onde vivo é Mariquita Sánchez, e vai direto para Eje 3. Você vê as pessoas mais velhas de manhã com suas vassouras para varrer, então tudo é relativamente seguro. Você também vê patrulhas à noite, então eu acho que a rua é muito segura, não as passarelas que levam a Santa Ana, mas aquela rua (Cecilia, 21 anos de idade, estudante unam, residente de Coyoacán).

Bem, a rua mais segura seria meu quarteirão, porque eu andei lá às onze horas da noite e está iluminada e há pessoas vendendo e eu acho que é segura. De manhã eu gosto do Rio Churubusco, porque você vê pessoas correndo com seus cães, eu gosto disso. Inseguro, posso considerá-lo como... bem, eu vivo entre sur 3 e sur 4, e em sur 4 há uma área de fábricas, e lá de manhã e à noite é inseguro, porque você pode ver os reboques, os homens passando; eu costumava passar por lá para pegar o ônibus para a escola e você sempre recebe as palavras feias e não quer andar por lá. Essa rua é muito insegura para mim (Diana, 21 anos de idade, estudante uam, residente de Iztapalapa).

Eu poderia sair a qualquer momento, na minha vizinhança, sem medo que nada me acontecesse, pelo contrário, até mesmo os bandidos da vizinhança como eles estão cuidando de você para garantir que nada aconteça com você. Em algumas ocasiões estive no centro de madrugada, e embora pareça muito tranqüilo, eu não voltaria lá a horas muito tardias (Gabriela, 21 anos de idade, estudante unam, residente de Xochimilco).

Bem, por exemplo, onde eu moro é um pouco feio, tanto de manhã como à noite, como às seis da manhã e quando começa a escurecer; durante o dia é muito calmo e isso não inspira muita confiança em mim, para ser honesto. Já fui assaltado antes e depois onde está escuro, mas não, minha rua é sempre assim, mas é sempre muito tranqüila, muito tranquila (Ana, 21 anos, estudante, uam, residente de Iztapalapa).

As ruas de seus bairros representam o espaço seguro: eles representam o lar (seus próprios espaços). As ruas distantes, tais como algumas em seus ambientes universitários (Santo Domingo em cuO Eixo 6 em Iztapalapa, Avenida Zaragoza) e lugares como Tepito, a colônia de los Doctores e as ruas ao redor das saídas do metrô Constitución, Cuatro Caminos, Chabacano, Hidalgo e El Rosario são espaços perigosos, marcados e estigmatizados por mulheres jovens como lugares de risco.

Sete dos participantes do grupo de foco expressaram que as horas lotadas tornam suas rotas mais perigosas, mas também a má iluminação e os espaços desocupados. Mais uma vez, surgem representações contraditórias. É muito comum que o mesmo cenário, fenômeno ou sujeito tenha representações totalmente opostas, pois os significados geralmente não são nem transparentes nem homogêneos. O risco está presente em todas as circunstâncias. De fato, quando perguntado nos questionários se existe uma diferença em ser mulher ao andar pelas ruas da cidade, 48 de 73 responderam sim, e as razões foram: "os homens assediam porque podem; nós não" (Ana, 21 anos, estudante, uam(Jessica, 22 anos, habitante de Iztapalapa), "porque não estão pensando que alguém vai segui-los ou vê-los com mórbida curiosidade" (Jessica, 22 anos, habitante de Naucalpan, estudante unam(Estado do México). Os outros 25 respondentes ao questionário não deram mais argumentos; eles disseram que a cidade é igualmente insegura para homens e mulheres.

O medo das mulheres de poder circular livremente pela cidade produz uma espécie de "distanciamento" em relação ao espaço em que circulam, usam e desfrutam dele. Nessas circunstâncias, algumas mulheres desenvolvem estratégias individuais ou coletivas que lhes permitem superar os obstáculos ao uso das cidades e à participação na vida social, profissional ou política. Em outros casos, há simplesmente um processo de retirada do espaço público, que é experimentado como ameaçador, até o ponto de abandoná-lo, com o conseqüente empobrecimento pessoal e social (Falú, 2009: 23).

Neste sentido, Ana Falú retoma a experiência vivida, que é fundamental para falar de representações sociais; algumas das ruas da cidade não só se tornam um espaço ameaçador, como também podem vir a representar o espaço de exclusão e a expulsão dessas mulheres da vida pública. Não é assim nas ruas de seus bairros (pelo menos durante o dia; à noite, a situação também é arriscada).

Não fazer certas coisas é também uma estratégia de autocuidado: não sair à noite, não se vestir "provocantemente", não sair sozinho em certos momentos, etc. 38 das jovens que responderam ao questionário disseram que havia ruas que elas evitavam porque ir lá era para se exporem. Há lugares e épocas que não são "adequados para uma mulher" que vive na Cidade do México e arredores. Quando perguntados no grupo focal se eles se sentiam livres para caminhar a qualquer momento, eles responderam:

Eu não andaria sozinho às três da manhã no lugar "x ou y". Tive que caminhar até a casa de outro amigo porque não há meio de transporte, mas sós eu não o faço (Jessica, 22 anos, residente de Naucalpan, estudante unam, Estado do México).

Eu tento não sair depois das nove (Diana, 21 anos de idade, estudante uam, residente de Iztapalapa).

Eu não gosto de sair à noite, mas é melhor, realmente. Por que eu me exporia ao risco de algo acontecer (Ana, 21 anos de idade, estudante, uam, residente de Iztapalapa).

Em certas áreas eu tento ser mais cuidadoso. Por exemplo, por um tempo tive que ir à Casa del Estudiante em Tepito, e não trouxe meu computador e não tirei meu telefone celular, tentei não parecer ostentoso ou muito vestido, e também andar sempre em segurança (María, 21, estudante unam, habitante de Iztapalapa).

Há espaços, horários e lugares que eles evitam. Nas palavras dos participantes do grupo, utilizá-los é expor-se. Não importa se elas estão abertas e apenas de passagem, estas mulheres não têm o mesmo acesso. Os processos de exclusão são baseados em uma lógica de controle e disputa entre a estrutura normativa diferenciada e hegemônica sobre o uso dos espaços. De Certeau descreve bem a essência desta relação:

Uma sociedade seria composta de certas práticas exorbitantes, organizadores de suas instituições normativas, e de outras práticas, inúmeras, que permanecem "menores", sempre presentes mesmo que não organizadores do discurso, e aptos a preservar os primeiros frutos ou os restos de hipóteses (institucionais, científicas) diferentes para esta sociedade ou para outras (Certeau, 2006: 56).

Assim, para este grupo de mulheres, estar nas ruas implica exclusões constantes que encomenda suas ações e, no caso destas últimas, limitá-las

Ao caminhar pelas ruas da cidade, destaca-se também a representação da mulher que deve ser protegida pelo homem. Essas mulheres dizem que se sentem mais seguras se seus pais, amigos ou irmãos as acompanharem. Neste sentido, o direito à mobilidade e à liberdade de movimento é diferente para eles. A percepção de que "a rua à noite não é para as mulheres" se destaca em seu discurso. Existe, portanto, uma cidadania diferenciada com base no gênero.

Representações dos espaços públicos que eles visitam: cultura, beleza e ambientes hostis

Os lugares que eles mais visitam e admiram em sua cidade são: o Zócalo (centro), Paseo de la Reforma, Coyoacán e Bellas Artes. Eles também mencionam suas escolas como espaços abertos e seguros. Sua cidade é cultura, tolerância e beleza, mas também caos, perigo e lugares proibidos. Suas universidades são classificadas como espaços seguros, mas não como seus arredores, razão pela qual preferem se deslocar em grupos para o metrô ou para levar o microônibus. No questionário, 61 de 73 mulheres afirmaram que a Cidade do México é um lugar de e para a cultura por causa de seus museus, embora elas não costumem visitá-los. Eles estão interessados em caminhar ao longo da Alameda. Eles geralmente visitam Bellas Artes e lugares tradicionais como o Zócalo e o centro de Coyoacán:

Para mim, normalmente vou à Bellas Artes. Quando tenho tempo livre ou nos fins de semana saio e vou para Bellas Artes, fico lá por um tempo, caminho ao longo de Madero, vou ao longo de Reforma, Eu gosto muito porque posso caminhar e ver a arquitetura (Jessica, 22 anos de idade, residente de Naucalpan, estudante unam, Estado do México).

Eu freqüento o centro; quando você quer se encontrar com alguém, você diz, "ah, vamos nos encontrar em Bellas Artes", e de lá, o que não está lá? Normalmente não saio, exceto para Coyoacán porque um amigo meu mora lá, numa esquina no centro de Coyoacán. Coyoacán e o centro são os lugares onde eu vou com mais freqüência (María, 21 anos, estudante unam, habitante de Iztapalapa).

Bem o centro é o lugar onde eu vou mais vezes porque vou às compras com minha mãe, e porque gosto dos museus, é muito bom estar lá e nos centros comerciais porque você tem quase tudo (Gabriela, 21 anos, estudante unam, habitante de Xochimilco).

Eu freqüento o corredor que vai de Revolução à praça Zócalo, porque Eu gosto, há muito movimento político lá: "a marcha do dia". E eu gosto pela mesma razão, porque acho que é um lugar muito agradável para se caminhar. Eu costumava trabalhar nos escritórios da Prefeitura, que fica na praça (do Zócalo); quando saía eu ia por ali e depois ia para casa, no metrô (Ana, 21 anos, estudante uam, residente de Iztapalapa).

Eu adoro ir ao centro da cidade, mas minha rota sempre começa em Hidalgo, de lá do centro de Cuauhtémoc até o Zócalo, caminhando. Eu geralmente prefiro ir cedo, por volta das dez da manhã, porque aquela hora não há muitas pessoas. Há, mas não tantos como quando são 3 ou 4 da tarde. Ainda gosto de ir a Coyoacán, porque normalmente é tranquilo, gosto de ir tomar um café (Patricia, 20 anos de idade, estudante unam, residente de Azcapotzalco).

Eu freqüento Bellas Artes porque é o meu caminho para a torre latino-americana, eu trabalho lá nos fins de semana. Portanto, normalmente chego sempre antes de todos e estou lá por um tempo vendo as pessoas passarem ou olhando as situações. O que eu também faço é descer no Zócalo e caminhar pelo corredor Madero até a torre latina (Diana, 21 anos de idade, aluna uam, residente de Iztapalapa).

Este grupo expressou que eles gostam de caminhar na cidade, mas tal prática deve considerar tempos e espaços onde se sintam mais seguros. As mulheres, apesar de terem ganho a batalha da visibilidade, ainda têm uma experiência espacial desigual quando se movimentam pela cidade.

A cidade marca simbologias de inclusão e exclusão. Os espaços são construídos pelas relações sociais que neles são estabelecidas. Aqui surge a contradição: os dez participantes do grupo focal expressaram que a cidade é passível de passagem, mas proibida ao mesmo tempo.

Como é sua experiência espacial como mulheres em movimento na Cidade do México?

Ser mulher implica em restrições em certos espaços públicos onde elas são visíveis, pois esta visibilidade as expõe. Jordi Borja afirma que a relação entre cidade e cidadania alude a um sistema de relações entre (em teoria) pessoas iguais e livres, ou seja, cidadãos:

A cidade oferece condições mais ou menos efetivas para tornar a cidadania uma realidade. Através de sua organização física, acesso a todos os seus bens e serviços e redistribuição social através da qualificação de instalações e espaços públicos nas áreas habitadas pelas populações com menos recursos. A cidade determina a qualidade da cidadania (Borja, 2014: 546).

Estas jovens universitárias sentem que sua qualidade de vida é inferior à de seus pares, com menos liberdades. Eles experimentam sua cidadania de forma desigual, mas também em detrimento de suas opções de socialização, pertencimento e identidade em espaços públicos.

A partir da educação, dos papéis que tanto homens como mulheres devem desempenhar, é diferente como homens e mulheres embarcam no transporte público, ou simplesmente o homem que dirige o transporte. Even quando você está caminhando com amigos, primos, seu parceiro ou quem quer que seja, eles fazem você ir para o lado certo, ou seja, não para o lado da avenida ou da rua, que é para onde os homens vão (Ana, 21 anos de idade, estudante uam, habitante de Iztapalapa).

Para mim é diferente por causa do simples fato da experiência cotidiana no transporte. Como digo, não creio que não tenha havido um dia em que algo não aconteça, em que eu não receba um comentário ofensivo ou algo assim. Não é que ela não exista para os homens, mas é diferente, é mínima (María, 21 anos, estudante unam, habitante de Iztapalapa).

Eu acho que há uma grande diferença; para começar, acho que tanto homens quanto mulheres estão expostos a questões de insegurança e violência, mas às vezes sinto que homens podem estar em um espaço público mais confortavelmente que mulheres. Tanto em termos de assédio: um homem entra no metrô e se sente tão confortável que se sente livre para dar sua opinião sobre uma mulher, e muitas vezes isso tende a fazê-los dizer "não saiam vestidos assim, não saiam vestidos de tal maneira". Nesse sentido, Eu acho que os homens às vezes ficam mais confortáveis porque não saem com esse medo, há momentos em que é assustador: "há um homem suspeito e ele está me observando". E acho que os homens não pensam muito nisso, mais no sentido de assédio (Diana, 21 anos de idade, estudante uam, residente de Iztapalapa).

Parece-me que é diferente apenas em termos de espaço. Penso que é o mesmo em termos de insegurança econômica, ou seja, todos podemos ser roubados, todos podemos ser assaltados, etc. Mas no lado sexual, parece-me que é absolutamente diferente. Nunca ouvi um homem dizer que não pode usar calções no metrô "porque me sinto assediado e assim que entro no metrô as meninas vêm até mim e me tocam" (Patricia, 20 anos, estudante unam, residente de Azcapotzalco).

Os espaços de mobilidade pública continuam a representar cenários nos quais o exercício da cidadania pelas mulheres é vivenciado de forma desigual. As mulheres, vistas como o "sexo mais fraco, as vítimas, mas também as provocadoras", continuam a ser violadas no exercício de seus direitos. Os limites espaço-temporais simbólicos aparecem em seu discurso: "não em certos momentos", "não em certos lugares", "não em certos lugares", "não em certos lugares", "não em certos lugares", "não em certos lugares". não em certos lugares", "não vestido assim", "não se for à noite", "não se eu for sozinho". A experiência vivida de habitar lhes diz o que fazer e o que não fazer, a partir das estruturas do senso comum: "as representações sociais também são consideradas uma forma de conhecimento prático, pois são construídas a partir da experiência vivida em contato com os outros e com o ambiente material" (Jodelet, 2008), e "funcionam como um guia de ação" (Chávez Amavizca e Ortega Rubí, 2018: 80).

Não se trata apenas de aparecer em espaços públicos, mas de ganhar a visibilidade que lhes permite gerar condições de igualdade, de segurança e não de preconceitos socioculturais. Ou seja, para se vestir como quiserem, para entrar em lugares públicos com a mesma tranquilidade que seus pares, para usar o transporte público sem medo de assédio. Sébastien Roché define o sentimento de insegurança como "um mal-estar cristalizado sobre um objeto" (1998). Ele afirma que este sentimento se baseia no mundo vivido dos indivíduos, enquanto se refere a um sistema de valores, e que ele surge do medo de ser vítima e de não ser protegida pelas instituições responsáveis pela segurança, e das suspeitas experimentadas em certos espaços públicos. No caso das mulheres que vivem na Cidade do México, elas surgem no transporte público, somente nas ruas e à noite, mas também em lugares superlotados. A representação social da insegurança é ou se torna um sentimento que vai além das formas subjetivas, transcendendo as formas de comportamento nestes espaços de representação.

Conclusões

Para estas jovens, viver e se mover na cidade implica a construção de representações sociais de abandono, expulsão, fronteiras simbólicas e a naturalização da violência baseada em lógicas masculinas. A presença dessas mulheres em certos espaços, ruas próximas a estações de metrô ou ruas pouco movimentadas faz com que sua presença pareça "não natural" a partir das estruturas de senso comum que definem as representações sociais. Sua presença em determinados cenários, tempos e espaços deve ser sempre justificada, explicada e até mesmo evitada. Sua relação com os espaços que habitam e transitam é marcada por seu "gênero como elemento constitutivo das relações sociais baseadas nas diferenças que distinguem os sexos, e gênero é uma forma primária de significação das relações de poder" (Scott, 2015: 274).

A presença e ausência destas mulheres se justifica pela diferença em sua experiência espacial. A experiência vivida permite uma explicação de seu mundo e sua lógica a partir de um sistema de representações sociais que dão sentido às práticas cotidianas e à sua permanência ou ausência nesses territórios a partir de sua "subjetividade e intersubjetividade, que é constantemente declarada em movimento a partir desse correlato experiencial cheio de significados e atribuições que o mesmo sujeito constrói a partir de seu próprio senso comum, de sua experiência e de seu correlato social" (Flores Palacios, 2013: 124). Estas jovens mulheres assumem a desigualdade a partir da plena consciência de quais ações elas podem e devem empreender, quais espaços a ocupar e como aparecer nelas. Apesar do reconhecimento legal da igualdade no pleno exercício dos direitos e no acesso às oportunidades, este grupo de estudantes continua a expressar e viver a contradição através da autocensura e a diferença no uso dos espaços e nas formas em que eles aparecem neles.

As representações sociais, entendidas como processos sociocognitivos e conhecimentos práticos baseados na experiência vivida que nos permitem nomear, ordenar e explicar o mundo que habitamos, expressam - no caso deste grupo de mulheres - que a cidade representa o masculino, excludente e hostil. Em contraste, a cidade é movimento, beleza e cultura, mas é limitada em certas circunstâncias para eles. A representação hegemônica da perspectiva moscovicista cumpre uma função de ordenação social, estabelecendo um consenso cujo senso de permanência e reconhecimento é mais abrangente. As mulheres sabem que têm o direito de ser e de aparecer, mas muitas vezes se abstêm porque os papéis de gênero que lhes são atribuídos comprometem sua segurança. A habitação destas jovens mulheres na Cidade do México, conforme definido por Pallasmaa (2016), envolve a experiência de espaços situados onde elas se sentem vulneráveis. As representações deste grupo de mulheres são contraditórias porque expressam os contrastes de suas trajetórias: perseguição e omissão; liberdade e restrição; assédio e negligência. A representação da cidade que se importa não existe, exceto em espaços controlados: as ruas de seus bairros (durante o dia), a universidade (durante o dia) e certos lugares históricos. Ser mulher nestas universidades da Cidade do México é adaptar-se ao inevitável e esconder ou evitar certas práticas baseadas em prescrições de gênero que continuam a ser diferenciais e aceitas.

Bibliografia

Alcaraz, Francisco G. et al. (2006). "Desenho de questionários para coleta de informações: metodologia e limitações". Jornal Clínico de Medicina Familiarvol. 1, no. 5, pp. 232-236.

Bellet Sanfeliu, Carmen (2009, 16-18 de novembro). Reflexões sobre o espaço público. O caso das cidades intermediárias [Papel]. Mérida: iv Seminário-Workshop sobre Espaços Públicos em Cidades Intermediárias.

Borja, Jordi (2014). "O espaço público e o direito à cidade", em Patricia Ramírez (coord.), Disputas sobre a cidade. Espaço social e espaço público nos contextos urbanos latino-americanos e europeus. México: Biblioteca Mexicana del Conocimiento, pp. 539-570.

Cass, Noel, Elizabeth Shove e John Urry (2005). "Exclusão Social, Mobilidade e Acesso". A Revisão Sociológicavol. 53, no. 3, pp. 539-55. https://doi.org/10.1111/j.1467-954X.2005.00565.x

Certeau, Michel de (2006). A invenção do cotidiano 1. Formas de fazer. México: Universidad Iberoamericana.

Chávez Amavizca, Ania, e Mª Estela Ortega Rubí (2018). "Representações sociais dos estilos de vida e bem-estar no contexto de uma sociedade de consumo: Monterrey e sua Área Metropolitana". Cultura e representações sociaisvol. 13, no. 25, pp. 76-102. https://doi.org/10.28965/2018-25-03

Cresswell, Tim (2010). "Para uma Política de Mobilidade". Meio Ambiente e Planejamento D: Sociedade e Espaçovol. 28, no. 1, pp. 17-31. https://doi.org/10.1068/d11407

Díaz-Osorio, Myriam S. (2016). "As relações entre mobilidade e espaço público". Transmilenio em Bogotá". Revista de Arquitetura, vol. 18, no. 1, pp. 126-139. https://doi.org/10.14718/RevArq.2016.18.1.11

Entrikin, J. Nicholas (1991). A Entrecruzamento do Lugar: Rumo a uma Geografia da Modernidade. Chicago: Johns Hopkins University Press. https://doi.org/10.1007/978-1-349-21086-2

Flores Palacios, Fátima (2013). "El hiv AIDS, um sintoma de vulnerabilidade". Fátima Flores Palacios (coord.), Representações sociais e contextos de pesquisa com uma perspectiva de gênero. México: unam, pp. 81-100.

- (2014). "Vulnerabilidade e representação social do gênero nas mulheres de uma comunidade migrante". Península, vol. 9, no. 2, pp. 41-58. https://doi.org/10.1016/S1870-5766(14)71799-4

- (2015). Experiência vivida, gênero e hivsuas representações sociais. Mérida: cephcis-unam

Falú, Ana (2011). "Restricciones ciudadanas: las violencias de género en el espacio público". Pensamento Ibero-AmericanoNo. 9, pp. 127-146.

- (2009). "Violência e discriminação nas cidades", em Ana Falú (ed.), As mulheres na cidade: da violência e dos direitos. Santiago do Chile: Red mujeres y habitat de América Latina e Ediciones Sur, pp. 15-38.

Giglia, Angela (2012). Moradia e cultura. Perspectivas teóricas de pesquisa. Barcelona: Anthropos.

Jirón, Paola e Dhan Zunino Singh (2017). "Dossiê". Mobilidade Urbana e Gênero: experiências latino-americanas". Revista Transporte y Territorio, 16, 1-8.

Jodelet, Denise (2008). "O retorno ao movimento dos sujeitos e a abordagem das representações sociais". Cultura e Representações Sociais,
vol. 3, no. 5, pp. 32-63.

Lefebvre, Henri (1991). A produção do espaço. Oxford: Blackwell.

Lindón, Alicia (2020). "Experiências espaciais femininas no deslocamento diário". Revista Mexicana de Sociologiavol. 82, no. 1, pp. 37-63.

McDowell, Linda (1999). Gênero, Identidade e Lugar: Entendendo as Geografias Feministas. Minnesota: University of Minnesota Press.

Moscovici, Serge (1979). A psicanálise, sua imagem e seu público. Buenos Aires: Huemul.

Pallasmaa, Juhani (2016). Habitando. México: Gustavo Gili.

Piña, Juan M. e Yazmín Cuevas Cajiga (2004). "La teoría de las representaciones sociales: su uso en la investigación educativa en México".. Perfis educacionaisvol. 26, no. 105-106, pp. 102-124. Obtido em http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0185-26982004000100005&Ing=es&tlng=es, acessado em 24 de junho de 2022.

Roché, Sébastien (1998). "Expliquer le sentiment d'insécurité: pression, exposition, vulnérabilité et acceptabilité". Revue Française de Science Politique, vol. 48, no. 2, pp. 274-305. https://doi.org/10.3406/rfsp.1998.395269

Scott, J. W. (2015). "Gênero: uma categoria útil para análise histórica", em Marta. Lamas (comp.), Gênero. A construção cultural da diferença sexual. México: Centro de Investigaciones y Estudios de Género / Bonilla Artigas Editores, pp. 251-290. https://doi.org/10.25100/lmd.v6i1.1514

Sennett, Richard (2019). Carne e Pedra. Madri: Alianza.

Segato, Rita (2003). As estruturas elementares da violência. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes.

Soto Villagrán, Paula (2016). "Repensar o habitat urbano a partir de uma perspectiva de gênero". Debates, agendas e desafios", Andaimes, 13(32), 37-56. https://doi.org/10.29092/uacm.v13i32.524

- (2017). "Diferenças de gênero na mobilidade urbana". Experiências de viagem das mulheres no metrô da Cidade do México". Revista Transporte e Territóriovol. 16, pp. 127-146.

Uribe Fernández, Mary L. (2014). "La vida cotidiana como espacio de construcción social". Processos históricosNo. 25, pp. 100-113.


Lorena Umaña Reyes é PhD em Ciência Política e Social e Mestre em Estudos Políticos e Sociais pela unam. Ela é membro do Sistema Nacional de Pesquisadores, nível 1. Atualmente é professora-pesquisadora titular do Centro de Estudos Sociológicos da Universidade de Barcelona. fcpes do unam. Ele é professor dos cursos de Sociologia e Planejamento Urbano na unam e para o programa de pós-graduação em Ciências Políticas e Sociais da unam. Suas publicações mais recentes incluem, Reflexões interdisciplinares sobre a cidadania de gênero: Mulheres na Cidade do México. O capítulo "Políticas públicas de la desigualdad: ciudadanía femenina en la Ciudad de México", (2019) no livro Gênero, transdisciplinaridade e intervenção socialcoordenado por Fátima Flores Palacios e Amada Rubio (2020) e o capítulo "Movimientos sociales feministas, de mujeres y de mujeres y con mujeres en los estudios políticos contemporáneos" no livro Construindo Ciência Política com uma Perspectiva de Gênero coordenado por Karolina Gilas e Luz Parcero (2021). Coordenador de livros A transformação urbana e o direito à cidade: debates e reflexões a partir da teoria das representações sociais. Ele está atualmente coordenando o projeto papiit "Habitar a cidade: os significados do público no cdmx na pandêmica e pós-pandêmica".

Assine
Notifique
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

Instituições

ISSN: 2594-2999.

encartesantropologicos@ciesas.edu.mx

Salvo indicação expressa em contrário, todo o conteúdo deste site está sujeito a um Creative Commons Atribuição- Licença Internacional Creative Commons 4.0.

Download disposições legais completo

EncartesVol. 5, No. 10, Setembro 2022-Fevereiro 2023, é uma revista académica digital de acesso livre publicada duas vezes por ano pelo Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Calle Juárez, No. 87, Col. Tlalpan, C. P. 14000, Cidade do México, P.O. Box 22-048, Tel. 54 87 35 70, Fax 56 55 55 76, El Colegio de la Frontera Norte, A. C., Carretera Escénica Tijuana-Ensenada km 18,5, San Antonio del Mar, núm. 22560, Tijuana, Baja California, México, Tel. +52 (664) 631 6344, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente, A.C., Periférico Sur Manuel Gómez Morin, núm. 8585, Tlaquepaque, Jalisco, Tel. (33) 3669 3434, e El Colegio de San Luís, A. C., Parque de Macul, núm. 155, Fracc. Colinas del Parque, San Luis Potosi, México, Tel. (444) 811 01 01. Contato: encartesantropologicos@ciesas.edu.mx. Diretora da revista: Ángela Renée de la Torre Castellanos. Hospedado em https://encartes.mx. Responsável pela última atualização desta edição: Arthur Ventura Temporal. Data da última modificação: 22 de setembro de 2022.
pt_BRPT