A celebração das crenças. Políticas culturais e diversidade religiosa em um centro cultural público da cidade de Buenos Aires (Argentina)

Recepção: 9 de abril de 2021

Aceitação: 9 de julho de 2021

Sumário

O objetivo deste artigo é analisar a forma como a diversidade de crenças foi definida e reconstruída em um ciclo organizado por um centro cultural público na cidade de Buenos Aires. Para isso, estudaremos os usos da categoria de crença e as referências espirituais feitas pelos agentes estatais participantes, artistas e especialistas religiosos e espirituais. Nós nos perguntamos sobre as definições do religioso, do espiritual e da diversidade de crenças que são mobilizadas fora das instituições tradicionalmente ligadas à religião. Também pretendemos mostrar, com base em um caso específico, como a preocupação com a diversidade na concepção de políticas públicas culturais latino-americanas pode coexistir com a seleção de expressões culturais específicas que, neste caso, representam apenas uma parte da diversidade religiosa existente. Os dados foram construídos a partir de uma estratégia qualitativa que incluiu a observação dos participantes, entrevistas em profundidade e análise de documentos.

Palavras-chave: , , , ,

a celebração de crenças. políticas culturais e diversidade religiosa em um centro cultural público na cidade de buenos aires (argentina)

Resumo: O objetivo deste artigo é analisar a forma como a diversidade de crenças foi definida e reconstruída em um ciclo organizado por um centro cultural público na cidade de Buenos Aires. Para isso, estudaremos os usos da categoria de crença e as referências espirituais criadas pelos agentes estatais participantes, artistas e especialistas religiosos e espirituais. Nós nos perguntamos as definições de tudo que é religioso, espiritual e a diversidade de crenças que se deslocam para fora das instituições tradicionalmente ligadas à religião. Da mesma forma, nos propusemos a mostrar, utilizando um caso específico, a forma pela qual a preocupação com a diversidade no desenho de políticas públicas culturais latino-americanas pode coexistir com a seleção de expressões culturais específicas que, neste caso, representam apenas uma parte da diversidade religiosa existente. Os dados foram construídos a partir de uma estratégia qualitativa que incluiu observações participativas, entrevistas em profundidade e a análise de documentos.

Palavras-chave: New Age Spirituality, espaço público, políticas culturais, diversidade religiosa, Argentina.


Este artigo visa analisar como a diversidade de crenças foi definida e reconstruída em uma série de palestras e exposições de arte organizadas por um centro cultural público na cidade de Buenos Aires. Este ciclo fez parte de um programa mais amplo destinado aos jovens e à celebração da diversidade, e incluiu oficinas, conferências, exposições de arte e concertos de artistas e referências ligadas de várias maneiras a alguma forma de religiosidade. Desta forma, estamos interessados em contribuir para a questão das definições do religioso, do espiritual e da diversidade de crenças que são mobilizadas fora das instituições tradicionalmente ligadas à religião. Também pretendemos mostrar, através da análise de um caso específico (Yin, 2014), como a preocupação com a diversidade na concepção de políticas culturais latino-americanas pode coexistir com a seleção de expressões culturais específicas que, como veremos ao longo do artigo, representam apenas uma parte da diversidade religiosa existente no país.

Nos últimos anos, surgiu um certo consenso nas ciências sociais sobre a necessidade de olhar além das instituições religiosas tradicionais a fim de compreender as múltiplas formas de expressão da vida religiosa e espiritual nas sociedades contemporâneas (Algranti, Mosqueira e Setton, 2019). Esta perspectiva, que muda o olhar dos especialistas religiosos para a produção do sagrado nas experiências dos crentes e praticantes, foi cristalizada em categorias como a religião vivida (Orsi, 2006; Da Costa, Pereira Arena e Brusoni, 2019; Rabbia, 2017), religiosidade cotidiana (Ammerman, 2007) e práticas de sacralização (Martin, 2010). Além disso, numerosos estudos de pesquisa têm mostrado o papel central de práticas aparentemente seculares, como a produção e consumo de música e livros, na disseminação e atualização de sensibilidades religiosas e espirituais (Semán, 2017; Semán e Battaglia, 2012; Algranti, 2014; Mosqueira, 2013); e vários estudos têm enfatizado a centralidade do espaço público na expressão da vida religiosa e espiritual (Carbonelli e Mosqueira, 2008; Giumbelli, 2008; Vargas e Viotti, 2013).

O artigo será desenvolvido em três partes. Primeiro, enquadramos a preocupação com a diversidade de crenças nos processos de diversificação do campo religioso argentino e na emergência da diversidade cultural como uma matriz discursiva a partir da qual foram construídas políticas culturais latino-americanas durante as últimas décadas. Em seguida, descrevemos a seleção de crenças como um tema central pelos agentes do centro cultural no âmbito de uma agenda mais ampla ligada à juventude e ao respeito à diversidade. Em terceiro lugar, analisamos os usos da categoria de crença mobilizada por funcionários, agentes, artistas e especialistas.1 ligados ao ciclo durante sua concepção e execução. Finalmente, identificamos os tipos de religiosidade que foram mencionados nas apresentações dos artistas e especialistas que foram convidados para o ciclo. Os dados aqui apresentados foram construídos a partir de uma estratégia de pesquisa qualitativa (Vasilachis de Gialdino, 2006) que incluiu observações dos participantes em diferentes atividades do ciclo, entrevistas em profundidade com agentes do centro cultural e análise da publicidade e documentos jornalísticos produzidos pela instituição, assim como pelos artistas e expositores que participaram do ciclo.

Diversidade religiosa (regulamentada) na Argentina

A literatura especializada tende a identificar a diversificação do campo religioso argentino como parte de um processo mais amplo de democratização política e cultural que ocorreu após o fim da última ditadura militar e o retorno da democracia em 1983.2 A diversificação da oferta religiosa foi expressa, fundamentalmente, no crescimento e visibilidade das heterodoxias religiosas (Wright e Ceriani, 2011), presentes no país desde o início do século XX (Wright e Ceriani, 2011). xxe o que na época eram chamados os Novos Movimentos Religiosos (Soneira, 2005). Estes incluíam grupos que incorporavam disciplinas religiosas de outros contextos geográficos, como o budismo (Carini, 2009), o neo-hinduísmo (Saizar, 2015; D'Angelo, 2018) e as religiões afro-brasileiras (Frigerio e Lamborghini, 2011); desenvolveu novas formas de ligação com visões de mundo pré-existentes, como no catolicismo carismático e nos movimentos evangélicos (Giménez Béliveau e Martínez, 2013), ou adotou práticas terapêuticas baseadas em concepções holísticas da pessoa. Segundo Mallimaci (2011), este contexto foi definido por uma "ruptura com o monopólio católico", que até então havia sido projetado a partir do Estado e havia hegemonizado o espaço público, especialmente durante os sucessivos períodos ditatoriais que caracterizaram a vida política do país até os anos 80 (Mallimaci, 2015).

O crescimento da provisão religiosa local não significou, entretanto, uma situação de igualdade para todas as minorias religiosas em termos de reconhecimento estatal e social. Em alguns casos, deu inclusive origem a posições reativas, como foi o caso dos movimentos anti-secções (Soneira, 2005; Frigerio e Wynarczyk, 2008). A diversidade religiosa da Argentina é caracterizada por regimes diferenciais de visibilidade e legitimidade social entre a religião majoritária, o catolicismo e os coletivos e crenças religiosas e espirituais minoritários (Frigerio, 2018).

Na Argentina, o Estado desempenha um papel complexo neste processo. Por um lado, em nível nacional, a Igreja Católica goza de um status jurídico preferencial, cristalizado na Constituição Nacional e no Código Civil e Comercial (Mallimaci, 2015). As minorias religiosas também são regulamentadas pelo Registro Nacional de Cultos, onde grupos religiosos não católicos devem se registrar para serem reconhecidos pelo Estado. Este órgão foi criado durante a última ditadura militar e se baseia no que Catoggio (2008) chamou de "uma engenharia de tolerância" da diversidade, que exige que as minorias religiosas se registrem como "outras", diferente do catolicismo, junto ao Estado.3 Da mesma forma, como mostra García Bossio (2020), nas últimas décadas foram criados órgãos subnacionais que desempenham um papel proeminente para possibilitar ou ocultar a presença institucional das religiões no espaço público através de suas atividades e alianças. Neste contexto, a atual Direção Geral de Entidades e Cultos da cidade de Buenos Aires mobilizou uma concepção da diversidade religiosa como parte do patrimônio cultural da cidade desde sua criação em 2002. Esta noção é posta em jogo em uma ampla gama de atividades, tais como visitas regulares aos templos e uma Noite dos Templos anual, onde habitantes e turistas são convidados a entrar em contato com a grande variedade de lugares de culto e festividades religiosas presentes na cidade de Buenos Aires. Assim, a regulamentação da diversidade religiosa pelo Estado não se limita à esfera regulatória, mas inclui as ações de um grande número de atores que cumprem diferentes funções e representam diferentes níveis do Estado, desde as forças de segurança até, como veremos aqui, os órgãos públicos responsáveis pela concepção e implementação de políticas culturais (Frigerio e Wynarczyk, 2008). Mas enquanto o Estado é um dos principais reguladores seculares das minorias religiosas, estes processos também envolvem as ações de outros atores sociais, como os meios de comunicação e as indústrias culturais que, através de seus discursos e conteúdos, contribuem para legitimar e deslegitimar idéias e práticas religiosas específicas (Fidanza e Galera, 2014; Viotti, 2015).

Por outro lado, o crescente lugar dado à diversidade religiosa nas políticas públicas da cidade de Buenos Aires se dá num contexto geral de incorporação da diversidade nas políticas sociais e culturais latino-americanas que impacta na forma como a cidade é representada a seus habitantes e visitantes (Nivón Bolán, 2013). Desde os anos 90, a imagem tradicional de uma cidade branca, européia e homogênea foi substituída por uma narrativa multicultural que incentiva e exalta sua diversidade étnica em diferentes discursos oficiais (Lacarrieu, 2001). A valorização da diversidade cultural foi de fato incorporada na constituição da cidade de Buenos Aires em 1996, onde são retomadas as diretrizes estabelecidas por diferentes organizações internacionais que promovem o reconhecimento das cidades latino-americanas como lugares multiculturais (Lacarrieu, 2001; García Canclini e Martinell, 2009; Frigerio e Lamborghini, 2011). Como mostra Burity (2007), a valorização do multiculturalismo na agenda internacional levou a uma transformação nas relações entre os religiosos e os políticos. Entretanto, esta crescente afirmação de diversidade e multiculturalidade por parte de diferentes atores não se traduz necessariamente "na elaboração de políticas que alcancem uma valorização igual entre os diferentes atores sociais que compõem as configurações existentes" (Camarotti, 2014: 167).

O ciclo "Eu Acredito" como parte de uma "agenda da juventude".

O Centro Cultural Recoleta (doravante ccr) é um dos dois principais centros culturais públicos da cidade de Buenos Aires. Atualmente é administrado, junto com outros espaços e programas culturais, pela Subsecretaria de Políticas Culturais e Novos Públicos do Ministério da Cultura do Governo da Cidade de Buenos Aires. Localizada em uma área turística, de lazer e consumo, na confluência de bairros residenciais historicamente habitados pelas classes altas da sociedade portenha e com uma grande área verde composta por numerosos espaços, a ccr é composto por uma série de lugares dedicados à exposição de obras de arte. Está localizado em um antigo convento construído pela ordem franciscana no início do século XX. xix. Após ser expropriada pelo então governo de Buenos Aires chefiado por Martín Rodriguez, a propriedade foi utilizada de várias maneiras: como escola agrícola, jardim botânico, prisão, quartel, hospital, asilo para doentes mentais, pessoas de rua e idosos até que, em 1980, foi convertida no atual centro cultural. O fato de ser originalmente um convento dá ao edifício uma estética particular: além das típicas salas nuas que normalmente se encontram em espaços dedicados à exposição de exposições de arte, ele possui vários pátios secos com árvores frutíferas e uma capela que foi refuncionalizada como um teatro.

Hoje, "a Recoleta", como é freqüentemente referida pelos usuários e agentes do Estado, é definida como "um símbolo da cultura argentina" (Centro Cultural Recoleta, 2017), um espaço historicamente habitado pela vanguarda e uma "casa do novo" onde diferentes artistas podem "refletir livremente preocupações e buscas longe de um olhar conservador" (Centro Cultural Recoleta, 2021).. Estas narrativas ligam a instituição a processos e coletivos tipicamente associados à cultura democrática argentina, tais como Abuelas de Plaza de Mayo,4 e destacar o fato de que durante a última ditadura militar foi considerado um local "perigoso" (Centro Cultural Recoleta, 2021). Na verdade, durante 2004, o ccr expôs uma retrospectiva do artista León Ferrari que causou uma das maiores controvérsias públicas entre líderes católicos e fiéis, que consideraram a mostra um ataque a seus valores e identidade, e uma série de artistas e órgãos públicos que se pronunciaram a favor da liberdade artística.5

Ao longo das quatro décadas de sua existência, o estilo e a agenda do ccr sofreram modificações vinculadas a mudanças em sua gestão e financiamento. A atual administração, que tomou posse em 2015 durante um período em que a coalizão Cambiemos6 O novo governo, que dominou os poderes executivos da cidade e da nação, empreendeu uma grande renovação do edifício e transformou radicalmente a forma e o conteúdo da programação do centro.

Segundo Federico, um dos agentes que trabalharam no centro cultural em 2019, a nova administração se propôs a recuperar sua "identidade" através da transformação de seu estilo e programação, bem como uma busca de diversificação de seu público, atraindo jovens e habitantes do sul da cidade, onde bairros de baixa renda com altos níveis de vulnerabilidade social e ambiental são difundidos (entrevista realizada em 20 de setembro de 2019). Por sua vez, Eleonora, outra funcionária, considera que estas transformações visavam "reavivar a identidade do centro" através de campanhas que "ecoavam as vozes dos jovens" (entrevista realizada em setembro de 2019).7 e promover a expressão e a realização de novas tendências em arte e cultura" (entrevista realizada em 28 de fevereiro de 2020). Estes funcionários também se opõem a esta nova orientação das ofertas culturais do ccr Isto, por sua vez, explicaria porque seu público foi reduzido a uma elite dos bairros ricos da Recoleta, Palermo e Belgrano.

Atualmente, a seleção dos artistas apresentados no centro é de responsabilidade de um departamento de conteúdo para dez pessoas, muitas das quais estão em contato com diferentes "cenas" de arte nacional. O departamento é formado principalmente por produtores de arte, curadores e críticos de arte nos anos 30 e 50, com diplomas em jornalismo, artes, economia e design. Eles trabalham em rede e muitas vezes se valem de suas próprias áreas de sociabilidade e laços de trabalho para compor a agenda do centro cultural. Além disso, o ccr procura promover um modelo de gestão participativa através da articulação com o público, organizações culturais e coletivos de artistas para a criação e programação de seus conteúdos.

Em linha com estas transformações, a atual gestão do ccr propôs tornar visíveis as questões transversais, o que é definido como uma "agenda da juventude". Assim, nos últimos anos, campanhas têm sido organizadas em torno de temas e controvérsias que se tornaram centrais para os debates públicos e que atraíram uma participação marcante da juventude.8 (Elizalde, 2018; Felitti, 2019): amor (no ciclo "Summer Love"), violência de gênero e o movimento feminista (no ciclo "No va més"), ecologia (no ciclo "Visiting Inhabitants"), imigração (no ciclo "Immigrants Yes") e diversidade de gênero (no ciclo "Diversxs e iguales"). É dentro desta estrutura que os agentes do centro selecionaram a questão da diversidade de crenças para organizar a programação das atividades oferecidas durante os meses de maio e junho de 2019.9 Assim, a questão da pluralidade de crenças era parte de uma agenda mais ampla de preocupações a partir da qual os gerentes do centro definem os jovens da cidade.

Segundo os membros da equipe, essas questões foram abordadas com base em dois valores que eles consideram característicos tanto do ccr assim como seu público alvo: respeito pela diversidade e autonomia. Como destacou um membro da equipe que trabalha com o departamento de conteúdo,

Isto é muito característico da Geração Z com a qual trabalhamos, onde a singularidade das pessoas e o respeito são primordiais. Não importa o sexo que você seja, não importa o sexo que você seja, você se percebe como você quer, e não há mais intromissão na autonomia dos outros. Isto também cruzou a questão de como abordar a questão da espiritualidade, das crenças. No que acreditamos como uma ferramenta para estar na vida. Portanto, uma é tão válida quanto a outra (entrevista realizada em 28 de fevereiro de 2020).

A preocupação pelo respeito à diversidade e à autonomia individual, entendida como preocupação característica da geração "jovem", foi, então, o ponto de partida a partir do qual esses agentes crivaram expressões artísticas ligadas à questão das crenças.10 Em linha com as tendências gerais das políticas públicas culturais mencionadas acima, o Subsecretário de Políticas Culturais e Novas Audiências do governo da cidade de Buenos Aires explica esta preocupação com a diversidade como parte de uma agenda política mais ampla que procura "ecoar" a "especificidade" característica de uma grande cidade:

Esta é uma organização cultural pública e tem a obrigação de repensar-se neste contexto de uma grande cidade da América Latina, onde é importante gerar espaços onde pessoas que são diferentes, todos nós diferentes, podemos nos encontrar em termos iguais (Abiuso, 2019).

Na mesma linha, outro membro do pessoal destacou a intenção de construir espaços de diálogo entre diferentes pessoas e assim justificou não ter incorporado na programação expressões "sectárias" que poderiam gerar desconforto entre o público regular do centro e que iriam contra os valores promovidos pela instituição:

Foi uma campanha, bem, como todas as campanhas, que são baseadas em agendas ou valores, [...] não são agendas expulsivas. Isso não significa que eles estejam de acordo com todos, mas que o formato que lhe damos tem o alcance mais amplo possível e que não são tão sectários que haja outro grupo de pessoas que se sentem desconfortáveis com o que está acontecendo aqui. Novamente, por causa da natureza pública deste lugar e porque a intenção é que haja uma oportunidade de reflexão, troca, encontro com outros, o que, se a proposta em si é muito fechada ou expulsiva, é por isso que não vai acontecer. E esse é o objetivo final (Entrevista realizada em 28 de fevereiro de 2020).

A preocupação com a diversidade estava, então, no centro do projeto do ciclo "Eu Acredito", definido em diferentes meios de comunicação como "uma celebração de crenças" (Para ti, 2019; Gobierno de la Ciudad de Buenos Aires, 2019). De fato, esta chave estava presente em um grande mural feito especificamente para o ciclo que, segundo seu autor, mostrava "uma diversidade de seres em busca de sentido", para o qual foi feita uma tentativa de "resgatar todo tipo de crenças, diferentes formas de ver o mundo e explicá-lo: ciência, espiritualidade, astrologia, superstição" (Centro Cultural Recoleta, 2019a). Entretanto, uma análise cuidadosa das atividades do ciclo mostra que elas foram projetadas com base em concepções específicas de crença, espiritualidade e religião que influenciaram a seleção das expressões espirituais que finalmente foram incluídas.

Primeiramente, o desenho da agenda do ciclo apresentou uma concepção de crença como uma arena para a expressão da individualidade e a formação de vínculos coletivos. A centralidade do indivíduo foi expressa no próprio título do ciclo ("Acredito") e na promoção de diversas atividades nas quais a espiritualidade foi definida como uma forma de contato com a própria interioridade. Este foi o caso de uma oficina sobre altares domésticos que incluiu "exercícios práticos para os participantes se envolverem em uma relação diária com um altar doméstico construído em relação ao seu universo particular" (León, 2019), uma oficina sobre pintura de mandalas definida como "uma prática sagrada de autoconhecimento na Índia" (Merchensky, 2019) ou o artista Pablo Robles, que propôs o concerto que realizou como "uma viagem meditativa sonoro-musical com taças cantando, cantos harmônicos, sons da natureza e mantras" para "o despertar da consciência e o poder de auto-cura que reside em cada ser humano" (Centro Cultural Recoleta, 2019b).

Por sua vez, os organizadores do ciclo consideraram que esta identificação de crença como algo específico do indivíduo constituía uma garantia de respeito pelo que era diferente. Nas palavras de um dos funcionários do centro: "o slogan do eu acredito fala do que cada pessoa acredita". Isso não é discutível" (entrevista realizada em 28 de fevereiro de 2020) ou, como pode ser visto na seguinte descrição da conferência performática de Paloma del Cerro: "Através da música e do canto coletivo, ela fará do encontro um ritual (...) respeitando todas as crenças e tomando como premissa que a fé é algo que parte do humano e a transcende" (Alarcia, 2019). Ao mesmo tempo, algumas das propostas visavam a gerar experiências espirituais baseadas em diferentes estímulos artísticos. A cantora Paloma del Cerro referiu-se a ela desempenho como um "encontro ritual" que permite ao público entrar "na intimidade e na profundidade do coração" e estabelecer "uma conexão entre todas as dimensões". Houve também referências à espiritualidade como um plano de existência que tem efeitos práticos na vida coletiva (Viotti e Funes, 2015). Durante sua palestra, a astróloga Ludovica Squirru defendeu a necessidade de "refundar espiritualmente" a Argentina a fim de "curar" a conexão perdida com as cosmovisões indígenas e o mundo natural. Por sua vez, o músico de Nación Ekeko fez referência à espiritualidade e às reivindicações territoriais das comunidades indígenas ao incluir na letra de suas canções recitações, como por exemplo:

Eu sou Wichi. Nossa vida começou neste solo. Nossos ancestrais vivem somente em nós. Este território é nossa casa, devemos protegê-lo. Os brancos disseram que éramos selvagens, que não entendiam nossas orações. Quando dançávamos ao sol, à lua ou ao vento, eles nos condenavam como almas perdidas.

Por outro lado, em vários momentos, as crenças foram definidas de forma ambígua e distanciada da esfera religiosa. Nos anúncios do ciclo, foi afirmado que "artistas e referências do pensamento atual" responderiam às perguntas "Qual é o sentido de nossa vida? Por que estamos aqui?" com base em sua própria experiência (Gobierno de la Ciudad de Buenos Aires, 2019). Por sua vez, um funcionário descreveu as atividades como "ferramentas humanas para passar por esta experiência humana" que não estavam associadas a "uma religião ou outra". Além disso, vários atores e especialistas atualizaram uma concepção negativa da religião,11 que eles associaram com formas dogmáticas de conhecimento e práticas coercitivas de liberdade individual. Este foi o caso de Darío Sztajnszrajber, um filósofo e popularizador de renome que geralmente está presente na maioria dos ciclos do centro, que afirmou durante sua palestra: "Deus foi monopolizado pelas práticas de poder das religiões institucionais, negando a possibilidade de acessá-lo a partir de qualquer outra narrativa".

Estas diferentes formas de definir crenças foram, então, o ponto de partida a partir do qual procuramos gerar um espaço de expressão e respeito pela diversidade. A seguir, analisamos as formas pelas quais artistas e especialistas foram apresentados nos discursos promocionais do ciclo e identificamos os tipos de religiosidade que foram incluídos na programação. Mostraremos que, embora os agentes procurassem mostrar a diversidade de crenças, as atividades que compunham o programa mostravam apenas uma parte das tradições e práticas religiosas e espirituais presentes na sociedade argentina, principalmente aquelas ligadas às espiritualidades da Nova Era (Amaral, 2003).

Peneirando a diversidade

Apesar da forte insistência na diversidade, as apresentações de si mesmos (Goffman, 2009) e a forma como a maioria dos artistas e especialistas foram descritos nos discursos promocionais do ciclo envolveram referências terapêuticas e espirituais específicas. Este foi o caso de vários dos músicos e artistas que se apresentaram em concertos e palestras performativas, tais como Então que projeto e Projeto VibrA. Então que projeto é uma dupla masculina em seus quarenta anos que faz parte do movimento neohinduísta. A arte de viver (D'Angelo, 2018). A banda chama seus concertos de "Yoga Raves", pois incluem música ao vivo, posturas de yoga e meditações guiadas. Suas canções, em estilo eletrônico-pop, incorporam mantras, palavras em sânscrito e divindades hindus de referência por seu "potencial purificador" e "alto nível energético" (Yoga Rave, 2013). Por sua vez, a apresentação de Projeto VibrA consistiu de um concerto de taças de canto liderado por um músico, professor de yoga, mestre de reiki e terapeuta vibracional chamado Pablo Robles, que define suas apresentações como uma "Embaixada da Paz Itinerante" dedicada ao "despertar da consciência" através de terapia de som, "canalização de energia" e aromaterapia (Bulzomi, 2019). Finalmente, dentro deste grupo podemos mencionar Ludovica Squirru, uma astróloga argentina de 74 anos de idade que desde 1984 publica anualmente livros com previsões de horóscopo chinês que foram bestsellers desde sua primeira publicação.

Em segundo lugar, muitas das apresentações dos artistas incluíram referências a processos de "busca espiritual" através de viagens na América Latina e países do leste, que mais tarde foram integradas em suas produções culturais. Este foi o caso de Hugo Mujica, Adán Jodorowsky, Ekeko Nation e Uji. O primeiro foi apresentado como sacerdote argentino, escritor e ensaísta, convocado para sua longa jornada de "busca espiritual", que incluiu viver em templos do movimento neo-Hindu Hare Krishna e a adoção do "mestre espiritual" Swami Satchidananda na Índia, e a prática do voto de silêncio nos mosteiros da Ordem Trapista por sete anos. Por sua vez, Adán Jodorowsky foi apresentado como "músico, ator, diretor de cinema franco-mexicano e filho de Alejandro Jodorowsky", um escritor, cineasta e psicomaníaco chileno geralmente reconhecido no âmbito da espiritualidade da Nova Era (Centro Cultural Recoleta, 2019c). Atualmente, ele afirma que sua carreira artística tomou um rumo inspirado por seu processo de "busca espiritual" e descreve suas recentes produções musicais como "uma ponte entre a alma e a terra" (Barbero, 2018).

Nación Ekeko e Uji são os nomes dos projetos solo de dois músicos e produtores em seus quarenta anos, que fazem parte da "cena" folclórica digital.12 Os organizadores do ciclo apresentaram a proposta da primeira como "uma viagem musical pela América Latina com canções e melodias ancestrais, vozes xamânicas, instrumentos pré-colombianos e novas tecnologias" que "nasce das viagens, do encontro com personagens latino-americanos, de canções e recitais colecionados". O segundo foi apresentado como um produtor "nômade" e músico eletrônico que viveu em diferentes partes do "continente americano" e que integra "música com raízes indígenas, africanas e folclóricas em forma eletrônica para a pista de dança". Suas apresentações são caracterizadas por uma combinação de gravações de sons da natureza (insetos, rios, pássaros); instrumentos como tambores, maracas e ventos andinos, bases musicais eletrônicas misturadas com recitações gravadas, letras em espanhol e, no caso dos Uji, canções que evocam línguas indígenas, acompanhadas de visuais de estilo psicodélico, algumas mais abstratas e outras com imagens de montanhas, animais e plantas.

Finalmente, além deste primeiro grupo de especialistas que se referem à figura do "buscador espiritual" identificado em estudos sobre a espiritualidade New Age (Carozzi, 2000), os agentes do centro selecionaram duas mulheres que elas apresentaram como parte dos povos indígenas locais:13 Beatriz Pichi Malen, cantora que se auto-identifica como Mapuche e define sua música como uma forma de divulgar sua língua e cultura (Vasconcellos, 2019), e Rosalía Gutiérrez, responsável pela oficina "Cosmologia dos Povos Indígenas" e apresentada como ativista do Movimento Indígena e parte do povo Kolla, formada em sociologia pela Universidade de Buenos Aires e coordenadora da Comunidade de Estudantes das Primeiras Nações das Américas (Gutiérrez, 2019).

Apenas duas das atividades do ciclo não estavam ligadas à espiritualidade New Age ou aos indígenas: as apresentações do Coro Gospel Afro Sound e da banda de metais. klezmer (Fischman, 2013) Mohel treme. Ambos estavam ligados a minorias exaltadas em termos de tempo e espaço, e sua ligação com a religiosidade era mais difusa. No caso do coro evangelhoA publicidade do ciclo declarou que ele realiza "o melhor deste gênero nascido nas igrejas protestantes afro-americanas dos Estados Unidos no século 20". xviii"(Centro Cultural Recoleta, 2019d). Tiembla el Mohel foi apresentada como "uma banda dedicada à música tradicional do povo judeu Ashkenazi da Europa" (Centro Cultural Recoleta, 2019b). O coro evangelhoO coro, composto por cerca de sessenta homens e mulheres adultos, tinha uma estética típica deste estilo de coro no tom em que o elogio religioso é cantado em inglês, as palmas e estalos dos dedos, passos de dança coordenados, canções estruturadas em torno de chamada e resposta, e uma fantasia de largas vestes alaranjadas com mangas bufantes marrons e brincos grandes no caso das mulheres. Além disso, durante as apresentações, o vocalista convidou o público a participar imitando as palmas e cantando refrões como "Eu não sou um cantor!Obrigado, Jesus"em uma voz mais alta". Neste caso, embora o conjunto seja liderado por duas mulheres evangélicas, uma das quais de origem africana, o resto dos membros não está ligado ao protestantismo.

No caso de Tiembla el Mohel, foi feita referência ao caráter "folclórico" da música klezmer e sua conexão com a migração judaica na Argentina, mas sem fazer referências explícitas à religião judaica. A banda era composta por sete homens, vestidos com camisas, calças, gravatas ou laços e, em alguns casos, coletes e chapéus. Assumindo que a maioria do público não estava familiarizada com o gênero musical e as celebrações judaicas, antes de começar a tocar, o cantor explicou que a música não era judaica. klezmer representa a comunidade judaica e é geralmente o momento mais alegre de um casamento. Em seguida, ele detalhou algumas particularidades dos casamentos judaicos, diferenciando-os dos casamentos católicos: o papel do rabino, os votos dos noivos, a quebra de um copo pelo noivo e a celebração do rito de passagem através da expressão "o rito de passagem".Mazel tov". Ao longo de sua apresentação, os músicos insistiram que o público se levantasse de suas cadeiras para que lhes fosse mostrada a forma "adequada" de dançar ao som da música. Enquanto alguns seguiram as indicações, fazendo rodadas de braço no braço ao redor da sala, outros permaneceram em seus assentos, distanciando-se da proposta. Neste sentido, a apresentação foi marcada pela demarcação da banda de sua "alteridade" em relação ao público e ao espaço no qual ela ocorreu: uma capela católica.

A análise das atividades e os especialistas chamados pelos atores do ccr mostra que, além do fato de que eles podem ter pensado no ciclo como uma forma de tornar visível diversas formas de explicar e experimentar o mundo, a programação incluiu apenas alguns tipos de religiosidade. Embora nas orientações espirituais dos artistas e especialistas encontremos uma variedade de tradições ligadas às culturas orientais e, em menor medida, indígenas, que mostram uma sensibilidade multicultural e cosmopolita característica dos setores médios orientados para este tipo de espiritualidade (Carozzi, 2000), quase não houve referência a outras manifestações religiosas presentes na sociedade argentina, como o catolicismo tradicional, o catolicismo popular, o pentecostalismo, as religiões de matriz afro e outras minorias religiosas cristãs. A diversidade de crenças presentes no ciclo era composta principalmente de técnicas espirituais, disciplinas e tradições como yoga, astrologia ou neo-hinduísmo, assim como referências a cosmovisões indígenas. Além disso, embora estes possam produzir uma imagem de heterogeneidade (Frigerio, 2013), a maior parte deles pareceram resemantizados sob a estrutura interpretativa da espiritualidade da Nova Era (De la Torre, 2013), caracterizada pela concepção do sagrado como alojado na interioridade de cada indivíduo, que precisa ser contatada através de diferentes técnicas a fim de alcançar o desenvolvimento espiritual. Por outro lado, artistas ligados a outros tipos de religiosidade, como o protestantismo ou o judaísmo, não apresentavam uma relação direta com este tipo de religiosidade.

A concepção de crenças que eles mobilizaram, assim como as visões de mundo e práticas espirituais que os agentes selecionados para este programa, podem ser entendidas como parte de um processo mais amplo de visibilização das expressões religiosas e espirituais da Nova Era. Embora muitas vezes gozem de graus diferenciados de legitimidade em relação a outras minorias religiosas, sua presença em certos espaços públicos e discursos também tem sido objeto de acusações por certos meios de comunicação (Viotti, 2015). Assim, a referência quase exclusiva às disciplinas, práticas e discursos espirituais da Nova Era no âmbito de uma política pública que promove o respeito à diversidade e autonomia contribui para os processos de visibilização e legitimação que este tipo de religiosidade sofreu nas últimas décadas (Semán e Viotti, 2015). Desta forma, agentes e artistas operavam como agentes seculares da diversidade religiosa (Frigerio, 2018).

Conclusões

Neste artigo analisamos a forma como a diversidade de crenças foi reconstruída e definida em uma série de palestras e exposições de arte organizadas por um centro cultural público na cidade de Buenos Aires. Caracterizado por uma tradição que seus agentes definem como democrática e plural, este centro cultural selecionou a "questão das crenças" como parte de uma agenda mais ampla de reivindicação da diversidade cultural voltada para os jovens. Mas mesmo que os responsáveis pela programação procurassem colocar o público em contato com diferentes visões de mundo, a maioria das disciplinas e práticas que foram realmente exibidas no programa foram enquadradas dentro da espiritualidade da Nova Era. Assim, o ciclo deixou de fora um grande número das expressões que compõem a diversidade religiosa local, tais como catolicismos, novas expressões do protestantismo e religiões afro-matrix. Consideramos que esta exclusão pode ser devida a diferentes razões. Por um lado, podemos distinguir fatores históricos de exclusão e estigma e uma identidade nacional imaginada como branca, católica e européia. Por outro lado, ela também responde às subjetividades, práticas religiosas e redes de sociabilidade daqueles que pensam em programação. Este caso nos mostra que, apesar do fato de que agentes e funcionários tinham uma preocupação e intenção efetiva de promover o respeito pela diversidade de crenças, suas concepções de espiritualidade e religião, suas redes de sociabilidade e o tipo de religiosidade com a qual muitos dos artistas que normalmente atuam neste centro estão ligados, significou que grande parte das práticas e tradições religiosas efetivas que caracterizam a sociedade argentina foram deixadas de lado.

Por outro lado, este caso sugere novas linhas de pesquisa para entender a atual disseminação da espiritualidade da Nova Era, mostrando-nos duas maneiras pelas quais o mundo artístico e espiritual está em diálogo. Em primeiro lugar, vários dos artistas e expositores do programa fazem parte de um repertório que é freqüentemente chamado para a programação do Centro Cultural Recoleta. Levando em conta o trabalho em rede da equipe de conteúdo responsável pela concepção do programa, isto nos mostra a presença deste tipo de religiosidade nas sociabilidades daqueles que concebem políticas públicas culturais na cidade de Buenos Aires. A presença frequente destes artistas no centro cultural, por sua vez, mostra a relevância do meio artístico para a disseminação e produção de sensibilidades semelhantes a estas formas de espiritualidade. A pesquisa futura espera investigar a presença deste tipo de espiritualidade em outros territórios e atividades culturais. Em segundo lugar, durante suas apresentações, vários dos artistas mobilizaram concepções espiritualizadas da arte como um veículo para o desenvolvimento e produção de experiências espirituais. Estas interseções entre a espiritualidade e o mundo da arte nos convidam a explorar ainda mais as múltiplas maneiras pelas quais as indústrias culturais contribuem para a disseminação e prática dos religiosos fora das instituições tradicionais.

Bibliografia

Abiuso, Marina (2019, 25 de janeiro). "Entrevista com Luciana Blasco sobre a reabertura do Centro Cultural Recoleta". Corte de rádio. Obtido em https://ar.radiocut.fm/audiocut/entrevista-a-luciana-blasco-sobre-la-reapertura-del- centro-cultural-recoleta/, acessado em 23 de maio de 2022.

Alarcia, Andrés (2019, 24 de maio). "Porque acreditamos. A nova série de Conferências de Realização na Recoleta". É do Argentino. Obtido em https://www.esdeargentino.com/porque-creemos-el-nuevo-ciclo-de-conferencias- performaticas-del-recoleta/, acessado em 23 de maio de 2022.

Algranti, Joaquín (2014). "Industrias del creer". Orientações produtivas do complexo editorial cristão na Argentina". DiscordânciasNo. 46, pp. 108-123. https://doi.org/10.29340/46.1359

- Mariela Mosqueira e Damián Settón (2019). "Pensar sem igrejas: o fato institucional como um problema de estudo", em Joaquín Algranti, Mariela Mosqueira e Damián Settón (comp.), A instituição como processo. Configurações dos religiosos nas sociedades contemporâneas.. Buenos Aires: Biblos, pp. 29-57.

Amaral, Leila (2003). "Um Espírito sem Lar: Sobre uma dimensão "nova era" da religiosidade contemporânea", em Octavio Velho (org.), Circuitos infinitos. Comparações e religiões no Brasil, Argentina, Portugal, França e Grã-Bretanha. São Paulo: Attar e CNPq, pp. 17-60.

Ammerman, Nancy (2007). "Introdução: Observando a Vida Religiosa Moderna", em Nancy Ammerman (ed.), Religião cotidiana. Observando a Vida Religiosa Moderna. Oxford: Oxford University Press, pp. 3-20. https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780195305418.003.intro

Angelo, Ana D' (2018). "De swamis aos gurus. Uma genealogia histórica dos tipos de yoga praticados na Argentina: entre o neo-hinduísmo e a Nova Era". Sociedade e Religiãovol. 28, no. 49, pp. 101-134.

Barbero, Juampa (2018, 30 de maio). "Adán Jodorowsky: é melhor ser você mesmo, sem máscaras e sem disfarces". O Índio Hoje. Obtido em https://indiehoy.com/entrevistas/adan-jodorowsky-uno-es-mejor-siendo-uno-mismo- sin-mascaras-y-sin-disfraces/, acessado em 23 de maio de 2022.

Bordes, Mariana (2009). “Entre el arte de curar y la profesionalización. Aportes para el estudio de la práctica médica alternativa o Nueva Era a partir de las trayectorias socio-ocupacionales de especialistas”. Revista de Antropología experimental, núm. 9, pp. 55-73.

Bulzomi, Anabella (2019, 4 de junio). “Centro Cultural Recoleta: Propuestas sobre la Diversidad que invitan a todo el público”. Novedad Cultural. Recuperado de https://novedadcultural.com/2019/06/04/centro-cultural-de-recoleta-propuestas-sobre-la-espiritualidad-que-invitan-a-todo-el-publico/, consultado el 23 de mayo de 2022.

Burity, Joanildo (2007). “Organizações religiosas e ações sociais: Entre as políticas públicas e a sociedade civil”. Revista Anthropológicas, vol. 18, núm. 2, pp. 7-48.

Camarotti, Renata (2014). “¿Cultura para el desarrollo? Cruces entre lo social y lo cultural en las políticas públicas de cultura”, en Alejandro Grimson (comp.), Culturas políticas y políticas culturales. Buenos Aires: Ediciones Böll Cono Sur, pp. 163-174.

Carbonelli, Marcos A. y Mariela A. Mosqueira (2008). “Luis Palau en Argentina: construcción mediática del cuerpo evangélico, disputa por el espacio público y nuevas formas de territorialidad”. Enfoques, vol. 20, núm. 1-2, pp.153-175.

Carini, Catón (2009). “Las nuevas tierras del Buda; globalización, medios de comunicación y descentralización en una minoría religiosa de la Argentina”. Debates do NER, vol. 2, núm. 16, pp 49-70. https://doi.org/10.22456/1982-8136.9606

Carozzi, María J. (2000). Nueva Era y terapias alternativas. Construyendo significados en el discurso y la interacción. Buenos Aires: Ediciones de la uca.

Catoggio, Soledad (2008). “Gestión y regulación de la diversidad religiosa en la Argentina. Prácticas de «reconocimiento» estatal. El Registro Nacional de Cultos”, en Fortunato Mallimaci (ed.), Religión y política. Perspectivas desde América Latina y Europa. Buenos Aires: Biblos, pp. 105-116.

Centro Cultural Recoleta (2021). “#Historia”. Centro Cultural Recoleta [sitio web]. Recuperado de http://www.centroculturalrecoleta.org/historia, consultado el 23 de mayo de 2022.

— (2019a). “Yo creo”. Centro Cultural Recoleta [sitio web]. Recuperado de http://centroculturalrecoleta.org/agenda/yo-creo, consultado el 23 de mayo de 2022.

— (2019b). “Espiritualidad sonora”. Centro Cultural Recoleta [sitio web]. Recuperado de http://centroculturalrecoleta.org/agenda/ciclos/espiritualidad- sonora, consultado el 23 de mayo de 2022.

— (2019c). “Porque creemos”. Centro Cultural Recoleta [sitio web]. Recuperado de http://centroculturalrecoleta.org/agenda/ciclos/porque-creemos, consultado el 23 de mayo de 2022.

— (2019d, 17 de mayo). “Concierto de música gospel en la Capilla!”. Facebook [evento]. Recuperado de https://sq- al.facebook.com/events/332611630783685/, consultado el 23 de mayo de 2022.

— (2017, 25 de diciembre). “Una fábrica cultural”. Facebook

. Recuperado de https://es-la.facebook.com/notes/1015542 4943899794/, consultado el 1 de octubre de 2019.

Ceriani Cernadas, César (2013). “La religión como categoría social: Encrucijadas semánticas y pragmáticas”. Cultura y Religión, vol.7, núm, 1, pp. 10-29.

— (2017, 11 de septiembre). “Miradas blasfemas. Arte, religión y espacio público en las fronteras del secularismo argentino”. Diversa. Recuperado de http://www.diversidadreligiosa.com.ar/blog/miradas-blasfemas-arte-religion-y-espacio-publico-en-las-fronteras-del-secularismo-argentino/, consultado el 23 de mayo de 2022.

Costa, Nestor Da, Valetina Pereira Arena y Camila Brusoni (2019). “Individuos e instituciones: una mirada desde la institución vivida”. Sociedad y Religión, vol. 29, núm. 51, pp. 61-92. Recuperado de http://www.ceil- conicet.gov.ar/ojs/index.php/sociedadyreligion/article/view/232/371, consultado el 23 de mayo de 2022.

Elizalde, Silvia (2018). “Contextos que hablan. Revisiones del vínculo género/juventud: Del caso María Soledad al #niunamenos”. Última Década, vol. 26, núm. 50, pp. 157-179. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-22362018000300157

Felitti, Karina (2019). “The Spiritual is Political: Feminisms and Women’s Spirituality in Contemporary Argentina”. Gender and Religion, vol. 9, núm. 2, pp. 194-214. https://doi.org/10.1163/18785417-00902010

Fidanza, Juan M. y María C. Galera (2014). “Regulaciones a una devoción estigmatizada: culto a San la Muerte en Buenos Aires”. Debates do NER, vol.1, núm. 25, pp,171-196. https://doi.org/10.22456/1982-8136.49727

Fischman, Fernando (2013). “Expresiones artísticas multifacéticas en las calles de Buenos Aires: La identidad judía argentina entre el klezmer, el tango y el stand up". Karpa Journal of Theatricalities and Visual Culture, núm. 6. Recuperado de http://www.calstatela.edu/al/karpa/karpa-6, consultado el 23 de mayo de 2022.

Frigerio, Alejandro y Eva Lamborghini (2011). “Procesos de reafricanización en la sociedad argentina: Umbanda, candombe y militancia «Afro»”. Revista Pós Ciências Sociais, vol. 8, núm. 16, pp.21-36.

— y Hilario Wynarczyk (2008). “Diversidad no es lo mismo que pluralismo: cambios en el campo religioso argentino (1985-2000) y lucha de los evangélicos por sus derechos religiosos”. Sociedade e Estado, vol. 23, núm. 2, pp. 227-260. https://doi.org/10.1590/S0102-69922008000200003

— (2013). “Lógicas y límites de la apropiación new age: donde se detiene el sincretismo”, en Reneé De la Torre, Cristina Gutierrez Zúñiga y Nahayeilli Juárez Huet, (coord.), Variaciones y apropiaciones latinoamericanas del New Age. México: Publicaciones de la Casa Chata, pp.47-67.

— (2018). “¿Por qué no podemos ver la diversidad religiosa? Cuestionando el paradigma católicocéntrico en el estudio de la religión en América Latina”. Cultura e Representações Sociais, vol. 12, núm 24, pp. 51-95. https://doi.org/10.28965/2018-024-03

García Bossio, Ma. Pilar (2020). “Pensar el espacio público entre el Estado y las religiones: una propuesta a partir de la interacción en lugares socialmente significativos”. Espaço e Cultura, núm. 47, pp. 55-80. https://doi.org/10.12957/espacoecultura.2020.54816

García Canclini, Néstor y Alfons Martinell (2009). “Diversidad cultural y poder en Iberoamérica”, Pensamento Ibero-Americano, núm. 4, pp. 1-3.

Giddens, Anthony (1991). Modernity and Self-Identity. Oxford: Oxford Polity Press

Giménez Béliveau, Verónica (2013). “En los márgenes de la institución. Reflexiones sobre las maneras diversas de ser y dejar de ser católico”. Corpus. Archivos virtuales de la alteridad americana, 3(2). https://doi.org/10.4000/corpusarchivos.585

— y Ana T. Martínez (2013). “Símbolos religiosos en el espacio público”, en Mallimacci, Fortunato (dir.), Atlas de las creencias religiosas en la Argentina. Buenos Aires: Biblos, pp. 217-240.

Giumbelli, Emerson (2008). “A presença do religioso no espaço público: modalidades no Brasil”. Religião e Sociedade, vol. 28, núm. 2, pp. 80-101. https://doi.org/10.1590/S0100-85872008000200005

— (2017). “A vida jurídica das igrejas: Observações sobre minorias religiosas em quatro países (Argentina, Brasil, México e Uruguai)”. Religião e Sociedade, vol. 37, núm, 2, pp. 121-143. https://doi.org/10.1590/0100- 85872017v37n2cap05

Gobierno de la Ciudad de Buenos Aires (2014, 6 de enero). “Un histórico espacio artístico de Buenos Aires”. Buenos Aires Ciudad. Recuperado de: https://www.buenosaires.gob.ar/noticias/centro-cultural-recoleta-un-lugar-con- siglos-de-historia, consultado el 23 de mayo de 2022.

— (2019, 23 de mayo). “El Recoleta celebra la diversidad de creencias”. Buenos Aires Ciudad [sitio web]. Recuperado de https://www.buenosaires.gob.ar/cultura/noticias/el-recoleta-celebra-la-diversidad- de-creencias, consultado el 23 de mayo de 2022.

Goffman, Erving (2009). Stigma: Notes on the Management of Spoiled Identity. Nueva York: Simon and Schuster.

Gutiérrez, Rosalía (2019, 18 de mayo). “Cosmovisión de los pueblos indígenas”. Centro Cultural Recoleta [sitio web]. Recuperado de http://centroculturalrecoleta.org/agenda/cosmovision-de-los-pueblos-indigenas, consultado el 23 de mayo de 2022.

Lacarrieu, Mónica (2001, 29 y 30 de mayo). “Zonas grises en barrios multicolores: ser multicultural no es lo mismo que ser migrante”. Actas del Simposio Buenos Aires- Nueva York: diálogos metropolitanos entre sur y norte.

León, Catalina (2019, 15 de junio). “¿De qué sirve que un rincón de la casa sea un altar?” Centro Cultural Recoleta [sitio web]. Recuperado de http://centroculturalrecoleta.org/agenda/de-que-sirve-que-un-rincon-de-la-casa-sea-un-altarij, consultado el 23 de mayo de 2022.

Mallimaci, Fortunato (2011). “De la Argentina católica a la Argentina diversa. De los catolicismos a la diversidad religiosa”, en Olga Odgers-Ortiz, Pluralización religiosa de América Latina. Tijuana: El Colegio de la Frontera Norte, pp.75-130.

- (2015). El mito de la Argentina laica. Catolicismo, política y Estado. Buenos Aires: Capital Intelectual.

Martin, Eloisa (2010). “Religion and Daily Life in Latin America”, en Richard Hecht y Vincent Biondo (ed.), Religion in the Practice of Daily Life in World History. Westport: Praeger, pp. 451-480.

Martínez, Ana T. (2009). “Introducción. Religión y Creencias en el trabajo sociológico de Pierre Bourdieu”, en Pierre Bourdieu, La eficacia simbólica. Religión y política. Buenos Aires: Biblos, pp.9-42

Merchensky, Vladimir (2019, 8 de junio). “Mandalas de acuarela”. Centro Cultural Recoleta [sitio web]. Recuperado de http://www.centroculturalrecoleta.org/agenda/mandalas- de-acuarela, consultado el 23 de mayo de 2022.

Montero, Paula (2006). “Religião, pluralismo e esfera pública no Brasil”. Novos Estudos, núm. 74, pp. 47-65.

Mosqueira, Mariela (2013). “Cristo Rock: Una aproximación al mundo social del rock cristiano”, en Joaquín Algaranti (ed.), La Industria del Creer. Sociología de las mercancías religiosas. Buenos Aires: Biblos, pp. 227-253.

Nachón Ramírez, Mercedes (2019, 14 y 15 de noviembre). “Medicina, estética y espiritualidad. Notas sobre las variaciones del neochamanismo en la ciudad de Buenos Aires y Rosario”. II Seminario de Jóvenes Investigadores de la Asociación de Cientistas Sociales de la Religión del Mercosur. Buenos Aires: idaes-unsam.

Nivón Bolán, Eduardo (2013). “Las políticas culturales en América Latina en el contexto de la diversidad”, en Alejandro Grimson y Carina Bidaseca (coord.), Hegemonía cultural y políticas de la diferencia. Buenos Aires: clacso, pp.23-45.

Orsi, Robert (2006). Between Heaven and Earth: The Religious Worlds People Make and the Scholars who Study Them. Princeton: Princeton University Press.

Para ti (2019, 10 de junio). “Yo Creo: 10 planes en el Recoleta para celebrar la diversidad de creencias”. Para ti [sitio web]. Recuperado de https://www.parati.com.ar/yo-creo-10-planes-en-el-recoleta-para-celebrar-la-diversidad-de-creencias/, consultado el 23 de mayo de 2022.

Rabbia, Hugo (2017). “Explorando los sin religión de pertenencia en Córdoba, Argentina”. Estudos de Religião, vol. 31, núm. 3, pp. 131-155. https://doi.org/10.15603/2176- 1078/er.v31n3p131-155

Sáizar, Mercedes (2015). “El hinduismo en Argentina. Más allá de hippies y globalizados”. Mitológicas, vol. 30, pp. 62-75.

Semán, Pablo F. y Nicolas Viotti (2015). “El paraíso está dentro de nosotros: la espiritualidad de la Nueva Era, ayer y hoy”. Nueva Sociedad, núm. 260, vol. 12, pp. 81-94.

— y Agustina Battaglia (2012). “De la industria cultural a la religión. Nuevas formas y caminos para el sacerdocio”. Civitas, núm. 12, vol. 3, pp. 439-452. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2012.3.13009

— (2017). “Religión y Best Sellers: Superar una disociación para entender la espiritualidad contemporánea”. E-misferica, núm. 13, vol. 2, pp.1-24.

Soneira, Jorge (2005). Sociología de los nuevos movimientos religiosos en la Argentina. Buenos Aires: Universidad del Salvador.

Torre, Renée de la (2013). “Religiosidades indo y afroamericanas y circuitos de la espiritualidad new age”, en Renée de la Torre, Cristina Gutierrez Zúñiga y Nahayeilli Juárez Huet (coord.), Variaciones y apropiaciones latinoamericanas del New Age. México: Publicaciones de la Casa Chata, pp.27-46.

— y Cristina Gutiérrez Zúñiga (2008). “Tendencias a la pluralidad y la diversificación del paisaje religioso en el México contemporáneo”. Sociedade e Estado, vol. 23, núm. 2, pp. 381-424.

Vargas, Patricia y Nicolás Viotti (2013). “‘Prosperidad y espiritualismo para todos’ Un análisis sobre la noción de emprendedor en eventos masivos de Buenos Aires”. Horizontes Antropológicos, vol. 19, núm. 40, pp. 343-364.

Vasconcellos, Rafaela (2019). “El canto como resistencia: entrevista a la cantora mapuche Beatriz Pichi Malen”. Angular [sitio web]. Recuperado de http://espacioangular.org/el-canto-como-resistencia-entrevista-a-la-cantora-mapuche-beatriz-pichi-malen/, consultado el 23 de mayo de 2022.

Vasilachis de Gialdino, Irene (coord.) (2006). Estrategias de investigación cualitativa. Barcelona: Gedisa.

Viotti, Nicolás y Ma. Eugenia Funes (2015). “La política de la Nueva Era: el arte de vivir en Argentina”. Debates do NER, núm. 2, vol. 18, pp. 17-36. https://doi.org/10.22456/1982-8136.61266

— (2015). “El affaire Ravi Shankar. Espiritualidad y medios de comunicación en Argentina”. Sociedade e Religião, núm. 25, pp.13-46.

Vommaro, Gabriel (2019). “De la construcción partidaria al gobierno: pro-Cambiemos y los límites del giro a la derecha en Argentina”. Colombia Internacional, núm. 99, pp.1-120. https://doi.org/10.7440/ colombiaint99.2019.04

Wright, Pablo y César Ceriani Cernadas (2011). “Modernidades periféricas y paradojas de la cultura: Debates y agendas en la antropología de la religión”, en Mariela Ceva y Claudia Touris (coord.), Nuevos aportes a los estudios de la religión en las sociedades contemporáneas del Cono Sur. Buenos Aires: Lumière, pp.145-162.

— (2013). “Narrativas de la modernidad religiosa contemporánea: las nuevas tradiciones de lo antiguo”. Revista Brasileira de História das Religioes, núm. 6, vol. 15, pp. 3-17

Yin, Robert (2014). Case Study Research Design and Methods. Thousand Oaks: Sage.

Yoga Rave (2013). “Los discos de So What Project! ya están en todas las disquerías”. Yoga Rave [sitio web]. Recuperado de http://www.yogarave.org/yr/2013/08/los-discos-de-so-what-project-ya-estan-disponibles-en-todas-las-disquerias/, consultado el 1 de octubre de 2019.


María Eugenia Funes é PhD em Ciências Sociais (Universidade de Buenos Aires) e em Sociologia (École des Hautes Études en Sciences Sociales-ehess), Mestre em Antropologia Social (ides-idaes/Universidad de San Martín) e Bacharel em Sociologia (Universidad del Salvador). Ela lecionou no seminário de Sociologia da Religião e atualmente é professora do Workshop de Tese, ambos no programa de Sociologia da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Salvador. Ela também dirige o projeto de pesquisa "Espiritualidade e novas economias". Para uma compreensão das relações entre as sociabilidades espirituais e as novas organizações econômicas na Argentina", financiado pela Agência Nacional para a Promoção da Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (2021-2022). Atualmente, ela está pesquisando as articulações entre visões de mundo e práticas espirituais com o surgimento de modelos de negócios que objetivam abordar problemas sociais e ambientais.

Mercedes Nachón Ramírez é formado em Sociologia (Universidade de Buenos Aires), com bolsa de doutorado pela conicet baseado no programa Sociedade, Cultura e Religião do Centro de Estudos e Pesquisa do Trabalho (ceil- conicet). Atualmente ela é primeira professora assistente de Sociologia Geral no Departamento de Sociologia da Universidade de Buenos Aires. Sua pesquisa de doutorado está orientada para a compreensão dos processos de profissionalização do neo-shamanismo na cidade de Buenos Aires, focalizando as articulações que o neo-shamanismo estabelece com diferentes mundos sociais, espaços e instituições ligadas à saúde, espiritualidade e fornecimento de bens culturais.

Mercedes Máspero é formado em Sociologia (Universidad del Salvador) e atualmente está cursando mestrado em Antropologia Social (ides-idaes/Universidade de San Martín). Professor adjunto de Antropologia Cultural e Social no curso de Serviço Social e Metodologia de Pesquisa no curso de Psicologia da Universidade del Salvador. Suas pesquisas de graduação tratavam de práticas econômicas informadas por práticas espirituais, particularmente a astrologia.

Assine
Notifique
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

Instituições

ISSN: 2594-2999.

encartesantropologicos@ciesas.edu.mx

Salvo indicação expressa em contrário, todo o conteúdo deste site está sujeito a um Creative Commons Atribuição- Licença Internacional Creative Commons 4.0.

Download disposições legais completo

EncartesVol. 5, No. 10, Setembro 2022-Fevereiro 2023, é uma revista académica digital de acesso livre publicada duas vezes por ano pelo Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Calle Juárez, No. 87, Col. Tlalpan, C. P. 14000, Cidade do México, P.O. Box 22-048, Tel. 54 87 35 70, Fax 56 55 55 76, El Colegio de la Frontera Norte, A. C., Carretera Escénica Tijuana-Ensenada km 18,5, San Antonio del Mar, núm. 22560, Tijuana, Baja California, México, Tel. +52 (664) 631 6344, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente, A.C., Periférico Sur Manuel Gómez Morin, núm. 8585, Tlaquepaque, Jalisco, Tel. (33) 3669 3434, e El Colegio de San Luís, A. C., Parque de Macul, núm. 155, Fracc. Colinas del Parque, San Luis Potosi, México, Tel. (444) 811 01 01. Contato: encartesantropologicos@ciesas.edu.mx. Diretora da revista: Ángela Renée de la Torre Castellanos. Hospedado em https://encartes.mx. Responsável pela última atualização desta edição: Arthur Ventura Temporal. Data da última modificação: 22 de setembro de 2022.
pt_BRPT