(In)segurança e gênero na América Latina: estratégias, práticas e cultura1

Recepção: 13 de junho de 2022

Aceitação: 14 de julho de 2022

Eu tinha 11 anos de idade e um cara passou em uma bicicleta e apertou meu peito. Uma senhora na rua me culpou por usar essa blusa.

Em um ônibus de longa distância, acordei com a mão de um homem barbudo debaixo da saia, com seus dedos entre minhas pernas.

No metrô, um idiota me tocou por toda parte e se masturbou. Ninguém me ajudou, apesar de eu ter chorado e gritado. Eu tinha 16 anos de idade.

Um dia eu me fartei e o acotovelei, todos olharam para mim e não para ele.

Em meus 9 anos no trólei, estou tão envergonhado que não posso compartilhá-lo publicamente (Reina, 2016).

Estes são cinco dos mais de cem mil testemunhos que se acumularam em questão de semanas após o twitter call #MiPrimerAcoso,publicado em março de 2016, pouco antes de 8 de março, ou seja, a primeira grande marcha contra a violência de gênero que foi organizada em vinte cidades do México. É fácil perceber o nível de violência em cada uma dessas experiências que sem dúvida marcaram para sempre a memória dessas meninas e jovens, suas geografias de medo, os caminhos permitidos, os lugares e momentos em que seus corpos femininos pareciam fora do lugar.

É assim que a maioria das mulheres deste país, onde nos últimos anos o feminicídio e os desaparecimentos forçados assumiram dimensões trágicas, crescem e são educadas - ou seja, aprendem a viver na cidade. No entanto, o assédio sexual de rua contra as mulheres não é apenas um fenômeno mexicano, nem mesmo latino-americano. Em junho de 2015, a Universidade Cornell e Hollaback! um movimento internacional contra o assédio sexual de rua - com base em 16.600 entrevistas com mulheres em 22 países, concluiu que entre 80 e 90% delas sofreram assédio sexual em espaços públicos, 84% delas o experimentaram antes dos 17 anos de idade (The Worker Institut, 2015). No entanto, embora este seja um fenômeno global, cada país, talvez cada cidade, tem, se não suas próprias expressões, então suas próprias intensidades e freqüências: 95% de mulheres argentinas relataram ter sido molestadas pela primeira vez antes dos 17 anos de idade; 79% de mulheres canadenses relataram ter sido perseguidas por um homem ou grupo de homens; 47% de mulheres indianas relataram ter sido vítimas de algum exibicionista; 80% de mulheres sul-africanas mudou a maneira como se vestiam para evitar o assédio nas ruas; 66% de mulheres alemãs relataram ter sido tocadas ou acariciadas por estranhos (The Worker Institute, 2015).

O fenômeno também está longe de ser novo. O assédio sexual de mulheres e meninas em espaços públicos - desde olhares e palavras lascivos, até os desaparecimentos comoventes, estupros, feminicídiosos e forçados (UN Women, 2019) - é tão antigo quanto velado e normalizado, e é por isso que é tão difícil falar de tendências em termos quantitativos. Só recentemente, juntamente com outros tipos de violência contra as mulheres, ela começou a se tornar visível por grandes e variados movimentos feministas interconectados em escala global. Em vários países da América Latina, a legalização do aborto, bem como as manifestações e a legislação para uma sociedade livre de violência contra a mulher, estão entre as conquistas mais significativas dos movimentos sociais contemporâneos. Graças a isso, o assédio nas ruas tornou-se um ponto não só de atenção, mas também de tensão e polarização entre academia, sociedade, mídia, legisladores e tomadores de decisão.

Neste contexto, a bolsa de estudos feminista tem sido frutífera no estudo da relação entre as mulheres e a cidade. Nas Américas, alguns dos principais focos de atenção têm se centrado nas experiências e efeitos psicológicos do fenômeno nas mulheres (Massey, 1994; McDowell, 1999); a influência da arquitetura, do planejamento urbano e do ambiente urbano tanto na exacerbação (Lindón, 2006; Sánchez e Ravelo, 2013) quanto na possível solução do problema (Falú, 2011); as práticas de mobilidade urbana das mulheres (Jirón e Zunino, 2017; Alvarado, 2021); o continuum da violência que se estabelece numa relação entre as portas externas e internas do lar (Koonings e Kruijit, 2007); as motivações ou impulsos que levam os homens a violar as mulheres nos espaços públicos (Segato, 2003).

Com base neste conhecimento, a questão orientadora deste dossier procura entender como as mulheres lidam, se protegem e lutam contra a insegurança urbana na América Latina. É uma pergunta que respondemos através de seis artigos, todos escritos por mulheres que, seja de sociologia, geografia, comunicação ou antropologia, mobilizam técnicas qualitativas de observação. Uma dessas obras ocorre nas periferias da cidade de La Plata, Argentina, enquanto as outras cinco se concentram em várias cidades mexicanas: Puebla, Guadalajara, Cidade do México e três municípios em sua conurbação: Coacalco, Tultitlán e Ecatepec. Além da diversidade geográfica dos estudos, observamos também uma diversidade nos perfis socioeconômicos das mulheres que colaboraram nos diversos projetos de pesquisa: mulheres jovens e adultas; das classes média e alta e dos grupos da classe trabalhadora; profissionais, estudantes universitárias, vendedoras de mercado e donas de casa.

Ao mesmo tempo em que convidamos você a mergulhar em cada uma das obras e compreender as contribuições que elas fazem para a simples questão do que e como as mulheres fazem para lidar, proteger-se e lutar contra a insegurança urbana, também queremos convidá-lo para uma leitura transversal que nos permita estabelecer na mesa de discussão a base para uma antropologia da (in)segurança urbana com uma perspectiva de gênero. Esta perspectiva deve ser capaz de analisar até que ponto tais práticas e estratégias, que podem variar da submissão à organização coletiva, transformam o relacionamento cultural das mulheres com a cidade - contra o grão e atormentado por contradições, imanências e desafios.

Com isto em mente, primeiro evocaremos a jornada intelectual que nos levou à nossa pergunta central, depois apresentaremos brevemente o conteúdo dos trabalhos, e finalmente destacaremos algumas das contribuições e estabeleceremos algumas das questões que a leitura transversal dos trabalhos nos oferece.

I

A necessidade de dedicar uma questão especial à relação entre (in)segurança urbana e gênero surgiu dentro de um projeto de pesquisa mais amplo que trata da privatização da segurança pública em contextos metropolitanos.2 Nós nos perguntamos como, no contexto de insegurança e violência generalizada nas metrópoles mexicanas desde os anos 90, a segurança pública, que era originalmente responsabilidade do Estado, começou a ser produzida por agências privadas.3 Estávamos interessados nos desafios que este fenômeno representava na sociedade, na cultura e no espaço urbano, focalizando a fragmentação sócio-espacial, a produção e gestão do espaço urbano, o surgimento e aprofundamento de novas alteridades e a exacerbação da desigualdade entre aqueles que têm recursos para comprar um serviço de luxo e aqueles que têm que se contentar com o que o Estado lhes oferece (Zamorano e Capron, 2013; Capron, 2019).

Além de abordar estes problemas, a pesquisa revelou vários aspectos do fenômeno que desestabilizaram nossa própria perspectiva e nos forçaram a fazer novas perguntas. Entendemos, por exemplo, que a privatização da segurança não só implica a intervenção de agentes que produzem serviços e dispositivos de segurança para fins comerciais, mas também uma multiplicidade de agentes que realizam estas atividades para autoconsumo (individualmente ou na formação de comitês de bairro e grupos de autodefesa urbana). Por outro lado, reconhecemos que, ao mesmo tempo em que os agentes que produzem serviços e dispositivos de segurança se multiplicam, o Estado não se retira do setor, mas intervém com novas lógicas, como o envolvimento das forças armadas na segurança pública ou táticas de co-produção que "envolvem ativamente as comunidades na prevenção integral da violência e do crime" (Agudo, 2016: 224). Também nos convencemos de que o aumento da percepção da insegurança não mantém uma relação direta com o aumento da criminalidade, especialmente porque "a mídia e a legitimidade do Estado desempenham um papel importante na regulação dos sentimentos de insegurança" (Zamorano e Moctezuma, 2019: 6). Também descobrimos que o que está em jogo não é apenas a tensão e as contradições que podem ser geradas entre o público e o privado, mas, mais fundamentalmente, entre o legal e o ilegal, o formal e o informal, o legítimo e o ilegítimo (Zamorano, 2019). Finalmente, ao desestabilizar as operações binárias, percebemos que a categoria do cofre pode facilmente se transformar em inseguro, dependendo dos contextos e dos agentes sociais envolvidos. Daí a idéia de insistir no conceito de (in)segurança.

Este conjunto de evidências impôs a necessidade de formular uma nova questão de pesquisa, mais simples, mas mais ampla: como os habitantes das cidades latino-americanas se protegem nestes contextos de insegurança e violência?4

II

Em resposta a esta pergunta, a questão de gênero revelou imaginários, medos, cartografias, práticas e estratégias que são profundamente particulares e que devem ser colocadas em perspectiva. Como podemos entender a particularidade que a dimensão de gênero introduz no debate sobre (in)segurança urbana? Primeiro apresentaremos uma síntese das contribuições dos autores, e depois ofereceremos alguns pontos de reflexão baseados em uma perspectiva transversal, que apontam para a construção de uma antropologia de (in)segurança com uma perspectiva de gênero.

Paula Soto é sem dúvida uma pioneira no México ao abordar a relação entre cidade e gênero a partir de uma perspectiva intersetorial. Nesta edição, seu artigo "Geografias do medo das mulheres na cidade". As "evidências empíricas de duas cidades mexicanas" mostram que a perspectiva feminista sobre a insegurança urbana tem enfatizado as relações de poder desiguais entre homens e mulheres. Analisando os casos de Puebla e Guadalajara através de pesquisas e grupos de foco com mulheres, a autora aponta que o medo que elas têm no espaço público urbano não é apenas o resultado de um mau desenho espacial-ambiental (espaços abandonados, sujos, mal iluminados, estreitos...), como insistem vários autores. É também um produto do poder que os homens expressam sobre as mulheres através do assédio de rua e da violência sexual que objetivam o corpo feminino. A visão feminista nos lembra a dimensão subjetiva, encarnada, emocional da insegurança. O artigo de Paula Soto insiste nos traços sensoriais deixados por esta violência no corpo e na mente das mulheres como uma experiência traumática. Segundo a autora, o medo espacializado forma paisagens e geografias emocionais com as quais as mulheres desenvolvem pelo menos três estratégias em relação ao espaço urbano: evitar, auto-proteger e confrontar.

Miriam Bautista, em "Las chicas ya no quieren divertirse: violencia de género y autocuidado en la zona conurbada a la Ciudad de México", focaliza as experiências de violência e assédio sexual narradas por jovens mulheres de grupos populares na zona norte da Zona Metropolitana do Vale do México, que é freqüentemente referida como o "corredor do tráfico" devido ao número de femicídios e desaparecimentos forçados de mulheres que ocorrem ali. A autora mostra que enquanto as mulheres se sentem vulneráveis em espaços públicos e encontram seu ambiente familiar seguro, a violência contra elas é desencadeada tanto fora de suas casas quanto dentro delas. Apesar de serem vítimas do poder machista, eles naturalizam a violência e se sentem responsáveis pelas agressões, às vezes feminicidas, que são exercidas contra seus corpos por sair à noite, ir a boates, vestir-se de forma provocadora, ir a lugares escuros, etc. Estes discursos de culpa moldam suas subjetividades e os levam a adaptar estratégias de retirada ou evitação. Assim, as mulheres entrevistadas frequentemente se fecham em suas casas e limitam suas atividades de lazer, especialmente à noite.

Diz-se frequentemente que o espaço público, particularmente a rua, pertence a todos, mas pertence acima de tudo aos homens. O artigo de Lorena Umaña, "Habitar y transitar la ciudad de México: representaciones sociales de jóvenes universitarias", propõe revisitar esta afirmação a fim de analisar as experiências e representações das estudantes universitárias do sexo feminino na Cidade do México, quando elas tomam o transporte público e têm que se deslocar de um sistema de transporte para outro. A análise do significado de ser mulher no transporte público, bem como das formas de habitar o espaço público, permite à autora insistir nos medos das mulheres e, em particular, nas desigualdades, exclusões e auto-exclusões que elas experimentam na cidade. Umaña observa que seus interlocutores se perguntam como isso afeta sua cidadania e seu direito à cidade, de se vestir como quiserem, de estar na rua a qualquer hora do dia ou da noite, e de desfrutar do espaço público. Assim, estas jovens, ao contrário daquelas entrevistadas por Miriam Bautista, questionam e desafiam a naturalização da violência e da exclusão que sofrem no espaço público.

O artigo de Gabriela García e Carmen Icazuriaga segue a mesma linha. Na Cidade do México, as autoras analisam as estratégias das jovens profissionais, das mulheres de classe média e média alta com educação superior para se deslocarem em um ambiente percebido como hostil e perigoso. O uso das tecnologias de informação e comunicação - especialmente os aplicativos que eles podem acessar em seus smartphones para indicar sua localização, para informá-las quando estão saindo e chegando, etc. - é uma forma não apenas de se protegerem, mas também de protegerem suas companheiras em um ato de fraternidade. Embora os entrevistados confessem que não sabem o que fariam no caso de um problema, estas práticas os ajudam a se sentir seguros durante seus movimentos, pois geram co-presença e interdependência (digital) e redes de segurança. Eles não permanecem inertes diante do perigo, eles se mobilizam, desenvolvem habilidades e todo um conjunto de conhecimentos que lhes permite circular pela cidade. Na medida do possível, eles são atores em sua própria segurança.

Estes trabalhos mostram uma gama de práticas de autoproteção que vão desde a retirada para as casas até a elaboração de estratégias conjuntas para proteger uns aos outros durante o deslocamento urbano. As estratégias e táticas utilizadas trazem em jogo locais de residência e destinos de deslocamento, ocupações e recursos, fatores que estão em última instância relacionados com a condição socioeconômica dessas mulheres. A classe e esses tipos de recursos materiais desempenham um papel importante nas estratégias de mudança e ocupação de espaço público pelas mulheres, como mostram os dois artigos seguintes.

Gimena Bertoni, em "Estrategias securitarias de mujeres de sectores populares en la periferia urbana platense", mostra que, apesar do contexto urbano desfavorável em dois assentamentos populares na periferia da cidade de La Plata, Argentina, as mulheres têm estratégias que não são tanto defensivas como criativas, que lhes conferem uma certa autonomia como agentes. Embora sofram desigualdades intersetoriais por serem mulheres e pertencerem a setores sociais empobrecidos que se cruzam com uma forte retirada do Estado e uma crescente fragmentação, elas superam os obstáculos que encontram na rua. Em particular, os "temidos outros" são os jovens nas esquinas das ruas, a quem eles cumprimentam enquanto mantêm distância para ganhar seu respeito. Respeito, respeitabilidade, estão no centro da relação entre as "sociedades da esquina" e as mulheres, que negociam com o significado da "mulher respeitável". A análise das estratégias de securitização das mulheres nestes contextos nos convida a considerá-las não como vítimas, mas como atores de sua própria segurança e a ir além de uma visão que as vê como duplamente afetadas pelo medo: o medo da agressão sexual que encontra um eco em outros medos.

Finalmente, Paola Flores, em "Estrategias de cuidado ante la violencia de género en la Ciudad de México", mostra que o medo gerado pelas experiências de violência sexual das mulheres no transporte e nos espaços públicos molda suas percepções da cidade. Esta é a principal razão pela qual o medo dos homens não é igual ao das mulheres. As mulheres percebem o espaço público como um ambiente ameaçador em um contexto em que as políticas públicas para enfrentar o problema são deficientes. Por exemplo, o metrô, que é considerado por muitos como transporte seguro, não é seguro para as mulheres que sofreram assédio sexual e onde as tentativas de seqüestro foram visíveis. Os eventos de violência afetam e limitam a vida cotidiana das mulheres mais do que a dos homens. Apesar de tudo, é interessante que as mulheres não apenas se protejam, como vimos no trabalho de Gabriela García e Carmen Icazuriaga, mas também se organizem e comecem a socializar a informação através de redes. Paola Flores se aprofunda na análise dos coletivos feministas que criam oficinas de autodefesa, onde se concentram na dimensão coletiva e proativa para enfrentar situações de violência e perder o medo do espaço público, com base na apropriação do corpo como primeiro território.

III

Como indicado acima, a proposta para esta questão temática surgiu de um projeto sobre os desafios da privatização da segurança pública, que resultou em duas vertentes. O primeiro foi além da tensão entre o público e o privado na produção de segurança para abordar mais amplamente os imaginários, dispositivos e práticas desenvolvidos pela população urbana para se proteger em um contexto de criminalidade e insegurança. A segunda, ecoando o trabalho de Goldstein (2010), tenta explorar os fundamentos de uma antropologia da (in)segurança urbana capaz de reconhecer os desafios em jogo com respeito a esses imaginários, representações e práticas na configuração de um projeto sócio-cultural.

Em última análise, o que está no cerne dessas diversas formas de se proteger da violência e da criminalidade das cidades, bem como dos imaginários, aspirações e espectros que delas emanam, é

a produção de um novo senso comum, de novos medos, de novas populações perigosas, de uma reconfiguração da alteridade e, definitivamente, "de um novo projeto de sociedade ajustado a certos valores e princípios" (Suárez e Arteaga, 2016) (Moctezuma e Zamorano, no prelo).

Nesses debates, o conceito de gênero surgiu como um revelador indispensável de processos de construção de acesso desigual à cidade entre homens e mulheres. Esta desigualdade está enraizada em experiências, imaginários, representações, medos e aspirações que derivam de várias expressões do poder patriarcal exercido sobre os corpos das mulheres. Como isso se reflete na relação entre as mulheres e a cidade?

Grande parte do trabalho na América Latina que tem abordado a questão aponta para a escassa presença da mulher no espaço público. Uma das explicações para este fenômeno está numa sobreposição entre a divisão familiar do trabalho e a divisão social do espaço urbano, que confina as mulheres ao espaço doméstico e aos ambientes vizinhos, onde geralmente se concentram no trabalho de cuidado de crianças e idosos, ou seja, no trabalho reprodutivo não remunerado (Falú, 2020). Outra explicação se concentra no desenho urbano ou ambiente que é gerado precisamente pela falta de desenho, manutenção e cuidado (ver entre outros Sánchez e Ravelo, 2013; Fuentes, 2013). et al. 2011).

O que os trabalhos aqui apresentados mostram é que a escassa presença de mulheres nas ruas também está relacionada à violência urbana, especialmente a violência sexual exercida por homens contra o corpo das mulheres. Veremos no trabalho de Paula Soto e Miriam Bautista que uma das estratégias mais comuns das mulheres para se proteger é evitar, a ausência de mulheres em espaços e tempos considerados perigosos onde seus próprios corpos parecem, no sentido de Doreen Massey (1994), deslocados e, justamente por isso, suscetíveis e talvez merecedores de violência sexual.

Os artigos desta edição temática não deixam dúvidas de que os medos de homens e mulheres sobre a cidade são profundamente diferentes. Enquanto as primeiras temem justificadamente a violência, roubo, seqüestro e desaparecimento, as mulheres, além de acumularem esses mesmos medos, temem especialmente a violência sexual, que vai desde o leproso e comovente até o estupro e o femicídio.

Este medo feminino da cidade é ancestral (Segato, 2003; Rubin, 1996), mas é reinventado, atualizado e naturalizado a cada dia. Hoje como ontem, diante do estupro, desaparecimento ou assassinato de tantas mulheres jovens e meninas na América Latina, continuamos a ouvir argumentos da mídia, dos políticos e da sociedade que culpam as vítimas: "ela estava usando uma mini-saia, provavelmente era uma escort, não sabemos o que ela estava fazendo naquele lugar e naquela hora do dia".

Isto nos permite compreender a dimensão espectral do medo das mulheres - necessariamente intersubjetivo (Das, 2008) - e nos permite abordar de um ponto de vista original um paradoxo que vários autores sustentam com base em números estatísticos: enquanto as mulheres têm mais medo da cidade do que os homens, os homens têm taxas mais altas de vitimização do crime. Uma explicação oferecida por Kessler (2011) propõe que muitos dos homens que sofrem violência na cidade estejam envolvidos com um grupo criminoso. As mulheres, por outro lado, sofrem de tal violência de forma mais aleatória. Outra explicação, citada por Gimena Bertoni nesta edição, retoma a dimensão espectral da violência contra as mulheres através da metáfora da sombra (Warr, 1985): esta tese, diz Bertoni, implica que o medo da agressão sexual tem um efeito amplificador sobre o medo de outros tipos de crime e obscurece as especificidades da percepção de insegurança das mulheres.

Estas propostas, sem dúvida, contribuem para a discussão. Entretanto, é necessário ressaltar, como os artigos desta edição deixam claro, que as mulheres temem acima de tudo a violência sexual, o estupro, é claro - o que às vezes se reflete nas estatísticas - mas também olhares e palavras lascivos, exibicionismo e toque abusivo, que geralmente passam pelo silêncio e solidão das vítimas, como vimos nas declarações em #MiFirstHarassment e como veremos nos artigos que compõem esta edição. Quando tomarmos consciência das diferenças entre o medo masculino e feminino e da sub-notificação estatística de todos os tipos de assédio de rua contra as mulheres, deixará de ser surpreendente que nas estatísticas as mulheres tenham mais medo da cidade do que os homens. O que devemos enfatizar é que este é um tipo diferente de medo.

Mas as contribuições nesta questão temática não se limitam a revelar a dimensão do medo como um fator que constrói a relação da mulher com a cidade. Eles também enfatizam os recursos materiais e socioculturais que as mulheres empregam para se deslocarem e ocuparem espaços públicos. Apesar da freqüência com que se faz referência ao autofinanciamento em casa (especialmente entre os grupos menos favorecidos), em muitos casos eles ganham a necessidade e o desejo de se locomoverem na cidade, de tornarem seus espaços públicos e semi-públicos próprios, não apenas como uma ferramenta de trabalho ou estudo, mas também para fins recreativos. Como Gabriela García e Carmen Icazuriaga escrevem: as mulheres se recusam a deixar que o medo continue sendo o fator determinante em sua mobilidade.

Perguntar o que e como as mulheres fazem para se proteger em um ambiente urbano duplamente adverso para elas - tanto por causa da criminalidade comum como da violência sexual - nos permite ver não só as práticas de submissão à ordem patriarcal, mas também as formas de questioná-la (Lorena Umaña); evitá-la discreta e criativamente (Gimena Bertoni) e confrontá-la de forma organizada (Gabriela García e Carmen Icazuriaga; Paola Flores). Isto não nos fala de um único projeto sócio-cultural, mas do confronto de pelo menos dois projetos que terão de ser estudados mais a fundo, pois é aqui que encontramos um motor de mudança.

De fato, uma leitura transversal destes textos revelará que, para entender a relação entre a (in)segurança urbana e gênero, devemos observar as interseções entre violência sexual, espaço urbano e medo, que atuarão de diferentes maneiras de acordo com as experiências, idades e recursos sociais, culturais e materiais das mulheres. Estas leituras também nos convidarão a observar outros sentimentos e emoções que emergem da insegurança (Kessler, 2011), como a raiva, a indignação e o desejo de mudança. Sem dúvida, estes são sentimentos que estão começando a ganhar importância entre as mulheres, não de forma homogênea, mas em velocidades extremamente diversas e repletas de contradições.

Dedicamos esta questão a nossos filhos e sua geração: para a conquista de sua cidade.

Cidade do México, 13 de junho de 2022

Bibliografia

Agudo, Alejandro (2016). "Encuentros ciudadanos con la policía y coproducción de seguridad entre el Estado y la familia", em María Eugenia Suárez de Garay e Nelson Arteaga Botello (ed.), Violência, segurança e sociedade no México. México: comecso/Foro Consultivo Científico y Tecnológico, pp. 223-250.

Alvarado, Arturo et al. (2021). Mobilidade e violência contra a mulher nos espaços públicos da Cidade do México. México: El Colegio de México.

Capron, Guénola (2019). "Co-produção de segurança pública em condomínios fechados no Vale do México". Nova Antropologia, vol. 32, no. 91, pp. 10-25. Obtido em https://revistas.inah.gob.mx/index.php/nuevaantropologia/article/view/15998, acessado em 13 de julho de 2022.

Das, Veena (2008). "Violência, gênero e subjetividade". Revisão Anual da Antropologia, vol. 37, no. 1, pp. 283-299. https://doi.org/10.1146/annurev.anthro.36.081406.094430

Falú, Ana (2011). "Restricciones ciudadanas, las violencias de género en el espacio público". Pensamento Ibero-AmericanoNo. 9, pp. 127-146. Obtido em https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3710895, acessado em 13 de julho de 2022.

Falú, Ana (2020, 27 de agosto). Urbanismos feministas [conferência virtual]. V Fórum Internacional de Intervenções Urbanas. Obtido em https://www.youtube.com/watch?v=JtoL9N2wsdY, acessado em 14 de julho de 2022.

Fuentes, César, Luis Cervera, Julia Monárrez e Sergio Peña (ed.) (2011). Espaço público e gênero em Ciudad Juárez, Chihuahua: acessibilidade, sociabilidade, participação e segurança. Tijuana: El Colegio de la Frontera Norte e Universidad Autónoma de Ciudad Juárez.

Goldstein, Daniel (2010). "Rumo a uma Antropologia Crítica de Segurança". Antropologia atualvol. 51, no. 4, pp. 487-517. Obtido em https://www.journals.uchicago.edu/doi/10.1086/655393, acessado em 13 de julho de 2022.

Jirón, Paola e Dhan Zunino (2017). "Dossiê". Mobilidade urbana e gênero: experiências latino-americanas". Revista Transporte y Territorio, No. 16, pp. 1-8. Obtido em https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=333051591001, acessado em 13 de julho de 2022.

Kessler, Gabriel (2011). Sentimentos de insegurança: a sociologia do medo do crime. Buenos Aires: Siglo xxi e Editora Iberoamericana.

Koonings, Kees e Dirk Kruijt (2007). "Cidades Fraturadas, Cidadania de Segunda Classe e Violência Urbana", em Kees Koonings e Dirk Krujit (ed.), Cidades Fraturadas: Exclusão Social, Violência Urbana e Espaços Contestáveis na América Latina. Londres: Zed Books Ltd, pp. 7-22. https://doi.org/10.5040/9781350220225.ch-001

Lindón, Alicia (2006). "Territorialidad y género: una aproximación desde la subjetividad espacial", em Patricia Ramírez e Miguel Aguilar (ed.), Pensar e habitar a cidade: afetividade, memória e significado no espaço urbano contemporâneo. México: Anthropos e uam, pp. 13-32.

Massey, Doreen B. (1994). Espaço, Local e Gênero. Minneapolis: University of Minnesota Press.

McDowell, Linda (1999). Gênero, Identidade e Lugar: Um Estudo de Geografias Feministas. Madri: Cátedra.

Moctezuma, Vicente e Claudia Zamorano (no prelo). "Por una antropología crítica de la (in)seguridad urbana en México", em Ricardo Fagoaga, Anne Johnson, e Fernando Salmerón (ed.), Antropologia feita no México. México: Asociación Latinoamericana de Antropología e Colegio de Etnólogos y Antropólogos Sociales.

Nações Unidas Mulheres (UN Women) (2019). Análise comparativa internacional da legislação contra o assédio sexual em espaços públicos. México: onu Mujeres. Recuperado de https://mexico.unwomen.org/sites/default/files/Field%20Office%20Mexico/Documentos/Publicaciones/2019/Analisis%20comparado%2013jun2019.pdf, consultado el 13 de julio de 2022.

Reina, Elena (2016, 15 de junho). "#MiPrimerAcoso: testemunhos contra o drama das mulheres no México". El País [site]. Obtido em https://elpais.com/internacional/2016/04/24/mexico/1461457343_029902.html, acessado em 13 de julho de 2022.

Rubin, Gayle (1996). "Notas sobre a economia política do sexo". Gênero. A construção cultural da diferença sexual. México: unam/pueg.

Sánchez, Sergio e Patricia Ravelo (2013). "Cultura da violência no contexto da vida cotidiana da classe trabalhadora nas maquiladoras de Ciudad Juárez". El Cotidiano, No. 182, pp. 41-50. Obtido em https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=32529942005, acessado em 13 de julho de 2022.

Segato, Rita Laura (2003). As estruturas elementares da violência: Ensaios sobre gênero entre antropologia, psicanálise e direitos humanos. Buenos Aires: Universidad Nacional de Quilmes.

Suárez, María Eugenia e Nelson Arteaga (ed.) (2016). Violência, segurança e sociedade no México. México: comecso/Foro Consultivo Científico y Tecnológico.

O Instituto dos Trabalhadores (2015). "ilr e Hollaback! Liberar a maior análise do assédio nas ruas até hoje". ilr Instituto dos Trabalhadores [site]. Obtido em https://www.ilr.cornell.edu/worker-institute/blog/research-and-publications/ilr-and-hollaback-release-largest-analysis-street-harassment-date, acessado em 13 de julho de 2022.

Warr, Mark (1985). "Medo de estupro entre as mulheres urbanas". Problemas sociais, vol. 32, no. 3, pp. 238-250. https://doi.org/10.1525/sp.1985.32.3.03a00060

Zamorano, Claudia (2019). "Quão pública é a segurança pública no México?" Revista Mexicana de Sociología, vol. 81, no. 3, pp. 479-507. https://doi.org/10.22201/iis.01882503p.2019.3.57918

Zamorano, Claudia e Guénola Capron (2013). "Privatização da segurança e da produção de espaço na Cidade do México: desafios para o planejamento urbano". International Journal of E-Planning Research, vol. 2, no. 4, pp. 59-74. https://doi.org/10.4018/ijepr.2013100105

Zamorano, Claudia, Guénola Capron e Arturo Díaz Cruz (ed.) (no prelo). Disposições de segurança: efeitos, práticas e relações em ambientes urbanos. México: ciesas.

Zamorano, Claudia e Vicente Moctezuma (2019). "Editorial de dossiê. Proteger-se no Vale do México: dispositivos, imaginários e serviços de segurança". Nova Antropologia, vol. 32, no. 91, pp. 5-9. Obtido em https://revistas-colaboracion.juridicas.unam.mx/index.php/nueva-antropologia/article/view/38563/35431, acessado em 13 de julho de 2022.


Claudia C. Zamorano Villarreal Em 1999 obteve o doutorado em Ciências Sociais com especialização em estudos urbanos pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (École des Hautes Études en Sciences Sociales) (ehess). Desde 2000, ela é professora de pesquisa no ciesas Cidade do México. As questões urbanas são seu principal interesse, focalizando as práticas residenciais das classes trabalhadoras e médias, os movimentos sociais urbanos e a antropologia da (in)segurança urbana. Em 2011 ela foi pesquisadora visitante na City University of New York (cuny). Em 2014 seu livro Moradia mínima dos trabalhadores no México pós-evolucionário: Apropriações de uma utopia urbana foi premiado pelo Instituto Nacional de Antropologia e História com o prêmio de melhor pesquisa em Antropologia Social. Desde 2016, ela é responsável por um projeto da Conacyt Basic Science sobre práticas de segurança urbana no Vale do México.

Guénola Capron é formado em geografia e doutorado em geografia e ordenamento territorial pela Universidade de Toulouse le Mirail. Ela foi pesquisadora no cnrs em Toulouse e se juntou ao uam Unidade Azcapotzalco em 2010. Foi pesquisadora do Centro de Estudios Mexicanos y Centroamericanos (cemca) e é associada da mesma instituição e do lisst-Cieu (Centre Interdisciplinaire d'Etudes Urbaines). Em 2020 ela foi professora visitante no departamento de geografia da Universidade de Toulouse Jean-Jaures. Seu trabalho é sobre as transformações do espaço público sob perspectivas como o comércio, a mobilidade urbana e a segurança. Mais recentemente, ela se interessou por questões alimentares. Desde 2016, ela é responsável por um projeto da Conacyt Basic Science sobre a produção material e social de pavimentos na Zona Metropolitana do Vale do México.

Assine
Notifique
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

Instituições

ISSN: 2594-2999.

encartesantropologicos@ciesas.edu.mx

Salvo indicação expressa em contrário, todo o conteúdo deste site está sujeito a um Creative Commons Atribuição- Licença Internacional Creative Commons 4.0.

Download disposições legais completo

EncartesVol. 5, No. 10, Setembro 2022-Fevereiro 2023, é uma revista académica digital de acesso livre publicada duas vezes por ano pelo Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Calle Juárez, No. 87, Col. Tlalpan, C. P. 14000, Cidade do México, P.O. Box 22-048, Tel. 54 87 35 70, Fax 56 55 55 76, El Colegio de la Frontera Norte, A. C., Carretera Escénica Tijuana-Ensenada km 18,5, San Antonio del Mar, núm. 22560, Tijuana, Baja California, México, Tel. +52 (664) 631 6344, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente, A.C., Periférico Sur Manuel Gómez Morin, núm. 8585, Tlaquepaque, Jalisco, Tel. (33) 3669 3434, e El Colegio de San Luís, A. C., Parque de Macul, núm. 155, Fracc. Colinas del Parque, San Luis Potosi, México, Tel. (444) 811 01 01. Contato: encartesantropologicos@ciesas.edu.mx. Diretora da revista: Ángela Renée de la Torre Castellanos. Hospedado em https://encartes.mx. Responsável pela última atualização desta edição: Arthur Ventura Temporal. Data da última modificação: 22 de setembro de 2022.
pt_BRPT