Renata Menezes

é professor do Departamento de Antropologia do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (ufrj). Doutorado (2004) e Mestrado (1996) em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, ufrj (ppgas/mn/ufrj). Coordenador do Laboratório de Antropologia do Lúdico e do Sagrado do Museu Nacional (Ludens). Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-.cnpq e "Cientista do Nosso Estado" da Faperj. renata.menezes@mn.ufrj.br

Morena Freitas

é antropóloga da Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (iphan) em Sergipe, Brasil. Pesquisadora do Laboratório de Antropologia do Lúdico e do Sagrado (Ludens/...).mn/ufrj). Doutor em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. morebmfreitas@gmail.com

Lucas Bártolo

Estudante de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ppgas/mn/ufrj), Brasil. Pesquisador do Laboratório de Antropologia do Lúdico e do Sagrado (Ludens/...).mn/ufrj). Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. bartolo.lucas@mn.ufrj.br


Pôster da exposição virtual Doces Santos: Devoções a Cósimo e Damião no Rio de Janeiro

Leear Martiniano, 2020


Durante os meses de setembro e outubro, Cosme, Damien, Doum e as ibejadas circulam e são exibidas em lojas religiosas.

Thiago Oliveira, 2015. 


Desde o início de setembro, as vitrines das lojas anunciam a chegada da temporada de doces de santo. Até 25 de outubro, dia de Crispim e Crispiniano, passando por 12 de outubro, Dia das Crianças, estabelece-se na cidade do Rio de Janeiro um calendário festivo-religioso em torno da celebração da infância. Nas lojas de artigos religiosos, as imagens de Ibejadas, Cosme, Damião e Doum são as mais procuradas nesse período, quando os terreiros e igrejas são usados para celebrar as crianças.


Temporada de doces nos mercados

Thiago Oliveira, 2015.


Os doces típicos de Cosme y Damián

Thiago Oliveira, 2015. 


Doces brancos, doces típicos, potes de doces, doces tradicionais, doces industrializados, doces caseiros... Bem-vindo ao incrível mundo dos doces! Doce de coco, suspiro, paçocajujuba, pirulito, doce de leite, amendoim (pé de moleque) e abóbora. Muitos desses doces só aparecem nas prateleiras uma vez por ano, em setembro: são os doces típicos de Cosme y Damián. 


Algumas pessoas gostam de dar mais do que apenas doces, principalmente brinquedos.

Thiago Oliveira, 2015. 

Em celebrações organizadas por um grupo maior de devotos - na rua ou em clubes da vizinhança - ou pela comunidade de um bairro. terreiroPor exemplo, os brinquedos podem ser mais especiais, como bicicletas e carros com controle remoto, e atividades recreativas e jogos são programados ao longo do dia. As distribuições assumem uma dimensão beneficente quando também são doados materiais escolares, alimentos e roupas.


A montagem requer o desenvolvimento de uma técnica, sem renunciar ao afeto.

Thiago Oliveira, 2015.


A técnica de montagem é um aprendizado familiar, na maioria dos casos por meio da linha materna. 

Thiago Oliveira, 2015, Vaz Lobo.


Em casa, as famílias geralmente se organizam em uma linha de montagem: os doces são retirados dos pacotes e colocados sobre a mesa, e cada pessoa é responsável por colocar um ou mais tipos em um saco, que é passado de mão em mão até chegar à pessoa encarregada de fechá-lo com um grampeador ou uma fita. O ideal é que cada sacola tenha a mesma quantidade e o mesmo tipo de doces que as outras, para que nenhuma criança seja prejudicada. E os santos estão de olho! Mas as sacolas não podem ser montadas com muita antecedência, pois os doces podem derreter. Depois que as sacolas estiverem cheias e lacradas, é hora de separar as que irão para o vizinho, o sobrinho, a filha do amigo do trabalho. Algumas pessoas já dão presentes há décadas, outras estão começando agora, para saudar a chegada de um bebê, e outras estão dando continuidade a práticas herdadas de seus antepassados.


Muito além dos doces, as sacolas Cosme y Damián também contêm promessas, tradições familiares e lembranças da infância. 

Thiago Oliveira, 2015.


O sachê com a efígie dos santos gêmeos é considerado o mais tradicional, seja ele feito de papel ou de plástico.

Lucas Bártolo, 2016.


Para muitos, os santos também participam da festa, comendo os doces. Cocadas, suspiros, doces de abóbora etc. também são oferecidos. Muitos altares de Cosme y Damián contêm doces e refrigerantes como oferendas.

Estar associado ao orixás gêmeos, Cosmas e Damião também comem o alimento dos deuses. Além de doces, os santos comem caruru, omolocum, acarajé e frango. Em casa ou no terreiros.


Oferendas para Cosme, Damien e Doum em uma loja de artigos religiosos.

Thiago Oliveira, 2015.


Ofertas aos santos na Igreja Católica Romana

Renata Menezes, 2012.


Ofertas para os santos e orixás em um terreiro 

Lucas Bártolo, 2016, Cavalcanti.


O grande dia está se aproximando. Os ingressos e convites são distribuídos para evitar aglomerações e para alternar a distribuição na vizinhança. As informações sobre as casas que distribuem os sacos de doces circulam entre as crianças, que começam a desenhar um mapa emocional (e doce) da cidade.

Em grupos, liderados pelo mais velho ou mesmo por um adulto, as crianças saem cedo de casa e passam o dia perambulando pelas ruas, correndo atrás de doces. A festa desenha um mapa afetivo da cidade, delimitado por locais de doces fortes ou fracos, perto ou longe de casa, onde há sacos bons ou ruins. Os sacos são distribuídos nas portas, nas praças, nas igrejas e santuários, nas escolas, creches e orfanatos, a pé ou de carro. As famílias se reúnem para beber e dar doces. Alguns gostam de comemorar o dia como se fosse o aniversário dos santos gêmeos, abrindo a casa e arrumando uma mesa com bolo, guaraná, manjar e doces. Em saquinhos ou sobre as mesas, os doces são, no dia 27, alimento para os santos e para as crianças. O dia de Cosme e Damião é uma experiência lúdica da cidade.

Correndo atrás de doces: uma experiência lúdica da cidade

Correio da Manhã/Arquivo Nacional, setembro de 1971. 

Thiago Oliveira, 2015.


No início da manhã, o som dos primeiros tênis estalando enquanto correm pelas ruas anuncia o início de mais um dia em 27 de setembro. É uma ocasião extraordinária em que as crianças assumem uma autonomia que provavelmente só terão de fato quando deixarem de ser crianças. Em grupos, liderados pelo mais velho ou até mesmo por um adulto, as crianças saem de casa no início da manhã e passam o dia correndo pelas ruas, ou melhor, correndo atrás de doces.

Em vários bairros da cidade, encontramos padrões de agrupamento que podem ser comparados a fotos antigas, como a que está abaixo. Há um padrão que parece se repetir, em um movimento de crianças pelas ruas da cidade que coloca adultos e crianças em movimento.


O banquete como um momento de troca anônima e generosa (e doce) com o desconhecido 

Pilar Isabela, 2013.


"Darei os doces na porta para as crianças de rua". É assim que muitos devotos nos respondem quando lhes perguntamos como farão sua festa. O Dia de Cosmas e Damien coloca o foco na relação entre a casa e a rua e coloca seus limites em suspense. É um momento de troca anônima e generosa com o desconhecido.

Entre as várias formas de oferecer doces, a mais difundida é a distribuição pelas portas das casas e edifícios. Os devotos tentam organizar uma fila, dando preferência a crianças de colo e mulheres grávidas, mas em geral há um pequeno tumulto na frente das casas. Outra prática popular é "jogar os doces para a frente", atirando-os por cima do muro no meio da pequena multidão. Alguns doadores se destacam justamente por essa prática, jogando não apenas doces, mas também brinquedos e dinheiro.


Recapitulação das conquistas do dia

Thiago Oliveira, 2015.

Mentir sobre a idade, não ser reconhecido quando tenta pegar dois sacos na mesma casa, saber onde estão os melhores sacos, pedir doces em nome de um suposto irmão mais novo... todos esses são truques que as crianças usam para conseguir mais doces. Faz parte do jogo fazer com que os adultos se dobrem, que avisam: É um saco para todos! Só dou doces para crianças pequenas! Quem sai com alguém não é mais criança.


O festival é uma tradição lúdica e religiosa que consiste em um grande jogo

Lucas Bártolo, 2014.


Os sorrisos das crianças são, para alguns, a grande recompensa da festa..

Thiago Oliveira, 2015.

Pilar Isabela, 2013.


O sorriso das crianças é, para alguns, a grande recompensa da festa - se quiséssemos falar sobre os possíveis interesses de dar doces, certamente ele apareceria como a principal retribuição desejada pelo ato de dar. Mas as crianças não são apenas convidadas da festa: várias e diversas crianças também fazem a festa. Se com os adultos as crianças aprendem a ser gratas pelas sacolas que ganharam e também a distribuí-las, é na companhia dos amigos que elas desenvolvem os truques de pegar os doces, especialmente para pegá-los mais de uma vez na mesma casa. 

Alguns gostam de comemorar o dia como se fosse o aniversário dos santos, abrindo a casa e arrumando uma mesa com bolo, guaraná, manjar, doces e muitas bolas coloridas. Os quitutes só podem ser oferecidos aos convidados depois de cantar parabéns para Cosme e Damião e servir as sete crianças reunidas em volta do bolo. Nessas mesas, a presença dos gêmeos é considerada uma bênção. Pela sequência de fotos, é possível ver que muitas famílias fazem isso há décadas.


Uma comemoração doméstica para Cosme e Damien

Coleção pessoal de Glória Amaral, 1990 (data estimada).


O aniversário dos santos 

Lucas Bártolo, 2014.

Thiago Oliveira, 2015.


Novenas, missas, batizados e procissões marcam a programação das igrejas dos diferentes ramos do catolicismo (romano, ortodoxo, copta) que recebem milhares de devotos no dia 27 de setembro, que também distribuem doces, brinquedos e alimentos para crianças e pessoas carentes. Muitas tradições religiosas têm a prática da caridade e da ajuda como valores fundamentais e, no dia de Cosme e Damião, as doações feitas nesses espaços são uma forma de colocar esses valores em prática.


Doação de brinquedos e alimentos na Igreja Católica Ortodoxa de São Jorge, São Cosme e São Damião

Thiago Oliveira, 2015.


Personagens multiformes, Cosimo e Damian podem ser apresentados como mártires católicos, médicos e gêmeos, orixás africanos, protetores de crianças ou entidades infantis, entre outras concepções sobre eles que também aparecem de forma combinada. Elas estão presentes em muitos panteões, assumindo especificidades em cada um desses contextos.

No Brasil, a devoção aos santos foi associada às tradições africanas de culto aos gêmeos, destacando-se a hibridização com os Ibejis, orixás protetores de crianças gêmeas na tradição iorubá. É a partir da aproximação de Cosme e Damião com Ibeji que suas funções foram redefinidas: de protetores dos médicos e farmacêuticos a protetores das crianças, dos partos duplos e da saúde dos gêmeos. No universo religioso brasileiro, os santos estavam ligados à infância, daí a distribuição de doces às crianças como forma de celebrá-los.


Nas igrejas católicas, os santos podem ser jovens ou idosos, gêmeos idênticos ou gêmeos diferentes.

Thiago Oliveira, 2015.

Ana Ranna, 2013.


Os santos agora são três. Idowú, irmão mais novo dos gêmeos iorubás Ibeji, aqui no Brasil é Doum, irmão de Cosme e Damián. 

Thiago Oliveira, 2015


Ibejis, os orixás ninõs da tradição iorubá, protetores dos ninõs e dos gêmeos.

Lucas Bártolo, 2015.


Os santos agora são três. Idowú, irmão mais novo dos gêmeos iorubás Ibeji, aqui no Brasil é Doum, irmão de Cosme e Damián. 

Thiago Oliveira, 2015


A doçura sagrada das crianças

Morena Freitas, 2016.

A doçura sagrada dos santos, das ibejadas e das crianças é venerada com suspiros, cocadas, doces, bolos e guaraná. Essa doçura tem cheiro, som, cor, derrete nossas mãos, invade nossos narizes e bocas; e sentir essa doçura é sentir as Crianças.


A devoção aos santos envolve intensa comunicação por meio de olhares, gestos, palavras e coisas, e envolve afeição, emoções e desejos. Portanto, a devoção vai muito além dos sacos de doces..

Lucas Bártolo, 2019.

Thiago Oliveira, 2015


As múltiplas formas que essa devoção assume expressam a diversidade cultural do Brasil. Cosme e Damião na literatura de cordel e carnaval.

Thiago Oliveira, 2015.

Lucas Bártolo, 2015.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 18 =