O muro de fronteira em Tijuana. Traços fotográficos das ofertas/intervenções artísticas em memória de migrantes mortos 1999-2021

A instalação foi realizada no final de outubro. Foi colocado em letras grandes em um suporte de madeira, com a lenda Alto a Guardián em letras maiúsculas.

Guillermo Alonso Meneses

El Colegio de la Frontera Norte, Tijuana, México.

orcid:

Guillermo Alonso Meneses, Playas de Tijuana, 1999, outono.

As imagens são de um filme (slide) e fotos impressas, posteriormente digitalizadas, obtidas com uma câmera analógica Minolta DYNAX 500 si Reflex, com um Zoom AF 28-80. Elas correspondem a uma das primeiras intervenções artísticas na parede de Playas de Tijuana, que foi feita por ocasião do 5º aniversário do lançamento da Operação Gatekeeper/Guardian 1994-1999. A instalação foi realizada no final de outubro. As letras grandes foram colocadas em um suporte de madeira, com as palavras "alto a guardián" em letras maiúsculas. Dentro de cada letra foram desenhadas dezenas de crânios de calaca; a calaca ou crânio surge como um importante elemento iconográfico e simbólico. E separadamente, à direita, vários painéis de madeira pintados de branco foram instalados com os nomes, origem e idade - ou a lenda "não identificados" - de 473 migrantes que haviam morrido naqueles primeiros 5 anos. A instalação com os nomes fez lembrar o Memorial dos Veteranos do Vietnã em Washington D.C., onde os nomes de milhares de guerras do Vietnã e outros conflitos do sudeste asiático estão inscritos em uma parede de granito preto. Como tantas vezes antes, apenas os nomes das vítimas e sua poderosa memória permanecem em exibição pública.


Guillermo Alonso Meneses, bulevar aeroporto, 2000 e 2004.

Esta imagem foi tirada com uma câmera digital Kodak cx7430 em 29 de maio de 2004. Na Via Crucis do ano 2000, onde a estrada do aeroporto gira antes de chegar a Colonia Libertad, foi feita uma instalação com uma cruz central onde uma figura feita de calças e camisa representava um migrante crucificado. Em ambos os lados há três cruzes brancas menores com os anos de 1995 a 2000 e no fundo o número de migrantes mortos a cada ano na fronteira guardados pela operação Guardián. A parede é a original, pintada de vermelho; e embora não possa ser vista em sua totalidade, abaixo da instalação foi pintada a lenda: "Quantos mais?


Caixões

Guillermo Alonso Meneses, avenida do aeroporto, 2003.

Outra instalação na mesma área, a meio caminho entre Colonia Libertad e o edifício principal do aeroporto, ao lado da rodovia, foi feita pelo artista da Baja California, Alberto Caro. No final de outubro de 2003 ele instalou nove caixões pintados com cores e motivos diferentes, em cada um dos quais ele pintou o ano, o número de vítimas e verticalmente: "Mortes". Mais tarde, foi acrescentado um décimo caixão com a lenda escrita em preto: "quantos mais?" E em 2004, além deste último, foram colocados três cartazes brancos com o ano de 2004, o número de mortes, que foi de 373, e verticalmente: "mortes". A instalação de caixões é uma singularidade iconográfica, representa a morte de migrantes, e as estatísticas refletem as vítimas resgatadas e identificadas que são aquelas que conseguem um enterro digno. Seu impacto visual é acentuado por seu evidente simbolismo, por ligar factualmente a parede à morte e transformá-la em um necro-artefato de uma necropolítica ousada (necropolítica no sentido descritivo; não no sentido da categoria analítica proposta pelo Mbembe). Tirada com a câmera digital Kodak cx7430 em 29 de maio de 2004.


Guillermo Alonso MenesesAs travessias ao longo da avenida ou estrada para o aeroporto de Tijuana e no caminho para Colonia Libertad., 2003 a 2004.

Cruzes, instrumento romano de tortura e execução difundido no mundo latino da antiguidade e re-significado no cristianismo como símbolo de Cristo [versalitas]inri[/versalitas], símbolo sagrado de redenção e perdão, foram colocadas no muro de fronteira para lembrar/denunciar as mortes de migrantes. "Quando alguém morre, sua família carrega uma cruz com seu nome até o túmulo" (Smith). Também porque duas das celebrações originais foram as posadas de Natal (a Virgem Maria grávida e São José como migrantes) e as Estações da Cruz da Semana Santa católica. Desde pelo menos 1997 tem havido uma contagem anual, e para cada morte contada, foi colocada uma cruz branca com informações sobre alguém identificado ou com a legenda "não identificado". O detalhe na cruz tem o nome e a idade de uma jovem vítima e um cartão postal com o motivo principal do cartaz da Playas de 2003. Tirada com a câmera digital Kodak cx7430, maio de 2004.


Instalação de ferida e necroexpositor

Guillermo Alonso Meneses, avenida do aeroporto e os limites de Colonia Libertad, respectivamente., 2004.

Em 2004, além de colocar uma centena de cruzes brancas na avenida do aeroporto, Michael Schnorr e outros membros do BAW/TAF pintados em quatro pranchas, que foram ancoradas na parede da borda em intervalos e nos espaços entre elas, uma representação de uma ferida sangrenta com uma frase significativa: "A borda... uma ferida aberta". Gloria Anzaldúa tinha escrito: "A fronteira EUA-México é uma ferida aberta onde o Terceiro Mundo se abre contra o primeiro e sangra. E antes que se forme uma sarna, ela volta a sangrar, o sangue vital de dois mundos se fundindo para formar um terceiro país - uma cultura de fronteira" (1987: 25). O necro-exhibitor, como uma vitrine e um relicário de restos mortais, consiste em um móvel onde ainda existem algumas flores de calêndula murchas e secas (a foto é de vários dias após o Dia dos Mortos em 2004). Atrás, como pano de fundo cenográfico, uma enorme flor de calêndula no centro da qual, em forma de estrofe de crânio: "não identificada... por seu governo esquecido". No chão à esquerda da imagem, pode-se ver um sinal de 2004 que diz: "Guardião, aqui começou... dez anos depois, 3000 mortes foram alcançadas". Na cruz acima dela, uma flor murcha da última celebração e um cartão postal com o motivo principal do cartaz das Playas de 2004. Esta instalação foi feita no mesmo lugar em que a cruz com o migrante crucificado estava há anos atrás. Tirada com a câmera digital Kodak cx7430, maio de 2004.


Guillermo Alonso MenesesPlayas de Tijuana, 2004.

Uma data significativa foi 2004, o décimo aniversário da Operação Patrulha de Fronteira do Guardião da Patrulha de Fronteira em 1 de outubro, durante o qual foram mortas cerca de 3.000 vítimas. A instalação artística comemorativa consistiu em três telas (4,2 metros de comprimento por 2,5 metros de altura) e uma tábua de madeira de "triplay" (2,5 metros de comprimento por 2,5 metros de altura), ancorada na parede, mostrando uma calaca sentada em uma paisagem desértica aos pés de um saguaro, segurando dois galões vazios simbolizando a morte por desidratação e calor nos desertos. Nas lonas complementares estava escrito o crânio "Guardião... aqui começou". Dez anos mais tarde, 3000 mortos conseguiram". A instalação foi pintada por Todd Stands e Susan Yamagata, e financiada pela CRLAF liderada por Claudia Smith e pela Coalición Pro Defensa del Migrante. Os elementos emblemáticos da iconografia são a calaca (um meio esqueleto de corpo) e o galão vazio de água simbolizando sede e morte por desidratação no deserto. Augé observou: "As memórias são moldadas pelo esquecimento como o mar molda os contornos da costa" (1998:12). As imagens também mostram como a parede de aço, após mais de uma década, estava se desmoronando sob o poder corrosivo do salitre do mar, pulverizando o aço em ferrugem. Outra metáfora para a dialética memória/esquecimento. Tirada com a câmera digital Kodak cx7430, maio de 2004.


11 anos de Guardião e altar

Guillermo Alonso MenesesPlayas de Tijuana, 2005.

As fotografias foram tiradas com uma câmera digital Kodak cx7430, outubro/novembro de 2005. Naquele ano, destaca-se a instalação de lonas sintéticas com fotos e nomes impressos comemorando onze anos de operações de Patrulha de Fronteira na região, e o altar daquele ano colocado contra a cerca na areia da praia. Destacam-se os cempasúchil, braceros para queimar copal, doces calacas e velas. Por trás de um quadro com um tema do deserto que ironicamente retrata a presença de vigilantes civis entre os "mortos". 2005 foi o ano do movimento de caça ao migrante chamado Minuteman. A parede irregular e imperfeita que pode ser vista foi construída para substituir a parede original. Meses depois, foi reconstruída.


Portões de fronteira

Guillermo Alonso MenesesPlayas de Tijuana, 2005.

Em 2005, uma instalação de três quadros com três portões utilizados para a "Posada del Migrante" foi instalada na cerca renovada de Playas ao lado do farol. Depois dessa celebração, eles foram levados para a praia próxima ao farol. Dois portões estão fechados, simbolizando os efeitos do muro e da vigilância, o terceiro está aberto, mas se abre para os desertos letais da fronteira, uma armadilha mortal. Cada pintura tem 2,5 metros de comprimento por 1 metro de largura. Os autores foram Todd Stands e Susan Yamagata. Financiado pela CRLAF e pela Coalición Pro Defensa del Migrante. A fotografia foi tirada com uma câmera digital Kodak cx7430.


Protesto contra o Minuteman

Guillermo Alonso Meneses, Playas de Tijuana, 2005.

Na primavera de 2005, foi realizada uma manifestação nos EUA contra a MinutemenEles não tinham nada a ver com as organizações pró-migrantes em Tijuana. O local é o Parque binacional Parque de la Amistad/Frienship Park desde 1971, onde está localizado o marco fronteiriço. As cruzes de papel são uma lembrança dos migrantes caídos. Em um quadro de cartazes alguém pintou: "Faça amigos, sem cercas". Com o passar dos dias, o vento não deixou vestígios. Em outro dia alguém pendurou uma faixa sintética com o slogan "No al muro de la muerte/ No Border Wall". Tirada com uma câmera digital Kodak cx7430, maio de 2005.


Dia dos Mortos

Guillermo Alonso MenesesPlayas de Tijuana, 2007.

Em 2007, foi feita uma instalação de madeira, mas uma tempestade de vento em Santana derrubou-a alguns dias depois. O trabalho tridimensional foi construído em madeira e posteriormente pintado com caveiras ou calacas com nomes na testa, representando os mais de 400 migrantes que morreram até agora este ano. Foi um trabalho coletivo de estudantes da oficina de artes da fronteira no Southwestern College em Chula Vista, San Diego, uma instituição com a qual Schnorr estava associada.

A iconografia foi formada a partir de calacas que têm algo dos crânios de um "Tzompantli" e a "Catrina", esta última com uma estética que vai de José Guadalupe Posada a Diego Rivera, deu uma reviravolta. Mas embora essas manifestações tenham raízes genuinamente americanas que podem ser traçadas antes de 1492 ou do México dos séculos XIX e XX, o fato é que o culto aos mortos ou a simbolização religiosa e profana dos crânios é antigo. O Belting nos diz que os chamados crânios de Jericó descobertos há mais de 4000 anos, que foram cobertos com uma camada de cal e depois pintados, são imagens da morte, por mais pintadas que sejam (Belting, 2007: 181). Estas calacas, entretanto, entrelaçam a imagem da morte com a vida da memória. Tirada com uma câmera digital Casio EXP600.


Cruzes

Guillermo Alonso Meneses, Playas de Tijuana, Outubro/Novembro de 2009.

Uma das intervenções artísticas mais ambiciosas, impactantes e significativas foi o Dia da Morte 2009, por ocasião do 15º aniversário da Operação Guardiã. A Coalición Pro Defensa del Migrante e a CRLAF promoveram a proposta de Susan Yamagata e Michael Schnorr de construir, pintar e colocar 5100 cruzes brancas, uma para cada uma das mortes de migrantes que cruzaram a fronteira no período 1994-2009. As cruzes foram colocadas no Dia dos Mortos em parte da parede em frente ao farol, ao longo de um comprimento de quase 50 metros, e de um lado o crânio escrito em uma tábua com uma moldura de flores frescas de cempasúchil: "Em quinze anos de Guardian, mais de 5.100 mortos estão indo". No topo ainda se encontravam os portões do deserto de 2005. As instalações artísticas não eram apenas um ritual anual, entrelaçadas como estavam com o calendário anual das celebrações católicas, mas também tinham algo de um Miccantlamanalli (oferendas dos mortos). Tirada com uma câmera digital Panasonic DMC-TZ4.


Artista de rua canadense

Guillermo Alonso MenesesPlayas de Tijuana, 2010.

Em dezembro de 2010, toda a cerca de Playas de Tijuana no farol foi substituída; era uma ardósia limpa. O lugar tornou-se irreconhecível e as intervenções artísticas que coexistiram semanas antes foram destruídas. A primeira intervenção na parede atual foi feita por um artista canadense. O assunto é uma placa de advertência no início das auto-estradas ao sul de San Diego; retrata três membros de uma família atravessando uma estrada. A técnica utilizada é a técnica do stencil. Tirada com uma câmera digital Pentax Reflex k-r e uma lente teleobjectiva AF 18-200 mm.


Guillermo Alonso Meneses, Playas de Tijuana, Outubro/Novembro 2010.

Em 2010, Susan Yamagata pintou caricaturas comemorativas do Xerife do Condado de Maricopa, Arizona, Joe Arpaio, conhecido por seu tratamento severo e indigno dos migrantes capturados. Ela coincide no espaço com o mural Anjos da Fronteira, Um Portão do Deserto de 2005 e as cruzes de 2009. Alguns dias eles colocaram calacas de aproximadamente dois metros. Uma justaposição de elementos começou a acontecer, anunciando a luta pelo espaço que mais tarde ocorreria e saturaria o muro em meados de 2021. Algo que geralmente acontece na arte de rua em espaços privilegiados e disputados. Tirada com uma câmera digital Pentax Reflex k-r e uma lente teleobjectiva AF 18-200 mm.


Mural

Guillermo Alonso MenesesPlayas de Tijuana, 2010.

Em 2010, destaca-se um graffiti intitulado Border Angels [Anjos Boder é uma organização pró-migrante nos EUA], com figuras humanas estilizadas pintadas de branco com uma cruz vermelha no interior. O conjunto lembra a iconografia e os traços do artista de rua nova-iorquino Keith Haring. A obra tem o slogan: "Nem mais uma morte! Reformar Agora"! Foi assinado por P. Breu. Naquela época o espaço não era contestado por outros artistas ou ativistas e as obras podiam coexistir no espaço sem que houvesse uma justaposição total. Tirada com uma câmera digital Panasonic DMC-TZ4.


Guillermo Alonso Meneses, Playas de Tijuana, 2012.

Em 2012 pode ser dito que foi a última grande instalação artística destes coletivos que lutam pela defesa e memória dos migrantes, para o Dia dos Mortos. A nova cerca ainda não havia sucumbido à pintura daqueles que lutam pelo espaço para deixar sua marca. O local escolhido foi em frente ao farol, próximo ao limite internacional. Uma calaca gigante e 18 caveiras, de 1995 a 2012, foram instaladas, e a seus pés um pequeno altar com oferendas. Assim como uma placa com a lenda: "Guardião... aqui começou. 18 anos depois, 5.800 mortes alcançadas". Foram 18 anos com a operação Guardián; mais de 18 anos de luta. Patrocinada pela Coalición Pro Defensa del Migrante, a instalação foi criada pelos artistas San Diego Susan Yamagata e Todd Stands. Era o auge de uma era; Michael Schnorr havia morrido nesse mesmo ano. Tirada com uma câmera digital Panasonic DMC-TZ4.


Deportados veteranos. Outras reivindicações e comemorações.

Guillermo Alonso MenesesPlayas de Tijuana, Fevereiro de 2013.

As deportações começaram a aumentar no segundo mandato de Bill Clinton e aumentaram nos termos de Bush Jr. e Obama. No verão de 2013, veteranos militares deportados uniram forças e pintaram um mural ao lado do Parque de la Amistad/Friendship Park, ao lado do farol, em Playas de Tijuana. Nasceu em memória dos veteranos deportados, alguns dos quais haviam morrido sem poder voltar aos Estados Unidos. Sua presença e ascensão coincide com um período em que as instalações tradicionais para migrantes mortos diminuíram. Tirada com uma câmera digital Pentax Reflex k-r e uma lente teleobjectiva AF 18-200 mm.


Deportees 2019 restaurando o mural, antes e depois

Guillermo Alonso Meneses, Playas de Tijuana, Fevereiro de 2022.

Seis anos após a primeira intervenção dos veteranos deportados na cerca em Playas de Tijuana, a deterioração tanto da tinta quanto do metal já era evidente. Era também evidente que a superfície da parede naquele local estava saturada de graffitis e intervenções de todos os tipos. As imagens mostram sua restauração. Após duas décadas, com diferentes mudanças que o transformaram materialmente, o lugar não era mais um canto solitário e abandonado onde algumas vezes ao ano os migrantes mortos eram comemorados. Tinha se metamorfosado em um lugar icônico. Tirada com uma câmera digital Panasonic DMC-TZ4.


O muro como local turístico

Guillermo Alonso Meneses, 2019.

O processo de metamorfose que o muro sofreu em Playas de Tijuana e que o transformou em um cenário icônico, logo começou a atrair turistas locais, nacionais e norte-americanos, assim como aqueles de outras latitudes, como a China. O muro foi remodelado e reconstruído. Pode-se dizer que não há mais espaço para que as intervenções artísticas de anos atrás se manifestem por conta própria. A observação da Belting foi cumprida, há lugares que se tornam lugares fotográficos (2007: 268). Desde seu início, o muro atraiu olhares além dos de ativistas, artistas e transeuntes, ele se normalizou como um lugar-objeto que atrai câmeras fotográficas e aqueles que olham atrás delas. Isto já havia acontecido com o Muro de Berlim. Tirada com uma câmera digital Panasonic DMC-TZ4.


Guillermo Alonso Meneses, o muro da avenida perto do aeroporto, 2021, e Playas de Tijuana, 2022.

Nos últimos anos, o muro tanto em Playas de Tijuana quanto na avenida que corre paralela ao aeroporto passou por grandes mudanças. Ninguém reconheceria as seções onde cruzes, intervenções artísticas e grafites lembram migrantes mortos e outras injustiças costumavam ser enforcados. O mesmo acontece com o muro em Playas de Tijuana, no trecho de várias centenas de metros do oceano. A foto 73 mostra a saturação das intervenções, a foto 74 contrasta com a primeira foto deste ensaio, a foto 75 mostra um migrante pulando sobre a parede com uma escada metálica. Após 30 anos, o muro ainda está sendo derrubado. O esforço e o trabalho de ativistas, artistas e organizações que durante décadas lutaram contra o esquecimento se evaporou. Em breve, restarão apenas fotografias. Tirada com um Iphone SE e uma câmera digital Panasonic DMC-TZ4.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 2 =