"Altars tacheros": mini-etnografias aleatórias da vida cotidiana (religiosa)

    Recepção: 24 de fevereiro de 2021

    Aceitação: 13 de abril de 2021

    Sumário

    O trabalho mostra e analisa os conjuntos de símbolos e imagens mágico-religiosos que muitos motoristas de táxi usam para se comunicar com seus clientes.1 O artista usa a palavra "altares" com cautela para tornar visíveis esses traços minimalistas da vida religiosa cotidiana do povo de Buenos Aires, objetos que, ao mesmo tempo, oferecem proteção contra os perigos do tráfego diário na cidade. Ele usa a palavra "altares" com cautela para tornar visíveis esses traços minimalistas da vida religiosa cotidiana dos portenhos, objetos que, ao mesmo tempo, fornecem proteção contra os perigos do tráfego diário nas ruas e testemunham relacionamentos com seres sobre-humanos específicos. Esses conjuntos heterogêneos incluem santos e virgens, santos populares e símbolos orientais e/ou esotéricos - testemunhando a rica diversidade mágico-religiosa da cidade - bem como fotos e lembranças de indivíduos e coletivos sociais com alto grau de sacralidade (filhos, parentes, clubes de futebol). Esses "altares" são evidências de viagens religiosas e familiares singulares, mas também resultam de interações casuais com passageiros e evidências de padrões mais gerais e pouco reconhecidos de como os portenhos se relacionam com seres sobre-humanos.

    Palavras-chave: , , , ,

    "cabby altars": minietnografias aleatórias da vida (religiosa) cotidiana

    Este trabalho mostra - e analisa - as montagens de símbolos e imagens mágico-religiosas que muitos motoristas de táxi da cidade de Buenos Aires penduram nos espelhos retrovisores ou nos para-sóis de seus carros. Ele usa a palavra "altares" com cautela para tornar visíveis esses traços minimalistas da vida religiosa cotidiana dos habitantes locais - objetos que protegem contra os perigos da agitação diária e também testemunham relações estabelecidas com supra-humanos específicos. Nesses conjuntos heterogêneos, aparecem santos católicos e virgens, juntamente com santos populares e símbolos orientais e/ou esotéricos - que testemunham a rica diversidade mágico-religiosa da cidade -, bem como fotografias e lembranças de indivíduos e coletivos sociais carregados de sacralidade (crianças, parentes, clubes de futebol). Esses "altares" são evidências de rotas religiosas e parentes queridos, mas também são resultado de interações aleatórias com passageiros e testemunham padrões mais gerais e menos conhecidos de como os habitantes da cidade se relacionam com seres supra-humanos.

    Palavras-chave: religião, religião vivida, materialidade, altares, Argentina.


    Neste artigo, proponho mostrar e examinar a infinidade de imagens religiosas gráficas que muitos motoristas de táxi da cidade de Buenos Aires têm em seus carros.2 Geralmente, eles ficam pendurados nos espelhos retrovisores, nas palas de sol ou em outros locais próximos ao motorista. Eu os chamarei de "altares" para enfatizar sua função (mágica).freira -e porque é comum que eles resultem do acúmulo de dois, três ou mais elementos religiosos, às vezes de origens muito diferentes.3 Ao contrário dos altares domésticos recentemente analisados nesta revista por De la Torre e Salas (2020), os dos táxis são muito mais minimalistas e, em geral parecem proporcionar mais uma sensação de segurança e proteção do que funcionar como um suporte material para uma prática devocional.. Essa afirmação deve ser vista com cautela, pois há várias modalidades de relacionamento com essas imagens e símbolos, e o tipo de "funções" que eles podem desempenhar também é bastante amplo, como mostrarei.

    Clique para acessar o ensaio fotográfico

    Consideradas individualmente, muitas dessas imagens, fitas ou rosários poderiam ser consideradas "amuletos" ou "talismãs" (conceitos mal definidos e pouco usados na antropologia da religião ocidental). No entanto, a presença de várias delas no mesmo espaço, bem como o fato de essas imagens mediarem e tornarem visíveis (diferentes tipos de) relacionamentos com seres sobre-humanos, pode tornar a palavra "altar" mais apropriada do que outras palavras possíveis para sugerir que esses conjuntos cumprem muito mais do que uma função meramente protetora ou "mágica".4

    Sobre "altares de tachero" e "mini-etnografias de tachero".

    Buenos Aires é uma cidade caracterizada pela forte presença de imagens religiosas (geralmente católicas) em locais públicos. Há virgens em hospitais, delegacias de polícia, estações de ônibus e trem e nas ruas. subterrâneo (metrô) e até mesmo em tribunais. Há também crucifixos em quartos de hospitais, em salas de audiências e em vários escritórios públicos. Em todos esses lugares, eles parecem exercer uma espécie de patrocínio, uma espécie de proteção, às vezes reconhecida legalmente, às vezes informalmente. Na cidade, as imagens religiosas também são comuns em praças públicas, geralmente instaladas pelos governos municipais. Entre elas, predominam as da Virgem - geralmente a Virgem de Luján, por ser a padroeira nacional, mas há outras de outras denominações. Há também pequenos altares e santuários da Virgem nas esquinas das ruas dos bairros, talvez com maior incidência de agências de bairro. Essa presença abundante não foi examinada ou teorizada como merece. Muito menos o crescente número de altares que, na última década (ou duas?), começaram a ser construídos por vizinhos em vários bairros da Grande Buenos Aires para o Gauchito Gil, um "santo popular" não reconhecido pela Igreja, à sombra do qual também se espalha a devoção ao seu protetor, San La Muerte (Frigerio, 2016).

    Em uma cidade onde as imagens religiosas estão na ordem do dia, não é de se surpreender que elas também adornem e protejam muitos dos milhares de táxis que circulam pela cidade. Já há algum tempo, a presença de imagens religiosas dentro dos táxis de Buenos Aires tem chamado minha atenção. Em algum momento de 2013, decidi registrar essas montagens, que chamei, de forma um tanto coloquial, de "altares de tachero".5 Fiz isso tirando fotos com telefones celulares ou carregando pequenas câmeras, que estavam longe de ser as ferramentas certas para compensar as condições de iluminação muitas vezes ruins e o movimento do táxi. Por esse motivo, as fotos que ilustram este texto podem não ter a qualidade daquelas tiradas com câmeras mais profissionais. Também decidi, sempre que possível, conversar brevemente com os motoristas sobre a natureza e a história dos objetos que adornavam seus carros.

    Não posso dizer que realizei uma "pesquisa" rigorosa, pois o "método" era excessivamente aleatório: a possibilidade de coletar informações ou estabelecer uma conversa dependia da duração da viagem, do humor do motorista e também de meus próprios desejos e urgências no momento (uma versão talvez ainda mais vaga da "sociologia vagabunda" de Hugo José Suárez).6 Às vezes, eu registrava o que me era dito, mas, com mais frequência, escrevia mais tarde os pontos principais do que lembrava das conversas. Eu também não tinha um guia de pontos a serem abordados ou perguntas a serem feitas, mas me envolvia, da forma mais genuína possível, em uma conversa espontânea. Muitas vezes eu apenas tirava fotos, mas às vezes o ato de tirá-las levava a uma explicação sobre o que eu estava fotografando.

    Logo descobri que as redes sociais eram um espaço adequado para compartilhar as fotos dos "altares de tachero" com colegas e amigos que eu sabia que poderiam apreciá-las. O formato usual de facebook (foto com texto pequeno) permitiram e incentivaram "mini-etnografias tachera" que transcreviam pedaços da interação ou resumos do que me diziam sobre as imagens, mas, com o passar do tempo, o acúmulo de casos - e o incentivo de colegas, entre eles principalmente Renée de la Torre - possibilitou a elaboração de alguma interpretação mais geral de todo o material. Mas, com o passar do tempo, o acúmulo de casos - e o incentivo de colegas, entre eles principalmente Renée de la Torre - permitiu a possibilidade de elaborar alguma interpretação mais geral de todo o material. O que esses "altares de tachero" nos revelam sobre a religiosidade da Buenos Aires do xxi?

    Admito todas as limitações e deficiências metodológicas de um estudo desse tipo, que também sofre com a falta de legitimação acadêmica que outras formas de coleta de dados, cuja precariedade sempre parecemos ignorar, têm. Considero relevante, entretanto, examinar essas presenças religiosas. mínimo em uma esfera semipública. Eles são ainda menores, quantitativa e qualitativamente falando, do que os altares domésticos mencionados por De La Torre e Salas (2020). São pequenos em tamanho: são rosários pendurados no espelho retrovisor, às vezes acompanhados de fitas vermelhas, medalhas de um santo ou da Virgem, talvez acompanhados de um, dois ou três santinhos. Aqueles que os "montam" certamente não o fazem com a intenção de montar um "altar"; eles colocam um elemento religioso ao qual, de forma mais ou menos casual, outros são acrescentados. Eles não têm um propósito claramente "devocional": não são feitos para rezar na frente deles, nem para apresentar oferendas (não há velas ou castiçais, água ou qualquer outro objeto), nem para aqueles que entram no táxi rezarem ou fazerem oferendas. No entanto, eles revelam tipos muito diferentes de relacionamentos que os motoristas estabelecem com seres sobre-humanos.o que, para mim, certamente os torna "religiosos".7 Em muitos casos, eles testemunham o fato de que o motorista do táxi é devoto de um dos santos em exposição, e vários dos itens em exposição são lembranças de visitas ou peregrinações a santuários. Eles também costumam revelar a importância de certos relacionamentos terrenos: podem estar acompanhados de fotos de entes queridos (geralmente filhos) ou objetos carregados de sentimentos (sapatos de bebê, distintivos de um clube de futebol favorito). Podem ser presentes da esposa ou da mãe, testemunhos claros de gestos de preocupação e afeto, embora às vezes também sejam presentes de passageiros ocasionais. São principalmente para proteção (como claramente indicado por fitas ou um galhardete comprado especificamente em um santuário, com legendas como "proteja minha viagem" ou "proteja meu carro"), mas também são - repito - testemunhos da relevância do relacionamento com que ou aqueles seres sobre-humanos. Esses motoristas de táxi raramente podem ser considerados agentes para-igrejaEles podem, como diria Hugo Suárez (2008), embora ocasionalmente tentem divulgar ativamente o culto ao santo que os protege ou convidar pessoas para reuniões religiosas.

    Eles certamente representam uma dimensão que é um pouco discreto da religiosidade argentina, mas são, ao mesmo tempo, um bom exemplo da onipresentes da religião em nossa vida cotidiana e em uma ampla variedade de formas que ela pode assumir (Frigerio, 2020). Elas mostram de forma clara a combinação cotidiana do "devocional" com o "utilitário", que nossos entendimentos usuais de "religião" e "magia" não conseguem explicar satisfatoriamente. Na América Latina, pelo menos, é muito difícil distinguir entre práticas que se referem inequivocamente a um conceito ou a outro, uma vez que os comportamentos sociais que costumamos chamar de "religião" são quase sempre mágico-religiosos, e aqueles que acreditamos ser "meramente" "mágicos" muitas vezes também são mágico-religiosos.8 Estou falando, então, de práticas em um nível nitidamente - e talvez excessivamente - micro, que, dada a pouca atenção que tanto aqueles que dirigem quanto aqueles que entram no táxi parecem dar a elas, parecem ser banais ou triviais, mas que uma investigação mais perceptiva e sem preconceitos revela ser simbolicamente relevante e representativa da maneira como a religião é vivenciada por pessoas comuns em situações cotidianas (Ammerman, 2015).

    Em trabalhos anteriores, argumentei que o uso de uma definição de "religião" baseada principalmente na perspectiva da "religião vivida" é necessário para iluminar aspectos de nossas vidas religiosas cotidianas que "caem" sob nossos radares analíticos habituais que nos levam a ver apenas certos comportamentos, grupos e contextos como "religiosos", proporcionando assim uma visão muito parcial e limitada do fenômeno (Frigerio, 2018 e 2020). O conceito de religião vivida desloca a análise "dos especialistas que decidem sobre a teologia e a doutrina oficiais para as pessoas comuns cujas vidas cotidianas podem incluir rituais, histórias e experiências espirituais que se baseiam nessas tradições, mas podem ir além delas" (Ammerman, 2015: 1).

    Além da necessidade de uma perspectiva de baixo para cima (da perspectiva das pessoas comuns) e do lado de fora (de instituições), continua sendo necessário, entretanto, esclarecer o que queremos dizer com "religião". Parafraseando um pouco Orsi (2005: 2), argumentei que é útil conceber a religião como "uma rede de relacionamentos que envolve humanos com vários seres e poderes sobre-humanos diferentes" (Frigerio, 2018: 76). Desse modo, temos uma definição substantiva e bastante minimalista, mas que serve para caracterizar como "religiosa" uma série de comportamentos que não precisam ser legitimados socialmente como tais, nem acontecer dentro de grupos específicos legitimados socialmente como "religiosos", nem nos contextos que eles estipulam como corretos para atividades "religiosas", nem ser propostos por um tipo específico de agente "religioso" (legitimado socialmente). Podemos, então, procurar a religião ou os comportamentos religiosos em uma série de lugares, momentos e contextos diferentes daqueles normalmente analisados nos estudos sobre religião.

    Como são os "altares tacheros"?

    Ao pegar um táxi em Buenos Aires, é muito comum encontrar um rosário pendurado no espelho. Isso pode ser interpretado como um sinal óbvio de que o motorista pertence à "maioria católica" do país, algo que é corroborado pelo fato de que é muito comum os taxistas fazerem o sinal da cruz quando passam por uma igreja (um sinal de respeito um tanto automático, mas respeito mesmo assim). É possível ler esses "católicos para padrão"Isso é ainda mais densamente interpretado se conhecermos os significados que os próprios taxistas atribuem aos conjuntos heterogêneos de imagens religiosas que geralmente adornam/protegem seus carros, bem como as múltiplas associações que muitos deles fazem entre símbolos católicos e outros de tradições religiosas muito diferentes.

    Junto com um rosário pendurado no espelho, a presença de uma fita vermelha também é muito frequente. No imaginário cultural portenho, há décadas, a fita vermelha é usada para combater a inveja e o mau-olhado (imagem 1).

    Fitas e rosários vermelhos (25/2/2015 e 20/7/2017). Fotografias: Alejandro Frigerio.

    Pelo mesmo motivo de proteção, você também pode encontrar um pequeno chifre vermelho (cornicello Napolitano), que cumpre as mesmas funções. Fruto de nossa herança cultural itálica, o cuernito tem uma presença antiga na cidade em cozinhas, ônibus e carros.9 Atualmente, ela parece ser um pouco menos popular do que as fitas vermelhas, que são onipresentes (imagem 2).

    Com um significado mais religioso, as fitas vermelhas podem ter inscrições mostrando que são lembranças de visitas a santuários de "religiosidade popular", que incluem tanto seres espirituais reconhecidos pelo catolicismo - a Virgem de Luján é a mais comum - quanto aqueles não reconhecidos pela Igreja. Nessa última categoria, o Gauchito Gil é, sem dúvida, o mais popular. As fitas podem dizer "Lembro-me de minha visita à Virgem de Luján" ou apenas "Virgem de Luján", ou podem conter mensagens ou pedidos mais específicos, como "proteja minha viagem" ou "abençoe meu carro" (imagens 3 e 4).

    Imagem 4. Cuernitos, fita vermelha da Virgem de Luján, rosário, duas medalhas não identificadas (26/11/2018) e fita de São Jorge "Proteja meu caminho" (5/2/2013). Fotografias: Alejandro Frigerio.

    É muito provável que essas fitas sejam comercializadas principalmente ou exclusivamente por meio das inúmeras barracas que vendem imagens religiosas e lembranças/merchandising produtos religiosos de todos os tipos que podem ser encontrados ao redor da basílica de Luján, e não na loja oficial do Santuário.10 Barracas semelhantes são montadas na rua ou na calçada ao redor das igrejas onde há festas dos santos mais populares (San Cayetano, San Expedito, San Jorge) ou nos dias de festa da Virgem Maria (San Nicolás, Desatanudos, Medalla Milagrosa). Essas barracas constituem um verdadeiro circuito comercial e massivo de artigos religiosos, que incluem elementos simbólicos que não são aprovados pela Igreja, pois não pertencem à tradição católica. Seu papel na ressignificação (e reenquadramento) da tradição católica, reenquadramento) dos símbolos católicos e na transmissão de significados mágico-religiosos altamente heterodoxos não foi suficientemente estudada (mas veja Algranti, 2016, para uma exceção) (imagens 5 e 6).

    Imagem 6: Pingentes Feng-shui com santos católicos e fitas vermelhas. Barraca na calçada da Igreja de São Jorge em seu dia de festa (23/4/2009). Foto: Alejandro Frigerio.

    A popularidade da Virgem de Luján entre os motoristas de táxi se deve ao fato de que ela é a santa padroeira da nação argentina e seu santuário é o centro de várias peregrinações anuais de vários tipos. Alguns motoristas também a consideram a padroeira dos motoristas de táxi. Disseram-me que haveria um dia de bênção sacerdotal dos táxis na Basílica, mas não consegui verificar isso. De acordo com outras pessoas com quem conversei, a Virgem de Schoenstatt desempenha uma função semelhante, uma afirmação que é apoiada pelas informações disponíveis na Internet.11 (imagem 7).

    Além de rosários e fitas, formas híbridas de imagens/pingentes religiosos que combinam a estrutura dos pingentes chineses de feng-shui mas, em vez de moedas chinesas ou símbolos como yin-yang, eles vêm com imagens coloridas de santos com efeitos visuais quase tridimensionais. Considerando a função protetora das fitas vermelhas mencionada anteriormente, outra atração desses pingentes é, sem dúvida, a cor vermelha do fio trançado que segura as imagens e termina em uma longa cauda da mesma cor. Dessa forma, o efeito protetor da fita vermelha é mantido e somado ao da Virgem de Luján, de San Expedito, de San Jorge ou do Gauchito Gil (os mais populares nesse formato), além de um toque de exotismo oriental ou, se essa possível origem for ignorada, pelo menos um mais considerável apelo estético. Elas também são particularmente adequadas para serem penduradas em espelhos de carros. (fotos 5, 6, 8 e 9).

    Esses pingentes feng-shui Eles misturam criativamente elementos de diferentes "tradições" religiosas, como pode ser visto no exemplo da fotografia 10, em que elementos chineses são adicionados às imagens mais tradicionalmente católicas do Senhor de Mailín e da Virgem de Huanchana, pequenos chifres semelhantes aos corais napolitanos, com vermelho abundante na elaboração. Nesse caso, ambos foram comprados nas festividades desse Cristo e dessa Virgem na província de Santiago del Estero, o que mostra a popularidade e a circulação desses pingentes além dos principais centros urbanos.

    Imagem 10: Virgem de Huanchana e Senhor (Cristo) de Mailin (8/4/2013). Fotografias: Alejandro Frigerio.

    Embora às vezes apareçam como o único elemento de proteção/adornamento de veículos, esses pingentes são frequentemente encontrados em combinação com outros elementos: rosários, fitas, colares, "pingentes feng-shui"Altares católicos e cartões sagrados. Esses conjuntos também são heterogêneos porque misturam diferentes santos e invocações da Virgem, o que aumenta sua semelhança com os altares, exceto pelo fato de que, diferentemente dos altares domésticos e dos das igrejas, aqui quase não há imagens em massa.12 Na maioria das vezes - e imediatamente visíveis para o passageiro - os principais elementos dos conjuntos ficam pendurados nos espelhos retrovisores, mas também é possível encontrar selos presos ou inseridos em diferentes partes do carro, geralmente perto do motorista; alguns até mesmo escondidos no porta-luvas, que só vêm à tona depois de alguma conversa inicial sobre o assunto (fotos 11, 12 e 13).

    A ontologia revelada ou sugerida pelas combinações de imagens difere daquela proposta pela Igreja (Frigerio, 2019a). Por um lado, devido à presença de "santos populares" não reconhecidos - como o Gauchito Gil -, muitas vezes em combinação com santos legitimamente católicos (imagem 14). Como veremos a seguir, também é comum misturar santos com símbolos de diferentes tradições religiosas esotéricas ou orientais.

    A validade de outras ontologias também é revelada pela paridade que é estabelecida entre os seres espirituais que, para a cosmovisão católica, deveriam ser hierarquizados de forma diferente. A imagem de Jesus, por exemplo, não aparece com muita frequência e, quando aparece, é quase sempre na forma de um cartão sagrado, colocado na mesma série de outros santos - apenas mais um entre os protetores sobre-humanos. Pode-se contar nos dedos de uma mão o número de vezes que o vi como figura principal ou única entre as mais de cem assembléias que registrei.13 Por outro lado, e como exemplo da diversidade de fontes que inspiram o comportamento e as imagens religiosas, vale a pena observar que uma imagem muito popular de Jesus entre os motoristas de táxi é a inspirada na minissérie de sucesso Jesus de Nazaréestrelado por Robert Powell na década de 1970 (fotos 15, 16 e 17). Isso é evidência de uma preferência por um Jesus branco, de olhos azuis claros, com um rosto magro, sofrido, mas sereno. A primeira não é apenas uma tendência local, pois confirma uma correlação antiga e predominante no Ocidente entre pureza espiritual e "brancura racial"; a segunda parece estar de acordo com as preferências do Arcebispado de Buenos Aires, que por muito tempo usou uma imagem de Jesus praticamente inspirada nas pinturas de El Greco. Às vezes, um cartão sagrado do Papa Francisco aparece misturado aos santos, como se ele fosse uma figura de poder semelhante. É claro que, quando questionados sobre isso, os motoristas provavelmente negariam essa paridade, mas na prática eles apareceriam nivelados (imagens 18, 19 e 20).

    Embora, como veremos a seguir, para alguns taxistas Francisco fosse uma pessoa muito real, tendo tido algum tipo de contato com o então Cardeal Bergoglio, para outros ele parece ter alcançado algum grau de sacralidade em virtude do cargo que ocupa. Somado a isso, é claro, está o fato de que ele é argentino e, portanto, parece ter uma carga "sagrada" dupla: do lado do catolicismo e do lado do nacionalismo. Mas Francisco não é o único mortal com alguma carga sacra que pode ser vista nos táxis de Buenos Aires. Imagens e elementos mágico-religiosos geralmente aparecem misturados a outros que poderíamos considerar seculares, mas cuja carga emocional também lhes dá um toque de sacralidade. De maneira semelhante às cartas sagradas, podem ser encontradas fotos de crianças, e com os rosários ou pingentes feng shui crachás de clubes de futebol favoritos podem ser intercalados, ou talvez chuteiras ou calçados que pertenceram às crianças quando eram pequenas (um costume que era mais popular no passado). 20, 21, 22 e 23).

    Imagem 21: Fotografia: Alejandro Frigerio.

    Pingentes feng shui da Virgem de Luján e San Cayetano. Chuspa (sacolinha) com notas (provavelmente de "alasitas"?) e um anjinho pendurado no teto. Carrinhos de bebê, imagens das crianças entre cartões sagrados católicos (e um do Gauchito Gil) (5/11/2011)

    Devoções para migrantes

    Embora ser motorista de táxi não seja normalmente a principal profissão entre os imigrantes estrangeiros, os altares de tachero também mostram a marca da materialidade adquirida pelas devoções populares em outros países. Os do Peru são particularmente notáveis, talvez por causa do número de imigrantes presentes na cidade, mas também pela fácil visibilidade da forma de representar Virgens e Cristos na religiosidade popular daquele país. São comuns imagens plastificadas, em fundos de cores vivas com ornamentos dourados bordados ao redor. Outro caso registrado mostra outra modalidade: a imagem desenhada no que parece ser um cd e com uma "oração do motorista" na parte de trás, o que mostra sua especificidade protetora. Todas essas formas são semelhantes (homologáveis) aos pingentes feng-shui dos santos católicos que adornam os táxis de Buenos Aires: eles são igualmente penduráveis, atraentes e protetores.

    Como era de se esperar, registrei uma imagem do Señor de los Milagros - a principal devoção peruana, que também é adorada na cidade em uma procissão anual -, mas também outras imagens mais regionais que atestavam as cidades de origem dos motoristas. Assim, fotografei, entre outros, o Senhor de Canchapilca (da cidade de mesmo nome), o Senhor de Luren (cidade de Ica) e a Virgem do Portão (cidade de Otuzco). Essa Virgem também tem uma imagem entronizada na Catedral de La Plata (capital da província de Buenos Aires), cuja fotografia o motorista carregava em seu celular e me mostrou com orgulho (imagens 24, 25 e 26).

    Cristo dos Milagres de Lima e Senhor de Canchapilca (28/11/2014). Fotografia: Alejandro Frigerio.

    Dado o tamanho da comunidade boliviana em Buenos Aires, não poderia faltar a presença de "alasitas" entre os elementos dos altares dos "tacheros", embora os taxistas também não sejam seu nicho ocupacional característico. Na festa das "alasitas", que ocorre todo mês de janeiro em Buenos Aires - assim como na Bolívia e em outras cidades do mundo com migrantes bolivianos -, as pessoas compram miniaturas do que desejam para o ano (carros, casas, negócios, dinheiro, títulos) e imagens de certos "animais de poder", e as têm abençoadas por um yatiri ou xamã. No caso do táxi da imagem 27, os elementos mais visíveis eram os católicos: uma fita vermelha da Virgem de Luján, um pingente feng-shui da mesma Virgem, e uma da Virgem de Guadalupe pendurada no teto. No entanto, quando perguntei sobre o pequeno elefante na foto que cobria a Virgem de Luján, o motorista me disse que "era para atrair clientes" e que ele vinha da feira de "alasitas" em La Paz. Ele ficou surpreso quando eu lhe disse que tinha ido a algumas feiras em Buenos Aires (geralmente frequentadas apenas pela comunidade boliviana). Em seguida, ele abriu a gaveta e tirou um aguayo -o pano multicolorido no qual os itens comprados são carregados para que o yatiri o chalé o abençoe - e ele me mostrou uma espécie de grande ostra toda decorada com notas de banco com uma foto do Ekeko dentro (imagem 27).

    Depois, ele continuou a me contar:

    O elefante é para atrair clientes... O pequeno touro decorado com notas, que também é muito vendido em "alasitas", é para a abundância. No dia 24 de junho você queima tudo... é o Ano Novo Aymara. Tudo o que você levou para challar (abençoar) quando você compra, você o queima para trazer mais abundância. Nesse dia da feira, quando você compra, tem de comprar ao meio-dia em ponto! Os rapazes que querem uma mulher têm de comprar uma galinha, as moças que querem um parceiro têm de comprar um galo. Então, ao meio-dia, e você recebe o que pediu. Na Bolívia, cinco de nós, amigos, compramos carros nas "alasitas". O meu era branco, com pequenas listras na parte inferior. Alguns meses depois, eu havia comprado um carro (usado) que também era branco e tinha listras na parte inferior! E assim por diante com meus amigos: um era vermelho, o outro verde, e todos tinham seu carro... mas é preciso ter fé! Assim como eu lhe digo... Mas você tem que fazer isso! challar para um yatiri.... Você também pode adquirir um título, há títulos bem ali; tudo se torna realidade....

    Embora, como é de se esperar, entre os elementos que compõem os "altares de tachero" haja uma predominância daqueles pertencentes ao mundo católico (em sua versão eclesiástica ou, como no caso do gauchito Gil, em sua versão popular), também se pode notar, no entanto, a presença de símbolos de várias tradições esotéricas ou religiosas. Encontrei, como veremos a seguir, olhos turcos contra o mau-olhado (nazar), apanhadores de sonhos, símbolos de Yin e Yang, a deusa chinesa Kuan Yi, Ganesha, pequenos Budas da Abundância, etc.

    Outras religiões

    a) Esoterismo e orientalismo

    Muitos dos pingentes e símbolos esotéricos ou orientais que adornam os táxis de Buenos Aires podem ser comprados na "Chinatown" da área de Belgrano, que na última década se tornou um local popular para passeios de fim de semana. Ao longo de suas aproximadamente cinco quadras (e duas ou três quadras de largura), há inúmeras lojas que vendem uma grande variedade de produtos chineses, supermercados e restaurantes, além de um templo budista. A experiência de consumo cultural possibilitada pelo bairro também abrange uma gama de produtos mágico-religiosos (relacionados ao feng-shui e com um budismo mágico-popular) visíveis em barracas na calçada, em lojas que vendem roupas e artigos domésticos chineses e em uma loja de especialidades populares. A crescente popularidade desses produtos significa que eles também estão disponíveis fora do bairro, em "regalerías" chinesas (lojas que vendem itens de presente baratos). Até mesmo nas "santerias" de Buenos Aires, onde são vendidos produtos da tradição católica ou popular-católica, já existe uma seção dedicada aos pingentes. feng-shuiA presença dos "tacheros", as estátuas de Budas gordos "para a abundância" (e não para a "iluminação"), queimadores de incenso, pingentes de vidro e metal que produzem efeitos auditivos, etc., é um fato. À medida que sua presença se torna cada vez mais visível e difundida na cidade, não é de surpreender que eles também possam ser encontrados nos "altares de tachero".

    Um bom exemplo é o táxi no imagem 28. Quando perguntado sobre os objetos, seu motorista me disse:

    É um apanhador de sonhos indiano. Comprei-o diretamente de alguns indianos que estavam fazendo uma música... reiki ... com quenas e tudo, em uma feira em San Antonio de Pádua. Você ouve essa música quando está nervoso e fica todo relaxado... O outro eu comprei em Chinatown, é para vibrações ruins, foi o que me explicaram. Assim, aqueles que se dão bem com uma vibração ruim não a deixam.... Eu compro tudo toda vez que vou lá...

    Imagem 28. Apanhador de sonhos, fita de Santo Expedito, olho turco contra o mau-olhado (19/7/2013). Fotografia: Alejandro Frigerio.

    Outro motorista foi mais específico ao apontar os diferentes valores que atribuía aos objetos que adornavam/protegiam seu carro. Quando lhe perguntei sobre o olho pendurado no espelho, ele respondeu (imagem 29):

    -É um olho, um olho de um deus egípcio.
    -Oh, sim, que bom!
    -É uma questão de crenças, em que você pega um objeto esteticamente bonito e acrescenta a ele uma série de significados e expectativas que não correspondem necessariamente à realidade.
    -E o da direita?
    -É um yin e yang", diz ele, de forma um tanto parcimoniosa.
    -Ele também tem uma Madonna...", eu digo, olhando para um cartão sagrado que está no bolso da viseira do carro.
    -Sim, mas isso é outra coisa... a Virgem é outra coisa... e ainda mais a Virgem de Luján....

    Não se trata exatamente de um "olho egípcio" (o de Hórus), mas de um olho árabe, quase uma combinação do olho turco (nazar) com a mão de Fátima. Nesse caso, foi particularmente notável a clareza com que o anfitrião diferenciou os objetos "mágicos" ("aos quais são acrescentadas expectativas que não correspondem necessariamente à realidade") dos "religiosos" ("a Virgem, especialmente a Virgem de Luján, é outra coisa").

    Outros símbolos encontrados incluíam: um hexagrama, outro símbolo de Yin e Yang, um Buda da abundância, a divindade chinesa Kuan Yi e o deus hindu Ganesha (fotos 30 a 33).

    No caso da deusa chinesa Kuan Yi (imagem 34), o conhecimento que o motorista de táxi tinha da imagem sugeria um relacionamento mais intenso do que a mera proteção. Quando eu lhe disse que se tratava da "deusa chinesa da abundância", ele me corrigiu e disse: "não, da compaixão". Ele demonstrou estar familiarizado com o simbolismo da imagem: "ela tem um galho de salgueiro, que é a árvore da sabedoria, e uma garrafa com a água da vida". Ele havia baixado a imagem da Internet e queria plastificá-la antes que se deteriorasse: a forma católica da "estampita", mas com uma divindade oriental. Não cheguei a falar sobre o símbolo acima da deusa, nem consegui identificá-lo. A crueza geral do pingente (e o fato da impressão da imagem) sugere que ele é de sua própria fabricação.

    Outro testemunho foi particularmente claro sobre os objetivos de proteção do Turkish Eye (imagem 35):

    -Que olho bonito!
    -E é de verdade, né? Trouxeram para mim de lá, tem o carimbo (ele me mostra um carimbo no verso).
    -De onde eles o trouxeram?
    -Do Egito... E aqueles que sabem dizem que o olho capta toda a energia ruim que está no ambiente, que ele a suga, até que finalmente se rompe...
    -Ah, veja, que legal... e quem lhe disse?
    -Um passageiro... você viu que as pessoas que sabem muitas coisas se dão bem... Eu o tenho há um ano e meio...
    -Então, ele está bem protegido.
    -E você sempre tem que estar protegido... há muitas vibrações ruins, sabe, você tem que tentar receber o mínimo possível. ....

    b) Evangélicos

    De acordo com os estudos quantitativos de que dispomos, os evangélicos constituem a maior minoria religiosa, representando quase 15% da população (Suárez e Fidanza, 2021). Não pude notar essa proporcionalidade entre os motoristas de táxi, talvez porque, devido à sua iconoclastia, eles exibem poucos símbolos externos de sua afiliação religiosa. Houve duas exceções. A primeira e mais notável foi a do motorista que fez de seu trabalho como taxista um verdadeiro "ministério itinerante". Adesivoscartazes e uma grande imagem de Jesus adornavam o encosto de um dos assentos. Satisfeito com meu interesse, ele me mostrou um caderno no qual guardava os nomes das pessoas que oravam com ele, algumas das quais ele levava para conhecer sua igreja. No mesmo caderno também estavam listados os passageiros menos entusiasmados, que só concordaram em lhe dar seus nomes para que ele pudesse orar por eles e pedir que viessem (nós iremos) à igreja.imagem 36).

    Imagem 36. Fotografias: Alejandro Frigerio.

    Pôsteres referentes a Jesus. Caderno com nomes daqueles que oraram com ele ou para aqueles que vão orar na igreja. Do lado de fora da foto, uma faixa dizendo "minha ajuda vem de Jesus" (27/8/2013).

    A segunda presença evangélica foi mais discreta: um motorista peruano que ouvia em seu celular um pastor falando em inglês e tinha um tradutor ao seu lado que imitava seus movimentos e gestos (imagem 37).

    c) Religiões afro

    Embora supostamente com menos seguidores do que o evangelicalismo em suas várias formas, as religiões de origem afro-brasileira têm uma presença cada vez mais importante na vida religiosa dos argentinos.14 Em meu registro de altares de tachero, eles apareceram várias vezes, embora nem sempre de forma direta. A forma mais comum foi em relação à devoção a São Jorge, que é um dos santos mais populares da cidade e do conurbano.15 O sincretismo entre São Jorge e o orixá Ogún, o guerreiro da guerra e do ferro, faz com que, quer seus devotos saibam ou não, fitas e colares com as cores verde, branca e vermelha (as cores de Ogún) apareçam nos espelhos dos táxis. Alguns motoristas de táxi estavam cientes do simbolismo umbandista, outros não.

    Por exemplo, quando perguntei a um motorista de táxi se o selo com as fitas vermelha, verde e branca representava São Jorge ou Ogun, ele respondeu que as cores correspondiam ao simbolismo do próprio santo:

    -Não, não... não entendi o que você quis dizer....
    -Porque as cores das fitas são as cores de Ogún na Umbanda....
    -Não, não .... Essas são as cores de sua espada... Essas são as cores do cabo de sua espada...

    Outro exemplo do impacto das ideias afroumbandistas na devoção popular ao santo me foi dado pelo motorista que me disse que sua devoção a São Jorge nasceu a pedido da "mãe de um amigo", que o recomendou a ela como "o santo padroeiro das estradas" (uma ideia que também vem das religiões afro) (imagem 39).

    Eu acredito em São Jorge há vários anos. Ele é o santo dos policiais. Eu tinha um amigo que era comissário sênior, e a mãe dele sempre tinha uma grande foto do santo em casa, com uma foto do filho embaixo. Veja, esse comissário participou de vários tiroteios, inclusive com colegas mortos, e nunca teve um arranhão sequer. O santo o protegia. Minha mãe me disse: "você que viaja muito nas estradas, deveria ser devoto dele, porque ele é o santo padroeiro das estradas também". Como eu era motorista de caminhão, comecei a frequentar a igreja dele, que fica na rua Scalabrini Ortiz, um pouco antes de Córdoba. Foi lá que comprei essas fitas. Toda vez que vou lá, compro uma. Um passageiro me disse um dia que essas cores são as cores de Ogún, um santo. afroMas eu não sei nada sobre isso... Eu simplesmente comecei a acreditar nele e ele sempre me ajudou. Depois do caminhão, peguei um táxi e veja este carro, é de 2006 e não tem um único amassado. E veja, às vezes eu achava que talvez algo aconteceria comigo, mas sempre no último minuto, como a mãe do meu amigo costumava dizer "veja, a mão de São Jorge protege você", e nada aconteceu comigo. É acreditar ou falir.

    Uma ideia um pouco mais completa da relação das cores com o orixá afro foi dado a mim por um motorista de táxi que teve um colar "curado" por um amigo "religioso" dele. O local onde o colar foi colocado no momento foi devido a um efeito mágico que ele teve após um mau funcionamento. Originalmente, o colar estava pendurado no espelho, junto com alguns rosários que até pouco tempo atrás estavam em meu pescoço. No dia da minha viagem, ele me disse que o carro tinha "meio que entortado" e, por isso, colocou o colar "curado" no painel e, como a falha parecia ter sido resolvida, "lá estava ele" e "lá está ele" (imagem 40).

    Tive dois encontros com motoristas que reconheceram que praticavam religiões. afro. O primeiro foi bastante excepcional, pois o táxi era dirigido por uma mulher (algo não tão comum) e, além disso, porque ela era a única com um pingente de San La Muerte bem visível.16 Nas laterais, entre as duas portas e o para-brisa, ela tinha selos de orixás afro-brasileiros. Ela me disse que era filha de Oiá e que morava em um templo de religião afro-brasileira na cidade, o que também é incomum, já que a maioria dos templos fica na área urbana (imagem 42).

    Imagem 42: Pingente de San La Muerte, colares de Exú. Stampitas de Exú (2), Pomba Gira, Sagrado Corazón de Jesús (2), Oiá e Ogún (1/11/2011). Fotografias: Alejandro Frigerio.

    O segundo motorista tinha apenas imagens católicas em seu carro: uma variedade de cartões sagrados colocados nos para-sóis acima do para-brisa. Ele também era excepcional, pois disse que praticava palo mayombeuma variedade de religião afro-cubana presente, mas não muito difundida, na Argentina. De forma um tanto enigmática (talvez porque eu estivesse acompanhado de minha filha), ele me fez entender que realizava trabalhos muito poderosos no cemitério e que "posso curá-lo tão bem quanto você pode sair". Além de se vangloriar de seu poder e do poder de seu padrinho, ele não parecia ter o conhecimento detalhado que geralmente é demonstrado pelos iniciados que participam dessa comunidade religiosa local (imagem 43).

    Papa Francisco: sagrado e terreno

    Para uma cultura baseada na admiração de seres extraordinários, cujas vidas lendárias conferem certa sacralidade até mesmo àqueles que não estão ligados ao religioso (pense em Che Guevara, Evita Perón, Maradona, Carlos Gardel), não é de surpreender que a figura do Papa Francisco faça parte desse panteão de ícones "sagrados" da vida argentina. O paradoxal ou interessante é que, da mesma forma que seus cartões sagrados são confundidos com os de santos e virgens, vários motoristas de táxi tinham histórias reais e cotidianas para contar sobre ele, pois o conheceram pessoalmente quando era arcebispo de Buenos Aires.

    Um deles disse que havia passado treze anos trabalhando com Bergoglio na Pastoral de Villas (favelas). Ele me disse que sentia falta desse contato próximo e que sonhava em poder falar com Francisco pelo telefone. Nesse meio tempo, porém, ele parou de ir à igreja porque tem muito trabalho. O santinho solitário de seu velho amigo que enfeitava seu carro era, talvez, uma forma de sentir menos a falta dele (imagem 44).

    Outro motorista me disse que é amigo de outro motorista de táxi (vamos chamá-lo de Pedro) que ganhou os favores de Bergoglio levando-o para casa gratuitamente quando o cardeal só queria chegar à estação no final do dia. subterrâneo (é sabido que ele usava o transporte público diariamente quando era arcebispo da cidade). Pedro (o motorista de táxi amigo do meu motorista) frequentava uma paróquia cujo padre é amigo pessoal de Francisco. Enquanto visitava o padre na casa paroquial, Pedro recebeu uma ligação direta do Papa, que, ao saber com quem estava falando, lembrou-se perfeitamente dele e até lhe perguntou sobre seus filhos. Pedro também testemunhou uma segunda ligação em que o Papa, ao saber que eles estavam prestes a fazer um churrasco na paróquia, ligou de volta mais tarde - por iniciativa própria - apenas para abençoar a comida. O motorista me contou sobre essas experiências de seu amigo Pedro e reconheceu que ficou comovido com essas demonstrações de simplicidade e afeto daquele que agora é o Sumo Pontífice da Igreja.

    Um terceiro motorista de táxi, cujo carro tem vários cartões sagrados, apesar de ele não se considerar "religioso", me disse que se sentiu "muito orgulhoso" quando ele foi eleito Papa; talvez seja por isso que ele tem seu cartão sagrado entre vários outros (imagem 45). Ele também me disse que sempre se pergunta se o padre ("um monsenhor") que ele teve de consultar para poder se casar na igreja sem ser batizado não teria sido o futuro papa.

    Imagem 45. Fotografias: Alejandro Frigerio.

    San Expedito como um pingente feng-shuiA imagem é do Papa Francisco e de São Marcos de León. Fora da foto, outras de São Jorge, São Marcos e uma Madona (15/8/2013).

    Conclusões

    Ao longo deste trabalho, mostrei vários exemplos do que chamei de "altares de tachero", conjuntos de imagens e símbolos religiosos com os quais os motoristas de táxi de Buenos Aires decoram e protegem seus carros e testemunham as relações de dádiva e contra-dádiva que estabeleceram com seres sobre-humanos. Embora sejam, em sua maioria, símbolos e imagens católicos, eles são ressignificados ou reenquadrados e compartilham o espaço de proteção/veneração com santos populares, como o Gauchito Gil, com divindades orientais ou símbolos esotéricos e, acima de tudo, com amuletos populares contra a má sorte, a inveja e o mau-olhado, como fitas vermelhas e cuernitos napolitanos (pequenos chifres napolitanos).

    Com base na intensidade e no tipo de relacionamento estabelecido com os seres sobre-humanos ali representados, sugiro que esses conjuntos (que, por falta de um nome melhor, chamei de "altares de tachero") podem ser localizados ao longo de uma continuum que vai de um poste mágico-talismânico para mais um religioso-devocional. No primeiro caso, o relacionamento que elas denotam seria mais protetor e, no segundo, mais devocional. As assembléias seriam "mais religiosas" (de acordo com nossas definições usuais de religião) quando evidenciam um relacionamento sustentado, intenso e comprometido com um ser supra-humano. Essa relação de troca e devoção é mantida ao longo do tempo, é expressa por meio de visitas mais ou menos regulares a santuários e, em casos mais intensos, pode se manifestar por meio de identificações pessoais, sociais e coletivas (como "promesero", no caso do Gauchito Gil e San la Muerte, ou "devoto", no caso dos santos). Ao contrário, a montagem estaria mais próxima do polo "mágico-talismânico" quando o objeto ou os objetos que a integram se tornam mais importantes do que aquilo que simbolizam: quando o que é relevante é a mera presença do objeto mediador e não se estabelecem relações significativas e de longo prazo com o ser sobre-humano simbolizado.17

    Como o trabalho de "tachero" (motorista de táxi) sempre traz consigo a possibilidade de vários perigos - acidentes, roubos, "más vibrações" deixadas pelos muitos passageiros que entram e saem - não é de surpreender que a necessidade de proteção seja expressa por meio do porte de objetos de poder ou do envolvimento com seres poderosos. A grande maioria dos motoristas de táxi tem pelo menos fitas vermelhas e/ou um rosário pendurados em seus espelhos, mas muitos também carregam conjuntos mágico-religiosos de tamanho e visibilidade variados, como mostram as fotos a seguir. Esses "altares de tachero" são compostos por uma grande variedade de imagens de seres sobre-humanos (em sua maioria católicos, mas não só), bem como símbolos de origens culturais e religiosas muito diversas. Certamente, se perguntados sobre sua identidade religiosa, a maioria desses taxistas responderia "católico", o que mais uma vez levanta dúvidas sobre a importância excessiva que continuamos a dar na academia às identificações religiosas, ocultando assim uma rica ontologia muito diferente daquela proposta pela instituição com a qual eles se identificam.

    Ao contrário de outras formas de materialidade religiosa, essas imagens e símbolos não são colocados como pagamento de promessas, diferentemente das oferendas votivas (De la Torre, 2021), das tatuagens e dos altares de rua ou domésticos que os devotos costumam mostrar como formas de pagamento de promessas em grupos de facebook. Nos vários depoimentos que coletei, nenhum motorista de táxi me disse que tinha imagens como pagamento de promessas. Talvez eles tenham visitado um santuário como parte de uma promessa e tenham comprado uma fita ou imagem como testemunho ou lembrança da visita e do relacionamento. Os "altares de tachero" são outro exemplo da relevância dos suportes materiais não apenas para estabelecer relacionamentos com seres sobre-humanos, mas às vezes para iniciá-los; há vários testemunhos que indicam que uma devoção começa com o recebimento de um cartão sagrado.

    Além do caráter exploratório e quase ensaístico deste texto, se há algo que os esboços interpretativos desses "altares de tachero" sugerem com alguma clareza é a artificialidade de nossas categorias de análise (demasiadamente naturalizadas). Em primeiro lugar, eles mostram a (omni)presença e a relevância da "magia" e da "religião" - mesmo em versões e expressões certamente minimalistas - em contextos que consideraríamos absolutamente "seculares" ou "profanos", bem como a dificuldade de distinguir entre os dois, um problema comum, mas nem sempre devidamente reconhecido. A continuidade e a difícil separação entre o "sagrado" e o "profano" também são demonstradas na frequente justaposição de imagens de santos e virgens com as do Papa Francisco, de filhos e filhas, e até mesmo de emblemas de clubes de futebol. A mistura pode parecer aleatória, mas não é; a regularidade desses elementos (e de nenhum outro) mostra a importância dos laços afetivos e emocionais, tanto com relação ao humano quanto ao sobre-humano, na constituição do que poderíamos considerar como diferentes graus de sacralidade. Por fim, e sem medo de me repetir, se necessário, eles mostram a irrelevância das identificações religiosas, que homogeneízam e ocultam um mundo mágico-religioso rico e denso onde, diariamente, não apenas coexistem mas são igualmente necessários rosários, fitas vermelhas para afastar a inveja e chifres da sorte napolitanos, santos e virgens, divindades e símbolos orientais e orixás Afro-brasileiros.

    Bibliografia

    Algranti, Joaquín (2016). “Consumos Rituales: usos y alcances de las mercancías religiosas en el santuario de San Expedito”. Andamios, vol. 13, núm. 32, pp. 331-356. https://doi.org/10.29092/uacm.v13i32.536

    Ammerman, Nancy (2015). “Lived religion”, en Robert Scott y Stephen Kosslyn (comp.), Emerging Trends in the Social and Behavioral Sciences. Hoboken y New Jersey: John Wiley & Sons, pp. 1-8. https://doi.org/10.1002/9781118900772.etrds0207

    Anderson, Jon (2015). “Assemblage”. Oxford Bibliographies Online. Recuperado de https://www.oxfordbibliographies.com/view/document/obo-9780199874002/obo-9780199874002-0114.xml, consultado el 16 de julio de 2021.

    Farías, Ignacio (2008). “Hacia una nueva ontología de lo social: Manuel DeLanda en entrevista”. Persona y Sociedad, vol. 22, núm. 1, pp. 75-85.

    Frigerio, Alejandro (2020). “Encontrando la religión por fuera de las ‘religiones’: Una propuesta para visibilizar el amplio y rico mundo social que hay entre las ‘iglesias’ y el ‘individuo’”. Religião e Sociedade, vol. 40, núm. 3, pp. 21-47. https://doi.org/10.1590/0100-85872020v40n3cap01

    Frigerio, Alejandro (2019a, 27 de marzo). “Pluralismo religioso ‘desde abajo’: Múltiples ontologías en el barrio y en el hogar”. Blog DIVERSA, Red de Estudios de la Diversidad Religiosa en Argentina. Recuperado de http://www.diversidadreligiosa.com.ar/blog/pluralismo-religioso-desde-abajo-multiples-ontologias-en-el-barrio-y-en-el-hogar/, consultado el 17 de abril de 2021.

    Frigerio, Alejandro (2019b, 9 de enero). “El poder de los altares vivos de las religiones afro”. Blog DIVERSA, Red de Estudios de la Diversidad Religiosa en Argentina. Recuperado de http://www.diversidadreligiosa.com.ar/blog/el-poder-de-los-altares-vivos-de-las-religiones-afro/, consultado el 12 de febrero de 2021.

    Frigerio, Alejandro (2018). “¿Por qué no podemos ver la diversidad religiosa?: cuestionando el paradigma católico-céntrico en el estudio de la religión en Latinoamérica”. Cultura y Representaciones Sociales, núm. 24, pp. 51-95. https://doi.org/10.28965/2018-024-03

    Frigerio, Alejandro (2016). “San La Muerte en Argentina: usos heterogéneos y apropiaciones del ‘más justo de los santos’”, en Alberto Hernández Hernández (coord.), La Santa Muerte: espacios, cultos y devociones. Tijuana: El Colegio de la Frontera Norte y El Colegio de San Luis, pp. 253-274

    Frigerio, Alejandro (1999). “El futuro de las religiones mágicas en Latinoamérica”. Ciencias Sociales y Religión/ Ciências Sociais e Religião, vol. 1, núm. 1, pp 51-88. https://doi.org/10.22456/1982-2650.2152

    Martín, Eloisa (2000). “La Virgen de Luján: el milagro de una identidad católica”. Imaginário, núm. 6, pp. 136-158.

    Orsi, Robert (2005). Between Heaven and Earth: The Religious Worlds People Make and the Scholars Who Study Them. Princeton: Princeton University Press. https://doi.org/10.1515/9781400849659

    Suárez, Ana L. y Juan L. Fidanza (2021, 27 de julio). “La religión según datos del Observatorio de la Deuda Social Argentina”. Blog DIVERSA, Red de Estudios de la Diversidad Religiosa en Argentina. Recuperado de http://www.diversidadreligiosa.com.ar/blog/la-religion-segun-datos-odsa/, consultado el 27 de julio de 2021.

    Suárez, Hugo J. (2018). Hacer sociología sin darse cuenta. Una invitación. La Paz: Editorial 3600.

    Suárez, Hugo J. (2008). “Peregrinación barrial de la Virgen de San Juan de los Lagos en Guanajuato: agentes paraeclesiales”. Archives de sciences sociales des religions, núm. 142, pp. 87-11. https://doi.org/10.4000/assr.14173

    Torre, Renée de la (2021, 30 de enero). “Los exvotos: materialidad de la comunicación con lo invisible”. Blog DIVERSA, Red de Estudios de la Diversidad Religiosa en Argentina. Recuperado de http://www.diversidadreligiosa.com.ar/blog/los-exvotos-materialidad-de-la-comunicacion-con-lo-invisible/, consultado el 16 de junio de 2021.

    Torre, Renée de la, y Anel V. Salas (2020). “Altares vemos, significados no sabemos: sustento material de la religiosidad vivida”. Encartes, vol. 3, núm. 5, pp. 206-226. https://doi.org/10.29340/en.v3n5.141


    Alejandro Frigerio D. em Antropologia pela Universidade da Califórnia em Los Angeles. Anteriormente, obteve seu bacharelado em Sociologia pela Universidad Católica Argentina (1980). Atualmente, é pesquisador sênior do conicet (Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas) no Instituto de Investigaciones de la Facultad de Ciencias Sociales da Universidad Católica Argentina e como professor no Mestrado em Antropologia Social e Política da flacso. Coordena a rede diversos (Diversidade Religiosa na Argentina). Foi presidente da Associação de Cientistas Sociais das Religiões no Mercosul e organizador das três primeiras Conferências sobre Alternativas Religiosas na América Latina. Ele foi Paul Hanly Furfey Conferencista do Associação para a Sociologia da Religião (eua).

    Assine
    Notifique
    guest
    0 Comentários
    Feedbacks em linha
    Ver todos os comentários

    Instituições

    ISSN: 2594-2999.

    encartesantropologicos@ciesas.edu.mx

    Salvo indicação expressa em contrário, todo o conteúdo deste site está sujeito a um Creative Commons Atribuição- Licença Internacional Creative Commons 4.0.

    Download disposições legais completo

    EncartesVol. 6, No. 12, setembro de 2023-fevereiro de 2024, é uma revista acadêmica digital de acesso aberto publicada duas vezes por ano pelo Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Calle Juárez, No. 87, Col. Tlalpan, C. P. 14000, Cidade do México, P.O. Box 22-048, Tel. 54 87 35 70, Fax 56 55 55 76, El Colegio de la Frontera Norte Norte, A. C., Carretera Escénica Tijuana-Ensenada km 18,5, San Antonio del Mar, núm. 22560, Tijuana, Baja California, México, Tel. +52 (664) 631 6344, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente, A.C., Periférico Sur Manuel Gómez Morin, núm. 8585, Tlaquepaque, Jalisco, tel. (33) 3669 3434, e El Colegio de San Luís, A. C., Parque de Macul, núm. 155, Fracc. Colinas del Parque, San Luis Potosi, México, tel. (444) 811 01 01. Contato: encartesantropologicos@ciesas.edu.mx. Diretora da revista: Ángela Renée de la Torre Castellanos. Hospedada em https://encartes.mx. Responsável pela última atualização desta edição: Arthur Temporal Ventura. Data da última modificação: 21 de setembro de 2023.
    pt_BRPT