Identidades híbridas: estética de identidade alternativa e disruptiva

As tecnologias, a migração transnacional, o turismo de massa, o comércio e a comunicação midiatizada geraram fluxos sociais intensos que chamamos de globais. Desses fluxos deriva a circulação de bens culturais que, além de desterritorializar e reterritorializar tradições, geram trocas que engendram novas hibridações. Algumas delas são o resultado de misturas de elementos de sociedades anteriormente distantes e estranhas. Há vários produtos culturais híbridos representados em uma estética de identidade ambivalente e "intermediária". Homi Bhabha reconhece como híbrido aquilo (objeto ou sujeito) que surge da troca entre duas tradições e que gera algo diferente (que não é mais um ou outro). Os produtos híbridos são, portanto, aqueles que surgem da fusão de duas ou mais tradições estéticas e que explicitam a presença de ambos os referentes como componentes alusivos.

Por meio de redes sociodigitais, Encartes convocou acadêmicos, estudantes, artistas visuais, cineastas, coletivos e fotógrafos a participar de um concurso fotográfico com imagens que capturam objetos, assuntos, lugares, paisagens, rituais recriados por a estética da hibridização. Estávamos interessados em receber imagens que mostrassem características que gerassem misturas difíceis, incomuns, antagônicas, paradoxais ou ambivalentes. Os produtos híbridos demonstram a criatividade para criar identidades alternativas, como, por exemplo, as marcas corporais de culturas jovens, recriações de produtos gerados por estratégias diaspóricas de relocalização, emblemas de identidades nacionais, religiosas ou étnicas ambivalentes; objetos de culto que transgridem tradições religiosas ou espirituais; fusão em alimentos, trajes, coreografias de danças regionais, arquitetura, artesanato, redesenho de corpos transgêneros e assim por diante.

Recebemos dezenas de fotografias e um comitê de avaliação selecionou aquelas que atendiam ao tema da chamada de identidades híbridas, tanto em termos de qualidade quanto de afinidade.

Se lermos as fotografias vencedoras como se fossem partes de um texto, podemos reconhecer que o hibridismo é transversal. Ele está presente tanto em contextos tradicionais, como festivais religiosos, nos quais os selfie acompanha o desempenho de um Centurião romano durante a encenação da Via Sacracomo em sítios arqueológicos antigos que agora são o local de cerimônias de ancestralidades inventadas (como Stonehenge), ou em diferentes lugares e territórios urbanos. O hibridismo articula espaços, memórias, tradições, representações e atores.

As danças da conquista são atualmente encenações da memória nas quais a história da evangelização é mantida viva, mas também funcionam como âncoras para novas representações. Essa conjugação gera realidades, ficcionalidades e ficções transformadas em realidade. A chinelo encarna o tradicional Old Man da dança atuando como um ser de terror no estilo do Halloween, sem ter que deixar de ser guadalupense. As máscaras são um elemento característico da tradição barroca, mas no presente elas não apenas simulam a resistência cultural sob a aparência da assimilação de rostos europeus, mas também colocam, na mesma máscara, a simbolização de rostos opostos que lutam na dança de Guerrero: o chinelo (representação do conquistador europeu branco e barbudo) com o tecuani (o jaguar atrevido). Em contrapartida, a tatuagem conquistou um novo meio para o ato icônico barroco: o corpo. Na década de fotografia intitulada "Cuando no estás ¡(Cuando no estás ¡(Me) Pinto! Pode-se ver o corpo de uma mulher, provavelmente mexicana, com um jardim encantado tatuado em seu corpo e, no espaço entre a blusa e a saia, pode-se ver o rosto de uma divindade de estilo tailandês.

O hibridismo é, antes de tudo, um fenômeno glocal, energizado por tecnologias globais, mercados e dinâmicas migratórias, mas incorporado em corpos enraizados em tradições locais. A tecnologia por meio de câmeras de telefones celulares parece cocriar as imagens do hibridismo cultural, reunindo diferentes temporalidades que ocorrem na mesma desempenho. As câmeras também desterritorializam e ressituam práticas. Na foto tirada durante a festa da Epifania na cidade de La Paz, Bolívia, mostra que a mesma cena é capturada e projetada simultaneamente por diferentes câmeras, cuja projeção em redes sociodigitais desterritorializa o ato ritual. Os telefones celulares também são aparelhos de catrinas e pessoas falecidas que sobrepõem planos de existência que fazem paródia entre a fantasia e o patrimônio cultural o Dia dos Mortos.

Outro vetor de hibridização presente nas fotografias é o da migração. Em uma imagem recria São Nicolau de Bari praticando a postura de ioga bhujangasana, impressa em um muro de rua em Bari. Essa foto captura o sincretismo entre a estética devocional dos santos católicos e os asanas da prática budista de ioga. A imigração também é um gerador de hibridações surpreendentes, como o Ganesha-Guadalupeque inscreve a mãe dos mexicanos como uma divindade em um templo hindu na cidade fronteiriça de Tijuana.

A diáspora também é levada em conta nos bens culturais que circulam na mídia eletrônica de massa. Esses são os novos produtores de imaginários que são incorporados ou colocados em outras paisagens, gerando trocas entre ficção e realidade. Aqui mostramos um tradicional fabricante de cilindros nas ruas da Cidade do México disfarçado de um abominável Grinch que odeia o Natal, mas ao mesmo tempo se disfarça de Father Christmas, o santo padroeiro do Natal mercantilizado. Em uma parede na BolíviaO grafite coloca o fantástico Homem-Aranha - um famoso herói dos quadrinhos americanos - limpando os sapatos de Chapulín Colorado - um anti-herói dos quadrinhos mexicanos produzido por uma das redes de televisão mais famosas do México, a Televisa, por meio do Canal de las Estrellas. A criatividade desse grafite gera uma imagem que pode muito bem ser lida sob as chaves do imaginário latino-americano e do discurso da descolonização. Por esse motivo, essa foto foi escolhida para a capa da revista. As indústrias culturais também promovem espetáculos e eventos esportivos de massa. A Copa do Mundo de futebol é vista como um reconhecimento nacional e incentiva as pessoas a irem à praça pública e a usando as cores do uniforme, uma escultura do DaviO museu é um protótipo da arte clássica e da beleza grega, em um lugar tão remoto quanto a cidade de Montevidéu.

A hibridização também gera transgressões morais que operam na indefinição entre o privado e o público, o religioso e o profano. Essa paisagem híbrida é alcançada por meio do exercício fotográfico de colocar a diversidade sexual à luz do dia, de montar um altar em uma loja de lingerie popular em uma cidade tradicional como San Luis Potosí, onde o criador visual de A imagem dizNão é ficção, não é realidade. É uma combinação: criamos realidades, aceitando o que nos cerca.

Em suma, as fotografias nos mostram que o hibridismo anda de mãos dadas com a descontextualização e suas novas montagens criativas capazes de transformar significados. O melhor exemplo disso pode ser apreciado na foto das burcas colocadas no lugar por um coletivo de mulheres feministas para cobrir seus rostos em uma manifestação de 8 de março; nessa nova assembleia política, as burcas, longe de significar a submissão feminina, manifestam uma expressão política dissidente.

Renée de la Torre Castellanos e Arturo Gutiérrez del Ángel


Centurião

Alejandro Pérez Cervantes. Saltillo, Coahuila, março de 2018

Personagem participante da representação anual das tradicionais Estações da Cruz no bairro Ojo de Agua, na periferia sul da cidade de Saltillo, Coahuila, onde há sincretismos evidentes, cruzamentos e interseções incomuns entre tradição e modernidade.


Desvios xamânicos no templo dos druidas

Yael Dansac, Stonehenge, Reino Unido, 21 de junho de 2017.

A celebração do solstício de verão em Stonehenge é um evento multitudinário que reúne misturas religiosas inesperadas e serve como uma vitrine para identidades híbridas.


Dança do Velho das Matachines

Marco Vinicio Morales Muñoz, Ciudad Aldama, Chihuahua, 2018.

O personagem do Velho na dança dos matachines na festa da Virgem de Guadalupe em Ciudad Aldama, Chihuahua, símbolo e representação do mal na religiosidade católica popular.


Máscara de fusão do chinelo-tecuani

Sendic Sagal, Tenextepango, município de Ayala, Morelos, 23 de julho de 2022.

Síntese estético-festiva da fusão de identidade entre os símbolos do Chinelo e do Tecuani; diálogo e revitalização entre as duas principais tradições populares em terras zapatistas.


Sorriso

María Belén Aenlle, Festa da Epifania em La Paz - Bolívia.

Ela foi tirada na Festa da Epifania em La Paz - Bolívia. Tempos diferentes, culturas, tradições e duas câmeras (a câmera da família da menina e a minha) convergem no mesmo espaço e em um sorriso.


Pós-modernidades mortuárias

Yllich Escamilla, Coyoacán, Cidade do México, 02 de novembro de 2021

A onipresença de dispositivos móveis gera uma passividade da performatividade do espaço público, o que mostra uma ambivalência entre o Halloween e o Dia dos Mortos.


São Nicolau de Bari praticando postura de ioga bhujangasana

Yael Dansac, Bari, Itália, 4 de setembro de 2020.

Nas ruas de Bari, as alusões ao santo padroeiro são onipresentes. Os fluxos migratórios e o Salmo 103:12 inspiraram esse mural em que o Bispo de Myra une o Oriente e o Ocidente.


Gaṇeśa e Guadalupe. Uma deusa mexicana no universo hindu

Lucero López, Coyoacán, Cidade do México, 02 de novembro de 2021

Cerimônia em homenagem ao deus Gaṇeśa em um templo hindu, realizada por migrantes de ascendência indiana que residem em Tijuana. A inclusão da Virgem de Guadalupe simboliza, entre outras coisas, sua nova vida no México.


O Grinch do Centro Histórico

Yllich Escamilla Santiago, Centro Histórico, 24 de dezembro de 2021.

Seu nome é Juan, ele é o pilar que sustenta sua família, é um moedor de órgãos e resiste às inclemências da vida e do clima, até mesmo à pandemia que nos atingiu há três anos, dependendo da estação, Juan Organillero se caracteriza para tornar seu trabalho mais atraente e ganhar algumas moedas.


Dois super-heróis

Hugo José Suárez, La Paz (Bolívia), 2021

Em uma parede em La Paz, dois heróis opostos são retratados: El Chapulín Colorado e Spiderman, México e Estados Unidos se enfrentam. Mas o super-herói americano engraxa os sapatos do mexicano. A imagem sofre intervenção de terceiros: um pinta o nariz do Chapulín de vermelho e outro desenha um X com tinta spray. Nas ruas, os papéis dos produtos culturais internacionais são reinventados...


Davi, de Michelangelo, inchando para a Celeste uruguaia

Carlo Américo Caballero Cárdenas, Montevidéu, Uruguai, 25 de junho de 2018.

Na Prefeitura de Montevidéu, as pessoas comparecem à exibição pública da partida da Copa do Mundo de 2018 entre Uruguai e Rússia, reunidas em torno da réplica em tamanho real do David (feita em 1931, lá desde 1958), que está vestida para a ocasião com a camisa e o calção da seleção nacional. A identidade futebolística Charrúa e a tipologia arquitetônica e estatuária europeia da capital se fundem: de tal forma que um marco urbano na Avenida 18 de Julio, que emula o cânone da estética renascentista italiana, é popularizado e transformado em mais um torcedor em meio à paixão, ao clamor, às bandeiras e às cores da equipe oriental.


Travesti no tianguis

Martín Ortiz, Tianguis de las vías, San Luis Potosí, março de 2023.

Em uma cidade tão tradicional e religiosa como San Luis Potosí, o simples ato de mostrar à luz do dia os jogos que nós, em particular, fazemos com o gênero e apontar uma câmera para eles, conta a história de uma ruptura na vida cotidiana. Algo merece ser visto, mas o que é isso?

A neoprovíncia mistura tradição com novidade. Contextos hostis com personagens que os elogiam. Não é ficção, não é realidade. É uma combinação: criamos realidades, aceitando o que nos cerca.


Black Bloc, memória e pandemia

Yllich Escamilla Santiago, Túnel de Eje Central, a la altura de Garibaldi, Centro histórico, 02 de outubro de 2021.

Marcha para comemorar o massacre de 2 de outubro. Ainda em pandemia, os resistentes saíram às ruas, apesar dos picos de contágio. Os apoiadores do Black Bloc marcharam ao longo do Eje Central até a Calle de Tacuba, onde foram bloqueados.


Quando você não está presente, eu pinto!

Saúl Recinas, Cidade do México, 13 de julho de 2023.

A fotografia faz parte de um projeto de pós-doutorado sobre estética corporal, alteridade e configuração de estigmas, que tem como objetivo entender até que ponto a estética corporal, principalmente relacionada a tatuagens, contribui para a cristalização de estigmas e segregação social.


Réplica da imagem da Santa Muerte na Noria de San Pantaleón, Sombrerete, Zacatecas

Frida Sánchez, La Noria de San Pantaleón, Sombrerete, outubro de 2017.

Essa figura é uma réplica da imagem da Morte no vilarejo de Noria de San Pantaleón, pertencente ao município de Sombrerete, Zacatecas. A imagem original foi esculpida por volta de 1940, mas foi queimada porque as velas foram deixadas acesas no altar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − um =