Śiva nas ruas da Índia: invocações, orações e transformações

Arturo Gutiérrez del Ángel

Ele é professor-pesquisador do Programa de Estudos Antropológicos do El Colegio de San Luis. Membro do Sistema Nacional de Pesquisadores (sni) desde 2008. Sua pesquisa tem girado em torno de mitologia, religiões e rituais. Ela se especializou em antropologia visual, particularmente na relação entre fotografia, expressões plásticas e culturais. Trabalhou com grupos do oeste e do norte do México, como os Wixaritari e os Na'ayari. Publicou cinco livros como autor e seis livros como coautor, além de publicações em revistas nacionais e internacionais. Expôs seu trabalho fotográfico em museus e galerias, e tem 20 exposições de fotografias, incluindo as relacionadas à Ásia, The Instant Glimpse: 5 países na Ásia.

orcid: 0000-0002-2974-1991

Greta Alvarado

Estudante de doutorado no programa de Estudos Antropológicos do El Colegio de San Luis, México. Tópico de pesquisa: A diáspora sikh no México [em andamento]. Diploma em Ásia, Universidad del Chaco Austral, Argentina (2020). Mestrado Oficial em Estudos Avançados de Arte (2015-2017) e Especialista em Arte Indiana. Faculdade de Geografia e História, Universidade Complutense de Madri, Espanha. Desde 2019 é professora do curso Índia: arte e sociedade na Coordenação Acadêmica de Arte e no Departamento de Arte e Cultura da Universidade. uaslp.

orcid: 0000-0002-7514-7037


Introdução

00

Kālī, o poder do tempo e a noite eterna

Arturo Gutiérrez del Ángel. Templo, Nova Délhi, 2018.

Kālī, deusa hindu que personifica a força e o poder destrutivo. Ela é a noite suprema que devora tudo o que existe. Ela usa uma guirlanda de crânios em seu pescoço. Os mortos deixam um rastro que repousa no poder do tempo. Ela é a benéfica deusa do sono, companheira de Ṥiva. O poderoso deus, diante dela, é apenas um cadáver; ambos recriam o nascimento e a destruição do universo. Ambos recriam o nascimento e a destruição do universo. Eles são uma natureza que é feita e desfeita enquanto vive e morre. Essa imagem mostra os devotos oferecendo cascas de coco com um fogo dentro, enquanto a imagem de Kālī é colada no mármore da parede.


01

As cobras dançantes do deserto

Arturo Gutiérrez del Ángel. O deserto de Thar em Rajasthan, 2018..

Os dançarinos de kalbeliaAs danças folclóricas do deserto de Thar (noroeste da Índia, estado do Rajastão) são caracterizadas por seus movimentos sensuais, com uma exibição que expressa passagens míticas ou mensagens relacionadas à natureza. Nesta imagem, ao lado do fogo, elas recriam movimentos que lembram o serpentear de uma cobra.


02

Ardhanārīśvara

Arturo Gutiérrez del Ángel. Mural em Vārāṇasī, 2018.

Ṥiva, como divindade, é uma unidade, mas, ao mesmo tempo, ele é ele e Ṥakti, a energia feminina, concentrando duas identidades. Visto dessa forma, ele é um andrógino chamado Ardhanārīśvara, ou seja, o senhor cuja metade é feminina. A imagem mostra sua dualidade que, mais do que sexual, demonstra a possibilidade de um poder unificado que se concentra e se manifesta nessas imagens. O masculino e o feminino estão unidos pelas faíscas do desejo, a fonte da vida e da criação.


03

Oferta de amor

Arturo Gutiérrez del Ángel. Hoshiarpur, 2018.

Nos casamentos hindus no noroeste da Índia, os noivos fazem sete círculos em torno de Agni, o deus do fogo, que devora e digere todas as oblações apresentadas como oferendas aos deuses. Por meio dele, os devotos se comunicam com os habitantes das esferas celestiais. Os mantras também são entoados e o brāhmaṇ (sacerdote) lê passagens dos livros sagrados. O vestido de noiva é de cor avermelhada, pois faz alusão a śakti, feminino (menstruação) e energia solar.


04

Brāhmaṇ na cidade luminosa de Śiva

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

Nesta imagem, vemos um brāhmaṇ sentado em um lance de escadas na cidade de Vārāṇasī. Ao seu lado, há uma imagem solar, impregnada de açafrão, cujos raios iluminam uma oração em sânscrito que convida a saudações e invocações ao deus Sūrya, o Sol. No Mahābhārata é narrado que o brilho dessa estrela na terra era violento; por isso, Viśvakarman, o arquiteto, cortou um oitavo de seus raios do sol, fragmentos com os quais criou o tridente de Ṥiva (Daniélou, 2009: 149).


05

Oração ritual

Arturo Gutiérrez del Ángel. Rajasthan, 2018.

Do lado de fora dos templos, são vendidas guirlandas de flores para que os devotos possam oferecê-las aos deuses. O deus adorado, ao vê-las e cheirá-las, sucumbe ao seu feitiço e passa a ouvir os pedidos dos fiéis. A imagem mostra uma mulher do Rajastão usando um véu para cobrir o rosto do sol e proteger o rosto do olhar dos transeuntes.


06

Invocação a Gaṇeśa

Arturo Gutiérrez del Ángel. Rajasthan, 2018.

Vários rituais são realizados nos templos. A imagem mostra um casamento hindu em um templo em Rajasthan. Os noivos, as famílias e os devotos são vistos deixando oferendas para Gaṇeśa, o deus com cabeça de elefante. A tromba do elefante tem o objetivo de ajudar os noivos a remover quaisquer obstáculos que possam surgir em sua nova vida como casal.


07

O som da adoração

Arturo Gutiérrez del Ángel. Jaipur, 2018.

A imagem mostra um músico urbano nas ruas labirínticas de Jaipur, na Índia. Ele toca um instrumento de cordas chamado ravanahathaO nome vem do rei de Sri Lankā, Rāvaṇa, que se diz tê-lo usado para adorar Ṥiva (Daniélou, 2009: 166). As canções contam histórias relacionadas aos deuses e suas aventuras.


08

A presença de Śiva

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

Na imagem, vemos Ṥiva sentado sobre a pele de tigre segurando um tridente, um instrumento que lembra as três ações do universo: criação, destruição e conservação, e um tridente que é um símbolo da natureza. damaruO tambor em forma de ampulheta, que tem boleadeiras nas extremidades e, quando o cabo é sacudido, produz um som celestial. A serpente em seu pescoço representa o domínio do desejo. As pinceladas azuis em seu pescoço indicam o resíduo de um veneno que ele bebeu para que não se misturasse com o elixir da imortalidade. A deusa Gaṅgā brota do cabelo do deus e é a manifestação do rio Ganges descendo à terra.


09

Degraus para a eternidade

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

Quando você caminha entre os ghāṭs1 Na cidade de Vārāṇasī, nos degraus que levam ao rio Ganges, ele encontra diferentes divindades. A imagem mostra Ṥiva prostrado nos degraus em sua invocação fálica (liṅga-yoni), e a imagem maior de cor laranja encostada na parede é Hánuman, o deus macaco, e a menor é Gaṇeśa. A figura cor de osso é Durgā, uma deusa montada em um tigre ou leão. Ela tem vários braços nos quais empunha armas que foram dadas a ela por alguns dos deuses para aniquilar um asura (demônio) chamado Mahiṣa.


10

Dedicado a Śiva

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

O sādhus geralmente moram em Vārāṇasī e são devotos de Ṥiva. Eles são ascetas que adotam a penitência e a austeridade como seu modo de vida. Dessa forma, eles alcançam a iluminação e a bem-aventurança eterna.


11

Deidade em trânsito

Arturo Gutiérrez del Ángel. Rajasthan, 2018.

Como retábulos em movimento, os ônibus, táxis, carruagens, placas de lojas etc. narram diferentes passagens da mitologia hindu. Na placa superior há um amuleto de proteção: a imagem da deusa Durgā, um dos avatares da consorte de Ṥiva.


12

Maheśvara, o grande deus

Arturo Gutiérrez del Ángel. Shree Durgiana Tirath, Amritsar, 2018.

Esse recinto é dedicado principalmente à deusa Durgā e também é conhecido como o templo prateado, devido à cor de algumas das portas. Os devotos adoram Ṥiva aqui, especialmente às segundas-feiras (somavāra), um dia dedicado a esse deus. A escultura o mostra em um estado de meditação que implica unidade com tudo o que existe; ele está acima de todos os deuses, ele é o grande deus, Maheśvara, com a serpente enrolada em seu pescoço. No lado esquerdo está seu tridente e seu damaru. Os devotos deixaram guirlandas de flores em seu corpo como oferendas.


13

Veneração e vida cotidiana

Arturo Gutiérrez del Ángel. Rajasthan, 2018.

Entre os locais favoritos para a presença de Ṥiva estão os mercados ou lojas locais. Vemos que essa loja se chama "Shiba" e vende itens do cotidiano, como coletes e calças. Assim, esse deus se materializa nos lugares mais inesperados e cotidianos: o mito cria um estratagema de memória para os viajantes.


14

Purificação

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

Na arquitetura tradicional indiana, são construídas escadas que terminam, ou começam, em um lago ou fonte. Elas são particularmente atraentes para os peregrinos que as visitam, bebem as águas e mergulham nelas. A imagem mostra dois peregrinos nos degraus lavando suas roupas e tomando banho em Khajuraho, Índia.


15

Flores etéreas

Arturo Gutiérrez del Ángel. Rajasthan, 2018.

Os vários componentes das oferendas correspondem aos elementos da existência: água quando a divindade é lavada, fogo nas lamparinas a óleo, ar no incenso, terra no aroma dos óleos perfumados e flores, o elemento etéreo. Assim, as oferendas preferidas das divindades são cocos e flores, especialmente guirlandas de cempasúchil (malmequeres).Tagetes erecta), que geralmente são vendidos fora dos templos. A imagem mostra um devoto indo ao templo e comprando primeiro um colar de flores para deixar aos pés ou pendurar no pescoço de uma divindade.


16

Entre a vida e a morte

Arturo Gutiérrez del Ángel. Rajasthan, 2018.

Em uma manhã enevoada em Vārāṇasī, às margens do Ganges, várias atividades acontecem, como a lavagem de roupas em lavanderias locais, o barbeiro que raspa o cabelo dos parentes do falecido em sinal de luto e os barcos dos quais as cinzas dos mortos são jogadas.


17

Transformações de Śiva em Mumbai

Arturo Gutiérrez del Ángel. Mumbai, 2018.

A imagem mostra um templo urbano dedicado ao liṅga-yonia forma fálica de Ṥiva e a vagina representando Ṥakti, a energia feminina. Acima da yoni há um ovo cósmico, outra das formas de Ṥiva. Em um lado da escultura está Nandin, o touro que serve como veículo para o deus fálico.


As três essências do universo

18

Cavidade sagrada

Greta Alvarado. Nova Delhi, 2018.

A imagem mostra um curioso nicho nas ruas de Nova Délhi. No centro, há uma pintura de Ṥiva, Pārvātī e seu filho Gaṇeśa. No lado esquerdo, a deusa Durgā com armas em suas muitas mãos. No lado direito, Sarasvati, a deusa do conhecimento; Lakṣmī, a deusa da fortuna; e Gaṇeśa, o deus com cabeça de elefante que remove obstáculos. Há também um liṅga-yoni decorados com flores.


19

O embrião dourado

Arturo Gutiérrez del Ángel. Ajmer, 2018.

Brahmā é um governante barbudo com suas quatro cabeças apontando para os pontos cardeais. A esse deus é atribuída a criação do universo, o princípio criativo ou o embrião dourado (Hiraṇia-garbha). Em Ajmer, conta-se que os devotos pararam de adorá-lo porque ele mentiu para Ṥiva, dizendo-lhe que havia alcançado o cume do liṅga. Sabendo que isso não era verdade, Ṥiva lançou uma maldição sobre ele. Exceto em alguns templos, como o de Ajmer, quase ninguém fazia oferendas a ele.


20

O sonho do mundo

Sergio T. Serrano Hernández. Museu de Pesquisa Arqueológica da Índia, Mumbai, 2016.

Quando Viṣṇu dorme na água, ele sonha, cria e preserva o mundo. Enquanto Ṥiva é o princípio destruidor, Viṣṇu é o princípio da continuação, o símbolo da vida perpétua.


21

Adoração fálica

Sergio T. Serrano Hernández. Caverna Ellorā, Aurangābād, 2016.

Uma forma fálica de Ṥiva conhecida como ῡrdhvaliṅgaO pênis ereto indica continência e a subida do sêmen para o corpo. Ele é encontrado no yoniA vulva, a energia feminina. Os devotos fazem oferendas de flores, lâmpadas a óleo e rúpias, a moeda indiana.


22

Morada dos deuses

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

A imagem mostra uma gravura de pedra muito antiga que é o plano ou esboço de um templo e, dentro dela, um liṅga-yoni. É o que consideramos um modelo reduzido do universo.


Sedução divina

23

Consagração

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

Devoto fazendo uma oferenda com água sagrada do rio Ganges, folhas e flores, a um liṅga-yoni protegido por kuṇḍalinīuma serpente que é a fonte de energias espirituais.


24

Traços antigos

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

Em alguns dos templos de Khajuraho, vemos pegadas antigas, vestígios de um corpo desaparecido: um corpo que deixa sua memória nos pés detalhadamente esculpidos.


25

"Os quebradores de crânio

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

As barracas onde são vendidos diferentes itens para cremações são chamadas de "skull-crackers" (quebradores de crânio); elas estão localizadas nas margens do rio Ganges em Vārāṇasī. Esse nome vem da época em que uma das fases do ritual fúnebre era quebrar o crânio do falecido para liberar sua alma; atualmente, a quebra do crânio foi substituída pela quebra de um coco. Várias barracas vendem oferendas de flores, panos para embrulhar o morto e cocos.


26

Deuses guardando um pórtico

Arturo Gutiérrez del Ángel. Templo de Durgiana. Amritsar, 2018.

No relevo das portas, os contornos de Ṥiva e Durgā podem ser vistos em uma técnica de relevo. No friso superior está Nara-siṃha, metade homem e metade leão, avatar de Viṣṇu, esvaziando os intestinos de um demônio chamado Hiraṇya-kaṥipu (coberto de ouro). À esquerda está Brahmā e à direita Ṥiva.


O deus fálico: transfigurações e invocação

27

A linha de frente

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

Nas margens do rio Ganges, vemos um ritual com uma cenografia renovada, no qual os deuses presentes no Vārāṇasī, como Gaṅgā e Ṥiva, são abençoados por um ritual chamado ārtīO "espetáculo", que consiste no movimento circular de lâmpadas a óleo com imagens de cobras, manipuladas por especialistas em rituais. Esse "espetáculo", que ocorre todas as noites, é realizado principalmente para os visitantes. Uma de suas principais características é a exibição de recursos extremamente marcantes e abundantes no espaço: luzes coloridas, sons, sabores...


28

Transfiguração do liṅga

Arturo Gutiérrez del Ángel. Museu Nacional, Nova Délhi, 2018.

Essa peça pertence à dinastia Chola, datada de xii. Ele mostra o momento exato em que, das profundezas do oceano cósmico, um enorme liṅga em chamas. Brahmā montou em seu ganso e voou para o céu para ver até que ponto o liṅgaenquanto Vishnu se transformava em um javali para mergulhar e encontrar a origem. No entanto, o liṅga continuou a crescer em direção às duas extremidades. Algum tempo depois, um lado do liṅga se abriu e Ṥiva emergiu como a força suprema do universo.


Vídeo 1

Mukhaliṅga

Arturo Gutiérrez del Ángel. Museu Nacional, Nova Délhi, 2018.

Mukhaliṅga é uma forma fálica de Ṥiva com cinco faces do deus; a quinta face geralmente é invisível, pois só é vista por meio da compreensão interior. Uma das faces olha para cima e as outras para os quatro pontos cardeais. Ṥiva é o governante das cinco direções espaciais e cada face tem uma cor distinta: pérola, amarelo, nuvem, branco e vermelho. Em alguns vilarejos, durante os meses de inverno, elas são embrulhadas em tecido de lã para aquecer o sêmen (energia sutil) armazenado nelas.


29

Pinceladas de açafrão

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

A imagem mostra um sādhu descansando, e abaixo, no ghāṭspodem ser encontrados em vários liṅgas-yonis e outras divindades. A cor açafrão nas roupas do asceta e dos deuses é característica do hinduísmo, pois está associada à fertilidade e ao sacrifício.


30

Tīrtha

Arturo Gutiérrez del Ángel. Nova Delhi, 2018.

O tīrthas são espaços onde se pode passar de uma realidade empírica e sensível para uma realidade transcendental. Sua presença passa despercebida pela maioria das pessoas, mas são lugares cotidianos que possuem uma beleza particular e subjetiva. Cada lugar é selecionado como um continente que abriga as figuras dos deuses e as oferendas; eles estão localizados em uma encruzilhada, como este pequeno altar em uma esquina entre as ruas movimentadas de Délhi. Os devotos colocaram um liṅga-yoni adornada com flores, uma representação abstrata do falo na vulva, a combinação criativa das forças masculinas e femininas, bem como Nandin, o touro que guarda a imagem, e várias representações de deusas femininas. Velas e pratos com oferendas são deixados para elas.


31

As façanhas do Universo

Sergio T. Serrano Hernández. Cavernas de Udayagiri. Orissa, 2016.

Ekamukha liṅgaO falo com a face de Ṥiva. É a forma visível do criador e o emblema divino. Ao venerá-lo, obtém-se prazer e liberação. A terra e a caverna são o útero; a pedra ereta é o falo que o fertiliza. Essa dualidade forma um microcosmo, o reflexo do gesto do universo.


Vídeo 2

Rudra abhiśeka

Greta Alvarado. Vārāṇasī, 2018.

Rudra abhiśekao banho de Rudra (o avatar de Ṥiva como o deus das tempestades), consiste em um ritual de consagração e seus dispositivos variam de acordo com tradições específicas; ele pode ser conduzido por um brāhmaṇ (sacerdote) nos templos, ou por um devoto que adora o liṅga-yoni que é colocado no tīrthaslugares sagrados marcados sob uma árvore, em uma esquina ou em uma encruzilhada importante.


32

Dárshan, um jogo de olhares

Sergio T. Serrano Hernández. Gwalior, Madhya Pradesh, 2016.

Entre as ruas dos bairros, há alguns templos muito engenhosos. Sob a árvore é colocado um liṅga Os olhos são desenhados para mostrar que Ṥiva ressurgiu na escultura. Seus olhos se envolvem no que é chamado de dárshanA figura é um jogo de olhares entre o devoto e a deidade. Um recipiente de latão ou estanho é pendurado acima dessa figura, no qual é feito um pequeno orifício na parte inferior, que é preenchido com água e leite, de modo que o líquido fique pingando continuamente na cabeça da deidade. liṅga. Dessa forma, é feita uma alusão ao líquido vital masculino: o sêmen. Como podemos ver na imagem, no templo urbano também há um yoni e uma cobra kuṇḍalinī feito de cobre, bem como o tridente e o Nandin. Os transeuntes, ao passarem por esses templos de rua, enfeitam-nos com oferendas florais e tocam os sinos pendurados nos galhos das árvores, chamando o deus para garantir sua atenção.


Tantra, erotismo e frenesi

33

Erotismo sagrado

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

Na imagem, vemos uma figura masculina, considerada uma alusão a Ṥiva, e outra, feminina, que é Ṥakti. Seus corpos entrelaçados representam um microcosmo que mostra a gestação do mundo por meio do ritual tântrico, um jogo sexual como o início da criação realizado pelo "casal original" e reproduzido pelos humanos.


34

O abraço divino

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

A imagem mostra o abraço divino. As esculturas são um microcosmo que combina o aspecto lúdico da criação com corpos erotizados. Para os escultores, cada movimento sexual era uma fonte de admiração e foi capturado como uma ode ao prazer e à criação.


35

"Um você e eu que se torna 'seu'".

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

Os corpos esculpidos em pedra, nus, em posições sexualmente inescrupulosas, brincalhões, personificando prakṛti (o feminino) e para puruṣa (o masculino), portanto, devem ser entendidos, como sugere o grande poeta mexicano Octavio Paz (2004: 36), como "um eu e um você que se torna "seu"".


36

O segredo insondável da criação

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

Quando olhamos para elas, as passagens das esculturas sutilmente esculpidas de Khajuraho nunca deixam de surpreender; elas espantam, admiram e, acima de tudo, despertam uma excitação secreta acompanhada por um conjunto de perguntas: de quem são os corpos? Por que elas aludem ao gráfico do erotismo? Portanto, devemos olhar para eles com a mesma admiração e desapego em relação à natureza que guarda o segredo insondável da criação.


37

O hino do deus do amor... (a forma ígnea de Śiva)

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

A primeira chamada é a invocação do deus (hiṅkāra)
A proposição representa os alaúdes (prastāva)
Dormir com a mulher é o hino da glória (udgītha)
Deitado de frente para a mulher está o coro (pratihāra)
O clímax é o ritual de consagração (nidhāna)
Separação é o hino final (nidhāna)



Esse é o hino do deus [ígneo] canhoto (Vāmadeva) feito sobre o ato de amor (Chāndogya Upaniṣad, 2, 13, I, apud Daniélou, 2009: 304).

38

Orgasmo cósmico

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

Dentro de cada ser há porções de energias cósmicas destinadas a serem despertadas. Assim como as criaturas de Ṥiva seduzem o senhor para que venha ao seu encontro, neste caso o diálogo, certos rituais e meditações despertam essa parte dos deuses em seu interior. A presença deles é o próprio êxtase da meditação e das práticas tântricas que trazem ānandauma experiência de êxtase, um orgasmo cósmico...


O reflexo de Śiva no espelho mitológico

39

Realização do desejo

Arturo Gutiérrez del Ángel Vārāṇasī, 2018.

Na imagem, você pode ver alguns dos sādhus cobertos com as cinzas de corpos cremados. Dois carregam um cobertor que simula a pele de um tigre. Às vezes, Ṥiva é personificado como se estivesse sentado nele ou vestindo a pele desse grande felino, a montaria da deusa Durgā (avatar de Pārvatī), uma das representantes de ṥaktia energia feminina. Ao sentar-se sobre essa pele, o deus caça e derrota o desejo, ou seja, não cede às tentações sensuais.


Nandin, a alegria

40

Nandin, a alegria

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

Cada divindade tem um animal que o ajuda a exibir as qualidades que cada um tem no cenário cosmográfico. O touro Nandin guarda o liṅga de pedra negra em um yoni de pedra avermelhada. Os devotos deixaram flores como oferendas. Nandin, como Ṥiva, tem os poderes de transformação, dobragem, contração e multiplicidade, e é o veículo no qual o deus se transporta.


41

Nandin maṇḍapa (pavilhão)

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

O salão do templo que abriga Nandin ou outras divindades é um local carregado de pureza; ninguém pode entrar com sapatos, caso contrário, estaria sujando o local. O olhar para a divindade não é livre, mas a orientação do templo e a localização da figura significam que se deve caminhar em uma direção dextrorotatória, com o lado direito do adorador voltado para o objeto de adoração; a pessoa se curva e pode acariciar o nariz ou as patas, as costas ou qualquer parte do corpo do touro, para receber sua bênção.


Hierofanias de ervas

42

Hierofanias de ervas

Arturo Gutiérrez del Ángel. Khajuraho, 2018.

A árvore é o centro do universo e o axis mundiÉ aí que corre a diversidade de forças opostas: conexão do plano terreno, do submundo e do plano celestial. São, como diz Eliade, "hierofanias vegetais" em que o sagrado se revela por meio da vegetação: a árvore da vida cósmica que dá origem aos mais diversos mitos alusivos a essa torção da trama entre diferentes planos da existência empírica, mas também de seu oposto (Eliade, 1981: 32). Os devotos tocam os sinos da árvore para atrair a atenção dos deuses e garantir que eles ouçam seus pedidos. Plásticos são amarrados aos galhos, o que dá uma aparência brilhante e multicolorida.


43

A árvore cósmica

Arturo Gutiérrez del Ángel. Templo de Durgiana, Amristar, 2018.

As árvores são margens que nos convidam a pensar sobre as fronteiras de diferentes realidades, entre o reflexo terrestre (microcósmico) de Jambudvīpa e o céu, como a esplêndida árvore cósmica no centro do mítico Monte Meru. Um tridente (aludindo a uma forma fálica) foi encaixado na abertura do tronco. O contorno da cavidade foi delineado em ouro para enfatizá-lo e indicar o formato de uma vulva. Ao redor dos troncos, os devotos amarram um pano ou linha, de preferência vermelho, uma cor associada a ṥaktiA energia feminina, como uma oferenda para um pedido específico. Dentro da cavidade há figuras nascentes.


Vārāṇasī, a cidade flutuante

44

O espelho do universo

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

Vārāṇasī existe porque o rio Ganges existe; um é a continuação do outro, sem um não há outro, um é pensado no outro e continua nos deltas marinhos; eles são o espelho do universo e, portanto, um cosmo intermediário entre o celestial e o terrestre. Na imagem, observamos a grandiosidade desse abraço entre uma natureza transbordante e uma imagem humanizada da cidade por meio do ghāṭs.


45

Vārāṇasī, a cidade flutuante

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

A cidade é uma comemoração de Ṥiva e, portanto, está repleta de templos a ele. Alguns deles têm quadros pintados de liṅgas na cúpula. Um dos principais templos é o chamado Kashi Vishvanathuma ode à forma fálica do deus e o destino de inúmeros peregrinos. Ṥiva caminhou de Kedarnath (no Himalaia) e se estabeleceu na forma de linga no templo Kedar em Vārāṇasī.


46

A morte permeia todos os sentidos

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

Diz-se que essa cidade mantém o Universo em movimento pelo fluxo de vida e morte que se encontram aqui: vida trazida pelo liṅga de Ṥiva, pênis arrancado do corpo do deus que caiu na cidade; a morte que permeia todos os sentidos enquanto você caminha entre as piras funerárias fumegantes. Todos querem morrer com a dignidade que essa cidade proporciona ao transformá-lo em cinzas que alimentarão a umidade das águas de Gaṅgā e ajudarão o universo a se reproduzir. Ao ser cremado em Vārāṇasī, a cadeia de seu carma é quebrada.


47

Ghattiya

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

Nas margens do rio Ganges, o caminhante pode observar homens chamados ghattiya que têm a tarefa de proteger os pertences daqueles que decidem dar um mergulho no Ganges. Além disso, eles realizam um ritual no qual o abençoam ao final das abluções.


Presenças errantes e conquistadores da morte

48

Conquistadores da morte

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

Nesta imagem, vemos um sādhu realizando disciplinas ascéticas. Sua pele foi esfregada com cinzas funerárias, que se tornam um componente oposto à morte, pois são dotadas de qualidades mágicas: elas tornam férteis as mulheres estéreis ou são amuletos que guardam as casas das mulheres em trabalho de parto. No lado direito, há um cobertor que imita a pele de um tigre e um tridente, símbolos de Ṥiva.


49

Śiva errante

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

A imagem mostra um sādhu tocando flauta. Ela penteia o cabelo em jaṭāmukuṭaO instrumento musical é decorado com um tridente, chamado de tridente, que é chamado de tridente. Ele decora seu instrumento musical com um tridente, chamado de triṥūlaque simboliza as três tendências fundamentais da natureza: criação, preservação e destruição. Ṥiva também é chamado de Ṥūlin (o tridente). O tridente sadhῡs A história conta que Ṥiva desceu à Terra disfarçado de iogue, anda nu e pede esmolas. Por esse motivo, às vezes se diz que o deus perambula pelas ruas na forma de um sādhu.


50

O sacrifício final

Arturo Gutiérrez del Ángel. Vārāṇasī, 2018.

A cremação é o último sacrifício oferecido aos deuses. As cinzas e os restos mortais dos mortos pertencem a Ṥiva e são transportados em um barco para serem jogados no rio Ganges. Ṥiva é o barqueiro e, ao mesmo tempo, é o barco que os leva para o outro mundo. Um mantra de Ṥiva é recitado no ouvido dos mortos, que é conhecido como taratipara que possam nadar e obter a salvação.


Bibliografia

Daniélou, Alain (2009). Mitos y dioses de la India. Girona: Atalanta.

Eliade, Mircea (1981). Tratado de historia de las religiones. Ciudad de México: Era.

Paz, Octavio (2004). Vislumbres de la India. Barcelona: Seix Barral.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 12 =