"Não há como levar a Igreja adiante sem as mulheres". As mulheres, o Sínodo da Amazônia e os desafios para o presente da Igreja Católica

Entrevista com

    *

    Recepção: 21 de outubro de 2020

    Aceitação: 27 de janeiro de 2021

    Em abril de 2020, logo após o aniversário da assunção de Jorge Mario Bergoglio à Sé Petrina em março de 2013, entrevistamos a teóloga brasileira Dra. Maria Clara Bingemer por videochamada para discutir o papel das mulheres, o Sínodo da Amazônia e os desafios atuais enfrentados pela Igreja Católica. Reconhecida por seu trabalho Teologia e Literatura: Afinidades e segredos compartilhados (Editora Vozes, Petrópolis, 2016), Teologia latino-americana: raízes e ramos (Orbis Books, Nova York, 2016), Mística e Testemunho em Koinonia: a Inspiração que vem do Martírio de Duas Comunidades do Século xx (Paulus Editora, São Paulo, 2018) e Simone Weil: Contra o colonialismo (Bazar do Tempo, Rio de Janeiro, 2019), Bingemer, uma teóloga feminista brasileira, representa um esforço intelectual para continuar articulando as ciências sociais e a teologia na América Latina. Formada em Comunicação Social pelo Rio de Janeiro e doutora em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, ela herdou a cadeira de Leonardo Boff no Instituto Teológico Franciscano de Petrópolis após o banimento do renomado teólogo brasileiro por João Paulo II. Bingemer, especialista em Teologia Sistemática, trabalha como coordenadora da cátedra Carlo Martini na Universidade Católica do Rio de Janeiro e assessora a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, mas também como editora da revista Revista Eclesiástica Brasileira, Concilio e Journal of the American Academy of Religion (Jornal da Academia Americana de Religião) (2003-2008).

    A partir de uma teologia atenta às ciências sociais, Bingemer oferece um olhar profundo e desafiador sobre a história recente da Igreja Católica, uma instituição que, sem dúvida, está passando por uma grande crise. Na América Latina, a relação entre as ciências sociais e a teologia tem sido longa e variada, marcada por diálogo, desconfiança e tensões. As suspeitas contra as universidades seculares na primeira metade do século xx e contra a Igreja Católica - e contra o catolicismo como um fenômeno mais amplo - deram origem a trocas intelectuais que naturalmente encontraram nas Teologias da Libertação um capítulo continental indispensável para a compreensão das afinidades e diferenças entre o conhecimento secular e o religioso. Além das fortes tradições de estados seculares encontradas em alguns países do continente, a religião constitui parte integrante das identidades latino-americanas, e levar em conta suas teologias, as maneiras pelas quais organizam suas crenças e praticam suas religiosidades, parece fundamental para entender as relações entre religião e política, mas também com a cultura e a sociedade.

    Sebastian Pattin e Claudia Touris

    Como você interpreta a ascensão de Francisco à luz de um processo ainda emergente de "desocidentalização" da Igreja Católica, já que sua face europeia vem mudando há algumas décadas?

    Maria Clara Bingemer

    De fato, foi uma grande surpresa para o mundo e para a Igreja eleger um papa do sul e não do centro. Não acho que seria uma surpresa tão grande se fosse alguém do norte da América. Mas do sul, foi de fato uma surpresa. Para a sociedade e a Igreja, mas certamente não para uma parte significativa do Colégio de Cardeais que, sem dúvida, já estava se preparando para sua eleição. Hoje se sabe que ele já estava sendo considerado desde a eleição de Bento XVI. xvi. Acredito que essa escolha foi muito importante porque acompanha um movimento inexorável que o cristianismo histórico, e dentro dele o catolicismo, precisa fazer com urgência: ir para o sul, olhar para o sul, pensar a partir do sul, sentir a partir do sul.

    São os países periféricos que apresentam os maiores desafios para a Igreja hoje no século XXI. xxi. No caso de Francisco, há um bônus adicional: o fato de ele vir de um continente majoritariamente cristão, o que não se pode mais dizer da Europa, que é secularizada e objeto de preocupação do papa anterior. Nesse sentido, foi um passo decisivo em direção à "desocidentalização". Um passo calculado e prudente, no entanto. A América Latina ainda tem algo da Europa, foi colonizada pela Europa. Consequentemente, sua cultura ainda mantém traços importantes da cultura europeia. Dentro dela, a Argentina - junto com o Chile - talvez seja o país que mais preserva esses traços, ao contrário de outros, como o Brasil e a Venezuela, que são muito marcados pela cultura americana. Portanto, esse foi o contexto certo para a escolha do novo papa, que não é europeu, mas também não tem uma cultura e uma educação radicalmente diferentes das da Europa.

    S. P. e C. T.

    Nesse sentido, que relações podem ser estabelecidas entre o Conselho do Vaticano e o Conselho da Europa? ii (cvii) e Francisco?

    M. C. B.

    Desde o início de seu pontificado, Francisco se preocupou em deixar claro que o espírito, a linguagem, a abertura e as conquistas da cvii estavam de volta ao centro da Igreja. Embora se diga que seus antecessores também o fizeram, era evidente para todos os cristãos mais ou menos conscientes e praticantes que viveram 30 anos em que parecia que todo o itinerário conciliar estava lentamente se evaporando. As práticas "pré-conciliares" tinham espaço, parecia haver um medo por parte da hierarquia e, concretamente, por parte do Vaticano, de assumir os avanços do cvii. Francisco trouxe tudo de volta: a abertura para o mundo, o diálogo inter-religioso, a centralidade dos pobres, as realidades terrenas. Foi uma sensação deliciosa ouvir seus primeiros discursos e, especialmente, ver seus gestos como papa nesse sentido. Evidentemente, sempre se pensa que ele poderia fazer ainda mais, ir além. Isso é um fato. Mas para compensar 30 anos de atraso e regressão, acho que ele fez muito. E embora ele não esteja mencionando o cvii Em todos os momentos, fica claro que ele age em coerência com suas diretrizes e realizações. E, é claro, ele faz muitas citações de seus antecessores, mas tem o cuidado de escolher citações e pontos deles que estejam em sintonia com o cviie não contra.

    S. P. e C. T.

    Na historiografia latino-americana, dois momentos podem ser reconhecidos com relação à recepção do Vaticano ii que resultaria em duas linhas teológicas e pastorais. Primeiro, foi identificada uma linha alinhada com as leituras reformistas e desenvolvimentistas europeias. A segunda linha, "liberacionista" ou "terceiro-mundista", enfatizava a singularidade cultural do continente latino-americano. A profunda desigualdade social implicou que a segunda linha teológica propusesse uma resposta radical e contestatória que postulasse, em termos políticos, "a opção preferencial pelos pobres" como um novo modelo de Igreja. O que, então, ela interpreta das "recepções latino-americanas" da cvii, Por que a Teologia da Libertação (Teologia da Libertação (tdlQue papel você acha que o Cardeal Ratzinger desempenhou nessa política de censura, perseguição e silenciamento dos teólogos da libertação?

    M. C. B.

    Certamente, a recepção do cvii na América Latina entrará para a história por causa das três prioridades estabelecidas para a Igreja no continente por Medellín: um, uma conexão inescapável entre fé e justiça, que gera uma nova posição da Igreja em relação ao povo; dois, uma nova maneira de pensar sobre a fé, dando origem a uma nova teologia chamada Teologia da Libertação; e, três, um novo modelo de Igreja, mais horizontal, relacional e participativo, inspirado na categoria do Povo de Deus na Constituição Dogmática. Lumen Gentium (1965), que na América Latina tinha o nome de Comunidades Eclesiais de Base (ceb). Essa linha eclesial e teológica ganhou dois cortes em sua recepção no continente. Um, no eixo brasileiro-peruano, foi mais voltado para as ciências econômicas, sociais e políticas. Os protagonistas foram, e ainda são, Gustavo Gutiérrez, Leonardo Boff, Jon Sobrino, etc. Outro eixo se encontra no cone sul, notadamente na Argentina e no Chile, mais voltado para a cultura dos pobres, a religião popular etc. Embora sempre tenha sido entendido como pertencente ao guarda-chuva do tdlEla trouxe, acima de tudo, uma conscientização sobre a importância das culturas indígenas dos povos nativos. Foi chamada de Teologia do Povo (tdp) e seus protagonistas foram Juan Carlos Scannone, na Argentina, e Diego Irazábal, no Chile.

    Por ser tão contextual, com traços tão marcantes de culturas oprimidas, essa visão eclesial e teológica questionou profundamente a Igreja e as teologias europeias. Embora os grandes teólogos latino-americanos tenham sido todos formados na Europa, nos grandes centros da época - Roma, Louvain, Innsbruck, Frankfurt, Paris -, quando retornaram ao seu contexto nacional e continental, abriram os olhos para o colonialismo que havia sido absorvido por suas igrejas e do qual era urgente se libertar. Tão forte era essa teologia aqui na América Latina que, em alguns países, como o Brasil, por exemplo, ela praticamente produziu textos que receberam mais atenção e mais leitura por parte de católicos, cristãos e do povo em geral do que a Doutrina Social da Igreja (dsi). O ceb Eles cresceram e se multiplicaram enormemente na década de 1980 e atingiram cerca de 80.000 pessoas em todo o Brasil. Acho que a dificuldade do Vaticano com a tdl baseava-se no método. Ele não podia aceitar - João Paulo II, um polonês, e também, até certo ponto, Ratzinger - o uso de categorias marxistas para construir um pensamento teológico, como fez o tdl. A postura antitética veio mais do papa polonês, que viveu no coração do comunismo em sua Polônia natal e repudiou veementemente qualquer coisa que remetesse ao marxismo como anticristão. Ele nunca entendeu que o tdl Ele usou as categorias para construir um método, mas não abraçou a visão materialista da história nem o ateísmo da proposta marxista em sua real concretude socialista. Depois vieram as notificações, as censuras... Foi um pontificado em que 144 teólogos foram censurados por suas posições teológicas. Esse período é reconhecido como um "inverno eclesial", parafraseando Karl Rahner. O Cardeal Ratzinger era o presidente da Congregação para a Doutrina da Fé. Como tal, ele tinha que conduzir os processos contra os teólogos. Mesmo que ele não concordasse com alguns deles, como afirma Leonardo Boff em um artigo recente sobre o filme Os dois papas (Meirelles, 2019), acompanhou a maioria da Congregação para a Doutrina da Fé, que era claramente conservadora e via no tdl uma ameaça e um perigo para a Igreja.

    Uma vez papa, Bento XVI xvi foi muito mais moderado em suas ações. Tanto é assim que nenhum teólogo foi efetivamente censurado durante seu pontificado, exceto pela notificação de Jon Sobrino, que não resultou em censura efetiva. E em seu discurso introdutório na conferência de Aparecida, no Brasil, em 2007, Bento xvi Ele surpreendeu a muitos ao tecer elogios à conhecida "opção preferencial pelos pobres", afirmando que ela não estava em discussão, pois era cristocêntrica. Foi, portanto, um estímulo bem-vindo para uma Igreja abalada que havia visto seu belo projeto desmoronar. E isso já prenunciava o que estava por vir com Francisco, preocupado em reabilitar os teólogos, restaurando suas cátedras, suas obras ou, pelo menos, suas memórias. Vale lembrar que Bergoglio foi formado na tdp. Seu trabalho nas "favelas" com os pobres estava claramente em sintonia com essa teologia. Nesse sentido, com tudo o que pode ser afirmado e questionado sobre seu passado na Argentina, é inegável que ele sempre esteve próximo dos pobres. Bergoglio também atuou como chefe do Comitê de Redação de Aparecida em 2007 e foi o grande responsável pela abertura da conferência após a decepção de Santo Domingo em 1992.

    S. P. e C. T.

    O cvii gerou expectativas, que ainda estão pendentes, sobre o maior reconhecimento que as mulheres supostamente teriam na Igreja do ponto de vista do "Povo de Deus". O maior reconhecimento não se daria apenas dentro da estrutura de poder da instituição (acesso ao exercício do ministério sacerdotal, participação em órgãos de decisão, concessão de um status diferente às mulheres na vida consagrada etc.), mas também em uma mudança na visão patriarcal e conservadora do lugar da mulher na sociedade secular e do direito de decidir sobre seu corpo (especificamente o uso da pílula anticoncepcional e as leis que descriminalizam o aborto etc.). Por que você acha que, nessa questão, a Igreja não conseguiu atualização Como você interpreta o relacionamento de Francisco com as mulheres católicas, levando em conta o texto de Mulheres, Igreja e Mundomas também a demissão de Lucetta Scaraffia do L'Osservatore Romano? Além disso, um grupo de mulheres na Alemanha protestou recentemente contra a preparação de um sínodo da Conferência Episcopal Alemã, onde o sacerdócio e o celibato das mulheres seriam discutidos...

    M. C. B.

    Em minha carreira teológica, tenho trabalhado com a questão das mulheres na Igreja. Esse ainda é um assunto inacabado na Igreja, assim como as questões de ética pessoal em geral. Mesmo os bispos mais abertos em termos sociais tiveram - e ainda têm - dificuldades para entender a questão das mulheres, em relação às quais tinham - e ainda têm em alguns casos - posições muito conservadoras. Lembro-me de episódios que vivenciei com alguns deles. Em minha opinião, essa é uma questão ontológica mais do que qualquer outra coisa. Nesse sentido, há uma profunda dificuldade com o corpo da mulher e a discriminação contra ele com conotações de perigo, ameaça, proibições religiosas etc. O corpo feminino sempre representou um problema nas religiões semíticas e afro, entre outras. A título de exemplo, os ciclos femininos eram identificados com impureza, doença etc. Assim, uma leitura distorcida dos primeiros capítulos de Gênesis - embora já contestada por João Paulo II na carta Dignidade da Mulieris (1988) - conecta a mulher com a doença, a tentação, a responsabilidade pela entrada do pecado no mundo e, consequentemente, com a morte.

    Antropologicamente, isso tem consequências importantes para o cristianismo: aqueles que têm um corpo inferior e pecaminoso não podem se aproximar do sagrado. Pelo contrário: o corpo da mulher provoca medo e inspira cautela e deve ser mantido a uma distância segura, confinado em casa ou no convento, sem migrar para o espaço público. Até seis décadas atrás, a Igreja acompanhava a sociedade nesse aspecto, ou vice-versa. Agora, com o movimento feminista e suas demandas, a discussão de gênero e a visibilidade cada vez mais forte do mundo lgbtA Igreja Católica permanece mais ou menos inalterada, dizendo as mesmas coisas de sempre sobre as mulheres. Por uma questão de justiça e verdade, vale a pena dizer que Francisco fez algumas coisas. Ele nomeou muitas mulheres para cargos importantes no Vaticano, especialmente, mais recentemente, para a Secretaria de Estado, um dos departamentos mais importantes de todos. Mas é verdade que as mulheres estão decepcionadas. Elas esperavam muito mais. Também acredito que a promulgação da Amoris Laetitia em 2016 ajudou indiretamente as mulheres e a comunidade lgbt. Mas ainda é um avanço tímido. Entendo que mulheres como a jornalista Lucetta Scaraffia estejam muito desiludidas e desistam de seu trabalho. O que me parece é que tudo na Igreja é conquistado com trabalho, estratégia, tempo e paciência. Muitas coisas que pareciam impensáveis agora são aceitas na Igreja. Aqui a questão é mais profunda. Ela está enraizada no inconsciente da humanidade há milhares de anos. Acho que é por isso que é mais difícil acabar com o preconceito. Ele não pode ser desmantelado com argumentos racionais, porque não é racional. É visceral. É inegável que há progresso. Tímido, mas há progresso. Não podemos parar de lutar, de nos unir e de valorizar os coletivos de mulheres, suas conquistas e vitórias.

    No meu caso, tenho lido muito ultimamente sobre três grupos de mulheres na América Latina: as Mães da Plaza de Mayo na Argentina, as Mulheres de Calama no Chile e as Mães do Tráfico no Brasil. É impressionante e mostra até onde as mulheres podem ir. Acho que esse é o caminho para as mulheres passarem da esfera privada para a pública, porque não precisamos esperar que a hierarquia abra espaços para nós. Temos que abri-los nós mesmas. E trabalhar. É reconfortante saber que, para as pessoas, especialmente as mais simples, as mulheres são muito bem aceitas e nem sequer pensam nessas discussões. Já ouvi da boca de líderes de comunidades periféricas que eles preferiam as "missas" da freira às do padre. Acompanhando jovens nos Exercícios Espirituais, ouvi de mais de um deles que não entendiam por que não podiam se confessar comigo, que os acompanhava, e tinham de procurar um padre desconhecido para isso. É por isso que acredito que, no futuro, muitas coisas acontecerão. Mas talvez ainda demore um pouco. Temos que ficar atentos quando um espaço se abre e ocupá-lo. Se o ocuparmos bem, ele se tornará realidade. Se o ocuparmos bem, será difícil sair dele. Mesmo porque as mulheres são a maioria absoluta na Igreja, no povo de Deus. Não há como levar a Igreja adiante sem as mulheres.

    S. P. e C. T.

    Como você interpreta a vida atual da Igreja Católica à luz dos grandes escândalos e denúncias de casos de pedofilia, abuso sexual, homossexualidade encoberta, etc.? Acreditamos que eles mostram que não se trata de casos isolados, mas de um comportamento sistemático associado a um tipo de relação de poder, gênero e repressão da sexualidade que encobriu e protegeu uma casta sacerdotal que, no entanto, resiste a rever seu lugar hegemônico dentro da estrutura de poder da instituição. Que expectativas de mudança e reforma os católicos podem esperar dessa profunda crise que os angustia e os faz duvidar da credibilidade de seus pastores?

    M. C. B.

    Acredito que a questão da pedofilia na Igreja é uma das principais feridas do corpo eclesiástico. Uma vergonha, um escândalo. A Igreja sempre foi uma instituição na qual se tem confiança... tanta confiança que entregamos nossos filhos à Igreja para que os forme. Portanto, saber que tantos, tantos desses meninos e meninas, foram abusados de maneira tão vil é repugnante e ultrajante. Alguns insistem que essas questões de escândalos de pedofilia não têm nada a ver com o celibato sacerdotal. Eu, modestamente, discordo. Acredito que o celibato é um dom de Deus e deve ser recebido com um carisma e uma vocação. Ele não pode ser funcionalizado e indissoluvelmente associado a um ministério na Igreja. Sabe-se que a pedofilia existe mais fora da Igreja do que dentro dela. Mas na Igreja Católica, especialmente no seminário, cria-se uma situação de vida que não traz a diversidade e a pluralidade de uma família. São todos homens vivendo juntos e compartilhando tudo: rituais, hábitos, refeições, descanso, etc. Na minha opinião, esses seminários têm um forte apelo à homossexualidade. Eles são universos unissexuais, onde um homossexual encontra uma residência segura e estuda, mas também vive com outros homens e não com mulheres.

    Não quero relacionar aqui a homossexualidade com a pedofilia, porque não acho que estejam relacionadas. É fato que 80% da pedofilia na Igreja Católica é homossexual, enquanto na sociedade a proporção é inversa. A maioria das meninas é abusada. Só acho que o ambiente, junto com um discernimento vocacional ruim ou precipitado, pode favorecer alguma tendência que esteja presente ali e que mais tarde se manifestará no cuidado pastoral dos seminaristas já ordenados padres que têm de trabalhar com jovens, crianças etc. Ou seja, é um ambiente em que o feminino não entra ou aparece, com exceção de uma freira na cozinha ou de um professor solitário. Não há interação entre os gêneros para que as escolhas sexuais possam ser livres e maduras. Além disso, a obrigação do celibato ligada à vocação sacerdotal pode criar um estado de repressão que acaba sendo descarregado no destinatário inadequado. A evolução afetiva para uma castidade assumida, vivida com tranquilidade e alegria, é muito difícil de ser alcançada dessa forma. Por isso, creio que seria urgente rever essa questão da vocação sacerdotal, de sua formação, de seus lugares de convivência, para que não haja uma exacerbação de paixões reprimidas que não podem deixar de dar maus frutos. O desejo sexual é um impulso bom e positivo nos seres humanos. Não há razão para reprimi-lo nesse nível. Outra coisa é a disciplina, etc. E para aqueles que se sentem chamados a uma vida celibatária, há as ordens religiosas, onde a pobreza, a castidade e a obediência são vividas em comunidade. Não vejo por que é necessário impor a mesma disciplina aos padres diocesanos, que muitas vezes têm de viver uma amarga solidão em lugares difíceis. Acho que essa conexão inextricável entre o sacerdócio ministerial e o celibato está, sim, na raiz de todo esse problema da pedofilia. Não sei se veremos a ordenação de homens casados tão cedo?

    S. P. e C. T.

    O Sínodo da Amazônia despertou grandes expectativas para novas definições dentro da Igreja Católica. Não apenas por causa da questão muito presente e urgente das mudanças climáticas, abordada por Francisco em Laudato si'Como você interpreta o documento final do Sínodo da Amazônia à luz da atual agitação católica?

    M. C. B

    O documento final do Sínodo sobre a Amazônia, intitulado Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral (2019), abre muitas possibilidades ministeriais levando em conta as comunidades indígenas. É um passo adiante reconhecer que na Amazônia enfrentamos uma realidade totalmente diferente das sociedades modernas e secularizadas, com outros costumes, outra cultura e que, portanto, precisa de outro tipo de atenção pastoral. Acredito que essa seria uma abertura que, no futuro, poderia ser incorporada ao restante da Igreja. O documento final do Sínodo foi muito claro ao pedir, por uma maioria esmagadora, a ordenação de homens casados (viri probati) e um ministério mais consistente para as mulheres. Por esse motivo, a exortação pós-sinodal -Prezada Amazon- Inicialmente, isso foi um pouco decepcionante para aqueles que esperavam uma palavra oficial do Papa Francisco sobre o assunto. No entanto, o Papa repetiu várias vezes que a coisa mais importante a sair do Sínodo seria o diagnóstico feito por especialistas e ambientalistas. Que não deveríamos nos concentrar tanto nas questões eclesiásticas quanto nas questões ambientais. viri probati ou o ministério das mulheres, entre outras questões. Algum tempo após a apresentação da exortação, entretanto, parece-me relevante não esquecer a importância da hermenêutica, ou seja, da interpretação. Não há conhecimento sem interpretação. Mesmo as ciências que se pretendem as mais objetivas dentro do leque das ciências humanas e sociais valorizam e privilegiam a interpretação. E neste exato momento em que, como Igreja e sociedade, estamos digerindo a exortação pós-sinodal, o convite da hermenêutica se faz sentir fortemente. Em primeiro lugar, é preciso lembrar o que o Papa Francisco disse em sua mensagem final sobre os trabalhos do Sínodo, onde criticou duramente as elites católicas que se concentraram apenas nas questões eclesiásticas e não entenderam a importância maior, que afeta a todos nós, do diagnóstico da situação da Amazônia hoje, com o problema ecológico, cultural e humano. Segundo o Papa Francisco, esses grupos se concentram em pequenas questões, na disciplina intra-eclesiástica, e não no coração da mensagem final do Sínodo. Em apoio à sua crítica, ele repetiu indiretamente as palavras do grande poeta francês Charles Péguy (1873-1914):

    Não gosto de pessoas piedosas,
    aqueles que acreditam que são da graça,
    porque não são fortes o suficiente para serem da natureza,
    Aqueles que acreditam que estão no eterno,
    porque não têm a coragem de estar no temporário.
    Aqueles que acreditam que estão com Deus,
    porque não estão com o homem.
    Aqueles que acreditam que amam a Deus,
    simplesmente porque não amam ninguém

    Por esse motivo, acho que é necessário prestar atenção ao que está escrito na exortação. Ali fica muito claro que o Papa Francisco considera que o documento final do Sínodo e a exortação pós-sinodal, dirigida ao Povo de Deus e a todas as pessoas de boa vontade, constituem o mesmo quadro textual, unificado como ponto culminante do exercício da sinodalidade aberta, proposta e seguida pela Igreja ao longo do processo. É assim que ele afirma: "Não desenvolverei aqui todas as questões abundantemente expostas no Documento Conclusivo. Não tenho a intenção de substituí-lo nem de repeti-lo., 2020: 2). Depois, ao apresentar o documento final do Sínodo, ele afirmou: "Optei por não citar esse documento nesta exortação, porque os convido a lê-lo na íntegra" (p. 3). Em continuidade e coerência, o Papa Francisco continua ao longo do texto da exortação com sua visão descentralizadora, querendo fortalecer as igrejas locais. E ele defende apaixonadamente a inculturação. Além disso, ele deixa claro que uma Igreja com rosto amazônico é inevitavelmente chamada a valorizar a pluralidade e a riqueza das culturas indígenas e suas expressões religiosas. Assim, ele escreve: "É possível adotar de alguma forma um símbolo indígena sem necessariamente qualificá-lo como idolatria. Um mito carregado de significado espiritual pode ser explorado, e nem sempre é considerado um erro pagão" (p. 79). A Amazônia do Papa Francisco e nossa amada Amazônia é plural e diversa. Portanto, nela "os crentes precisam encontrar espaços para conversar e agir juntos pelo bem comum e pela promoção dos mais pobres" (p. 106). Na diferença de crenças e expressões, a prioridade da justiça exigida pelos pobres, inseparável do compromisso com a "Casa Comum",4 deve ser a marca de uma Igreja com rosto amazônico. Portanto, os sonhos do Papa Francisco para a nossa querida Amazônia devem ser bem interpretados e, para isso, não se pode dissociar o processo sinodal, o documento final e a exortação pós-sinodal. Se o documento final do Sínodo é muito claro ao pedir uma nova ministerialidade para servir às comunidades amazônicas, a exortação prioriza o diagnóstico dos principais problemas da região, mas se abre para a questão dos ministérios.

    Acredito que as necessidades das comunidades amazônicas falarão mais alto e os bispos poderão tomar iniciativas mais ousadas que o Papa Francisco provavelmente endossará. Assim, o impulso qualitativo do Sínodo e de seu documento será preservado. O cuidado com a criação é uma prioridade absoluta para o planeta e para a humanidade, porque os dois não estão dissociados. O plano de Deus envolve ambos. A Igreja quer estar a serviço desse sonho de Deus, feito de justiça e cuidado com a criação, e, para isso, deve pensar grande e agir de acordo. O sonho de Deus dá o tom dos sonhos do Papa Francisco para a amada Amazônia. Além da questão dos novos ministérios, no entanto, parece-me que algumas coisas muito importantes aconteceram no Sínodo. Eu destacaria a reedição do "Pacto das Catacumbas", assinado por vários bispos latino-americanos e alguns bispos africanos por ocasião do Vaticano. iiagora reeditado, reincorporando o compromisso com os pobres e o cuidado da Casa Comum. Acredito que esse texto deva ser trabalhado nas comunidades na medida em que uma leitura continental e pós-colonial do Sínodo seja possível. O Sínodo foi talvez a descentralização mais importante, significativa e poderosa do centro da Igreja. O Papa Francisco concentrou a atenção em uma região no sul do mundo, aberta a nove países, em uma situação de injustiça e pobreza. Além disso, à medida que o Sínodo avançava, foi revelado que a Amazônia possui bens, recursos e riquezas necessários para a sobrevivência do planeta e para enfrentar os desafios do futuro. Em outras palavras, tudo o que foi afirmado e repetido com tanta certeza, de que a Verdade veio do Ocidente e, sobretudo, da Europa em termos de pensamento, cultura e religião, etc., agora está sendo provocado e questionado por uma Igreja que fez um grande esforço para enfrentar toda a oposição e rejeição em seu caminho amazônico. Na crescente área do pensamento pós-colonial e até mesmo decolonial, este Sínodo certamente será uma fonte de material para reflexão e de provocações e estímulos frutíferos.

    Bibliografia

    Boff, Leonardo (2020, 6 de enero). “Los dos papas, dos modelos de hombres, dos modelos de Iglesia”. Religión Digital. Recuperado de https://www.religiondigital.org/cultura/papas-modelos-hombres-Iglesia-pelicula-ratzinger-bergoglio-boff_0_2192780705.html, consultado el 18 de febrero de 2021.

    Francisco (2020, 2 de febrero). Querida Amazonía. Exhortación Apostólica Postsinodal. Vatican. Recuperado de http://www.vatican.va/content/francesco/es/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20200202_querida-amazonia.html, consultado el 18 de febrero de 2021.

    Galli, Carlos M. (2016). “La reforma misionera de la Iglesia según el papa Francisco. La eclesiología del Pueblo de Dios evangelizador”, en Antonio Spadaro y Carlos M. Galli (eds.), La reforma y las reformas en la Iglesia. Maliaño: Sal Terrae, pp. 51-78.

    Meirelles, Fernando (2019). The Two Popes [película]. Gran Bretaña e Italia: Netflix, Lin, Dan, Jonathan Eirich y Tracey Seaward (prod.).

    Politi, Sebastián (1992). Teología del Pueblo: una propuesta argentina a la Teología Latinoamericana, 1967-1975. Buenos Aires: Castañeda

    Scannone, Juan C. (2017). La teología del pueblo. Raíces teológicas del papa Francisco. Maliaño: Sal Terrae.

    Susin, Luiz C., Jon Sobrino y Silvia Scatena (ed.) (2009). Revista Internacional de Teología Concilium. Tema monográfico: Padres de la Iglesia en América Latina, núm. 333. Madrás: Verbo Divino.


    Sebastian Pattin Estudou Ciências Políticas na Universidade de Buenos Aires e concluiu o mestrado em Ciências Sociais com especialização em História Social na Universidade Nacional de Luján. Como parte de seu doutorado em história na Universidade de Münster, ele trabalhou como pesquisador no "Cluster of Excellence. Religião e política na pré-modernidade e na modernidade". É bolsista de pós-doutorado do Instituto de Humanidades e Ciências Sociais da Universidade Nacional de Mar del Plata e do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas.

    Claudia Touris Ele estudou história na Universidade de Buenos Aires, onde também obteve seu doutorado com uma tese inovadora sobre a constelação do Terceiro Mundo argentino na segunda metade do século XX. xx. Em seguida, concluiu um pós-doutorado na Universidade do Rios dos Sinos, com pesquisa de história comparada sobre as redes do catolicismo liberacionista no Brasil e na Argentina. Atualmente, é professora adjunta da Universidade de Buenos Aires e da Universidade Nacional de Luján. Sua pesquisa mais recente se concentra nas congregações religiosas femininas na América Latina na década de 1970. Ela também é coordenadora do Grupo de Trabalho sobre Religião e Sociedade na Argentina, sediado no Instituto Dr. Emilio Ravignani de História Argentina e Americana da Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Buenos Aires.

    Maria Clara Bingemer Estudou Comunicação Social na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, onde também fez mestrado em Teologia. Em seguida, concluiu seu doutorado em Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana. Entre 1986 e 1992, coordenou a Associação Ecumênica Latino-Americana de Teólogos do Terceiro Mundo e fundou o Centro Loyola de Fé e Cultura, no Rio de Janeiro. Atualmente, trabalha como professora associada na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, onde leciona Teologia Fundamental e Tratado sobre a Trindade.

    Assine
    Notifique
    guest
    0 Comentários
    Feedbacks em linha
    Ver todos os comentários

    Instituições

    ISSN: 2594-2999.

    encartesantropologicos@ciesas.edu.mx

    Salvo indicação expressa em contrário, todo o conteúdo deste site está sujeito a um Creative Commons Atribuição- Licença Internacional Creative Commons 4.0.

    Download disposições legais completo

    EncartesVol. 6, No. 12, setembro de 2023-fevereiro de 2024, é uma revista acadêmica digital de acesso aberto publicada duas vezes por ano pelo Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Calle Juárez, No. 87, Col. Tlalpan, C. P. 14000, Cidade do México, P.O. Box 22-048, Tel. 54 87 35 70, Fax 56 55 55 76, El Colegio de la Frontera Norte Norte, A. C., Carretera Escénica Tijuana-Ensenada km 18,5, San Antonio del Mar, núm. 22560, Tijuana, Baja California, México, Tel. +52 (664) 631 6344, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente, A.C., Periférico Sur Manuel Gómez Morin, núm. 8585, Tlaquepaque, Jalisco, tel. (33) 3669 3434, e El Colegio de San Luís, A. C., Parque de Macul, núm. 155, Fracc. Colinas del Parque, San Luis Potosi, México, tel. (444) 811 01 01. Contato: encartesantropologicos@ciesas.edu.mx. Diretora da revista: Ángela Renée de la Torre Castellanos. Hospedada em https://encartes.mx. Responsável pela última atualização desta edição: Arthur Temporal Ventura. Data da última modificação: 21 de setembro de 2023.
    pt_BRPT