As meninas não querem mais se divertir: violência baseada em gênero e autocuidado nos subúrbios da Cidade do México

Recepção: 1 de outubro de 2021

Aceitação: 4 de maio de 2022

Sumário

Municípios como Tultitlán, Coacalco e Ecatepec no Estado do México fazem parte de um corredor de tráfico humano há vários anos, onde o desaparecimento das mulheres se tornou uma constante; diante deste cenário, os habitantes destas localidades narram suas experiências de insegurança e medo, suas práticas de autocuidado e dão conta de como o perigo molda as atividades diárias.

As histórias destas jovens tornam visível a forma como a violência molda as subjetividades das mulheres em contextos onde os perigos são inevitáveis e a vida não pode ser interrompida por causa deles; a única alternativa é adaptar-se. Na experiência dessas mulheres, o medo não é uma possibilidade distante e aleatória, mas um risco latente e próximo, do qual elas são capazes de escapar todos os dias, mas quem sabe por quanto tempo: todas elas relatam situações de perigo que, por acaso, não se concretizaram.

Em particular, a recreação está inscrita em um discurso da impossibilidade de estar seguro em qualquer lugar, da proibição e da culpabilidade da vítima; a vida noturna, esporádica e limitada, é caracterizada como "destrampe" ou "comportamento imaturo e irresponsável".

Palavras-chave: , , , ,

meninas não querem mais se divertir: violência de gênero e autocuidado nos subúrbios da cidade do méxico

Áreas municipais como Tultitlán, Coacalco e Ecatepec, no Estado do México, têm sido, há anos, um corredor para o tráfico de pessoas, no qual o desaparecimento das mulheres se tornou constante; à luz deste cenário, os habitantes destas áreas narram suas experiências de insegurança e medo, suas práticas de autocuidado e explicam como o perigo molda as atividades cotidianas.

As narrações destas jovens mostram a forma como a violência molda as subjetividades femininas em contextos em que os perigos são inevitáveis e a vida não pode ser colocada em espera por causa deles, portanto, a única alternativa é adaptar-se. Na experiência destas mulheres, o medo não é uma possibilidade distante e aleatória, mas um risco latente e próximo, que se escapa todos os dias, ninguém sabe por quanto tempo mais: todas elas narram situações de perigo que, por acaso, nunca aconteceram.

A recreação, em particular, faz parte de um discurso sobre a impossibilidade de estar sempre seguro em qualquer lugar, sobre a proibição e a culpa das vítimas; a vida noturna, ocasional e limitada, é considerada "deboche" ou "comportamento irresponsável e imaturo".

Palavras-chave: recreação, cotidiano, tática, insegurança, tráfico.


Introdução

O crescimento exponencial da violência no México nos últimos dois seis anos (2006-2018) teve no femicídio uma de suas expressões mais crueis. Além da habitual violência de gênero vivida pelas mulheres nos subúrbios da Cidade do México, há a possibilidade de serem seqüestradas e assassinadas, torturadas e desaparecidas. Apesar deste cenário, jovens mulheres em municípios como Coacalco, Tultitlán e Ecatepec realizam suas atividades diárias como estudar ou trabalhar sem aparente alteração; a reflexão aqui apresentada é o resultado preliminar de uma investigação sobre atividades recreativas, particularmente aquelas que acontecem à noite e envolvem longas viagens, e como elas se relacionam com as práticas de autocuidado realizadas por estas mulheres. Tentamos mostrar o significado que essas práticas dão aos diferentes discursos sobre feminilidade e insegurança que predominam no espaço social e como essas práticas constroem subjetividades femininas que poderiam, em si mesmas, constituir táticas de sobrevivência.

A primeira seção deste texto tenta caracterizar as localidades estudadas como parte de um corredor de "tráfico de pessoas" onde mortes e desaparecimentos são freqüentes há alguns anos, sem que as autoridades resolvam o problema. Em seguida, numa breve seção teórico-metodológica, descrevo algumas categorias conceituais das quais concebo o discurso social como um espaço privilegiado de análise do social, refiro-me às categorias de murmúrio social, experiência, subjetividade, tática e vida cotidiana, que orientaram a análise; recupero também algumas noções de espaço público que, a partir da teoria feminista, tornaram visíveis as desigualdades que nele ocorrem entre homens e mulheres. A estratégia metodológica utilizada para o projeto dos instrumentos e a constituição do corpus de análise também é detalhada.

A terceira parte deste documento analisa as experiências destas jovens mulheres, relacionadas aos perigos que elas enfrentam em sua vida diária, a fim de tornar visíveis os discursos que dão sentido a tais experiências e a forma como elas as resolvem e enfrentam. Para concluir, procuro refletir sobre como os discursos de culpa e de autocuidado moldam as subjetividades femininas a fim de adaptá-las à violência e ao perigo.

O corredor dos desaparecimentos

A presente pesquisa é realizada em alguns municípios da área metropolitana da Cidade do México, especificamente Cuautitlán, Tultepec, Tultitlán, Coacalco e Ecatepec.

Estes municípios estão geograficamente ligados à capital do país pela rodovia México-Pachuca de um lado e pela rodovia México-Queretaro do outro. Eles compartilham algumas características particulares, derivadas de sua proximidade com a Cidade do México, e são habitados por habitantes nativos, tradicionalmente dedicados a atividades produtivas primárias, como a agricultura e a pecuária, e também por um enorme número de colonos de praticamente todo o país e da Cidade do México.1

A construção de enormes unidades habitacionais na área fez com que esses municípios se tornassem o que se tem chamado de "cidades dormitório", uma vez que a moradia na área é barata e a maioria dos habitantes se desloca diariamente para trabalhar na Cidade do México, fazendo uma viagem de cerca de três horas para cada lado.

A proximidade com a Cidade do México, o enorme crescimento demográfico e a distância da capital do Estado do México, Toluca, fez com que estes municípios estivessem praticamente desligados do controle administrativo e político daquela entidade, o que, juntamente com a dinâmica da conurbação, levou à proliferação de diferentes problemas sociais, principalmente a insegurança. María Teresa Padrón e Guénola Caprón descrevem em detalhes a lógica do transporte público e as condições de insegurança que os habitantes enfrentam diariamente (2015).

Há vários anos, o Estado do México se posiciona como uma das entidades do país com o maior número de femicídios, com 123 só em 2019. A violência contra as mulheres também é um problema preocupante no Estado. Em 2019, foram registradas 1385 violações simples, 788 na mesma categoria, e 71 casos de "tráfico de pessoas",2 de acordo com o Relatório de Incidência de Crime da Secretaria Executiva do Sistema Nacional de Segurança Pública, correspondente ao período de janeiro a dezembro de 2019.

Entre 1 de dezembro de 2018 e 13 de julho de 2020, o Estado do México ficou em primeiro lugar entre os dez estados com o maior número de pessoas desaparecidas ou não contadas, de acordo com o Registro Nacional de Pessoas Desaparecidas e Não Contadas.

Embora seja um fenômeno que tem recebido pouca visibilidade através da mídia, a alta incidência de desaparecimentos de mulheres entre 13 e 25 anos de idade sugere que elas estão especificamente relacionadas à "escravidão branca".3 e que municípios como Coacalco, Tecámac, Ecatepec, Tultepec e Tultitlán fazem parte de um "corredor" no qual este crime prolifera, como documentado pela organização El Pozo de Vida. a.c. (Venegas, 2021).

Em uma entrevista publicada em outubro de 2018, o ativista e líder do Partido del Trabajo no município de Coacalco, José Aguilar Miranda, afirmou que as autoridades policiais dessas localidades estão conspirando com o crime organizado (Martínez Mejía, 2018).

Segundo David Mancera Figueroa, defensor dos direitos humanos e líder da organização Lucha por México, os promotores regionais conhecem o fenômeno, mas agiram com indolência e até mesmo com dolo contra as famílias das vítimas, encobrindo os suspeitos; esta organização documentou o seqüestro e desaparecimento de pelo menos 13 adolescentes entre 13 e 15 anos de idade no Corredor Coacalco Tultitlán. (Milenio, 2013).

Ativista Rosi Orozco também se referiu à existência de tal corredor.

Há um lugar no México chamado "o corredor dos desaparecidos". Também é chamado de "corredor do tráfico de pessoas". Um nome ou outro é usado de forma intercambiável porque, no final das contas, eles significam a mesma coisa: uma garota que desaparece ali é muito provável que acabe enredada em uma rede de exploração sexual. É um lugar que se tornou o pior pesadelo para as autoridades e a sociedade civil (Orozco, 2019).

Em outubro de 2018, a notícia mais importante foi a prisão do femicídio que a imprensa batizou como "O monstro de Ecatepec", Juan Carlos N, que foi preso dirigindo um carrinho com restos humanos e acabou sendo um assassino em série de mulheres, embora este caso tenha dado notoriedade à situação de constantes desaparecimentos nesta área do Estado do México, alguns analistas questionaram a versão de que ele era um assassino em série que operava de forma autônoma e apontaram que esta história tenta esconder o verdadeiro problema no estado, que é o seqüestro de mulheres para exploração nos mercados negros locais.

Apesar da notoriedade deste caso e do fato de que durante semanas a localidade de Jardines de Morelos esteve nas primeiras páginas dos jornais, e tanto se falou sobre a insegurança das mulheres em municípios como Ecatepec, os desaparecimentos continuaram, levando inclusive ao surgimento de grupos de busca que exigem a atenção do Estado sem muito sucesso.

Este é o cenário em que as mulheres jovens vivem neste "corredor do tráfico", onde as atividades diárias são marcadas pela possibilidade de se tornarem vítimas; o Estado do México também está entre os primeiros lugares em termos de incidência de violência doméstica contra a mulher.

Mulheres, espaço público e recreação no murmúrio social

Há algum tempo atrás, eu estava viajando na rodovia México-Pachuca em um microônibus; em algum momento, um casal de adolescentes de aparência humilde e cara dura entrou. Alguns quarteirões adiante, os meninos pediram para parar e sair do veículo sem mais delongas. Uma mulher foi a primeira a expressar o que muitos de nós que estávamos viajando no ônibus poderíamos ter pensado, ela disse que achava que os adolescentes eram assaltantes, e uma intensa discussão se seguiu, pois os assaltos são uma ocorrência diária nesta rota. As mulheres que viajavam no ônibus falavam do medo constante de serem agredidas e das precauções que têm que tomar para se locomover todos os dias; uma delas apontou que isso acontece porque os jovens não têm mais valores e imediatamente, outra a secundou dizendo que isso era culpa das mulheres, ela disse que isso acontece porque as mulheres não são mais "como antes", elas não cuidam de seus filhos, não os educam bem; Este comentário foi ecoado com entusiasmo por outras mulheres presentes; uma delas até disse que tinha uma filha que era um exemplo claro disso, que primeiro teve um filho com um homem e depois o deixou, e agora ela já lhe havia trazido um segundo filho, de um novo parceiro, e que ela costumava sair à noite e até beber.

Fiquei impressionado com o fato de que em um país e especialmente em uma localidade onde a violência contra as mulheres e o feminicídio são tão freqüentes, a responsabilidade foi atribuída precisamente às vítimas. Pareceu-me então que a vida noturna e a recreação poderiam ser aspectos chave para analisar as discursividades que constituem as subjetividades femininas nas quais a violência é justificada e naturalizada, e que também fazem parte de pedagogias através das quais as mulheres são impedidas de ocupar certos lugares no espaço público que, desde a infância, não são apropriadas para elas.

Neste documento, abordamos as práticas recreativas de mulheres entre 18 e 27 anos de idade que vivem nesses municípios do Estado do México e aprendemos sobre suas experiências em relação à violência e, através de suas palavras, aprendemos sobre os discursos que dão sentido a essas práticas e experiências.

Partimos do pressuposto que precisamente os discursos (Bakhtin, 2005) sobre a vida noturna, que são expressos no murmúrio social (De la Peza, 2014), poderiam trazer à tona os significados que moldam a subjetividade feminina em contextos de insegurança, que dão sentido às práticas diárias através das quais os habitantes dessas localidades tentam se manter seguros.

Considerando que os efeitos da violência nem sempre são observáveis no imediatismo do evento, mas se estendem ao âmbito do cotidiano (Das, 2008), o que nos interessava aqui era observar como a insegurança e a violência que prevalece nestes municípios afeta a construção de subjetividades femininas, com base em relatos de suas práticas e crenças em torno do entretenimento e da vida noturna.

Entendemos que quando estas mulheres falam, elas não estão apenas expressando opiniões, mas sua experiência (Sorgentini, 2000), que expressa conhecimento sobre si mesmas e seu ambiente. A vida cotidiana da qual estas jovens mulheres dão seu testemunho (Das, 2008) constitui um espaço privilegiado para observar os efeitos da violência em suas vidas e a forma como elas empregam táticas de sobrevivência diante dela (De Certeau, 1996), muitas das quais têm pouco a ver com confronto e luta, mas sim operam entre adaptação e negociação.

Em contraste com a visão idílica que concebe o espaço público como um lugar de encontro, socialização e liberdade, como o lugar onde a "coisa pública" toma forma e que é "para todos", sem restrições (Valcárcel, 1997), as teorias feministas demonstraram que existe desigualdade na forma como é concebido para homens e mulheres.

Algumas dessas perspectivas têm enfatizado a noção de espaço público como um lugar onde as relações de poder são produzidas e os confrontos ocorrem sobre o exercício das liberdades individuais e coletivas (Fuentes, 2011) e onde, além disso, o acesso a bens e serviços impõe restrições aos menos privilegiados (Jirón, 2007).

Este espaço, portanto, não pode ser neutro, mas deve ser entendido como um lugar de exclusão para certos grupos sociais, que são excluídos do acesso a ele, alguns deles para se defenderem do "negócio da vida pública", como as mulheres (McDowell, 2000).

Neste sentido, a teoria feminista também tem apontado que a atividade no espaço público, apesar da incursão das mulheres nele, continua a ser fortemente sexista, de modo que a violência contra as mulheres é um reflexo das relações de poder desiguais entre homens e mulheres (Delgado, 2007).

Algumas análises também destacaram a necessidade de investigar a dimensão social através da qual homens e mulheres aprendem, representam e transmitem como utilizamos o espaço público (Monárrez, 2011).

Neste sentido, estamos interessados aqui em recuperar as reflexões de Soto (2015), que considera que embora o ambiente urbano tenha sido visto como um espaço privilegiado para analisar como as condições materiais da vida cotidiana contribuem para a desigualdade de gênero, também é necessário considerar exclusões que nem sempre são visíveis, que vão além do físico e são consideradas desvantagens simbólicas, que acentuam os limites da separação e que articulam indivíduos e lugares e nos quais se reproduz o domínio dos homens sobre as mulheres. A partir desta idéia, o autor nos permite pensar como a violência tem efeitos diferentes para homens e mulheres, bem como questionar a idéia generalizada de que o medo das mulheres do espaço público não é "objetivo".

Zúñiga (2014), por sua vez, salienta que em contextos de extrema violência como os descritos neste estudo, as mulheres são as primeiras a experimentar a invasão e a agressão de seus corpos, o que põe em questão a máxima de que o espaço público é um lugar de e para todos.

No imaginário coletivo, persiste a percepção de que a violência experimentada pelas mulheres fora de suas casas, por serem mulheres, é de sua exclusiva responsabilidade e não um problema que é responsabilidade do poder público abordar e prevenir (Zúñiga, 2014).

Nesta análise, nos referimos ao espaço público de forma ampla, não a partir da distinção entre público e privado em termos de propriedade, mas para abranger espaços comuns e abertos, que podem incluir ruas, parques, praças, instalações esportivas, transportes, locais semi-públicos onde se realizam atividades recreativas e de lazer.

Os dados apresentados abaixo foram obtidos de dois grupos de mulheres que vivem nos municípios vizinhos da Cidade do México. O primeiro grupo consistia de 17 mulheres entre 18 e 27 anos, nove das quais se identificaram como estudantes, as demais como manifestantes, professores, funcionários, enfermeiras estagiárias, psicólogos, jornalistas, supervisores e recepcionistas, que responderam a um questionário distribuído via Gmail, perguntando-lhes sobre suas práticas recreativas.

Os questionários foram abertos e nos permitiram conhecer desde sua própria elaboração as alternativas de que estas mulheres falavam, nove delas disseram viver no município de Coacalco, três em Ecatepec, duas em Atizapán, uma em Cuautitlán, uma em Tultitlán e a última na Cidade do México.

As meninas foram então convidadas a relatar suas experiências de violência e finalmente a expressar suas opiniões sobre a situação em sua área.

O segundo grupo era composto por seis estudantes de engenharia informática da Universidade Politécnica del Valle de México, localizada no município de Tultitlán, que disseram ter vivido em Coacalco, Tultitlán, Ecatepec e Tultepec.

O objetivo da entrevista em grupo era fazer emergir o discurso social sobre a vida noturna, a insegurança e a violência contra as mulheres e analisar as diferentes posições que estão presentes na vida cotidiana dos entrevistados.

Compras, trabalho e esporte e vida noturna?

O questionário sobre suas práticas recreativas nos permitiu conhecer algumas das atividades habituais para estas meninas, embora as enumeremos aqui de forma resumida, pois elas se referiam a elas com nomes e características diferentes.

Sobre a pergunta: o que você faz nos fins de semana? As respostas se enquadram em três títulos principais:

A primeira coisa que chama a atenção nesta categoria é que a recreação não aparece como um tema central, especialmente o que tem a ver com a vida noturna. O trabalho doméstico, os estudos complementares e mesmo o trabalho como tal ocupam boa parte do tempo dessas meninas, é claro que o lazer está diretamente relacionado ao papel de gênero imposto a elas pela restrição do trabalho de cuidado e do trabalho doméstico, mesmo que a maioria delas seja solteira.

As jovens que falam de recreação expressam algumas questões peculiares que também tornam visível a questão do confinamento, a rua não é um espaço habitual para as mulheres, nem mesmo quando se trata de recreação. É interessante, além disso, que entre as atividades que dizem realizar dentro de casa, "estar com a família" aparece como uma atividade mais relevante do que o simples fato de compartilhar o mesmo espaço, "estar com a família" soa mais como um mandato social, ficar em casa é "estar com a família".

Com relação às atividades que fazem fora, as meninas falam em fazer esporte, que pode acontecer em parques, academias ou centros esportivos, mesmo na colina, e depois surge a idéia de sair, que detalharemos mais tarde com todas as suas implicações, mas a oposição entre "sair" e "estar com a família", que parecem ser dois pólos opostos de um ponto de vista moralizante, é interessante.

Quando se referem aos lugares que "gostam" de ir, as respostas se ampliam, embora a vida noturna ainda não apareça.

Aonde você gosta de ir?

  • Centro comercial (cinema, restaurantes, pizzarias, cafés, bares, lojas)
  • Parques, a colina.
  • Instalações esportivas, ginásios.
  • Bilhares.
  • Museus.
  • Feiras.

Uma garota diz que não vai a lugar algum (porque trabalha nos fins de semana) e outra diz que gosta de ir ao hospital onde faz seu serviço social.

É impressionante que a maioria das atividades recreativas está confinada ao centro comercial, que na conurbação reúne os diferentes locais de recreação. Por serem cidades dormitório, elas combinam lojas e espaços recreativos no mesmo espaço, onde os habitantes passam seus fins de semana, concentrando suas atividades basicamente no consumo.

Embora os parques sejam bastante escassos, negligenciados e inseguros, o morro também aparece como uma alternativa para atividades físicas, uma vez que nestes municípios grandes unidades habitacionais são geralmente adjacentes a espaços desabitados.

A idéia de museus parece ser mais uma aspiração, pois não há muitos lugares assim nessas localidades e é preciso viajar até o centro da Cidade do México para acessá-los.

Como estes municípios são habitados por moradores locais e colonos, as festas de aldeia com suas respectivas feiras tradicionais são também uma alternativa ocasional para recreação, geralmente com jogos mecânicos e danças.

Curiosamente, as respostas dessas jovens mudam quando perguntadas sobre o que elas normalmente fazem e o que gostam de fazer, mesmo que elas não tenham muitas possibilidades reais de realizar essas atividades.

Quando perguntados sobre suas noites fora, duas categorias principais aparecem: a discoteca e a festa. A festa é caracterizada pela bebida, música e dança. Mas a maioria das meninas não se refere a grandes festas em quartos particulares ou nas ruas, mas sim a encontros com amigos, geralmente na casa de um amigo. Eles frequentemente se referem a essas reuniões como "tranqüilas", aludindo claramente a outros tipos de festas que podem ser desordenadas ou arriscadas. É claro que pelo menos em seu discurso, eles escolhem participar de encontros onde se sentem seguros.

A idéia da cova também é marcada por uma certa noção de risco. Com base nas respostas dos entrevistados e no que alguns dos participantes disseram na entrevista em grupo, construímos a tabela a seguir:

É importante mencionar que a maioria das meninas expressou que não vão a boates ou bares ou que o fizeram ocasionalmente, talvez uma vez nos questionários, um casal de meninas mencionou alguns dos lugares listados aqui, enquanto na entrevista em grupo, duas meninas se referiram a elas.

Também é possível observar que o atendimento a este tipo de lugares é dividido em três categorias, a primeira corresponde a bares e discotecas que estão localizados nos municípios onde vivem os entrevistados e que geralmente estão localizados dentro de centros comerciais.

No segundo grupo, podemos observar boates que estão localizadas na parte norte do Estado do México, também conhecida como a Zona Azul, perto do Periférico, o que implica um deslocamento maior, custo e dificuldades para atender.

O terceiro grupo são bares localizados no centro e sul da Cidade do México, na Zona Rosa e San Angel, que poucas destas meninas tiveram a possibilidade de freqüentar, pois implica um maior investimento econômico e risco, bem como a necessidade de ter acesso a um carro para se locomover e a um grupo de amigos para acompanhá-las.

Insegurança e táticas de autocuidado

Quando as jovens que participaram da pesquisa falaram sobre insegurança, quando perguntadas especificamente sobre as coisas que fazem para se manterem seguras, elas relataram um repertório de táticas.

Algumas dessas táticas têm a ver estritamente com a possibilidade de serem roubados de seus objetos de valor, especificamente seus telefones celulares e dinheiro. Com relação ao telefone celular, referem-se a táticas como escondê-lo, carregar um barato ou quebrado como sobressalente para entregar aos assaltantes, carregá-lo na mão para que não seja tirado da bolsa ou mochila, e não usá-lo na rua para não dar origem a ser agredido.

Com relação ao dinheiro, a tática é não carregar muito, colocar de lado uma quantia escondida separadamente para não entregá-la toda se for assaltada.

Estas táticas aparecem em praticamente todas as respostas aos questionários, e deixam claro que o assalto faz parte de uma realidade diária na área, também é claro que os objetos de valor são escassos, estas garotas não costumam carregar um computador ou um objeto de alto valor.

Que precauções você toma para sair em segurança?

  • Não fale com estranhos. Ninguém para me observar. Procure em todos os lugares. Conhecer as pessoas com quem saio.
  • Olhando constantemente para trás. Esteja atento ao que está acontecendo ao seu redor.
  • Carregue spray de pimenta. Apito de transporte.
  • Fazer o check-in com os membros da família. Deixe-os saber onde e com quem eles vão sair. Dê a seus pais os números de telefone de seus amigos.
  • Chegar cedo em casa.
  • Não carregue objetos de valor, não carregue bolsas de mão.
  • Dirigir meu próprio carro. Peça a alguém que peça meu uber, táxis da Diretoria, no local.
  • Vista-se apropriadamente. Não beba em excesso, não saia sozinho
  • Carregando as chaves em sua mão

O segundo tipo de tática de que falam tem mais a ver com a salvaguarda de sua integridade física. A tabela a seguir resume essas medidas de autocuidado:

É interessante notar algumas questões nesta lista, primeiro, a noção de risco: de que perigo estas mulheres estão se protegendo quando falam de estranhos que as observam e se aproximam delas ou da importância de andar sempre voltadas para trás?

Embora não seja referido com essa palavra, as meninas estão falando sobre a possibilidade de serem seqüestradas. Neste sentido, o spray de pimenta e o apito aparecem como mecanismos através dos quais elas podem fazer seus possíveis agressores desistirem; o mesmo não acontece, entretanto, com a tática de se comunicar por telefone com seus parentes, mas é uma alusão recorrente, todas as meninas dizem que fazem isso quando viajam sozinhas, elas continuamente ligam ou enviam mensagens para seus parentes indicando onde estão e algumas até compartilham suas localizações a partir de seus telefones celulares. A rigor, é pouco provável que esta medida dissuada potenciais captores e possa até mesmo ser um mecanismo de distração para as próprias meninas; parece ser mais um meio de tranquilização, pois os membros da família se sentem seguros para monitorar onde estão, embora eventualmente não consigam fazer nada se em algum momento não conseguirem mais localizá-las. Esta tática torna visível sua vulnerabilidade e a necessidade de que eles e suas famílias sintam que estão sendo protegidos de alguma forma.

Algumas destas medidas, por outro lado, colocam a responsabilidade pela segurança das mulheres sobre seu próprio comportamento, como quando elas são aconselhadas a não falar com estranhos, dizer onde e com quem estão saindo, não carregar objetos de valor, vestir-se "adequadamente", não sair sozinhas ou não beber em excesso, estas recomendações as colocam claramente como a causa de um possível ataque. É interessante porque na realidade, quando pensamos em feminicídios, os agressores geralmente não são exatamente estranhos e as mulheres que são atacadas não se vestem necessariamente de forma provocadora, mas esta idéia permanece válida. Talvez seja também uma forma de se convencerem de que estão realmente fazendo algo para protegê-los.

As meninas também responderam a uma pergunta sobre as pessoas com as quais elas se sentem seguras:

É evidente nesta relação que o perigo está claramente associado a pessoas que não conhecemos ou que conhecemos pouco, pessoas que passam na rua e cuja origem não pode ser rastreada; namorados, amigos e vizinhos, por outro lado, aparecem como pessoas seguras.

As experiências

Nesta seção achamos que seria interessante recuperar dos questionários as respostas textuais à pergunta sobre suas experiências de insegurança.

As experiências

  • Tenho sido abordado por pessoas muito mais velhas para ir com eles.
  • Somente uma vez um garoto me seguia e dois amigos meus.
  • Fui agredido.
  • Por enquanto nada muito sério, apenas alguns taxistas gritando elogios a mim ou esse tipo de coisa.
  • Um dia, quando estávamos saindo da universidade por volta das 21h30, um cara veio até mim e meus amigos do nada e perguntou pela hora, eu entrei em pânico e corremos (é real).
  • Rapto de um amigo.
  • Coisas materiais roubadas.
  • Assédio.
  • Assaltado, perseguido.
  • Ataques constantes e assédio sexual.
  • Agressões, assédio e apalpadelas no transporte público.
  • Eles me seguem, me dizem coisas horríveis na rua ou me assaltam.
  • Abuso físico e verbal.
  • Assédio verbal, psicológico e físico.
  • Somente uma vez fui assaltado em plena luz do dia.
  • Ataques e tentativas de carjacking.

Mais uma vez, é interessante notar que junto com a agressão, a experiência mais freqüente, o assédio e o abuso sexual são sempre referidos, seja expresso como um ato real, como uma tentativa ou como a expectativa da vítima; Podemos observar que a noção de assédio parece adquirir uma ampla polissemia quando se trata de ações como um homem ou um grupo de homens insistindo que uma jovem entre em um carro com eles ou mesmo tentando forçá-la, e parece que todo o tempo o tema do assédio passa por esta ampla gama de possibilidades que aumentam o nível de perigo, mas contra as quais as jovens não têm controle. Como você determina a distância entre a gravidade dos gritos obscenos com uma garota e a tentativa de colocá-la em um carro? Em que momento essas garotas se tornam claras sobre o tipo de perigo que elas enfrentam? Talvez quando for tarde demais.

Esta ambigüidade do perigo, como eu a chamarei aqui, é mais evidente nos relatos daqueles que participaram da entrevista em grupo e que basicamente dão conta dos mesmos perigos, embora com mais detalhes, o que nos permite apreciar as nuances de que estamos falando. Vejamos agora alguns de seus depoimentos.

Lembro-me, foi há muito tempo, eu estava no colegial, mas tive que passar por um beco, então, quando saímos muito cedo, eram cerca de dez da manhã e, naquela época, eu ainda não tinha muitos amigos porque tínhamos acabado de entrar e eu fui sozinho e vi que uma van com dois caras tinha passado e eles me encaravam "assim" e um deles se partiu para mim, Mas eu não lhes prestei atenção e digamos que a rua estava muito abandonada, quero dizer, as casas pareciam que ninguém morava lá, então o que eu fiz foi andar rápido e quando estava prestes a chegar à esquina para dar meia-volta, onde havia trânsito, vi que a van estava voltando, mas depois me aproximei de uma loja, mas senti aquele medo, e o que eu queria era chegar em casa (Ana, estudante de engenharia, 21 anos de idade).

A experiência não é recente, ela fala de algo que aconteceu há muito tempo, uma situação que não mudou, o incidente ocorre pela manhã, ela se sente em perigo porque a rua está sozinha e as pessoas que a chamam estão viajando em um carro.

Eu, algo assim aconteceu comigo várias vezes, mas da última vez foi mais forte porque eu estava andando ao longo do Retiro, depois há a avenida e eu estava indo em direção à saída, como para a Coca Cola e eu estava andando e passei por uma daquelas vans de carga, então quando eu passei, o motorista me disse coisas e quando eu me virei vi que ele estava tocando suas partes, não é mesmo? Então o que eu fiz foi andar mais rápido, mas quando ele percebeu que eu podia ver o que ele estava fazendo, começou a se fechar em mim e a única coisa que eu podia fazer era atravessar para o outro lado da rua, havia uma praça de táxis lá, e mesmo quando ele começou a se fechar em mim ele abriu a porta do outro lado, por isso tive que atravessar, porque naquele momento senti que ele ia me puxar e então, adeus, quem sabe onde eu estaria (Paola, estudante de engenharia, 23 anos de idade).

Este testemunho fala de uma situação repetida, embora haja um incidente em particular que faz o entrevistado se sentir em maior perigo, aquele que fala com ela é um homem que se masturba e depois a persegue, abrindo a porta da van como se fosse para puxá-la; ela está convencida de que o homem ia levá-la embora e eles não iriam encontrá-la depois.

Não foi há muito tempo, há cerca de um mês e meio, era quarta-feira, tínhamos deixado a escola aos 12 anos:00 da escola e isto, bem, eu costumava, como meu caminho de casa é muito diferente do dos meus amigos, eu costumava andar sozinho, é um trecho curto daqui até Conalep, até Bosques, então para mim, não era fácil, mas era mais econômico andar daqui até lá, eu andava sozinho, primeiro eu andava ao longo do Mexiquense, Eu estava caminhando sozinho, primeiro caminhei pelo Mexiquense, justamente porque me incomoda caminhar entre as pessoas que trabalham em uma lavagem de carros, mas alguns metros adiante, atravessei para o outro lado e um carro preto começou a parar ao meu lado, era um homem e o que ele gritou comigo foi perguntando se eu sabia se a rota que ele estava fazendo para Tultepec estava correta, então, no momento em que me virei, eu não tinha me virado para vê-lo, mas quando me virei vi que ele estava se masturbando enquanto dirigia, Então minha lógica era "virar e continuar andando e não sei, havia uma loja lá na frente "ir para onde há pessoas", mas esse cara continuou dirigindo no mesmo ritmo que eu e acho que quando ele percebeu que estávamos prestes a chegar a uma esquina onde havia pessoas e assim por diante, senhoras, ele gritou outra coisa, mas eu não entendi, ele simplesmente continuou andando normalmente, Eu tentei ver as placas do carro, mas ele nem sequer tinha placas, então quando cheguei ao ponto de ter que esperar por um ônibus, ainda demorei muito mais, então naquela época eu estava muito assustado e estava apenas implorando para conhecer alguém em quem confiava para que ele fosse comigo para casa e eu não encontrasse aquele cara novamente (Itzel, estudante de engenharia, 21 anos de idade).

A situação também ocorre durante o dia, no relato da vítima, ela comete vários erros, um deles é andar sozinha, o outro é escolher a estrada para evitar uma lavagem de carro onde ela é sempre molestada pelos trabalhadores; novamente é um homem que se masturba, desta vez em um carro sem matrícula, e a segue até chegar a um lugar onde há pessoas.

É importante mencionar a grande semelhança nos três andares, em nenhum dos casos é à noite, todas elas acontecem à luz do dia, as meninas não estão fazendo atividades que elas mesmas descreveram como arriscadas, infere-se até que elas estão usando o uniforme ou as roupas que normalmente usam para freqüentar a escola. O que os agressores realmente aproveitam é a solidão das ruas, a precariedade do espaço, nestas experiências a distância entre sujeitos depravados que gostam de se masturbar diante das meninas é a interpretação fácil, mas em sua história, a interpretação é mais séria, a experiência é que elas estiveram a ponto de serem seqüestradas, que elas iriam levá-las embora.

Como é possível determinar a extensão desses agressores potenciais?

O que é muito claro é que a insegurança da área, a falta de vigilância, infra-estrutura e até mesmo a falta de recursos das meninas para chegar à segurança, juntamente com a conhecida ineficácia das autoridades, fazem dessas meninas um alvo fácil para praticamente qualquer pessoa, O que é perturbador nestas histórias não é o que aconteceu com estas mulheres, mas o que poderia ter acontecido com elas tão facilmente, elas sabem, mesmo que no momento atribuam a sorte de estarem seguras a algo tão fortuito como alguém que passa, ou elas vieram a uma loja, ou foram determinadas o suficiente para correr e atravessar a rua. Nenhuma dessas experiências arriscadas de que elas falam ocorreu no contexto de uma festa ou de uma noite fora, o que para a maioria dessas meninas é um luxo incomportável.

Na mesma linha, é impressionante que, ao se referir a casos de feminicídio, e embora as meninas atribuam este fenômeno a questões como o machismo, a impunidade e a conseqüente falta de denúncia de atos de violência; ao tráfico de mulheres, à proliferação de pessoas doentes ou perturbadas que cometem estes crimes, também são freqüentes os discursos que colocam a responsabilidade sobre as vítimas.

Eu realmente não sei muito, mas pode ser devido às poucas precauções que tomamos ao não dizer onde estamos ou com quem estamos (Lissette, 19, demonstradora).

Porque somos presas fáceis, porque não estamos atentos, vulneráveis devido a nossa falta de segurança e falta de caráter em situações (Mariana, 27 anos, jornalista).

Na primeira declaração, os crimes são conseqüência de as vítimas não tomarem as precauções necessárias; na segunda, as jovens são definidas como "presas fáceis", mas adquirem este status de "vulneráveis" quando não tomam medidas de segurança e não demonstram caráter suficiente.

Embora a pesquisa não nos permita aprofundar o significado destas declarações, emerge claramente um discurso que coloca responsabilidade e culpa nas vítimas; há também uma clara expectativa de que a obediência a estas regras manterá estas mulheres seguras.

As meninas da entrevista em grupo também falaram sobre femicídios; neste caso, lembrando experiências próximas a elas, foi perguntado se tinham conhecimento de algum caso.

Eu tenho, bem, há cerca de dois anos atrás havia uma garota que dava aulas em combate corporal Em Aquasol, esta menina a freqüentava, quer dizer, não éramos amigas, mas eu a conhecia, então um dia ela foi a uma festa e bem, ela saiu de madrugada porque tinha que voltar para sua mãe, então eles dizem que ela saiu sozinha em um táxi e não apareceu, então o tempo passou, eles estavam procurando por ela, e cerca de duas semanas depois ela apareceu no canal da Laguna (Itzel, estudante de engenharia, 21 anos de idade).

A história é ambientada em 2016 e é a de uma jovem que desapareceu enquanto tomava um táxi sozinha, à noite; é a mesma história que tem feito manchetes em outubro de 2018, com o infame caso do Monstro de Ecatepecmas, na época, não parecia alcançar a notoriedade.

Bem, foi há quatro anos, minha mãe costumava ir a um vizinho em outro bairro próximo ao nosso e toda sexta-feira ela ia fazer um check-up médico, mas um dia a filha da senhora a quem ela estava fazendo o check-up não chegou e a senhora estava muito preocupada e eram quatro horas da tarde e sua filha ia embora às duas horas, Eles estavam ligando para ela e ela tinha combinado de encontrar seu namorado na ponte López Portillo na Mega, perto da Mega Comercial, e as evidências mais tarde mostraram que foi o namorado que a havia seqüestrado e matado (Fernanda, estudante de engenharia, 23 anos de idade).

Ao contrário da anterior, nesta história o feminicídio é o próprio namorado da garota, que a havia seqüestrado e assassinado, um exemplo interessante porque rompe com todas as crenças sobre segurança que essas garotas expressaram anteriormente; para elas, os namorados aparecem sempre como referência de uma pessoa segura com quem elas podem sair.

Bem, na área onde vivo, nas proximidades, há uma área onde muitos carros vêm de longe, muitos reboques de carga, e é uma área que não é muito bem guardada, então tem havido casos de, bem, pessoas que viram de longe como as meninas são colocadas nos carros, elas as fecham ou jogam pessoas para o lado da rua e bem, eu percebo como este medo cresceu entre nós como mulheres, porque no meu caso, eu rezo para chegar em casa, Bem, depois daquela experiência que tive, agora estou mais vigilante, tento não ficar sozinho na rua, se possível evito ir para a rua, se não for uma necessidade real sair e estar sempre em contato com alguém em quem confio, seja minha família, dizer a alguém que estou saindo daqui, estou chegando a este ponto e sempre tento ter certeza de que alguém saiba onde estou e o que estou fazendo (Paola, estudante de engenharia, 23 anos de idade).

Este testemunho mostra claramente o medo que estas jovens experimentam e a forma como o elaboram e expressam. A entrevistada refere-se a estar consciente das coisas que acontecem em uma área próxima a sua casa e fala de suas emoções, da impossibilidade de estar sozinha na rua ou de estar sempre com pessoas em quem confia.

Considerações finais: as meninas não querem mais se divertir

Como foi indicado, este trabalho constitui um avanço preliminar de uma investigação em andamento, na qual procuramos explorar as práticas cotidianas das jovens mulheres nestes municípios da conurbação da Cidade do México, com o objetivo de relacioná-las, especialmente aquelas relacionadas ao entretenimento e à vida noturna, aos discursos que dão sentido às experiências de insegurança e violência vividas por estas mulheres.

Ao invés de resultados conclusivos, gostaríamos de retomar aqui alguns aspectos que nos pareceram particularmente relevantes na análise destas práticas e discursos.

Primeiro, os relatos dessas mulheres deixam bem claro que elas estão conscientes de que vivem em um lugar de enorme risco e que as possibilidades de se tornarem vítimas estão na ordem do dia. É também evidente que o medo afeta as práticas diárias dessas mulheres, que estão acostumadas a tomar medidas de autocuidado para proteger sua integridade física acima de tudo.

As atividades normais são mantidas apesar do perigo; entretanto, as histórias são histórias de confinamento, e por trás das táticas que empregam para se afastar do perigo podem ser vistas as táticas discursivas dos membros da família que os ensinam a preferir o espaço seguro do lar e a tranqüilidade de pequenas reuniões e atividades familiares.

Os discursos que aparecem nas vozes dessas meninas apelam para a impossibilidade de estarem seguras em qualquer lugar, mas também para a responsabilidade e até mesmo para a culpa das vítimas, que são geralmente descritas como mulheres que não respeitaram as regras de comportamento, não foram suficientemente cuidadosas ou cometeram erros em suas táticas de autocuidado ou, no pior dos casos, mostraram um comportamento desenfreado que as tornou alvos.

A recreação noturna, que é extremamente limitada, é caracterizada como "destrampe" ou comportamento imaturo e irresponsável; as meninas entrevistadas falam esmagadoramente da boate e da festa como condições perigosas que as mulheres prudentes devem evitar; nas práticas dessas jovens, é visível que apenas algumas delas têm acesso a esse tipo de entretenimento e que, mesmo nesses casos, esses passeios exigem uma logística complicada.

Paradoxalmente, as experiências relatadas por essas meninas, também em sua maioria, têm pouco a ver com a vida noturna e a festa; o assédio, o abuso sexual e a possibilidade de seqüestro e desaparecimento estão ao virar da esquina, em repetidos episódios que ocorrem em plena luz do dia. A experiência próxima do perigo faz com que seja necessário perguntar sobre a "latência" e a "possibilidade" do risco. Que tipo de chance determina, em última análise, se deve ou não tornar-se parte da estatística?

É bastante claro que as jovens mulheres da área metropolitana da Cidade do México não gozam da mesma liberdade que os homens para ocupar o espaço público e que sua mobilidade nele é restringida por discursos que as ensinam do ambiente familiar a permanecerem em casa, a não se moverem sozinhas e a assumirem a responsabilidade por seus próprios cuidados. Estes discursos, que de uma perspectiva podem ser claramente entendidos como um exercício de poder patriarcal sobre as mulheres jovens, também podem ser vistos, como tentamos mostrar aqui, como um recurso tático, através do qual, num contexto de risco, os membros da família e as próprias vítimas trabalham na constituição de uma subjetividade feminina "prudente" e "responsável", predisposta ao confinamento e restrita às atividades familiares e domésticas.

Como pode ser visto, a proliferação do tráfico gera condições de risco permanente para as mulheres dessas localidades que, diante da possibilidade latente de se tornarem vítimas diretas, são forçadas a permanecer à margem do espaço público.

Este confinamento, que nos relatos dos entrevistados parece ser voluntário e resultado de prudência e autocuidado, é atravessado por discursos em que o entretenimento e a vida noturna são censurados ou questionados, e em que os riscos corridos por aqueles que correm o risco de experimentá-los são visualizados como conseqüências de seu próprio comportamento, colocando-os em uma posição de maior vulnerabilidade, tornando invisível a existência de estruturas criminosas que estão em operação permanente.

Estes discursos reproduzem estereótipos nos quais as mulheres são exploradas como resultado de má conduta ou deslizes, tornam-se alvos de perigo devido à sua inclinação para se divertir e festejar, assim como o livre desfrute de seu corpo, o que as torna objetos de abuso autorizados. Nesses discursos, a possibilidade de as mulheres jovens e as comunidades em geral apelarem para o Estado como garantes de sua segurança não está configurada; a questão se torna pessoal.

É importante mencionar que por trás dos riscos de que estas mulheres falam está a condição sexual de seus corpos, os perigos de que elas falam estão relacionados ao fato de que seus corpos podem ser acessíveis aos homens: Andar por uma rua solitária, mostrar-se com roupas "provocantes", andar sozinho, sair à noite, divertir-se, são situações que os tornam alvos justificados de ataques masculinos, que podem variar desde assédio e intimidação, até abuso sexual, seqüestro e exploração, perpetrados por homens que se sentem no direito de dispor do corpo das mulheres simplesmente porque são colocados no espaço público.

As próprias jovens reproduzem estes discursos em suas histórias e em suas práticas diárias, o que gera uma dupla condição de vulnerabilidade nelas, pois, se elas se tornam vítimas, assumem a responsabilidade pelo que aconteceu com elas.

É importante notar que o corredor de tráfico, no qual estas meninas operam diariamente, é uma área com uma proliferação de bordéis e hotéis transitórios, onde os homens podem satisfazer suas exigências sexuais sem muita chatice. Enquanto a "deboche" das mulheres é condenada por um lado e restrita à esfera privada para mantê-las seguras, os homens satisfazem seus desejos graças ao lucrativo negócio da exploração sexual, que é perfeitamente visível e contra o qual nenhuma ação é tomada pelas autoridades, apesar de ser um caso publicamente conhecido e tolerado.

Rita Segato (2018) se referiu ao tráfico e exploração sexual como exemplos do que ela chamou de pedagogias de crueldade, onde o corpo da mulher é objetivado e consumido e onde a repetição da violência produz um efeito de normalização, o que promove uma falta de empatia para com as vítimas.

Segato (2018) considera o estuprador um moralista, que vê em sua vítima o desvio moral que o convoca, de modo que sua violência é uma represália que obedece ao mandato da masculinidade e que atribui a si mesmo o direito de punir as mulheres.

Paradoxalmente, os perigos para as mulheres jovens nestes municípios da conurbação não se limitam ao espaço público, e toda a pedagogia empregada através destes discursos que censuram suas liberdades não é suficiente para mantê-las seguras.

Pelo contrário, as restrições ao uso do espaço público, ao encontro, à diversão, até mesmo ao trabalho ou ao sair para estudar, as tornam vulneráveis à violência doméstica, controlando os pais ou parceiros. As possibilidades de organização com outras mulheres são muito limitadas. Isto também ocorre em ambientes precários onde a mobilidade é difícil e o transporte é caro e perigoso, onde ficar sozinho no ônibus ou embarcar num táxi pode significar que uma garota desaparece sem deixar rastro.

Além do confinamento, as jovens mulheres desta área da cidade vivem em condições de isolamento que as tornam mais propensas a serem vítimas de violência que em seus próprios discursos parecem não ser claramente reconhecidas, mas que no entanto surgem em suas histórias, quando elas mesmas se referem a mulheres que foram vítimas de feminicídio nas mãos de namorados ou parentes, pessoas que elas apontam como companheiras com as quais normalmente se sentem seguras.

Bibliografia

Bakhtin, Mikhail (2005). Estética da criação verbal. Cidade do México: Siglo xxi.

Cortés Mendoza, Ma. Fernanda (2021, 4 de agosto). Uma abordagem ao tráfico de pessoas e às diversas formas de exploração no México [Conferência on-line]. Cidade do México: uam-Cuajimalpa. Obtido em https://drive.google.com/file/d/1XoGER0iGXrWTJZI-n8szAyW_-AjHax1D/view, acessado em 23 de junho de 2022.

Das, Veena (2008). "O ato de testemunhar. Violência, conhecimento envenenado e subjetividade", em Francisco Ortega (ed.). Veena Das: sujeitos de dor, agentes de dignidade. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia.

De Certeau, Michel (1996). A invenção do cotidiano 1. Artes de fazer. Cidade do México e Guadalajara: Universidad Iberoamericana e iteso.

De la Peza, Ma. del Carmen (2014). rocha mexicana. Um espaço em disputa. Cidade do México: uam-Xochimilco.

Delgado, Manuel (2007). Sociedades de Mudança. Passos para uma antropologia das ruas.. Barcelona: Anagrama.

Fuentes Flores, César (2011). "Espaço público e gênero em Ciudad Juárez, Chihuahua: o direito à acessibilidade, autonomia, habitabilidade e participação", em Luis Cervera, Julia Monárrez e Sergio Peña (coords.) Espaço público e gênero em Ciudad Juárez, Chihuahua. Acessibilidade, sociabilidade, participação e segurança. Ciudad Juárez: colef e uacjpp. 91-132.

Jirón, Paola (2007). "Implicancias de género en las experiencias de movilidad cotidiana urbana en Santiago de Chile". Revista Venezolana de Estudios de la Mujer, vol. 12, no. 2, pp. 173-197.

Martínez Mejía, Alfonso (2018, 16 de outubro). "La desaparición de niñas se incrementó en el corredor de Coacalco". La Prensa [site]. Obtido em https://la-prensa.mx/coacalco/la-desaparicion-de-ninas-se-incremento-en-el-corredor-de-coacalco/, acessado em 22 de junho de 2022.

McDowell, Linda (2000). Gênero, identidades e lugar. Madri: Cátedra.

Monárrez, Julia (2011). "Uso y recuperación del espacio público y los lugares de esparcimiento para las mujeres y los hombres en Ciudad Juárez, Chihuahua", em César Fuentes, Luis Cervera e Sergio Peña (coords.) Espaço público e gênero em Ciudad Juárez, Chihuahua. Acessibilidade, sociabilidade, participação e segurança. Ciudad Juárez: colef e uacj, pp. 135-172.

Milenio Digital (2013, 19 de dezembro). "Desde Tecámac a Tultitlán opera red de trata de personas". Milênio [site]. Obtido em https://www.milenio.com/policia/desde-tecamac-a-tultitlan-opera-red-de-trata-de-personas, acessado em 22 de junho de 2022.

Orozco, Rosi (2019, 9 de dezembro). "Um pesadelo chamado 'o corredor do tráfico de pessoas'". Fórum Jurídico [site]. Obtido em https://forojuridico.mx/una-pesadilla-llamada-el-corredor-de-la-trata-de-personas/ Acesso em 23 de junho de 2022.

Padrón Álvarez, Ma. Teresa e Guénola Caprón (2015). "La percepción de inseguridad en el transporte público: el caso de la autopista México-Pachuca", em Guénola Caprón e Cristina Sánchez-Mejorada (coords.), (In) segurança na metrópole. Território, segurança e espaço público. Cidade do México: uamAzcapotzalco, pp.315-339.

Segato, Rita (2018). Contra-pedagogias de crueldade. Buenos Aires: Prometeo Libros.

Sorgentini, Hernán (2000). "La recuperación de la experiencia histórica". Um comentário sobre E.P. Thompson". Sociohistorico, No. 7, pp. 53-80. Obtido em https://www.memoria.fahce.unlp.edu.ar/art_revistas/pr.2820/pr.2820.pdf, acessado em 22 de junho de 2022.

Soto, Paula (2015) "Ciudad y espacio público. Un análisisis de género de la inseguridad en la colonia Doctores", em Guénola Caprón e Cristina Sánchez-Mejorada (coords.), (In) segurança na metrópole. Território, segurança e espaço público. Cidade do México: uamAzcapotzalco, pp. 235-263.

Valcárcel, Amelia (1997). A política das mulheres. Madri: Cátedra

Venegas, Patricia (2021, 27 de agosto) "El 15% de las víctimas de trata de personas en el país son del Edomex". O Sol de Toluca [site]. Obtido em https://www.elsoldetoluca.com.mx/local/el-15-de-las-victimas-de-trata-de-personas-en-el-pais-son-del-edomex-7138849.html, acessado em 22 de junho de 2022.

Zúñiga, Mercedes (2014). "As mulheres nos espaços públicos: entre a violência e a busca da liberdade". Região e Sociedade, número especial 4, pp. 77-100.


Miriam Bautista Arias é PhD em Ciências Sociais na área de Comunicação e Política pela uam-Xochimilco, onde também estudou para um Mestrado em Comunicação e Política; é formada em Ciências da Comunicação pela Universidade Salesiana. Seus interesses de pesquisa estão no campo da violência e cidadania com ênfase especial no surgimento de subjetividades e táticas de resistência. Ela foi professora na área de Comunicação de graduação e pós-graduação em várias universidades públicas e privadas e assistente de pesquisa no curso de pós-graduação em Comunicação e Política da Universidade de Barcelona. uam-Xochimilco. Ela também serviu como co-editora associada da agência de notícias do jornal Reforma e como repórter free-lance em revistas especializadas. Ela é a autora do livro O murmúrio social da violência no México. A experiência das pessoas afetadas pela guerra contra as drogas.publicado pela uam-Xochimilco em co-publicação com o cesop da Câmara de Deputados em janeiro de 2017.

Assine
Notifique
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

Instituições

ISSN: 2594-2999.

encartesantropologicos@ciesas.edu.mx

Salvo indicação expressa em contrário, todo o conteúdo deste site está sujeito a um Creative Commons Atribuição- Licença Internacional Creative Commons 4.0.

Download disposições legais completo

EncartesVol. 5, No. 10, Setembro 2022-Fevereiro 2023, é uma revista académica digital de acesso livre publicada duas vezes por ano pelo Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Calle Juárez, No. 87, Col. Tlalpan, C. P. 14000, Cidade do México, P.O. Box 22-048, Tel. 54 87 35 70, Fax 56 55 55 76, El Colegio de la Frontera Norte, A. C., Carretera Escénica Tijuana-Ensenada km 18,5, San Antonio del Mar, núm. 22560, Tijuana, Baja California, México, Tel. +52 (664) 631 6344, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente, A.C., Periférico Sur Manuel Gómez Morin, núm. 8585, Tlaquepaque, Jalisco, Tel. (33) 3669 3434, e El Colegio de San Luís, A. C., Parque de Macul, núm. 155, Fracc. Colinas del Parque, San Luis Potosi, México, Tel. (444) 811 01 01. Contato: encartesantropologicos@ciesas.edu.mx. Diretora da revista: Ángela Renée de la Torre Castellanos. Hospedado em https://encartes.mx. Responsável pela última atualização desta edição: Arthur Ventura Temporal. Data da última modificação: 22 de setembro de 2022.
pt_BRPT