Intervenções performativas dissidentes em espaços públicos

Todos os seres humanos têm uma dimensão espacial. Essa condição está intimamente ligada às nossas formas coletivas de pensar, sentir e agir no mundo; é por essa razão que os espaços públicos que habitamos e pelos quais passamos em nosso cotidiano tornam-se constantemente cenários de disputa, não apenas em suas dimensões territoriais, mas também simbólicas. Podemos dizer que o ato de intervir em um espaço público é, por sua vez, uma luta para conquistar um lugar no pensamento coletivo.

A seleção de fotografias mostradas aqui exemplifica a maneira pela qual vários atores da sociedade civil reivindicam o espaço público por meio de intervenções físicas e simbólicas que representam a dissidência contra a ordem estabelecida das sociedades modernas. As táticas empregadas são múltiplas e vão desde o grafite e a pintura de murais até o uso da tecnologia para projetar mensagens nas paredes, a representação do corpo e a instalação de objetos em locais reapropriados de símbolos.

As intervenções mostradas aqui transformam espaços de poder em espaços dissidentes, em alguns casos de forma fugaz, como a intervenção com um projetor audiovisual no Palácio Nacional na Cidade do México; em outros, reconfigurando usos e significados institucionalizados de forma transcendental, como no caso da Glorieta de las y los desaparecidos em Guadalajara. Algumas outras intervenções se tornam rastros dissidentes que percorrem a cidade, como o estêncil feminista em um veículo de transporte público, enquanto outras se tornam memoriais que permanecem nas ruas, enfatizando a necessidade de justiça. De qualquer forma, essas intervenções transmitem as reivindicações negligenciadas de minorias geralmente estigmatizadas ou de grupos invisíveis que exigem direitos.

De forma criativa, essas ações tendem a desconstruir os signos hegemônicos de diferentes espaços públicos, emblemas oficiais, edifícios que simbolizam o poder das forças governamentais e monumentos coloniais. As imagens mostradas abaixo são um breve lembrete de que, diante da injustiça, da desigualdade e da subjugação, os grupos sociais sempre terão recursos simbólicos para ocupar um lugar nessa condição espacial que é inescapável para nós.

Dedicamos esta galeria em memória de Rogelio Marcial†, colaborador da revista.


As paredes falam

Sofia Ron WeigandSantiago, Chile. Novembro de 2019.

Intervenções em Santiago do Chile nos protestos da "explosão social" de 2019.


Mãe orando por suas filhas

Cristofer Yair Uribe VergaraCidade do México, México. 18 de setembro de 2000.

Foto tirada do lado de fora do CNDH, na rua República de Cuba, Colônia Centro.


Vigília pela vitória de Tijuana

Benelli Velázquez FernándezTijuana, México. 2 de abril de 2021.

Victoria Salazar, uma mulher refugiada de El Salvador no México, foi assassinada por membros da polícia de Tulum em março de 2021. Após seu assassinato, houve manifestações de grupos feministas e ativistas dos direitos dos migrantes, que exigiram justiça em várias partes da República Mexicana. No muro da fronteira em Playas de Tijuana, foi realizada uma vigília para comemorar a vida e a dignidade de Victoria. Durante o evento, o rosto de Victoria foi projetado no obelisco que marca a fronteira entre o México e os Estados Unidos.


Bicicleta rosa para Isabel

Favia Lineli Lucero MontoyaCiudad Juarez, México. 31 de janeiro de 2020.

Coletivos de ciclistas e feministas colocaram uma bicicleta rosa no local onde Isabel Cabanillas, artista e ativista, foi assassinada na madrugada de 18 de janeiro de 2020. Isabel usava uma bicicleta semelhante à que foi instalada como meio de transporte; no dia de seu feminicídio, ela estava andando nela.


Morte ao macho

Karen Muro ArechigaCidade do México, México. Fevereiro de 2020.

Fora de alguns corredores do unam Foram colocados cartazes e faixas com slogans sobre o aborto ilegal e livre. Pode-se ler que o unam não protege as mulheres, mas as reprime.


Respeito pelo útero de outras pessoas...

Adrián Enrique García MendozaEnsenada, México. 30 de setembro de 2020.

Intervenção feita durante a marcha feminista de 2020 na Plaza de las tres cabezas.


Genocida: nem perdoado nem esquecido!

Yllich Escamilla SantiagoCidade do México, México. 10 de junho de 2021.

Como parte do 50º aniversário do massacre de 10 de junho de 1971, também conhecido como Halconazo, a casa do ex-presidente Luis Echeverría foi parte do protesto para exigir justiça.


Flores contra o esquecimento

Thania Susana Ochoa ArmentaCidade do México, México. 8 de março de 2021.

Como parte da marcha do Dia Internacional da Mulher, o Palácio Nacional foi coberto com cercas de metal. Em resposta, as feministas criaram um memorial para as vítimas de feminicídio.


"Fora Bolsonaro

Marcia CabreiraSão Paulo, Brasil. 3 de julho de 2021.

Bolsonaro e outros políticos de seu governo representados como condenados na marcha pelo impeachment de Bolsonaro. A seringa quebrada representa as supostas práticas corruptas do governo na compra de vacinas contra o HIV. covid-19.


Somos todos imigrantes

Ana de la CuevaNova York, Nova York, eua. Janeiro de 2017.

Marcha das Mulheres em Nova York, parte do movimento pelos direitos das mulheres e dos protestos contra Donald Trump. Foi o maior protesto desde a mobilização contra a Guerra do Vietnã nas décadas de 1960 e 1970.


Não se esqueça de seus nomes

Jessica Trejo GómezCidade do México, México. Março de 2021.

Intervenção no Palácio Nacional, local do Fórum Geração da Igualdade, para tornar os nomes e as vidas das mulheres visíveis para o governo federal.


Direitos humanos das mulheres acima dos direitos culturais

Leonardo Rebollar RuelasColima, México. 16 de agosto de 2021.

No centro de Colima, há a reabilitação de um prédio que antes era usado como palácio do governo estadual. Durante os protestos do 8M, foi erguido um muro de proteção, exigindo os direitos humanos das mulheres em face dos feminicídios e dos casos de desaparecimento. 


Artistas deportados apresentando o Projeto Mural Playas de Tijuana

Juan Antonio del Monte MadrigalTijuana, México. Julho de 2021.

Artistas deportados (Chris Cuauhtli, Tania Mendoza, Javier Salazar e José Ávila), coordenados pela artista-acadêmica Liz Santana, oferecem um discurso em Tijuana após pintarem seus rostos e códigos QR com suas histórias de deportação no muro da fronteira como uma forma de visibilização e resistência ao endurecimento das políticas migratórias.


Ingovernável

Malely Linares SánchezCidade do México, México. 8 de março de 2019.

Ato simbólico na marcha #8M.


Madero sob cerco

Yllich Escamilla SantiagoCidade do México, México. 1º de agosto de 2020.

O governo da Cidade do México trancou a estátua de Francisco I. Madero, de Javier Marín, impedindo-a de ser usada em protestos feministas contra a violência de gênero.


Varal de memória

Reyna Lizeth Hernández MillánNezahualcóyotl, México. 8 de março de 2020.

O coletivo Vivas en la Memoria instalou e marchou com um varal de telas bordadas, onde foram registrados os feminicídios de localidades da periferia como Neza, Ecatepec, Chimalhuacán.


A rotunda dos desaparecidos e dos desaparecidos

Santiago Bastos, Guadalajara, México. 5 de maio de 2018.

A Glorieta de Niños Héroes em Guadalajara está localizada no final do movimentado Paseo de Chapultepec. Quando os desaparecimentos começaram a se tornar um problema grave para muitas famílias em Jalisco, essa rotatória foi um dos locais escolhidos para encerrar passeatas e realizar comícios. A base do monumento à pátria foi continuamente preenchida com cartazes, até que em 2018 apareceu o que você vê na foto. Desde então, essa tem sido a Glorieta de las y los Desaparecidos, para todos os efeitos.


A Monumenta interveio

Malely Linares SánchezCidade do México, México. 8 de março de 2019.

Ato simbólico na marcha #8M


Queremos ser livres; livres e sem medo

Priscilla Alexa Macias MojicaTijuana, México. 08 de agosto de 2021.

Mulheres em defesa do direito de decidir se reúnem no monumento "Las Tijeras", no México, para comemorar a chegada da maré verde no México.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + 10 =