Aprendiz e filósofo: a herança Wixárika de Juan Negrín

Recebido em: 29 de maio de 2017

Aceitação: 03 de junho de 2017

Em 1982, um escritor francês, Jean-Paul Ribes, viajou para o México para escrever um artigo para a revista Actuel1 sobre xamanismo e psicotrópicos, tomando os Wixaritari (Huichol) como exemplo de um dos últimos povos xamânicos vivos. Na época, meu pai, Juan Negrín Fetter, era um dos maiores estudiosos da cultura e da arte Wixárika e recebia solicitações de acadêmicos, funcionários públicos e psiconautas na esperança de que ele pudesse facilitar um vínculo com as comunidades Wixaritari. Meu pai estava trabalhando com artistas Wixaritari em Jalisco e Nayarit há apenas dez anos, mas nesse período ele desenvolveu amizades íntimas com várias famílias, assessorou brevemente o Instituto Nacional Indigenista e combinou seu interesse pela arte com a defesa territorial dos Wixaritari contra o desmatamento e outras ameaças à autonomia desse povo nativo.

Foto de Juan Negrín, tirada na oficina de cobertores que ele coordenou em Tuapurie (Santa Catarina Cuexcomatitlán), 1993.

Em setembro de 1982, foi publicada a crônica de Ribes, na qual ele acompanha Negrín à Sierra Madre Occidental, à comunidade de Tuapurie (Santa Catarina Cuexcomatitlán), na esperança de aprender algo sobre as práticas espirituais dos Wixaritari. Fiel à sua politização precoce após o exílio republicano espanhol em que nasceu, meu pai não perdeu a oportunidade de conversar com o visitante francês sobre política regional, antes de passar para tópicos mais esotéricos:

-As coisas estão indo muito mal, você sabe; os Huicholes estão ameaçados. É por isso que concordei em vê-lo. Para que você possa falar sobre isso na França.

-Eu venho me encontrar com xamãs e ele me fala sobre política... (Ribes, 1982: 135).

Negrín foi cativado pela arte Wixárika e estava convencido de que esse meio poderia servir ao propósito de aproximar um público nacional e global da cultura Wixárika, com o objetivo de aumentar a conscientização sobre a situação política e social do povo Wixárika.

Juan dorme muito pouco. Ele adormece às seis da manhã. Passamos a noite conversando.

Quanto mais ele explica, mais complicado fica. Não consigo seguir o mapa do mundo Huichol. Tudo se duplica, triplica, quadruplica; a própria linguagem Huichol - nunca estudada seriamente - é um reflexo. As mesmas palavras significam cinco ou seis coisas diferentes, e eu contei até vinte e quatro maneiras de identificar um único objeto. Para aliviar a atmosfera, Juan me conta sobre os tropeços daqueles que tentaram estudar os Huichols. Essas criações de antropólogos em livros me pareceram sérias? "Acho que não!": eles continuavam suas peregrinações de carro e, quando chegava a hora do consumo ritual do peiote, davam o pretexto de uma forte dor de cabeça para poder ir embora (Ribes, 1982: 135).

Durante 44 anos, Juan dedicou seus esforços à compilação de dados sobre a língua, a história oral, a arte sacra e contemporânea e os rituais do povo Wixárika. Começando com a arte e continuando com a defesa do território por meio de projetos produtivos autônomos, esse trabalho legou um conjunto único de obras sobre a cultura Wixárika. Os escritos de Negrín incluem cadernos, diários, vários rascunhos manuscritos e digitados, mas ele também deixou centenas de áudios, principalmente conversas com artistas e anciãos. kawiterutsiri,2 no qual os conceitos centrais da cosmovisão Wixárika são explorados em profundidade.

Seus escritos e pensamentos são expressos com igual versatilidade em espanhol, inglês e francês, idiomas que ele aprendeu intimamente como resultado da diáspora na qual nasceu como filho de um refugiado espanhol e de uma americana. Sua biografia lhe deu o privilégio e o desafio de viver sem uma nação. No entanto, ele sempre desejou estar enraizado, e o México não era apenas o país de seu nascimento, mas especificamente a Sierra Madre Occidental, o mar a oeste e o deserto a leste lhe deram uma raiz singular em uma região inteira do país.

Em uma entrevista de 1993 para uma revista de arte na Califórnia, A Alameda Secreta (tsa), Juan relata como seu interesse pelas pinturas em lã feitas por jovens artistas de Wixaritari a partir da década de 1960 o levou a um acompanhamento dos artistas que estava ligado à sua própria descoberta filosófica.

tsa: Há algo sobre os Huichols que o marcou profundamente e que você sentiu que era de grande importância para o mundo... e eu gostaria de saber se você pode me descrever o que viu que valorizou tão profundamente.

jnBem, acho que isso ficou óbvio para mim desde o início em sua arte... especialmente ao ver a pouca consideração e interesse que era dado a ela, ao ver como era desprezada e subvalorizada. Comecei a ver que eles estavam fazendo coisas na arte que eram extremamente impressionantes e que impressionavam as pessoas em todo o mundo. Percebi, sendo eu mesmo um artista, que as formas e os significados dessas formas como símbolos, como uma espécie de ideografia personalizada por cada artista, de alguma forma não haviam chegado a um fórum internacional. E foi uma nova expressão de arte para os próprios Huichols. Eles adotaram um novo meio, como o fio colorido que estava disponível... e usaram símbolos sagrados para criar obras que foram dessacralizadas no processo. Elas [as obras] eram vendidas a pessoas desconhecidas ou por meio dos próprios franciscanos, os missionários que se esforçavam tanto para evangelizar os Huichols. Portanto, embora os Huichol estivessem enfrentando tantas barreiras, eles ainda produziam trabalhos extraordinários do ponto de vista visual. Assim, dediquei-me a ter contato direto e coparticipação com essas pessoas que demonstravam grande potencial artístico. Elas estavam constantemente criando novas formas e tinham um senso intuitivo do que é esteticamente belo em um sentido universal. Curiosamente, eles também tendiam a ter um contato mais próximo com sua própria cultura, apesar de serem exilados das montanhas. Eles sentiam uma inquietação pelo nexo religioso de sua cultura que haviam deixado para trás. Assim, ficou claro para mim que também tínhamos aqui um tema sociológico ou psicológico, pois esses Huichols estavam criando arte que, de certa forma, justificava seu lugar ou concretizava seu lugar no mundo. Eles não se sentiam em casa no ambiente mexicano, mas haviam se adaptado tanto a ele que também não se sentiam em casa nas terras altas de Huichol. Sua arte era uma linguagem que lhes era peculiar. O significado por trás das pinturas de lã... à medida que fui conhecendo melhor os artistas... comecei a ver que havia uma mitologia extraordinária em sua amplitude e também em sua profundidade. Pude entender isso cada vez melhor ao participar com os artistas da exploração de suas terras e da busca por sua cultura. Fiz isso, até certo ponto, com eles... porque alguns deles estavam retornando pela primeira vez a lugares nas montanhas, a lugares sagrados, pela primeira vez desde a pré-adolescência... e eu frequentemente os acompanhava (entrevista com Richard Whittaker para The Secret Alameda, 24 de agosto de 1993. Oakland, Califórnia, traduzido por D. Negrín).

Como alguém que havia vivido entre várias culturas, Juan estava sensibilizado com a condição existencial dos artistas Wixaritari que haviam sido "exilados" das comunidades das terras altas. Juntos, eles visitaram locais sagrados desde a costa de Nayarit até o semideserto das terras altas de Potosi e observaram de perto a imensa geografia montanhosa que Fernando Benítez havia descrito alguns anos antes em A terra mágica do peiote (1968):

As florestas e os abismos são manchas e fendas escuras, as colinas e os desfiladeiros são texturas cor de palha, os rios no fundo das ravinas deixaram de correr e, sobre essa paisagem rochosa, sobre esse labirinto de pedras, os tons perolados, os azuis transparentes e os violetas líquidos das serras distantes se impõem à distância (Benítez, 1968: 15).

Em colaboração com esses mestres da arte Wixárika, Juan procurou descrever e entender como a geografia era o pano de fundo de uma história oral e de uma mitologia ancorada em ancestrais que representam as diferentes coordenadas do próprio território. Essas andanças eram feitas como aventuras entre compadres e, às vezes, na companhia de suas famílias. Com sua câmera, Negrín capturou "os azuis transparentes e as violetas líquidas" da Sierra Madre Occidental, bem como os vermelhos, azuis e amarelos radiantes das vestimentas e cerimônias. Às vezes, ele também fotografava aviões do governo, franciscanos em uma visita fugaz ou árvores marcadas para serem cortadas por pessoas de fora.

Nos primeiros anos desse encontro, as comunidades Wixaritari estavam sendo incorporadas ao aparato do Instituto Nacional Indigenista.ini) e projetos de desenvolvimento regional. Em 1960, o Centro Coordinador Indigenista Cora-Huichol foi estabelecido com os objetivos de assimilação cultural, econômica e política (Reed, 1972: 54) e, durante as décadas de 1960 e 1970, o Plano Huicot foi implementado de forma irregular como parte dos projetos de infraestrutura do Plano Lerma. O Plano Huicot deveria operar na região. huichola (Wixárika), cora (náayeri) e tepehuana (o'dam ñi'ok) com base na noção de que essas comunidades "permaneceram à margem de todo o progresso humano e vivem em níveis primitivos" (Plano Lerma, 1966: 9).

Alguns anos depois de começar seu trabalho sobre a arte e a cultura wixárikan, Juan foi convidado como um dos vários especialistas a ser consultado pela iniEle logo decidiu não continuar prestando seus serviços a uma série de projetos que se baseavam no desrespeito ao conhecimento e às práticas indígenas. Foi exatamente nessa encruzilhada que a comunidade Tuapurie nomeou Juan como representante não Wixárika da comunidade (1979-1984) e, assim, iniciou seu trabalho de defesa da autonomia territorial e cultural Wixárika. Em um trabalho apresentado em 12 de dezembro de 1987 em Fresnillo, Zacatecas, pode-se ver sua crítica aos projetos governamentais:

Tudo isso é muito sutil e complexo para ser resumido em um artigo. Mais do que qualquer outra coisa, precisamos conhecer a realidade em profundidade, antes de ditar como vamos melhorá-la. Se partirmos de uma mentalidade que classifica o Huichol como um menor, um indivíduo ignorante e um homem meio selvagem e inculto, só o destruiremos por meio de nosso desprezo, que se baseia em nossa própria ignorância. Se temos o hábito de chamar o Huichol de "huicholito", é porque sofremos de um complexo de inferioridade, e o pior é que ameaçamos atacar nossos irmãos Huichol que ainda se respeitam. Acreditamos que em uma comunidade tão marginalizada como Santa Catarina Cuexcomatitlán, no município de Mezquitic, um sistema de democracia consensual e representativa está claramente em operação, o que parece utópico em comparação com as democracias modernas. Lá, as consultas ao povo podem durar dias e noites; o governante sabe que o povo está atento a seus "movimentos" para ver se ele não se aproveita de seu poder para enriquecer; ele pode perder sua honra e seu poder no exercício de seu cargo. A chefia é desconhecida e o poder de todos, até mesmo dos sacerdotes, está sempre exposto ao julgamento dos outros. Não vamos impor autoridades a nosso critério, geneticamente Huichol, mas sem o coração, sem a cultura de seu povo. Não ajudemos a transformar o que é importante e profundo para os Huichol em um circo e um espetáculo. Tampouco vamos nos colocar como inquisidores modernos, oferecendo álcool e proibindo o peiote e a caça ritual. Atualizemos nosso conhecimento sobre seu ecossistema antes de transformarmos as reservas de vida selvagem em vastos desertos para satisfazer o apetite de um punhado de parasitas e transformar os Huichol em proletários modernos dependentes. Vamos trabalhar para melhorar sua autossuficiência e fortalecer sua autodeterminação milenar (trecho do documento intitulado "Impact of development on the culture and ecology of the Huichol", 12 de dezembro de 1987).

Depois de décadas de intervenções estatais indiferentes e de um claro declínio na ecologia e nos recursos naturais da área de Wixárika, Juan mergulhou nos tribunais agrários e na luta contra o desmatamento. Ele também conseguiu entender empiricamente a estreita relação entre a autodeterminação política e econômica e a reprodução cultural. Em 1986, Juan e Yvonne Negrín criaram a Associação para o Desenvolvimento Ecológico da Sierra Madre Occidental (adesmo), uma associação civil dedicada à cocriação de projetos produtivos com as comunidades Wixaritari. Com o apoio de uma associação civil dos EUA, a Friends of Huichol Culture, adesmo conseguiu obter fundos dos Estados Unidos, do México e de vários países europeus para construir oficinas de carpintaria com fornos solares em três comunidades e teares de cobertores (construídos pelos carpinteiros) em duas comunidades. O objetivo era fomentar a autonomia por meio de projetos sustentáveis que também estimulassem o artesanato exclusivo dos Wixaritari. Em 1987, Juan foi acusado por um cacique Wixárika de alto escalão perante o governo do estado de Jalisco de desmatar a floresta, mas, na ausência de provas e com o apoio das comunidades Wixaritari, Juan venceu o caso, mas não antes de ser defendido publicamente por Fernando Benítez em um artigo de opinião publicado no La Jornada em 16 de março de 1988. Lamentavelmente, apesar do sucesso desses projetos, o ini rejeitou a concorrência de uma associação civil e as oficinas foram desmanteladas em meados da década de 1990.

Apesar das duras batalhas políticas e dos esforços para prestar serviços aos colegas wixaritari que iam à sua casa em Guadalajara, Juan nunca parou de estudar a visão de mundo, o idioma e a cultura wixárika. É interessante notar que o interesse inicial de Juan por religiões e filosofias comparadas foi estimulado por seu longo estudo da filosofia religiosa Wixárika. A experiência do sacrifício necessário para conhecer o caminho do mara'akate (xamãs) e kawiterutsiri Eles serviram para fortalecer o diálogo intelectual que ele manteve em seus vários escritos sobre os paralelos e diferenças entre os preceitos religiosos Wixaritari e aqueles derivados do cristianismo e do budismo, entre outras filosofias.

Qualquer estudioso religioso se lembrará aqui do conceito de "Ying-Yang", em que Deus é a união igualitária dos dois sexos. Também lemos no primeiro capítulo de Gênesis que Deus se manifestou entre nós como homem e mulher, embora estejamos acostumados a pensar nele como um homem imortal. O que chama a atenção é que, para os Huichol, as ações dos homens no exercício da religião têm consequências muito concretas a curto prazo. Elas se refletem no ciclo das chuvas e na produção dos campos, na caça e no bem-estar em geral. É uma religião que é ao mesmo tempo existencialista e empírica.

Isso é particularmente evidente em seu sistema político tradicional e na peregrinação ao Oriente, embora ambos estejam se tornando menos claros e intimamente relacionados. O grau de conhecimento adquirido pelos peregrinos que alcançaram seus objetivos com sucesso logo se torna um fardo. Eles acabam ganhando prestígio e poder entre seus pares, mas precisam recitar cantos que podem durar dias e noites sem interrupção. Esses cantos desenvolvem toda uma história sagrada relacionada ao evento em questão. De acordo com os Huichol, isso só pode ser feito depois de percorrer cuidadosamente os caminhos que ligam os locais sagrados. Esse conhecimento não pode ser obtido por meio da memorização e da repetição de ensinamentos escolares. Aqueles que parecem ter alcançado o maior conhecimento acabam sendo escolhidos, em reuniões secretas, pelos xamãs mais estabelecidos para servir por um ano sem remuneração como governadores tradicionais, "Tatoani". Essa posição era considerada tão dolorosa que muitos candidatos preferiam fugir de sua comunidade se a informação chegasse até eles a serem forçados a aceitá-la. Lembre-se dos preceitos de Jesus (São Marcos X, 43 e 44): "quem quiser ser grande entre vocês deve servir aos outros, e quem quiser ser o primeiro entre vocês deve ser escravo dos outros" (versão não publicada "Reflexões de uma cultura: o costume Huichol", 11 de março de 1995).

O pensamento que Negrín cultivou ao longo de seus mais de quarenta anos de diálogo com a cultura Wixárika se materializou não apenas em sua coleção de pinturas, esculturas e gravações, mas se expressou por meio de sua forte convicção de serviço às comunidades Wixaritari nas terras altas, no litoral e nas cidades. Seguindo os ensinamentos dos mais velhos, Negrín embarcou com coragem e paixão em um caminho forjado pelo sacrifício e pelas fortunas que germinariam desse mesmo sacrifício.

Bibliografia

Benítez, Fernando (1968). En la tierra mágica del peyote. México: Era, Serie Popular.

Estados Unidos Mexicanos, Poder Ejecutivo Federal (1966). Plan Lerma de Asistencia Técnica: Operación Huicot.

Reed, Karen (1972). El ini y los huicholes. Mexico: Secretaría de Educación Pública; Instituto Nacional Indigenista.

Ribes, Jean-Paul (1982). “8 Jours de marche pour retrouver le début du monde”, en Actuel, núm. 35, septiembre, pp. 128-138.

Assinatura
Notificar
guest

3 Comentários
Pasados
Recentes
Feedbacks do Inline
Ver todos os comentários
Alejandro Aguerre
4 años antes

Que história fantástica, obrigado por compartilhá-la. Posso imaginar a luta de seu pai e como deve ter sido difícil. Nós conversamos um pouco por mensagens, há muito tempo. Eu moro longe, no Uruguai, mas quando criança conheci a cultura Huichol por meio de revistas como El Correo de la Unesco (um artigo brilhante de Juan), National Geographic, etc.; e isso me despertou um forte desejo de ir conhecê-los pessoalmente. Consegui ir três vezes, em 1991, 1998 e 2001, convidado por Andrés Carrillo em seu ano de eleição como governador de Tatei kie, San Andrés Cohamiata. Foi uma experiência maravilhosa. Agora estou em contato com... Leia mais "

Antonio Vilches
Antonio Vilches
3 anos atrás

Obrigado, Diana. Simplesmente maravilhoso. Obrigado, Yvonne. Obrigado Catarina e Marina.

trackback

[...] que em 1973 o artista Wixárika, Juan Ríos, compartilhou durante uma entrevista com meu pai, Juan Negrín, sobre o panorama trabalhista vivido pelos artistas Wixaritari (Huichol). Reconhecido em Nayarit [...]

Instituições

ISSN: 2594-2999.

encartesantropologicos@ciesas.edu.mx

Salvo indicação expressa em contrário, todo o conteúdo deste site está sujeito a um Creative Commons Atribuição- Licença Internacional Creative Commons 4.0.

Download disposições legais completo

EncartesVol. 7, No. 13, março de 2024-setembro de 2024, é uma revista acadêmica digital de acesso aberto publicada duas vezes por ano pelo Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Calle Juárez, No. 87, Col. Tlalpan, C. P. 14000, Cidade do México, P.O. Box 22-048, Tel. 54 87 35 70, Fax 56 55 55 76, El Colegio de la Frontera Norte Norte, A. C.., Carretera Escénica Tijuana-Ensenada km 18,5, San Antonio del Mar, núm. 22560, Tijuana, Baja California, México, Tel. +52 (664) 631 6344, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente, A.C., Periférico Sur Manuel Gómez Morin, núm. 8585, Tlaquepaque, Jalisco, tel. (33) 3669 3434, e El Colegio de San Luís, A. C., Parque de Macul, núm. 155, Fracc. Colinas del Parque, San Luis Potosi, México, tel. (444) 811 01 01. Contato: encartesantropologicos@ciesas.edu.mx. Diretora da revista: Ángela Renée de la Torre Castellanos. Hospedada em https://encartes.mx. Responsável pela última atualização desta edição: Arthur Temporal Ventura. Data da última atualização: 25 de março de 2024.
pt_BRPT