Ecos do Abismo: Uma Vista da Techno-utopia da América Central

Recepção: 10 de janeiro de 2023

Aceitação: 1 de fevereiro de 2023

Sumário

Este ensaio responde à discussão de Rossana Reguillo sobre a política do olhar, a violência e a tecnopolítica. Para este fim, ele analisa como é El Salvador e a política do olhar que o Bokelismo estabeleceu no país. Posteriormente, algumas notas metodológicas sobre a forma como Reguillo construiu sua análise teórico-política são revisadas, e a grande importância e as possibilidades a serem encontradas na proposta metodológica que emerge de suas reflexões são apontadas. Finalmente, algumas formas de resistência cotidiana são discutidas em um país cujas instituições são cada vez mais frágeis.

Palavras-chave: , , ,

ecos do abismo: uma visão da techno-utopia centro-americana

Este ensaio procura responder à discussão apresentada por Rossana Reguillo sobre a política de visualidade, violência e tecnopolítica. Para isso, revejo o estado da América Central, a política única de visualidade que Bukelismo estabeleceu. Depois revejo alguns dos comentários metodológicos sobre como Reguillo construiu uma análise teórico-política detalhada e ressalto que o aprendizado metodológico que emerge de seus esforços é ainda mais importante. Finalmente, examino algumas formas de resistência diária que começamos a construir em um país cujas institucionalidades estão se tornando mais frágeis a cada dia.

Palavras-chave: América Central, metodologias, comunicação política, Bukele.


1. Introducation: do lugar do abismo e do estabelecimento do techno-utopia

Assim como os olhos do morcego em relação à luz do dia, também a compreensão de nossa alma se comporta em relação àquelas coisas que, por natureza, são as mais óbvias de todas.
Aristóteles, Metafísica II 1, 993b 9-11.
Trad. Calvo Martínez

Até que ponto somos nós os autores, os criadores de nossas próprias experiências, até que ponto estas são predeterminadas pelo cérebro ou sentidos com os quais nascemos, e até que ponto moldamos nossos cérebros através da experiência? Os efeitos da percepção perceptiva profunda, como a cegueira, podem lançar uma luz inesperada sobre estas questões. Ficar cego representa um desafio enorme e potencialmente intransponível: encontrar uma nova maneira de viver, de ordenar seu próprio mundo, quando o antigo foi destruído.
Oliver Sacks. Los ojos de la mente (2011: 224)

A América Central é uma região abissal. Durante muitos anos foi o lugar da violência, dos mortos mortos em massa (Martínez, 2018). A nação em fuga, com longas caravanas de viajantes que ousam sonhar com outros futuros enquanto caminham, quase sem medo, pelos mesmos caminhos utilizados pelos cartéis do crime organizado (Pradilla, 2019). É agora, além disso, a região menos transparente. A região dos aprendizes do ditador, a região das tentações autoritárias, a região dos novos exilados (Chamorro, 10 de março de 2022).

A partir deste abismo, a questão da imaginação metodológica colocada por Rossana Reguillo (2023) tem um sentido quase denunciativo. Como acontece em muitas áreas com profundas raízes autoritárias, a América Central é uma região onde é difícil para nós olharmos a mais óbvia. O que está na luz nos deslumbra e nos cega, como Aristóteles apontou. Em outro sentido, Oliver Sacks (2011), o neurologista e escritor britânico, apontou que a cegueira também implica encontrar maneiras de ordenar o próprio mundo naquele momento em que "o velho foi destruído". Enquanto Reguillo se pergunta sobre regimes e disputas por visibilidade, eu gostaria de experimentar a pergunta inversa como possibilidade de diálogo: o que acontece nesta América Central, e em particular em El Salvador, que impulsiona e sustenta regimes e políticas de cegueira? Quais são as operações que o poder estabelece para garantir que mesmo o óbvio não seja visto e que uma narrativa que debate a verdade e a veracidade não seja banida da vida cotidiana?

Na região da América Central, muitos líderes políticos têm tentado estabelecer com sucesso regimes de cegueira. Das ditaduras militares aos projetos de mano dura e tolerância zero que inauguraram o século XXI, a comunicação de uma mão e a violência da outra funcionaram como dispositivos para ordenar práticas sociais que podem ser sintetizadas na famosa frase usada pelas gangues centro-americanas: "ver, ouvir, calar".1 No entanto, nos últimos dez anos, um político se destacou por sua capacidade de se tornar um líder comunicacional a fim de instalar uma narrativa única de e para a América Central: Nayib Bukele Ortez (1981).

Duas vezes prefeito (a partir de 2012) e depois, em 2019, presidente da República de El Salvador, Bukele moldou os olhos de muitas pessoas em Honduras, Nicarágua, Costa Rica e Guatemala. Sua popularidade não está limitada por fronteiras. Através de várias manobras políticas, ele conseguiu manter um índice de popularidade próximo a 80% em seu próprio país e manter um grande número de seguidores na região da América Central.2

Em seu trabalho "Ensaios sobre o abismo", discutido neste ensaio, Rossana Reguillo nomeou três dimensões que marcam seu trabalho: regimes de visibilidade, violência e análise de dados. Se alguém foi capaz de fazer uso destas três áreas, foi este político milenar. Através de um processo de construção de marca e o estabelecimento de um roteiro melodramático (Marroquín, Chévez, Vásquez, 2022), Bukele construiu seu próprio regime de visibilidade/cegueira. Um elemento central deste regime tem sido a forma como ele usa e exibe a violência administrada pelo Estado, especialmente desde o estabelecimento de um regime de exceção que deu prerrogativas especiais ao exército e à polícia e interveio nas agendas públicas da região, guiado pela análise das redes através de grandes volumes de dados. Retornarei a estes pontos mais tarde.

Mas há uma característica do projeto Bukelismo que é digna de nota para o presente ensaio. O presidente e sua equipe de comunicação, é claro, são pioneiros na instalação do technoutopia em El Salvador.

Durante 2021 e 2022, eu fiz parte do Programa de Pesquisa sobre os Processos de Polarização e Conflito na América Latina.3 A partir deste espaço, foi realizada uma pesquisa qualitativa para rever as narrativas sobre a polarização política e a democracia no caso de El Salvador. A fim de compreender estes processos, foram organizados nove grupos de discussão com partidários pró-governamentais e anti-governamentais. A partir deste trabalho foi possível compreender que além da polarização tradicional que existe em quase todas as sociedades latino-americanas, ou seja, a oposição entre a abordagem dos políticos progressistas e as exigências dos líderes conservadores, Bukelismo conseguiu criar uma nova divisão na análise da política. Os grupos de foco mostraram que, na percepção de muitas pessoas, a sociedade salvadorenha hoje não está dividida entre esquerda e direita, ou entre progressistas e conservadores, mas sim uma nova polarização que divide os velhos políticos - esquerda ou direita, progressistas ou conservadores - identificados como uma classe obsoleta e corrupta que se aproveitou do país de tantas maneiras, desde os inovadores, os jovens, aqueles que querem mudar os velhos caminhos, aqueles que fazem parte do novo movimento social do Bokelismo. Estas pessoas são identificadas como a esperança, eles sonham e querem se mudar para o futuro.

De acordo com a narrativa que foi instalada pelo presidente, estes idosos são identificados como "os mesmos idosos" (Bukele, 2019), um grupo heterogêneo que representa o pior do país. A narrativa presidencial insiste que é composta por pessoas que vivem ancoradas no passado. Eles são velhos, simpatizam com grupos de poder de governos anteriores, se beneficiam de várias regalias e agora procuram voltar ao passado. Eles enfatizam que nosso país parece ter regredido nos processos democráticos. Na realidade, eles anseiam por esse passado. Diante desta visão, a proposta do presidente encarnou os valores das novas gerações. Mas, sobretudo, ele promete um futuro tecnológico, de grandes estradas iluminadas, praias que acolhem turistas, um exército que faz justiça, uma enorme prisão que pune qualquer ameaça, e moedas criptográficas que tornam todos mais ricos.4 Esta é a techno-utopia centro-americana. Este technoutopia fez de Bukele um dos personagens mais populares do espectro político centro-americano. Ele também construiu um olhar particular. Vou chamá-lo de um olhar caleidoscópico.

Este ensaio procura responder à discussão levantada por Rossana Reguillo sobre a política do olhar, da violência e da tecnopolítica. Para fazer isso, revejo, de um lugar abismal como a América Central, a política do olhar que foi estabelecida pelo Bokelismo. Posteriormente, revejo algumas notas metodológicas sobre como Reguillo construiu uma fina análise teórico-política, e saliento que ainda mais importante é o aprendizado metodológico que emerge de suas abordagens. Finalmente, discuto algumas formas de resistência cotidiana que começamos a construir em um país com instituições cada vez mais frágeis.

2. O olhar caleidoscópico: uma tentativa de um manifesto

Um novo espectro está assombrando o mundo, o espectro do coberturas sucessivas. Não se trata apenas de informações falsas que circulam ou de propaganda política heróica e exagerada. Trata-se de criar um clima emocional que faz da verdade tudo o que está mais próximo de minhas próprias preferências. Para conseguir isso, os processos de comunicação deixaram de ser construtores de redes e comunidades há muito tempo. Agora, comunicar é treinar o outro. Blanco e Pereyra (2022) apontaram os principais problemas que existem quando as universidades da América Latina lançam no mercado graduados cuja formação não responde às exigências do mercado. Em El Salvador, um dos mais importantes mercados de trabalho para jornalistas, comunicadores e gerentes de mídia social está nas instituições governamentais. São estes jovens que estão moldando as novas políticas do olhar.

Em El Salvador é possível destacar que os processos de comunicação são construídos com a visibilidade de um caleidoscópio. Este dispositivo é feito através de um conjunto de espelhos, com pequenas contas de vidro que produzem imagens deslumbrantes graças à luz. Imagens sempre fragmentadas, sempre móveis, sempre novas. Em El Salvador e na América Central, a verdade é um caleidoscópio. A pesquisa mais recente que está sendo realizada em El Salvador mostra que o aparelho de comunicação do Bukelismo põe em prática o manual tradicional da comunicação política populista: utiliza dispositivos de desinformação coerentes e confiáveis (Carballo e Marroquín, 2022; Cristancho e Rivera, 2021; Luna, 2019), coloca constantemente falsos dilemas, que vão além do politicamente correto, e que escandalizam e dividem a sociedade e, sobretudo, utiliza constantemente as redes sociais como o grande espaço de divulgação e ampliação de sua estratégia (Navas, 2020; Kinosian, 2022). Mas a verdade que é oferecida, falsificada e cheia de filtros, é uma visão extremamente utópica e positiva.

A pesquisa mais recente realizada em El Salvador com base em escutas digitais mostra que o partido governante tem uma estrutura capaz de manipular, criar ou instalar uma narrativa digital em doze horas. A oposição e as organizações da sociedade civil o fazem em pelo menos 501 horas. A diferença na comunicação é abismal e, naturalmente, em nenhum momento existe qualquer discussão sobre uma possível lei de telecomunicações que permita um acesso mais equitativo à forma em que a visibilidade e a fala estão situadas.

Como se constrói um olhar caleidoscópico? Retorno ao que já disse. É um olhar fragmentário, deslumbrante e sempre móvel. Este olhar é instalado na América Central através de pelo menos cinco estratégias.

O primeiro, messianismo, que tem sido usado consistentemente desde o lançamento de sua marca pessoal em 2012. O Nayib Bukele que é conhecido nas redes sociais tem se chamado um David que constantemente enfrenta um poderoso Golias, ou seja, os poderes estabelecidos; não é possível entender o messianismo de Bukele sem entender o papel fundamental do discurso religioso em sua proposta política (Menjívar, Ramírez e Marroquín, 2020; Roque, 2021; Siles et al., 2023). Ao longo de seus dez anos de carreira, o agora presidente tem insistido em sucessivas ocasiões que ele foi enviado a um povo escolhido pelo qual ele sente um carinho e um compromisso particular.

Sua segunda estratégia envolve reforçar e construir um único inimigo, uma estratégia que está ancorada em uma matriz cultural de longo prazo no caso de El Salvador. Ao longo do século passado, a sociedade salvadorenha construiu sistematicamente um sujeito que se transmuta ao longo do tempo e é culpada por todos os seus males. Alguns de seus traços permanecem os mesmos: masculino, violento, pobre, escuro, jovem. Ou seja, um sujeito cuja classificação é constituída a partir da esfera econômica, mas também por sua raça e seus gestos de violência. No início do século passado, este sujeito culpado era o indígena, que também era considerado comunista e rebelde (Marroquín, 1975); mais tarde, à medida que o século avançava, este sujeito culpado tornou-se um jovem estudante, rebelde e comunista que, nos anos 70, já era um subversivo, e mais tarde um terrorista, um guerrilheiro. Com a assinatura dos acordos de paz, uma nova versão do personagem foi estabelecida: o marero, o membro da gangue, mais uma vez um terrorista e merecedor de todos os males (Martel, 2006). O marero também se tornou um temor à exportação. Toda a América Central entendeu que os medos agora são transnacionais (Marroquín, 2007). Esta alteridade, sedimentada no discurso social, tem uma contrapartida fundamental: o ayudante. O caráter que sem dúvida defende a sociedade salvadorenha: o exército salvadorenho. Desde sua chegada à presidência, Nayib Bukele conseguiu não só fortalecer o discurso condenando as quadrilhas, mas sobretudo através do hashtag #NaciónDeHéroes e uma campanha que colocou as Forças Armadas como seu novo e fundamental aliado.

Esta é a segunda estratégia de comunicação: reforçando a alteridade e exaltando o ajudante. É importante ressaltar que em 2022 esta estratégia foi além do domínio da comunicação pura para ir para as ruas. No sábado 26 de março de 2022, El Salvador encerrou o dia mais violento desde a assinatura dos acordos de paz com 62 assassinatos em um só dia. A partir desse momento, o governo decretou um regime de exceção que suspendeu várias garantias constitucionais e permitiu prisões em massa e prisões prolongadas. Mais de 60.000 salvadorenhos foram capturados. Além das condenações de agências de ajuda, defensores dos direitos humanos e alguns políticos, a percepção diária na sociedade salvadorenha e em muitos outros países é que o presidente Bukele e seus aliados fizeram a única tentativa bem sucedida de deter a onda de homicídios que manteve o país entre os mais violentos do mundo. Durante 2022, de fato, a instituição melhor avaliada pelos salvadorenhos com a aprovação do 89.9% foi a das Forças Armadas (Segura, 2022). A política de visibilidade e cegueira de Bukele não só apostou em mostrar o horror, mas, sobretudo, o heroísmo das forças armadas, num gesto de apagar sua história de constantes violações dos direitos humanos cometidas nas décadas anteriores.

Mas estas não são suas únicas estratégias. O caleidoscópio avança e muda para uma figura muito mais tradicional: o mito do amor romântico. O Presidente Bukele conseguiu encarnar o Príncipe Encantado com o qual muitas mulheres da região sonham. As redes sociais têm insistido repetidamente em mostrar este amor que foi público a partir do noivado, depois do casamento e finalmente sua realização como "pais de uma família". Esta imagem caleidoscópica, destinada ao pensamento mais conservador, mantém um bom número de aliados.

A quarta imagem do caleidoscópio tem a ver com a imagem do celebrité que o presidente e sua equipe construíram tão bem. Ele não é apenas mais um político. Sua imagem se tornou uma marca. Ele não se dirige aos cidadãos, mas aos fãs. O relacionamento com ele não precisa ser através de propostas, mas através do consumo que, como com qualquer animador, permite uma relação próxima com este personagem. Há uma série de elementos cuidadosamente colocados para a construção da marca. O N que o acompanhou na campanha para sua primeira prefeitura (em Nuevo Cuscatlán) e que mais tarde foi o N movimento (Novas Idéias) e o N de Nayib. Seu boné foi tão bem puxado para trás. Seus casacos de couro. Seus jeans. Seus selos. O templo do Twitter que democratiza a estética, permite que os discípulos-fãs levem a palavra de Bukele para outros espaços.

Finalmente, movo o caleidoscópio e destaco a última imagem do momento. A technoutopia como um regime de cegueira. O país de 60.000 pessoas capturadas, de mais de duas mil habeas corpus em menos de um ano, o país do novo regime de emergência e da suspensão das garantias constitucionais é, na realidade, um país maravilhoso. Em 7 de setembro de 2021, El Salvador se tornou o primeiro país do mundo a adotar o bitcoin como moeda legal. Além do fracasso do uso desta moeda criptográfica, o valor simbólico do gesto não deve ser subestimado. Ser o primeiro país do mundo, ser a vanguarda, brincar com a imagem do jovem milionário que sabe como ganhar dinheiro. O ganho não foi econômico, mas foi o toque final de um regime que deslumbra, que nos leva a ter os olhos do morcego. Ou seja, cegos para a luz, celebramos, com aplausos estrondosos, o enfraquecimento dos processos democráticos na região e a chegada de um regime totalitário e de suas políticas particulares de atrocidade.

El Salvador tem apenas 21.000 quilômetros quadrados. Só o estado de Chihuahua é onze vezes maior. A possibilidade de controle em um território tão pequeno e com uma cultura que é ancestralmente autoritária é muito maior. O estabelecimento de uma verdade única que é alcançada através de sucessivos encobrimentos, este espectro que assombra o continente, é apresentado como algo impossível de ser combatido. No entanto, da América Central, passamos muito tempo tentando transformar o mundo e parece, assinala Reguillo, que o que precisamos fazer é interpretá-lo, compreendê-lo. Por esta razão, este manifesto está comprometido com a metodologia como a única maneira de nos devolver o olhar.

3. Rossana Reguillo e sua metodoscopia

Não podemos nos aproximar do mundo com um caleidoscópio em nosso olhar. Como podemos entender que na América Central o horror não é apenas normal, mas celebrado e exigido? Para fazer isso, é necessário ver além do óbvio. Não se trata de um olhar achatado, plano e bidimensional. Trata-se de tornar o olhar estereoscópico. Se quisermos ser mais precisos, é uma questão de estabelecer um metodoscopiaUm caminho que desviará nosso olhar do brilho.

No trabalho de Rossana Reguillo encontramos várias contribuições fundamentais para pensar a cidade e seus territórios simbólicos (Reguillo, 1996, 2001; Reguillo, Monsiváis e Martín Barbero, 2001), os jovens (1991, 2000, 2010a, 2012) ou os novos labirintos da violência e das redes sociais (2010b, 2017, 2021), mas este ensaio encontra em suas apostas metodológicas (2002, 2017); Rodríguez, 2008; Marroquín, 2020) uma cartografia que nos permite deixar o regime da cegueira para um território habitado pela incerteza e complexidade. Trata-se de lembrar o seguinte: o olhar deslumbrado terá que parar, permanecer na vida cotidiana, exercer a reflexividade e, a partir daí, retornar ao território.

A primeira coisa que precisamos pensar, para sair do abismo, é o território e suas possibilidades. A experiência de Reguillo nos leva de volta à questão do território intervencionado, habitado pela violência, mas também por estas novas formas de construção de território baseadas em algoritmos. O lugar da política deve ser pensado em diferentes esferas: o físico, a mídia e o digital. Uma destas dimensões não pode ser renunciada.

O segundo elemento do trabalho que este pesquisador propõe é um desconforto epistemológico que é, de fato, uma extraordinária capacidade de maravilha e indignação. Como Schutz (1999) nos apontou, devemos caminhar como forasteiros e questionar que o horror estabelecido é parte do sistema. De que outra forma é possível mapear as "gramáticas do atroz" e compreender "as múltiplas gramáticas das violências".

O terceiro elemento que Reguillo mostra em seu ensaio é a necessidade muito discutida na década de 1980 de eliminar os preconceitos acadêmicos, os o mau-olhado dos intelectuais (Martín-Barbero e Rey, 1999) e revisitar as narrativas contraditórias e ambíguas que são construídas a partir de culturas populares. Estas culturas não são agora construídas a partir do rádio ou da televisão, elas passam por Twitch e Youtube. Eles inventam ruídos e contra-narrativas a partir da velocidade do TikTok e combatem seus novos movimentos sociais no Twitter. Não podemos, assinala Reguillo, esquecer a dimensão algorítmica das culturas do cotidiano. São estes elementos que nos permitem esquecer as divisões tradicionais e binárias da modernidade e enfrentar a complexidade e a incerteza dos problemas de hoje.

E a pergunta final, o que permite isso na América Central, em um território como El Salvador?

4. Conclusões ou ensaios muito breves para resistir ao abismo

O abismo da América Central é mais uma vez confrontado por seu espectro habitual. A tentação do totalitarismo ditatorial. Com Daniel Ortega, Nayib Bukele, Xiomara Castro, Rodrigo Chaves e Alejandro Giamattei, a questão que se coloca é por onde começar. Não há uma resposta única, mas a partir destas reflexões, observo três estratégias para construir uma política de resistência. Uma política de um olhar que se encarrega de viver uma vida digna. As três estratégias tomam seu nome da cultura popular de massa, a proposta é nomeada a partir de um dos produtos mais representativos da geração que atualmente se encarrega da região: são políticas que vêm de Harry Potter (1997-2007).5

A primeira estratégia vem do Ridikulus encantamento, esta proposta que o professor Lupin faz aos alunos quando eles se deparam com um Boggart, que é capaz de se transformar em nosso pior medo. O resumo deste encantamento é que, diante do medo, devemos apostar no riso. O riso tem sido uma estratégia de resistência desde a época colonial (Marroquín, 2010); sátira, zombaria e comédia se tornaram fórmulas de resistência simbólica para muitos coletivos: "o riso liberta o aldeão do medo do diabo, porque na festa dos tolos o diabo também parece pobre e tolo, e portanto controlável" (Eco, 1982: 574). As estratégias políticas de comunicação cidadã precisam considerar o riso como uma aposta fundamental. O riso que desarma e, ao mesmo tempo, constrói outra política do olhar. Em recente entrevista com um empresário da Netcenter (comunicação pessoal, 30 de janeiro de 2023), ele comentou que não há nada que elicite respostas mais orgânicas do que memes, como dispositivos de riso, mas também como possibilidades de desencadear o pensamento crítico.

A segunda estratégia é a que é proposta quando encontramos um ser sombrio que procura nos dominar, que nos quer tirar nossa força vitalOs Dementors, os guardiões da prisão no universo, criados por J.K. Rowling. Neste caso, o encantamento que é usado é o Expecto Patronus. Consiste em invocar nossa memória mais poderosa (não a mais feliz, mas a mais profunda) e de lá encontrar proteção em uma extraordinária força positiva. Assim, a anotação nos diz que, diante da escuridão do poder, da memória, da história, da lembrança é uma estratégia poderosa. Nenhuma estratégia cidadã pode funcionar sem políticas de memória individual e coletiva. Em El Salvador de Bukele, um pensador capaz de disputar a capacidade do presidente de viralizar uma mensagem é o acadêmico Héctor Lindo, um renomado historiador e professor emérito da Universidade de Fordham. Lindo começou a trabalhar em vídeos informativos de 40 minutos nos quais ele explicou sua pesquisa histórica. Gradualmente ele os reduziu às possibilidades das mídias sociais; sua experiência é que um vídeo seu sobre a história dos presidentes e do poder político nos últimos cem anos pode ser um espaço para refletir sobre o poder hoje. Lindo é capaz de explicar em 136 segundos6 a diferença entre a Constituição dos EUA e a de El Salvador em termos de reeleições presidenciais. Lindo conseguiu, involuntariamente, obter alguns de seus vídeos sobre a topo 5 das mais consumidas pelo público salvadorenho (Monitoreo Digital Insights, comunicação pessoal, 4 de janeiro de 2023) e esta realidade mostra o alcance que um trabalho como o seu pode ter.

Finalmente, uma das grandes tentações dos movimentos sociais ao enfrentar o poder é dedicar seu discurso ao confronto com o líder mais reconhecido. Na metáfora digital das redes sociais, isto não faz sentido. Falar sobre o líder é sempre divulgar o líder, mesmo que falemos contra ele ou ela. Isto é o que Harry Potter também descobriu. No momento em que os protagonistas da história do menino feiticeiro não sabiam como continuar, descobriram que a coisa a fazer não era confrontar diretamente aquele que não deve ser nomeado, mas destruir os horcruxes, aquele encantamento que permite que o personagem viva em outros objetos. A lição é aparentemente simples: não se trata de confrontar diretamente os personagens criados a partir do caleidoscópio, mas de atacar de algum outro lugar (ver figura 1). A figura 1 lembra aquela primeira revolta em abril de 2018 na Nicarágua. Jovens, muitos deles estudantes, atacaram o metal e esculturas iluminadas conhecidas como "as árvores da vida", que haviam sido amplamente divulgadas por Rosario Murillo, a vice-presidente e esposa de Daniel Ortega.

Figura 1. Tweet recuperado da primeira revolta em abril de 2018 contra o governo liderado pelo presidente nicaraguense Daniel Ortega e pela vice-presidente Rosario Murillo.

A estratégia horcruxes envolve ouvir quais são as outras questões que ressoam com a população e pular para colocar essas questões. Envolve fazer um desvio e não continuar a conversa que os poderes - que estão começando, porque sabemos que o que eles estão fazendo é domar nosso olhar e devemos procurar olhar para o que eles não querem que nós vejamos. E isto não significa que a estratégia será definitiva, rápida, fácil. Não podemos cair na armadilha do pensamento linear no tempo. Estamos descobrindo cada vez mais, juntamente com Walter Benjamin, que o progresso e o desenrolar do tempo de forma linear foi um antigo anseio de modernidade, mas que nossos tempos são cíclicos. Esses direitos que tomamos como garantidos serão desafiados e teremos que defendê-los novamente. Talvez a contribuição mais interessante que Rossana Reguillo faz para a região da América Central com seu trabalho seja nos lembrar que um verdadeiro intelectual não se trata apenas de derrubar os velhos regimes do olhar. Trata-se, como diria Edward Said, de ser desconfortável, de ser um atirador furtivo, um fanático do olhar complexo e profundo. Trata-se, para colocar com Rossana Reguillo, de impedir que a violência expressiva mostre todo o seu poder.

Bibliografia

Blanco, Cecilia y Magdalena Ruiz (2022). “A 50 años de la creación de las Carreras de Comunicación: la distancia entre la formación y el mercado”. Contratexto, núm. 37, pp. 25-49.

Bukele, Nayib [@nayibbukele] (5 de julio de 2019). Después, los mismos de siempre salen defendiendo a los “jueces”, que ellos “solo velan por la justicia”, que “solo están del lado de la constitución”. Vean lo que acaban de hacer hoy: dejar libres corruptos. No por que no eran corruptos, sino porque “había prescrito el plazo”. [Tweet]. Twitter. https://twitter.com/nayibbukele/status/1147235985756958722?lang=es Consultado el 9 de febrero de 2023.

— [Nayib Bukele] (29 de mayo de 2021). La nueva carretera de Los Chorros.[Video adjunto] [Publicación de Estado] Facebook. https://www.facebook.com/nayibbukele/videos/la-nueva-carretera-de-los-chorros/408586360110683/?locale=ps_AF Consultado el 9 de febrero de 2023.

— [@nayibbukele] (31 de enero de 2023). Centro de Confinamiento del Terrorismo. [Tweet con video adjunto] Twitter. https://twitter.com/nayibbukele/status/1620602901000519681

Calvo Martínez, Tomás (2007). Aristóteles. Metafísica, introducción, traducción y notas. Madrid: Gredos.

Carballo, William y Amparo Marroquín (2022). “La instalación de las fake-news como herramienta de hegemonía política en las audiencias salvadoreñas”. Comunicación, núm. 47, pp. 11-30.

Chamorro, Carlos Fernando (2022). “Hacer periodismo bajo dictadura”. El País. 10 de marzo de 2022.

Cristancho Cuesta, Andrea e Ivón Rivera Andrade (2021). “La personalización y la legitimación discursiva de la militarización de la seguridad pública, en el gobierno de Nayib Bukele en El Salvador”. Anuario de Estudios Centroamericanos, núm. 47, pp. 1-39.

Eco, Umberto (1982). El nombre de la rosa. Barcelona: Lúmen.

Presidencia de la República de El Salvador (2022). “El Presidente Nayib Bukele se mantiene como el mejor mandatario de Latinoamérica con un 87% de aprobación”. Gobierno de El Salvador. 5 de diciembre de 2022. Disponible en: https://www.presidencia.gob.sv/el-presidente-nayib-bukele-se-mantiene-como-el-mejor-mandatario-de-latinoamerica-con-un-87-de-aprobacion/#:~:text=El%20Presidente%20Nayib%20Bukele%20se,la%20Rep%C3%BAblica%20de%20El%20Salvador Consultado el 9 de febrero de 2023.

Instituto Universitario de Opinión Pública (2023). “Encuesta de evaluación del año 2022 [Conjunto de datos]”. Universidad Centroamericana. Disponible en https://uca.edu.sv/iudop/wp-content/uploads/PPT-Ev-Anio-2022.pdf. Consultado el 9 de febrero de 2023.

Kinosian, Sarah (2022). Trolls, Propaganda and Fear Stoke Bukele’s Media Machine in El Salvador. Reuters, 29 de noviembre de 2022. Disponible en: https://www.reuters.com/investigates/special-report/el-salvador-politics-media/

Luna, Omar (2019). “‘¡Ya está aquí!’ El monstruo de la (des)información en El Salvador asciende: retos, alcances y posibilidades de la alfabetización mediática e informacional”. Revista Abierta, núm. 13, pp. 70-103. Disponible en: https://monicaherrera.edu.sv/2021/wp-content/uploads/2021/02/prueba4_-Revista-abierta-13-2019.pdf

Marroquín, Alejandro (1975). “El problema indígena en El Salvador”, en América Indígena. México: Instituto Indigenista Iberoamericano,
pp. 747-771.

Marroquín, Amparo (2010). “¿Perder el miedo al diablo? Resistencias, intercambios y apropiaciones durante la época de la colonia”. Identidades. Revista de Ciencias Sociales y Humanidades, núm. 1, julio-diciembre de 2010. San Salvador: Secretaría de la Presidencia, pp. 77-91.

— (2007). “Indiferencias y espantos. Relatos de los jóvenes de pandillas en la prensa escrita de Centroamérica”, en German Rey (coordinador). Los relatos periodísticos del crimen. Bogotá: Centro de Competencia en Comunicación/Fundación Friedrich Ebert, pp. 55-91

— (2020). “Rossana Reguillo: La mirada nómada a las grietas del poder”, en Rodríguez y otros (eds.). Mujeres de la comunicación. Bogotá: fes Comunicación, pp. 119-129.

— Nelly Chévez y Olga Vásquez (2022). “Con N de Nayib. Apuntes mitológicos a un guion milenial de la comunicación política”, en Angie Katherine Gonzalez y otros (eds.). (No) es la comunicación… es la política. Bogotá: fes Comunicación, pp. 57-78.

Martel, Roxana (2006). “Las maras salvadoreñas: nuevas formas de espanto y de control social”. eca. Estudios Centroamericanos, vol. 61, núm. 696, pp. 957-980.

Martín Barbero, Jesús y German Rey (1999). Los ejercicios del ver. Barcelona: Gedisa.

Martínez, Óscar (2018). Una historia de violencia. Vida y muerte en Centroamérica. México: Debate.

Menjívar, Julissa, Sofía Ramírez y Amparo Marroquín (2020). “El presidente, el ungido. Nayib Bukele o la instalación de una fac(k)e-cracia creyente”, en Omar Rincón y Matías Ponce (coords.). Fakecracia: memes y dioses en América Latina. Buenos Aires: Biblos, pp. 53-72.

Ministerio de Seguridad [SeguridadSV] (15 de septiembre de 2019). Orgullosos de servir a la patria, firmes en el compromiso de brindar seguridad a nuestro #ElSalvador #NacionDeHeroes [Tweet] Twitter. https://twitter.com/SeguridadSV/status/1173379545757560832

Navas, A. (2020). “Nayib Bukele, ¿el presidente más cool en Twitter o el nuevo populista millenial?”. gigapp Estudios Working Papers, 7(166-182), 529-552. Recuperado a partir de https://www.gigapp.org/ewp/index.php/GIGAPP-EWP/article/view/208

QuieroElSalvador.com [Quieroelslv] (4 de febrero del 2023). “#Bitcoin sigue al alza gracias al apoyo del presidente Bukele. ¿Es hora de invertir en criptomonedas?” El líder salvadoreño. [Tweet con imagen adjunta] Twitter. https://twitter.com/QuieroELSLV/status/1622039609499701248

Pradilla, Alberto (2019). Caravana. Cómo el éxodo centroamericano salió de la clandestinidad. México: Debate.

Reguillo, Rossana (1991). En la calle otra vez. Las bandas juveniles. Identidad urbana y usos de la comunicación. Guadalajara: iteso.

— (1996). La construcción simbólica de la ciudad. Sociedad, desastre, comunicación. Guadalajara: Universidad Iberoamericana/iteso.

— (2000). Emergencia de culturas juveniles. Estrategias del desencanto. Bogotá: Norma.

— (2001). Lotería Urbana: un juego para pensar la ciudad. Guadalajara: iteso.

— (2002). “De la pasión metodológica o de la (paradójica) posibilidad de la investigación”, en Rebeca Mejía y Sergio Sandoval (coords.) Tras las vetas de la investigación cualitativa. Perspectivas y acercamientos desde la práctica. Guadalajara: iteso, pp. 17-38.

— (coord.) (2010a). Los jóvenes en México. México: Fondo de Cultura Económica.

— (ed.) (2010b). #Narcomachine. Vol. 8. En: E-misférica. Hemispheric Institute of Performance & Politics New York University.

— (2012). Culturas juveniles. Formas políticas del desencanto. Buenos Aires: Siglo xxi.

— (2017). Paisajes insurrectos: jóvenes, redes y revueltas en el otoño civilizatorio. Barcelona: Ned.

— (2021). Necromáquina, cuando morir no es suficiente. Barcelona: Ned.

— (2023). “Ensayos sobre el abismo: políticas de la mirada, violencia, tecnopolítica”. Encartes, vol. 6, núm. 11. https://doi.org/10.29340/en.v6n11.317

— Carlos Monsiváis y Jesús Martín Barbero (eds.) (2001). El laberinto, el conjuro y la ventana. Itinerarios para mirar la ciudad. Guadalajara: iteso.

Rodríguez-Milhomens, Graciela (2008). “La metodología de los ThunderCats. Entrevista a Rossana Reguillo”. Dixit, núm. 6, pp. 12-17. https://doi.org/10.22235/d.v0i6.233

Roque Baldovinos, Ricardo (2021). “Nayib Bukele: populismo e implosión democrática en El Salvador”. Andamios, vol. 18, núm. 46, 2021, mayo-agosto, pp. 233-255.

Sacks, Oliver (2011). Los ojos de la mente. Barcelona: Anagrama

Schutz, Alfred (1999). “El forastero”, en Estudios sobre teoría social. Buenos Aires: Amorrortu, pp. 95-107.

Secretaría de Prensa El Salvador [Secretaría de Prensa El Salvador] (22 de agosto de 2022). Presidente Nayib Bukele inauguró las obras de construcción de Surf City circuito dos. [Video]. YouTube. https://www.youtube.com/watch?v=_AimiE4CVCQ

Segura, Edwin (2022). “Instituciones de seguridad son las mejor calificadas de El Salvador”. La Prensa Gráfica, 12 de diciembre de 2022. Disponible en: https://www.laprensagrafica.com/lpgdatos/LPG-Datos —
Instituciones-de-seguridad-son-las-mejor-calificadas-en-El-Salvador-20221212-0117.html

Siles, Ignacio, Erica Guevara, Larissa Tristán-Jiménez y Carolina Carazo (2023). “Populism, Religion, and Social Media in Central America”. The International Journal of Press/Politics, 28(1), pp. 138-159. https://doi.org/10.1177/19401612211032884


Amparo Marroquín é docente no Departamento de Comunicação e Cultura da Universidade Centro-Americana José Simeón Cañas (uca) desde 1997. Ela se especializou em estudos culturais (narrativas de memória, migração e violência em El Salvador) e em estudos de comunicação da América Latina (narrativas de comunicação política e alfabetização midiática). Ela tem sido professora visitante em várias universidades da região. Atualmente ela é reitor da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da uca.

Assinatura
Notificar
guest

0 Comentários
Feedbacks do Inline
Ver todos os comentários

Instituições

ISSN: 2594-2999.

encartesantropologicos@ciesas.edu.mx

Salvo indicação expressa em contrário, todo o conteúdo deste site está sujeito a um Creative Commons Atribuição- Licença Internacional Creative Commons 4.0.

Download disposições legais completo

EncartesVol. 7, No. 13, março de 2024-setembro de 2024, é uma revista acadêmica digital de acesso aberto publicada duas vezes por ano pelo Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Calle Juárez, No. 87, Col. Tlalpan, C. P. 14000, Cidade do México, P.O. Box 22-048, Tel. 54 87 35 70, Fax 56 55 55 76, El Colegio de la Frontera Norte Norte, A. C.., Carretera Escénica Tijuana-Ensenada km 18,5, San Antonio del Mar, núm. 22560, Tijuana, Baja California, México, Tel. +52 (664) 631 6344, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente, A.C., Periférico Sur Manuel Gómez Morin, núm. 8585, Tlaquepaque, Jalisco, tel. (33) 3669 3434, e El Colegio de San Luís, A. C., Parque de Macul, núm. 155, Fracc. Colinas del Parque, San Luis Potosi, México, tel. (444) 811 01 01. Contato: encartesantropologicos@ciesas.edu.mx. Diretora da revista: Ángela Renée de la Torre Castellanos. Hospedada em https://encartes.mx. Responsável pela última atualização desta edição: Arthur Temporal Ventura. Data da última atualização: 25 de março de 2024.
pt_BRPT