Beach Law: minha experiência como antropóloga na produção de documentários

Recepção: 1 de fevereiro de 2018

Aceitação: 26 de fevereiro de 2018

Sumário

A entrevistada descreve seu trabalho como socióloga e antropóloga na produção de documentários e reflete sobre ele, especificamente por meio da experiência de colaboração no documentário Beach Law.

Palavras-chave: , , , ,

Direito de praiaMy Experience As an Anthropologist in Documentary-film Production (Minha experiência como antropóloga na produção de filmes documentários).

A entrevista descreve e reflete sobre o trabalho de Alfaro Barbosa como sociólogo e antropólogo na produção de documentários, especificamente por meio da experiência de colaboração no documentário intitulado Direitos de praia.

Palavras-chave: Pesquisa social, documentário, filme, produção, colaboração.

Cristina Alfaro faz parte da família de ciesas Ocidente. Atualmente, ela está cursando o doutorado em Ciências Sociais nessa unidade, mas já cursou aqui o mestrado em Antropologia Social e, mesmo antes disso, quando ainda era estudante de Sociologia na Universidade de Guadalajara, começou a fazer parte de equipes que pesquisavam a presença de indígenas nessa cidade. Desde 2004, ela trabalha com questões relacionadas à migração indígena em diferentes contextos, mas em seu doutorado decidiu mudar, e o tema de sua tese são as mulheres que buscam alternativas na assistência ao parto. Ao mesmo tempo em que se tornou uma pesquisadora estabelecida, Cristina desenvolveu uma carreira na produção de documentários, como Direitos de praiaque estreou em 2016 e, no Festival de Cinema de Guadalajara daquele ano, a Academia Jalisciense de Cinematografia lhe concedeu o prêmio de melhor longa-metragem de Jalisco. Com base nisso, conversamos com Cristina sobre sua experiência na relação entre os dois espaços de produção de conhecimento.

Santiago Bastos: Boa tarde, Cristina. Desde que a conheci no mestrado, você está envolvida no mundo dos documentários, e eu sempre me interessei por essa carreira paralela, que já vem acontecendo há algum tempo. Como você entrou nesse espaço e como foi sua primeira experiência?

Cristina Alfaro: Minha incursão no trabalho audiovisual aconteceu de maneira um tanto inesperada, quando alguns cineastas se interessaram em usar minha tese de graduação, que era sobre mulheres indígenas trabalhando como domésticas aqui em Guadalajara, como base para um documentário que acabou se chamando Aquí sobre la tierra (Aqui na Terra) e foi lançado em 2011.

Eu não tinha ideia do que isso implicaria, pois não tinha nenhuma familiaridade com assuntos como narrativa cinematográfica e a estrutura de um roteiro. Essa primeira abordagem foi certamente acidentada. Por um lado, o documentário nos permite mostrar em imagens o que nas ciências sociais explicamos por meio de palavras; mas eles têm ritmos e formas diferentes, os tempos da produção audiovisual são diferentes dos da pesquisa e, sem abertura para o diálogo, essas atividades se tornam conflitantes. Também tivemos tensões, porque o diretor preferia a imagem em si, enquanto eu estava mais preocupado com as pessoas.

Aprendi que o diálogo interdisciplinar é importante. A pesquisa antropológica dá prioridade às informações coletadas em campo, por meio de conversas e observações. A produção audiovisual registra imagens e sons da realidade por meio da câmera. Se essas tarefas não forem mutuamente exclusivas e se a produção de um documentário for precedida e acompanhada por um processo reflexivo de pesquisa e análise, o resultado será, sem dúvida, enriquecedor.

S.B. O trabalho mais recente do qual você participou é o documentário Derecho de Playa, que foi apresentado em festivais como o daqui de Guadalajara ou o de Trieste, na Itália, mas sei que também foi apresentado em círculos acadêmicos, como no Congresso de Estudos Mesoamericanos na Guatemala.

C.A. Não, Derecho de playa se passa de fato no litoral sul de Jalisco, mas não tem nada a ver com os vendedores ambulantes com os quais trabalhei na tese. Trata-se do modo de vida dos pescadores de diferentes cooperativas daquela área que estão enfrentando vários conflitos, inclusive a dificuldade de acesso ao mar devido ao constante fechamento das praias para privatização.

Nosso interesse em fazer esse documentário surgiu em meados de 2012, enquanto acompanhávamos o trabalho da jornalista Analy Nuño, que estava cobrindo a questão da privatização dessas praias. Ela estava indo conhecer a situação da população de Tenacatita, que havia sido despejada das casas, hotéis e restaurantes da praia em agosto de 2010. Conversando com eles, percebemos que havia uma história a ser contada em um documentário: a privatização das praias estava assolando toda a região; Tenacatita era apenas uma das muitas histórias de desapropriação vividas pela população do litoral.

S.B. Então, como foi o processo, como vocês levantaram os fundos?

C.A. Nessa primeira abordagem, conhecemos Don Rodolfo, um pescador que adorava seu trabalho, mas que, por motivos físicos, teve de abandonar a profissão que tanto amava. Pensamos em buscar financiamento para contar sua história por meio de um curta-metragem e, assim, ter a oportunidade de voltar à região para continuar aprendendo mais sobre o assunto e poder considerar a produção de um longa-metragem mais tarde.

Assim, em 2013, recebemos um subsídio da hortelã Conselho Estadual de Cultura e Artes de Jalisco - para a produção do curta-metragem Ancoradoque é um retrato de Don Rodolfo. Isso nos permitiu voltar à área e mergulhar na realidade das cooperativas de pescadores para gerar a proposta que deu origem ao Derecho de playa, que mais tarde foi financiado por foprocina-imcina.

S.B. Qual foi o seu trabalho como parte das equipes de produção das quais participou? Quais foram suas tarefas em Anclado e Derecho de Playa?

C.A. Em geral, dentro da equipe, minhas tarefas foram principalmente a pesquisa, o relacionamento com os personagens e também a análise contínua da realidade; mas, ao longo do processo, também colaborei com as tarefas de produção.

A produção de filmes documentários difere do mero registro audiovisual usado na antropologia porque a linguagem cinematográfica é usada para construir uma narrativa. Isso envolve a combinação de elementos técnicos especializados em todos os três estágios: pré-produção, produção e pós-produção.

Na pré-produção, tive uma tarefa dupla, pesquisa e planejamento, trabalho que realizei com Jorge Díaz Sánchez, que é cineasta e diretor do documentário. A primeira etapa é estabelecer a situação a ser analisada, e é necessário conhecer o contexto específico no qual a abordagem inicial é desenvolvida. Para isso, realizamos uma revisão bibliográfica e de jornais e também conversamos com pescadores e personalidades importantes. Buscamos entender diferentes aspectos da região, de Barra de Navidad a Punta Pérula, onde as histórias de desapropriação e lutas pelo poder enquadram a vida diária de seus habitantes e reconfiguram suas atividades sociais e econômicas.

Em termos de planejamento, nessa etapa foram estabelecidos os elementos para a produção: a escolha de uma equipe - a equipe de produção -, a escolha do equipamento e do material especializado para as necessidades do tema, bem como o cronograma e o orçamento.

A crista ao amanhecer.

S.B. E durante a fase de produção, qual era sua responsabilidade?

C.A. Lá, minhas responsabilidades estavam relacionadas ao meu treinamento antropológico: observar e ouvir eram minhas principais atividades. Mas, diferentemente do trabalho de campo antropológico, que geralmente é uma tarefa individual, a produção de documentários envolve a colaboração entre um grupo de especialistas de campo e o uso de equipamentos técnicos especializados: câmera, lentes, microfones etc. Para o Derecho de Playa, a equipe de produção era composta por quatro pessoas: diretor, fotógrafo, gravador de som e eu, o pesquisador.

S.B. Você era a única mulher na equipe, como isso a afetou?

C.A. A pesca é uma atividade predominantemente masculina e os pescadores se sentiram muito mais à vontade para interagir com meus colegas. Não procurei interferir nessa situação; o conforto dos personagens é crucial para a câmera, assim como é para os informantes em qualquer investigação. Não estou dizendo que me afastei de toda interação com os pescadores, pelo contrário, meu relacionamento com eles era em um nível mais pessoal do que relacionado ao seu comércio; eles se preocupavam com meu bem-estar e várias vezes me questionaram sobre como eu me sentia viajando com três homens.

A presença das mulheres na atividade pesqueira é praticamente inexistente; sua participação é na preparação de produtos de peixe, em casa ou em restaurantes. Tentei abordá-las nesses contextos, mas os resultados não foram frutíferos; como elas se sentiam alijadas da atividade pesqueira, não consideraram importante sua participação no documentário e, como o argumento do documentário era centrado na pesca, não se buscou sua incorporação. Se eu estivesse fazendo o trabalho de campo antropológico sozinho, teria tido tempo e teria encontrado uma maneira de romper com essa distância; o fato de haver mais membros na equipe me permitiu reverter a situação.

Apesar dessa distância de gênero estabelecida pelos pescadores, o exercício do diálogo constante com o diretor nos permitiu manter o fio analítico no processo de produção, tanto para a escolha dos personagens e situações a serem acompanhados quanto para a geração de eixos temáticos para as entrevistas.

S.B. O documentário trata de vários casos, quais são eles? Como era o relacionamento com os protagonistas?

C.A. O tema central do documentário é a pesca em Costa Alegre, na costa sul de Jalisco; trabalhamos com várias cooperativas: Barra de Navidad, Careyitos, Chamela e Punta Pérula. A situação do acesso à praia e das moradias dos pescadores em cada contexto mudou a forma como nos relacionamos com eles. Em algumas cooperativas, nosso trabalho se restringiu aos limites da pesca, especialmente onde a entrada para o mar é desconectada das casas dos pescadores. Em uma das comunidades menores, no entanto, tivemos a oportunidade de passar algum tempo com as famílias, esposas e filhos dos pescadores, que nos convidaram para comer e até mesmo passar a noite em suas casas. Isso nos permitiu criar um vínculo pessoal que se mantém até hoje.

S.B. Atualmente, na pesquisa social, há muita atenção às questões de ética e à participação dos sujeitos no processo. Como isso se aplica no caso do documentário?

C.A. Assim como na pesquisa antropológica, a produção de documentários exige um questionamento constante das implicações éticas de nossa atividade em relação aos personagens, ao registro de sua imagem e às decisões tomadas em relação ao enredo a ser desenvolvido.

Durante a produção de Derecho de playa, isso esteve sempre presente. Durante o processo de produção, tentamos ser o menos intrusivos possível, respeitando sua privacidade, seus tempos e espaços. Um exemplo disso é a decisão de usar exclusivamente a luz natural durante as filmagens, deixando em segundo plano o valor técnico da fotografia que é obtido com o uso de luz artificial controlada; o uso de luz artificial teria implicado uma maior intrusão na vida cotidiana deles.

S.B. O que me chama a atenção é o fato de que no documentário não é muito visível que os pescadores eram pessoas que lutavam por seu território; isso aparece no fio narrativo, mas não vemos imagens de luta.

C.A. De fato, isso nos foi mencionado em várias apresentações, e foi realmente uma decisão deliberada. Concordo com Victoria Novelo que é importante buscar e trabalhar com as emoções tanto quanto com as informações que o trabalho audiovisual deseja transmitir; mas também considero igualmente importante não ignorar os interesses pessoais, políticos e sociais dos envolvidos.

Quando começamos a coletar as histórias de desapropriação nas praias da costa sul de Jalisco, encontramos pescadores que não estavam dispostos a contar suas histórias para a câmera; eles achavam que gravá-las era um risco, pois suas vidas e seu trabalho estavam ameaçados. Eles tinham motivos para isso: Aureliano Sánchez Ruiz, representante de uma das cooperativas que lutam contra o fechamento de praias e a desapropriação de terras na região, acabara de ser assassinado; e, no final do ano passado, Salvador Magaña, um ativista social da costa, foi morto.

Assim, essas histórias foram contadas em detalhes quando a câmera não estava presente, o registro audiovisual modificou seus discursos e atitudes. Diante da recusa em contar essa parte de sua realidade, os pescadores propuseram mostrar seu ofício e, embora isso modificasse o argumento original, decidimos respeitar sua decisão. Isso gerou expectativas nos pescadores, que ficaram entusiasmados imaginando e comentando como seu ofício e trabalho diário poderiam ser mostrados da melhor maneira possível. Dessa forma, conseguimos uma reflexão participativa e dialógica sobre os interesses deles e os nossos em querer fazer o filme. Em todos os momentos, eles receberam autoridade como especialistas no assunto, somente eles podiam falar sobre isso e mostrar sua realidade.

S.B. Então, em um determinado momento, eles passaram a fazer parte da equipe. ......

Digamos que houvesse um diálogo contínuo. Um exemplo disso são as imagens marítimas registradas por Neftalí, um mergulhador com habilidades fotográficas inatas, que foi encarregado de registrar as habilidades de pesca submarina de seu irmão com uma pequena câmera subaquática. A experiência de colaborar com Neftalí foi surpreendente, pois eles narraram em diferentes momentos como trabalhavam embaixo d'água e sua paixão pela beleza do fundo do mar. Sem dúvida, o registro dessas imagens não teria sido possível sem a participação deles e mostra a importância do trabalho colaborativo com as pessoas envolvidas na realidade que se deseja ensinar.

Preparando o Nefta para sua incursão no mar.

S.B. Visto agora, depois de quase dez anos combinando pesquisa antropológica com a produção de documentários, como você avalia a relação entre os dois; o que aprendeu?

C.A. Minha experiência com a produção de documentários tem sido uma jornada de aprendizado pessoal e profissional. Os antropólogos conhecem e analisam uma realidade que é expressa por meio de palavras. O filme documentário faz isso por meio de uma sequência de imagens - e testemunhos, se necessário - em congruência com um enredo. Essa jornada tem sido um exercício colaborativo baseado no diálogo interdisciplinar contínuo, em busca de ir além do registro. Ao incluir a linguagem cinematográfica nessa análise da realidade, a essência da mesma é necessariamente incorporada: construir uma jornada cinematográfica que provoque emoções no espectador. Em outras palavras, o objetivo não é apenas informar e apresentar informações relacionadas a uma realidade, mas também deixar uma marca emocional duradoura por meio de um sólido argumento visual e discursivo.

Em meu trabalho como sociólogo e antropólogo, aprendi a observar e ouvir por meio da contemplação e do diálogo, dando a cada situação e interação o tempo necessário para analisá-la e escrever sobre ela; é um trabalho contínuo de compreensão da realidade, entre os sentidos e a teoria. Minha incursão na produção audiovisual me permitiu acessar outras formas de registrar e abordar uma realidade e seus atores.

O diálogo entre a pesquisa e a produção audiovisual não é simples, mas é extremamente útil e enriquecedor. Os meios audiovisuais são ideais para levar o trabalho de ciências sociais para além dos círculos acadêmicos e científicos especializados e, assim, levar os resultados da pesquisa a um público mais amplo. Esse exercício colaborativo permitiu que o documentário fosse exibido em festivais de cinema e em círculos acadêmicos, gerando assim um diálogo entre a produção audiovisual e as ciências sociais.

S.B. Quais são os seus planos para quando terminar o doutorado e você acha que poderá continuar a combinar as duas coisas?

Bem, isso seria o ideal. Está muito claro para mim que as opções de trabalho no mundo acadêmico são escassas, por isso precisamos gerar outros espaços de trabalho e reflexão, para sermos um pouco autogerenciáveis. A Antropo Film House é a produtora que criamos graças a esse trabalho colaborativo com Jorge Díaz Sánchez, para gerar projetos de diálogo interdisciplinar entre cinema e pesquisa. No momento, estamos trabalhando em dois longas-metragens, um que está em pré-produção com os garotos do basquete Triqui e outro em início de produção, em colaboração com pesquisadores de ecosur. Aqui vamos nós.

Especificações técnicas

Diretor: Jorge Díaz Sánchez

Roteiro: Jorge Díaz Sánchez, Cristina Alfaro

Produção: Jorge Díaz Sánchez, Cristina Alfaro

Fotografia: Sergio Martínez

Áudio direto: José Manuel Herrera

Edição: Raúl López Echeverría

Música: Kenji Kishi

Design de som: Odin Acosta

Duração: 75 min. México 2016

Produtor: Kinesis Film House, AntropoFilms, imcina, foprocina

Assinatura
Notificar
guest

1 Comentário
Pasados
Recentes
Feedbacks do Inline
Ver todos os comentários
maribel reynosa
maribel reynosa
4 años antes

Obrigado, obrigado por nos permitir ver a realidade através de você. Muitos parabéns por sua coragem e esforço para que o mundo conheça a realidade em que vivemos. Todas as pessoas em todos os seus filmes, mas especialmente as de Direitos de praia e Ancorado são pessoas com muita coragem. Assim como toda a sua equipe, Jorge. Eu gostaria muito que milhares de pessoas tivessem a oportunidade de ver seus filmes e suas entrevistas. Todos os seus projetos são lindos porque têm muito coração. Parabéns!

Instituições

ISSN: 2594-2999.

encartesantropologicos@ciesas.edu.mx

Salvo indicação expressa em contrário, todo o conteúdo deste site está sujeito a um Creative Commons Atribuição- Licença Internacional Creative Commons 4.0.

Download disposições legais completo

EncartesVol. 7, No. 13, março de 2024-setembro de 2024, é uma revista acadêmica digital de acesso aberto publicada duas vezes por ano pelo Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, Calle Juárez, No. 87, Col. Tlalpan, C. P. 14000, Cidade do México, P.O. Box 22-048, Tel. 54 87 35 70, Fax 56 55 55 76, El Colegio de la Frontera Norte Norte, A. C.., Carretera Escénica Tijuana-Ensenada km 18,5, San Antonio del Mar, núm. 22560, Tijuana, Baja California, México, Tel. +52 (664) 631 6344, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente, A.C., Periférico Sur Manuel Gómez Morin, núm. 8585, Tlaquepaque, Jalisco, tel. (33) 3669 3434, e El Colegio de San Luís, A. C., Parque de Macul, núm. 155, Fracc. Colinas del Parque, San Luis Potosi, México, tel. (444) 811 01 01. Contato: encartesantropologicos@ciesas.edu.mx. Diretora da revista: Ángela Renée de la Torre Castellanos. Hospedada em https://encartes.mx. Responsável pela última atualização desta edição: Arthur Temporal Ventura. Data da última atualização: 25 de março de 2024.
pt_BRPT